Cotas

1. Haverá cotas para negros somente em alguns cursos da Unicamp?

R: Não. a reserva de vagas para autodeclarados pretos e pardos é em todos os cursos e turnos da Unicamp, de no mínimo 25%.

2. As cotas são para autodeclarados pretos, mas não para pardos?

R: As cotas étnico-raciais valem para autodeclarados pretos e pardos.

3. Como será a comprovação?

R: Para ter direito à ação afirmativa por critério étnico-racial, os estudantes selecionados que concorreram às vagas reservadas aos autodeclarados pretos ou pardos deverão possuir traços fenotípicos que os caracterizem como negro, de cor preta ou parda. Os candidatos deverão fazer uma autodeclaração a ser assinada e entregue no ato da matrícula, conforme modelo indicado no Edital do vestibular, e serão submetidos durante a matrícula, à Banca de Averiguação que validará a autodeclaração. Leia mais sobre a Comissão de Averiguação e as bancas.  Voltar ao topo

4. Sou negro(a). Participarei das cotas automaticamente?

R: Não. Você deverá indicar que deseja participar das cotas, no momento da inscrição.  Voltar ao topo

5. Sou negro(a). Tenho pontos a mais na nota do Vestibular?

R: Não. A ação afirmativa para negros (pretos e pardos) serão as cotas. Mas se você cursou escola pública, pode ter direito, também, aos pontos do PAAIS.  Voltar ao topo

6. Sou de escola particular e negro(a). Posso participar das cotas?

R: Sim, haverá reserva de vagas para estudantes autodeclarados pretos ou pardos, tanto no vestibular quanto por meio da seleção via Enem. No caso da seleção via Enem, há percentuais específicos para autodeclarados pretos ou pardos que dependem do tipo de escola cursada no ensino médio. Obs: para o Ingresso 2021, não será oferecida a modalidade Enem-Unicamp, mas os percentuais de cotas serão transferidos para as vagas do vestibular.  Voltar ao topo

7. Qual o objetivo de uma Banca de Averiguação?

R: O objetivo da Banca é garantir que as vagas reservadas no Vestibular da Unicamp e Enem-Unicamp sejam acessadas somente por candidatas e candidatos que efetivamente sejam os sujeitos de direito da política. Sua realização está  em consonância com a Lei 12.711/2012, que institui a reserva de vagas nas instituições federais de ensino, e com as deliberações do Conselho Universitário da Unicamp: CONSU-A-032/2017; CONSU-A-004/2019; CONSU-A-005/2019, que visam combater o racismo estrutural, em especial no que tange ao acesso à educação e à participação da população negra na produção de conhecimentos e nos diferentes campos de atuação profissional. Desse modo, a Banca complementa e valida a autodeclaração da/do candidata/candidato, impedido injustiças no acesso às vagas reservadas. A Banca de Averiguação foi instituída pela resolução GR-046/2019.  Voltar ao topo

8. Quem participa da Banca de Averiguação?

R: As Bancas são formadas por cinco membros, com representantes da comunidade acadêmica (professores, técnicos administrativos e estudantes de pós-graduação e graduação), do movimento negro e da sociedade civil. Em sua composição é assegurada a representatividade de gênero e étnico-racial. Também estará presente a/o responsável pela filmagem e gravação de áudio da averiguação de todas as candidatas e candidatos. Os integrantes da Banca de Averiguação foram nomeados pela  Portaria GR-5, de 20 de janeiro de 2020, publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo.  Voltar ao topo

9. A gravação da banca é obrigatória?

R: Sim. A gravação é regulamentada pela Resolução GR-046/2019. Todo material captado é sigiloso e estará em posse da Comvest. As gravações podem, inclusive, ser utilizadas em casos de recurso, servindo de material de análise do recurso interposto. Em conformidade com as orientações da mesma normativa, o candidato que não aceitar a filmagem e gravação será eliminado e terá seu forma de ingresso anulada.  Voltar ao topo

10. O que as Bancas de Averiguação avaliam?

R: Aos membros da Banca interessa observar se a/o candidata/candidata é socialmente reconhecido como negra/o, independe de seu genótipo, ou seja, independente de haver outros membros negros na família, como avós, pais, irmãos. Além disso, a avaliação leva em consideração a existência de uma ampla e profunda discussão sobre a formação da identidade étnico-racial brasileira e analisa o fenótipo da/o candidata/candidato, considerando o Racismo de Marca ou seja, a cor da pele, traços de cabelo e rosto que sejam característicos da população negra. É importante destacar que a candidata ou candidato deve ser reconhecido pela sociedade ampla como negra/o. Nenhum dado pessoal como história de vida e subjetividades é levado em consideração durante a averiguação. Assista ao vídeo preparado pela Comissão de Averiguação:

 Voltar ao topo

11. Quais condições implicam em desqualificação da autodeclaração de PP?

R: A desclassificação ocorre somente no caso de avaliação dos membros da Banca quanto ao não reconhecimento da/o candidata/candidato como negra/o segundo seu fenótipo.  Voltar ao topo

12. Quando as candidatas e os candidatos receberão os resultados da avaliação da Banca de Averiguação?

A Deliberação pela Banca de Averiguação ocorrerá imediatamente após o término da entrevista. Os resultados dos procedimentos de heteroidentificação complementar à autodeclaração dos candidatos negros (pretos e pardos) serão divulgados por meio do Termo de Averiguação assinado pelo presidente da Banca de Averiguação, com chancela da Universidade, em duas cópias, sendo uma delas entregue ao candidato logo após a deliberação pela Banca de Averiguação.  Voltar ao topo

13. Caso a/o candidata/candidato não aceite o resultado da sua aferição de cotas, qual procedimentos ela/ele poderá tomar?

R: É assegurado o direito ao recurso, garantido o direito constitucional de contraditoriedade e de defesa. As solicitações deverão ser apresentadas em no máximo três dias após a entrega do Termo de Averiguação. As orientações para solicitação do recurso estão disponíveis na Resolução GR-046/2019. Os pedidos serão analisados por uma nova Banca de Averiguação.

Acesse: Formulário para Recurso e Instruções para Recurso  Voltar ao topo