03/02/2009 / Em: Clipping

 


Três públicas paulistas divulgarão resultados  (EPTV – Virando Bixo – 02/02/09)

UFSCar, USP e Unicamp convocarão os aprovados em primeira chamada entre estas terça (3) e quinta (5)

Três universidades públicas – duas estaduais e uma federal – situadas no Estado de São Paulo divulgarão as listas de aprovados em seus vestibulares 2009 nesta semana. Entre estas terça (3) e quinta (5), UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), USP (Universidade de São Paulo) e Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) convocarão os aprovados em primeira chamada. O Virando Bixo trará todas as listas, assim como as informações necessárias para a matrícula dos aprovados. A lista da UFSCar sai nesta terça (3). Neste vestibular, a universidade oferece 2.577 vagas em 57 cursos de graduação nos campi de São Carlos, Araras e Sorocaba. As provas foram aplicadas entre 10 e 12 de dezembro. No dia 10 de fevereiro, das 9h às 11h30 e das 14h30 às 17h, será realizada a matrícula para os candidatos aprovados. Entre 10 e 12 de fevereiro, os candidatos cujos nomes constem da lista de espera devem manifestar interesse por vagas.

Fuvest

A Fuvest, que neste vestibular oferece 10.302 vagas, sendo 10.202 na USP e 100 para a Medicina da Santa Casa de São Paulo, divulga a relação de aprovados em primeira chamada na quarta-feira (4). As provas da segunda fase aconteceram entre 6 e 10 de janeiro. A matrícula dos aprovados deverá ser efetuada nos dias 9 e 10 de fevereiro.

Unicamp

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) divulga nesta quinta (5) os nomes dos 3.434 aprovados em primeira chamada no Vestibular 2009. Todos os convocados devem fazer matrícula no dia 10 de fevereiro, das 9h às 12h. Os ingressantes no curso de Odontologia se matricularão no campus de Piracicaba. Em Limeira, deverão se matricular os aprovados no Ceset (cursos superiores de Tecnologia) e na Faculdade de Ciências Aplicadas (cursos de Ciências do Esporte, Engenharia de Manufatura, Engenharia de Produção, Gestão de Comércio Internacional, Gestão de Empresas, Gestão de Políticas Públicas, Gestão do Agronegócio e Nutrição). Em Campinas, nas respectivas unidades, acontecerá a matrícula para os demais cursos. Os ingressantes nos cursos da Famerp (Faculdade de medicina de São José do Rio Preto) poderão optar pela matrícula em Campinas ou em São José do Rio Preto.



Vestibular – Aprovação em mais de uma faculdade divide vestibulandos   (Correio Popular – Cidades – 03/02/09)

Prós e contras precisam ser avaliados muito bem antes da tomada de decisão

Na semana em que serão divulgadas as listas dos dois maiores vestibulares do País — da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade de São Paulo (USP) —, muitos candidatos, ainda apreensivos com a espera dos resultados, terão que enfrentar mais um desafio. É que muitos deles terão que decidir, caso sejam aprovados, qual universidade, ou, às vezes, curso, irão fazer. É o caso da estudante Cecília Michelone, de 19 anos, que prestou enfermagem em três faculdades diferentes. Na Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), os resultados já foram divulgados e ela entrou “com louvor”. Agora, Cecília torce para a lista de espera da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) chegar até a 20 posição e pela divulgação da lista dos aprovados na Universidade de São Paulo (USP), que sai amanhã. “Essa parte de esperar até que todos os resultados sejam divulgados é uma ansiedade só. Depois, ainda vai ter a parte de escolher para onde ir, que também é complicada.” Para conseguir decidir melhor sobre seus próximos passos, Cecília pode contar bastante com o apoio da mãe, que é enfermeira. “Ela me ajuda, pois já trabalha na área faz tempo e disse, que apesar da PUC ser muito boa, um diploma de uma universidade pública conta bastante na nossa profissão”, disse. Com relação às outras duas universidades, que são públicas e prioridades, ela afirmou que, se entrar nas duas, irá optar pela Unifesp. “Com certeza, irei escolher a Unifesp, que é muito conceituada no meu curso e a faculdade é em São Paulo. Já no caso da USP, que também é muito boa, o campus fica em Ribeirão Preto, bem mais longe. O melhor jeito de escolher o que fazer é esse mesmo, ver as vantagens e desvantagens de cada uma.” Mas, caso não entre em nenhuma das duas públicas, ela não pretende encarar mais um ano de cursinho. “Com certeza, nesse caso vou optar pela PUC, que também é uma excelente universidade. Pois, se fosse ver a questão do dinheiro que eu iria gastar, pagar um curso na minha cidade é quase o mesmo custo de morar fora daqui sem pagar os estudos”, concluiu. O estudante Bruno Fontoura, de 19 anos, também está passando por uma situação semelhante. Mas, no caso dele, as escolhas parecem ser bem mais fáceis. É que ele prestou engenharia da computação na PUC-Campinas, foi aprovado e já fez a matrícula. Na USP, até sair a lista para a segunda fase, ele ainda estava apreensivo. Mas, quando viu que não tinha passado para a próxima etapa do processo seletivo, ficou apenas com a opção da particular e com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde está na lista de espera. “As minhas chances no Sul são pequenas, mas estou aguardando.” Apesar da possibilidade Bruno disse que seus pais torcem para que ele faça PUC e não precise mudar de Estado. “Não é nada contra a federal, pelo contrário. O curso é muito bom lá, mas é que mudar para um lugar tão longe, onde vou poder voltar para casa pouquíssimas vezes, pesa um pouco na minha decisão, com certeza”, afirmou.

Equilíbrio

Segundo a psicóloga especialista em orientação profissional Aldvan Figueiredo, a escolha da profissão a ser seguida deve ser completamente do estudante, um interesse e uma identificação da pessoa. “Muitos pais e parentes incentivam, dizendo que nasceu para fazer uma determinada coisa que não é a escolha do estudante. Isso não deve ser levado em consideração, assim como a profissão dos pais, por futuramente ter um acesso facilitado no mercado. A escolha tem que ser individual”. Já o local onde vai estudar necessita, sim, de uma conversa levando em consideração a opinião de toda a família. “A decisão de estudar fora tem que ser em conjunto. É preciso levar em consideração, além da vontade do estudante, a possibilidade dos pais de arcarem com os custos do filho. Não adianta mandar um filho estudar fora se não vai ter condições de pagar as despesas. Nesses casos, é preciso optar por algo mais em conta”, disse a psicóloga. Mas, quem não tiver esse problema deve incentivar e ver o que realmente esse estudante quer. “É sempre bom ter uma conversa, ver as expectativas, vontades e colocar tudo em uma balança. O fundamental nessas horas é o equilíbrio das opiniões”, afirmou.

AS LISTAS

Unicamp

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) divulga nesta quinta-feira, às 12h, os nomes dos 3.434 aprovados em primeira chamada no vestibular 2009. A lista estará disponível no saguão do Ciclo Básico 2 da Unicamp e na página www.comvest.unicamp.br. Todos os convocados devem fazer matrícula no próximo dia 10, das 9h às 12h. Neste ano, não há lista de espera junto com a primeira lista de convocados. Por isso, a Comvest orienta os candidatos a ficarem atentos à divulgação das próximas chamadas. Estão previstas 11 no total. As notas da segunda fase serão divulgadas na próxima segunda-feira e devem ser consultadas individualmente no site da Comvest.

USP

A Fuvest, fundação realizadora do vestibular da USP, divulga amanhã o resultado do vestibular mais concorrido do País. Cerca de 38,6 mil candidatos que prestaram a segunda fase da Fuvest brigam por 10.707 vagas — 10.557 para a USP, 100 para a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e 50 para a Academia de Polícia Militar do Barro Branco. Os candidatos devem acompanhar todas as chamadas para matrículas nos postos oficiais de divulgação no Disque Fuvest ou na internet, pelo site www.fuvest.com.br.

Unesp

A Unesp divulgou na semana passada, nos sites www.vunesp.com.br e www.unesp.br, o resultado do seu vestibular. Os candidatos já podem consultar as listas de convocados para matrícula, com 6.374 aprovados, e a lista de espera, com 9.110 nomes. A matrícula dos convocados será realizada nos próximos dias 9 e 10, das 9h às 18h, na seção de graduação da unidade onde funciona o curso para o qual o candidato foi chamado. Os candidatos da lista de espera deverão declarar interesse por eventual vaga remanescente no dia 16 deste mês, das 9h às 18h, no site www.vunesp.com.br. No dia 17, será divulgada, nos sites da Unesp e da Vunesp, a lista de convocação para matrícula daqueles que declararam interesse. Para esses, a matrícula deverá ser realizada no dia 19, no mesmo horário. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3874-6300.

PONTO DE VISTA

ROSEMBERG CORREIA

Administrador e gestor comercial na área de Soluções de Tecnologia

Gestão comercial

O Curso Superior de tecnologia em gestão comercial visa formar e preparar profissionais para agir técnica e gerencialmente na representação comercial, abrangendo conhecimentos em redação, matemática financeira e contabilidade, entre outros. Além de formar novos profissionais, atualiza e credencia os profissionais que já atuam como representantes comerciais, suprindo assim uma carência de mercado na formação especializada de profissionais para trabalharem nesta área. Para se destacar como gestor comercial, é necessário ter uma boa dose de conhecimento sobre os produtos da empresa, mas é preciso, em primeiro lugar, conhecer os clientes e entender suas expectativas. Ser um bom observador do mercado e das pessoas, e não desprezar as oportunidades que se apresentam. Muitas vezes, é possível inovar na solução e apresentar ideias que surpreendam o cliente e que aumentem o valor percebido. Seja um bom negociador, procure sempre gerar empatia com o seu cliente e busque a solução de melhor ganho para todos. Lembre que a credibilidade é um patrimônio. Mantenha a sua equipe sempre bem treinada e ciente dos objetivos da organização. Todos os mercados são dinâmicos, não só o de tecnologia. Seja fluente em pelo menos dois idiomas e, claro, em suas opiniões.



Número de estudantes universitários é de quase cinco milhões  (Agência Brasil – 02/02/09)

O número de universitários aumentou 4,3% em 2007, na comparação com o ano anterior. Segundo dados do Censo da Educação Superior, divulgados hoje (2) pelo Ministério da Educação, um total de 4.880.381 alunos fazia cursos de graduação presenciais em uma das 2.281 instituições de ensino superior (IES) do Brasil. Apesar do crescimento verificado nos últimos anos, o total de alunos está bastante longe da meta estabelecida pelo governo. Até 2011, o Brasil pretende ter 30% da população com curso superior. Os números atuais correspondem a menos de 12%. “Muitas pessoas não vão para universidade porque sequer elas não terminam o ensino médio. Mais de 60% das pessoas que terminam o ensino médio não ingressam na universidade”, contabiliza o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Reynaldo Fernandes. Segundo ele, “estamos muito longe da média dos países desenvolvidos. A idéia de que muita gente vai para a faculdade no Brasil não é correta quando comparada internacionalmente”, diz citando a universalização de 70% nos Estados Unidos e de 40% na média dos países desenvolvidos. A maior parte dos estudantes brasileiros do ensino superior está nas universidades (pouco mais de 54% ou 2.644.187 alunos). As faculdades matriculam cerca de 32% (1.555.256) e os centros universitários 14%, aproximadamente (680.938). Mais de 92% das faculdades e 96,7% dos centros universitários são privados. Entre as universidades, há um equilíbrio: 52,5% são públicas e 47,5% são privadas.  A diferença entre os três níveis de IES está, por exemplo, no grau de autonomia para criação e funcionamento de cursos e na exigência de titulação. Além de mais autonomia, as universidades devem manter atividades de ensino, pesquisa e extensão. O número de vagas ofertadas em relação ao ano anterior foi de 194 mil vagas a mais que 2006. No ano passado, haviam 1.341.987 vagas ociosas, cerca de 98% delas nas instituições privadas. Segundo Fernandes, do Inep, os cursos de ensino à distância e da chamada “educação tecnológica” (com cursos de duração menor, até 2 anos) são os que mais crescem. Entre 2002 e 2007, o número de cursos a distância cresceu quase 9 vezes (408 cursos), atingindo 369.766 matriculas. No ensino tecnológico, o total de matrículas era de 347.856 em 3.702 cursos (quase 6 vezes acima do verificado em 2002). No período, o número de cursos presenciais aumentou 61% (chegando a 23.488 cursos). No total, a maior procura por cursos presenciais estava entre Administração (798 mil matrículas); Direito (613 mil matrículas) e Pedagogia (335 mil matrículas). De acordo com o Inep, o número de funções docentes em 2007 era de 334.688. Mais de 218 mil lecionavam em IES privadas e mais de 115 mil em instituições públicas. A relação de aluno/função docente é de 15,4 alunos por função docente (11,4 alunos nas IES públicas e 17,5 nas IES privadas).  Função docente contabiliza os professores que lecionam em mais de uma instituição e podem ter múltipla contagem. Mais de 120 mil funções docentes têm mestrado; 99 mil, especialização; 76 mil, doutorado; e 38 mil, apenas graduação. Diferente do que acontece nos níveis básicos do ensino, há mais professores do que professoras: 184 mil homens em funções docentes contra 150 mil mulheres na mesma atividade.



Quem não passar na 1ª lista deve declarar interesse por vaga (Folha de S.Paulo – Fovest – 03/02/09)

Caso contrário, candidato pode não ser chamado

UFSCar, USP e Unicamp. As três universidades públicas paulistas divulgam suas listas de aprovados entre hoje e quinta-feira. No total, são cerca de 80 mil vestibulandos, ansiosos, à espera de ver os seus nomes entre os 16.728 aprovados dos três processos seletivos -que incluem ainda, no caso da Fuvest, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa e a Academia de Polícia Militar do Barro Branco. Mas mesmo quem não for chamado nesta semana pode ter esperança: a Fuvest tem quatro listas programadas; a Unicamp, 11; e a UFSCar, sete. Ou seja, quem não foi aprovado de primeira pode ser convocado para a matrícula nas listas seguintes.
Na Fuvest 2008, por exemplo, foram chamados 2.600 candidatos depois da primeira chamada para a matrícula -na segunda lista havia 1.684 candidatos, na terceira, 841, e, na quarta e última, 75. Mas atenção: geralmente, para concorrer às vagas que não são preenchidas após o primeiro prazo para a matrícula, tanto em escolas públicas como particulares, os candidatos devem fazer a declaração de interesse pela vaga. “É bom o aluno classificado ler o manual com atenção”, afirma Paulo Lima, coordenador pedagógico do cursinho CPV da Vila Olímpia. “Cada vestibular tem um calendário diferente, e, se não fizer a declaração no dia indicado, não tem chance.”
Na Unicamp, a declaração deve ser feita após a terceira chamada. Já na UFSCar, é após a primeira lista -todas as informações estão nos manuais de cada processo seletivo. “Tem gente que pensa “não vou declarar interesse pela vaga nessa faculdade, porque eu tenho certeza de que vou entrar na USP'”, afirma Milton Pignatari Filho, membro da comissão do vestibular do Mackenzie. “Pura besteira. Porque vai que não dá na Fuvest. Não custa nada fazer a declaração de interesse. É de graça, na internet, bem rápido.” A declaração de interesse pela vaga diminui a rodagem das listas, pois, com a medida, só candidatos realmente interessados são chamados. No ano passado, a lista de direito no Mackenzie, um dos cursos mais concorridos da instituição, rodou até além do candidato número 750 -eram 280 vagas. De acordo com Pignatari, foram sete listas no ano passado. “Neste ano, temos oficialmente cinco listas, mas sempre anda mais. O vestibulando tem que ficar atento.”
Com 150 vagas, o Ibmec-São Paulo deve chamar neste ano cerca de 15 candidatos da lista de espera -normalmente são cerca de 10% do total. “O que acontece é que muitas vezes quem entra aqui [no Ibmec-SP] entra também na USP”, diz Tadeu da Ponte, coordenador da comissão do vestibular da instituição, que criou a declaração de interesse pela vaga neste último vestibular, para simplificar as chamadas. Candidatos que têm vários endereços de e-mail devem acessá-los todos os dias para checar as mensagens novas. Ana Zilocchi, coordenadora-geral do vestibular unificado da PUC-SP, conta que há candidatos que são chamados após a divulgação da primeira lista e ficam sabendo só depois, quando o prazo de matrícula já acabou. “É por e-mail que a gente vai convocar o candidato. Se ele não vê logo, não tem o que fazer, é automaticamente desclassificado. Dá dó, mas não tem jeito.”



Resultados da Unicamp poderão ser conferidos na próxima quinta-feira (5)  (Folha Dirigida – Vestibular – 02/02/09)

Nesta quinta-feira, dia 5, serão divulgados os resultados do vestibular 2009 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). As listas com os nomes dos convocados em primeira chamada serão afixadas em quadros de aviso no campus de Campinas. Além disso, os resultados também poderão ser conferidos pela internet, na página eletrônica da Comvest, organizadora do processo seletivo. No total, são ofertadas 3.434 vagas, distribuídas entre 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp – Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto.  Os convocados deverão se matricular no próximo dia 10, das 9 às 12 horas. Candidatos ao curso de Odontologia deverão se dirigir ao campus de Piracicaba. Já para os cursos superiores de tecnologia e para os cursos novos (Ciências do Esporte, Engenharia de Manufatura, Engenharia de Produção, Gestão de Comércio Internacional, Gestão de Empresas, Gestão de Políticas Públicas, Gestão do Agronegócio e Nutrição) a matrícula acontecerá em Limeira. Para os demais cursos, será necessário comparecer ao campus de Campinas. Já os convocados para os dois cursos da Famerp poderão se matricular tanto em Campinas quanto na sede da instituição, em São José do Rio Preto. Na ocasião, os estudantes deverão portar cópias autenticadas ou cópias simples acompanhadas dos originais dos documentos solicitados (veja lista abaixo). Em caso de vagas remanescentes, serão divulgadas mais dez chamadas de aprovados, sendo que a última deverá ser liberada no dia 26 de março.

Documentos para a matrícula:
– Certificado de conclusão do ensino médio ou equivalente;
– histórico escolar completo do curso de ensino médio ou equivalente (somente para Famerp e para candidatos que optaram pelo Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social – PAAIS);
– certidão de nascimento ou casamento;
– cédula de identidade;
– título de eleitor para os brasileiros maiores de 18 anos;
– certificado de reservista ou atestado de alistamento militar ou atestado de matrícula em CPOR ou NPOR para os brasileiros maiores de 18 anos, do sexo masculino;
– uma foto 3×4 recente e colorida (duas fotos para Famerp).



Pesquisa da Uerj mostra que disputa por vaga é menor para candidatos cotistas  (Globo On Line – Vestibular – 02/02/09)

A Uerj divulgou nesta segunda-feira um levantamento sobre o perfil de seus universitários, baseado nas respostas dos candidatos ao formulário socioeconômico. Segundo a instituição, o sistema de cotas deixa a disputada mais acirrada para quem está concorrendo ao curso mais procurado da universidade. Em Medicina, os cotistas enfrentam uma relação de menos de quatro candidatos por vaga. Já para os não-cotistas, a relação sobre para 42, 08. A estadual reserva 20% de vagas reservados para os estudantes de escolas públicas, 20% para negros e 5% para deficientes, indígenas e filhos de policiais que morreram em serviço.  – As carreiras mais concorridas deixaram de ser ocupadas exclusivamente pela elite. Isso é muito positivo – afirmou Maria Inez Melo Guimarães, pedagoga e coordenadora do vestibular.  As carreiras mais procuradas são Medicina, com 24,26 candidatos por vaga, seguida por Desenho Industrial (17,03), Jornalismo (15,54), Engenharia Química (11,18) e Relações Públicas (10,52).  A instituição também constatou que os jovens não escolhem uma profissão pelo dinheiro, e que a maioria – 44.650 dos quase 70 mil candidatos – admitiu que lê apenas entre um e cinco livros por ano.  – Essa é uma tendência que nos preocupa. É fundamental que os jovens leiam jornais e revistas para ficarem atualizados com o que acontece no mundo – assinalou Maria Inez.  No questionamento sociocultural, 66,81% afirmaram não escolher a profissão por causa do salário. Quase 21,5 mil concorrentes disseram ter uma renda mensal da família de até três salários mínimos.