03/11/2008 / Em: Clipping

 


A segunda opção pode mudar sua vida

A mãe do atual mestrando João Rafael Dias Pinto, 22 anos, reclamou do valor de R$ 90 da inscrição do vestibular. O aluno estava no último ano de um colégio público de referência, da cidade de São Paulo, mas não fazia cursinho preparatório. O estudante esperava acabar o colégio para, então, se dedicar ao vestibular.

Apenas para treinar, João Rafael fez a prova da Universidade de São Paulo (USP). Conseguiu ir para a segunda fase. “Pensei, dessa fase eu não passo”, diz. Apesar do nervosismo, com apenas 17 anos, João Rafael entrou na universidade. Com um pequeno detalhe: foi chamado para fazer a segunda opção.

Na realidade, ele queria cursar física. Escolheu a carreira como primeira opção e meteorologia, por ser o curso mais semelhante, como segunda. “Fiquei branco quando soube do resultado. Até xinguei. Depois, como descobri que dava para transferir de meteorologia para física, resolvi entrar na faculdade”, conta.



Unicamp 2009: “Não caia em contradição nas provas de humanas”, aconselha professor

Da Redação
Em São Paulo

Nas provas de humanas do vestibular da Unicamp, o candidato deve tomar cuidado para não cair em contradição na elaboração das respostas. Segundo professores ligados ao vestibular da instituição, esse é o erro mais cometido pelos candidatos nos exames e o maior responsável pela anulação de provas.

“É comum o candidato começar a resposta de forma correta e mudar de idéia no meio do texto. A contradição, na maior parte dos casos, é fatal”, explicou o professor responsável pela oficina de geografia do “Encontro com os Professores do Ensino Médio”, promovido pela universidade no início no mês.