04/04/2017 / Em: Clipping

 


Pela 1ª vez, maioria dos matriculados na Unicamp é de escola pública (Estadão – Educação – 03/04/2017)

Universidade adota sistema de bonificação; meta de alcançar 35% dos ingressantes autodeclarados pretos, pardos ou indígenas não foi alcançada

Pela primeira vez, o número de alunos matriculados na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que estudaram em escola pública é maior do que os de escola particular. Após a última chamada para o preenchimento das vagas oferecidas pela instituição, o índice de ingressantes que estudaram na rede pública foi de 50,3% – no ano passado, era de 47,6%. A Unicamp não adota cotas, mas um sistema de bonificação, o Programa de Ações Afirmativas e Inclusão Social (PAAIS).

É a primeira vez que a universidade matricula mais da metade dos candidatos vindos de escola pública e assim alcança a meta que havia estipulado para 2017. A meta aprovada pelo Conselho Universitário da Unicamp (Consu), em 2013, também previa alcançar neste ano 35% dos ingressantes autodeclarados pretos, pardos ou indígenas (PPI), o que não ocorreu – eles foram apenas 22% dos matriculados, porcentual inferior ao de 2016, que foi de 22,4%.



Mais da metade dos alunos da Unicamp é da rede pública (Correio Popular – Inclusão – 03/04/2017)

Mais da metade dos ingressantes nos cursos de graduação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) veio da rede pública de ensino. Dos 3.248 matriculados este ano, 1.635 fizeram o Ensino Médio em escolas públicas. O índice de 50,3% é considerado histórico e reflete as mudanças no Programa de Ação Afirmativa para Inclusão Social (Paais), aplicadas nas duas últimas edições do vestibular. O programa bonifica o estudante de escola pública nas duas fases do vestibular. Medicina continua tendo um dos índices mais altos, com 76,4% dos alunos oriundos do ensino público. No ano passado, o índice geral de aprovação de alunos de escolas públicas foi de 47,6%. Em medicina, o percentual foi de 88,2%.

Com o resultado divulgado nesta segunda-feira pela Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest), a instituição atingiu a meta aprovada em 2013 pelo Conselho Universitário (Consu) para a inclusão social nos cursos de graduação, que estabeleceu que a universidade atingisse 50% de ingressantes oriundos da rede pública até 2017. Entre os cursos com maior número de alunos da rede pública estão ciências econômicas (noturno), com 83,3%, química tecnológica (noturno), com 88,9%, engenharia elétrica (noturno), com 84,4% e medicina (integral).



Pela 1ª vez, maioria da rede pública (Todo Dia – Cidades – 03/04/2017)

Pela primeira vez na história, os alunos da rede pública são maioria entre os matriculados na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Após a última matrícula para os cursos de graduação da universidade este ano, a Unicamp registrou o índice de 50,3% de alunos de escolas públicas dentre os matriculados.

Foram 1.635 alunos de escolas públicas dentre os 3.248 matriculados este ano. No ano passado, esse grupo representou 47,6% do total de matriculados. Com o índice, a Unicamp atingiu a meta aprovada em 2013 pelo Consu (Conselho Universitário) para a inclusão social nos cursos de graduação, que estabeleceu 50% de ingressantes da rede pública até 2017.



As melhores universidades do mundo em cada área (InfoMoney – Carreira – 03/04/2017)

As universidades americanas Harvard e MIT dominam as primeiras posições no ranking

O estudo se baseia em diversos critérios, que vão de reputação acadêmica a empregabilidade. Na edição deste ano, quatro novos cursos foram adicionados, são eles: Anatomia e Fisiologia, Hospitalidade e Turismo, Esporte e Teologia. Os cursos são agrupados em cinco grandes áreas: Artes e Humanidades, Engenharia e Tecnologia, Ciências Biológicas e Medicina; Ciências Naturais e Ciências Sociais e Administração. As universidades de Harvard e MIT dominam as primeiras posições no ranking, com 15 e 12 lideranças, respectivamente. No Brasil, cinco universidades aparecem no top 50 em nove cursos. Entre elas, a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Universidade Estadual Paulista (Unesp).



Confira o calendário do Enem 2017 e fique atento para não perder nenhuma data (Secretaria da Educação SP – Notícias – 04/04/2017)

As provas serão aplicadas em 5 e 12 de novembro; inscrições começam em 8 de maio

Os alunos do 3º ano do Ensino Médio já podem começar a se programar para o Enem 2017. O Ministério da Educação (MEC) definiu para 5 e 12 de novembro a realização do Exame e as inscrições vão de 8 a 19 de maio. O edital da prova estará disponível para consulta a partir de 10 de abril, no portal do Inep e a divulgação dos resultados está prevista para acontecer em 19 de janeiro de 2018.



Unicamp abre inscrições para oficina de redação 2017 (Universia – Notícias – 04/04/2017)

Oficina de redação é preparatório para o vestibular da Unicamp; taxa varia de R$ 120 a R$ 60

Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) abriu as inscrições para sua oficina de redação 2017. As aulas servem como preparatório para a redação do vestibular 2018. O prazo para se inscrever vai até as 17h do dia 7 de abril. A taxa de inscrição varia de R$ 120 para professores de escolas particulares e R$ 60 para professores de escolas públicas e estudantes. A ideia é apresentar aos futuros candidatos algumas noções básicas do que a prova pede e mostrar como funciona o processo de correção. A oficina também visa auxiliar os professores fazendo com que eles possam repassar informações mais precisas aos seus alunos sobre a redação da Unicamp. No total, serão ofertadas 340 vagas. A oficina acontece no dia 6 de maio, das 9h às 17h no próprio campus da universidade. É possível obter mais informações pelo site da Comvest, pelo e-mail oficina@comvest.unicamp.br ou pelo telefone (19) 3521-1783.