04/12/2014 / Em: Clipping

 


Redação na 2ª fase da Unicamp é aprovada por 86%, aponta pesquisa   (Globo.com – G1 Vestibular – 04/12/14)

A transferência da redação para a segunda fase do vestibular 2015 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) foi aprovada por 86% dos estudantes, segundo resultado de uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (4) pela comissão responsável por organizar o exame (Comvest). A enquete durou uma semana e teve participação de 3,7 mil candidatos que fizeram a primeira fase. “A imensa maioria dos candidatos avaliou como positiva a mudança da redação da primeira para a segunda fase. Na verdade, essa percepção já nos chegava via professores, escolas, mas fomos ouvir os candidatos. A pesquisa indicou que estamos no caminho certo”, avaliou o coordenador da Comvest, Edmundo Capelas de Oliveira. A pesquisa foi encerrada na segunda-feira (1). No total, 70.947 candidatos realizaram a primeira fase, formada por 90 questões de múltipla escolha. A avaliação incluiu temas como dengue e crise hídrica nos estados de São Paulo e Minas Gerais e foi comparada por vestibulandos ouvidos pelo G1 ao modelo do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A universidade possui 3.320 vagas em 70 cursos.

Unicamp lança coletânea com 20 melhores redações do vestibular 2014   (Globo.Com – G1 Vestibular – 03/12/14)

A Unicamp lança nesta sexta-feira (5) o livro “Redações 2014”, que reúne as 20 melhores redações escritas por candidatos do vestibular de 2014 da universidade de Campinas (SP). A seleção realizada pela Pró-Reitoria de Graduação, a Comissão Permanente para Vestibulares (Comvest) e Editora da Unicamp será apresentada às 10h na Sala do Conselho Universitário (Consu). Durante o lançamento, os estudantes escolhidos receberão diplomas de honra ao mérito. O objetivo do projeto é servir como material de exemplo aos futuros candidatos do vestibular da universidade estadual.



Política de cotas é importante fator de inclusão, afirma Paim   (Ministério da Educação – Destaque – 03/12/14)

O ministro da Educação, Henrique Paim, considera a política de cotas fundamental na equiparação de oportunidades na sociedade brasileira. Ao participar, na Secretaria Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial (Seppir), do evento Balanço de Gestão 2011-2014, ele citou números do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e do Programa Universidade para Todos (ProUni), e destacou que mais de 50% dos beneficiários são negros. No evento foi feito um levantamento sobre os avanços das políticas públicas voltadas aos povos afrodescendentes, indígenas, pardos, quilombolas e outros.



USP entra para o top 10 das melhores universidades entre países emergentes   (O Estado de S.Paulo – Educação – 04/12/14)

A USP entrou para o top 10 entre as melhores universidades no ranking de países emergentes, de acordo com a lista divulgada nesta quarta-feira, 3, pela Times Higher Education (THE), que faz as principais medições de qualidade das universidades do mundo. Esta é a segunda vez que o recorte do ranking de países em desenvolvimento é publicado – o último foi divulgado em dezembro de 2013. As outras três universidades do Brasil que estão entre as 100 melhores na lista caíram em relação ao ano passado. A Universidade Estadual Paulista (Unesp) foi a que mais perdeu posições – foi de 87ª para 97ª. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) oscilou do 24º lugar para 27º. Já a Universidade Federal do Rio de Janeiro caiu de 60º para 61º. O índice é baseado em cinco indicadores: trabalhos em inovação, qualidade de ensino, impacto das citações, pesquisa e alcance internacional. Neste ano, houve alteração na metodologia do estudo, que até o ano passado era equivalente ao ranking global do THE e exigia, por exemplo, que as instituições publicassem pelo menos 200 artigos científicos por ano ao longo do período de cinco anos de publicações analisadas.

‘Chave para sucesso é autonomia’, diz editor de ranking universitário  (O Estado de S.Paulo – Educação – 03/12/14)

Na segunda edição do ranking The Brics & Emerging Economies -Times Higher Education (THE), que avalia universidades nos países emergentes, a USP ficou entre as 10 melhores instituições, uma posição à frente em relação a 2013. As outras três que aparecem no top 100 – Unesp, Unicamp e UFRJ, no entanto, perderam posições. Leia trechos da entrevista com o editor do ranking, Phil Baty.



Unicamp lança livro com as melhores redações do vestibular 2014   (IG – Educação – 03/12/14)

Autores das melhores redações do Vestibular Unicamp 2014, selecionadas pela Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest), tiveram seus textos publicados em livro que a Pró-Reitoria de Graduação, a Comvest e a Editora da Unicamp lançam na próxima sexta-feira, 5 de dezembro, às 10 horas, na Sala do Conselho Universitário (Consu) da Unicamp.  Durante o lançamento, os vinte estudantes autores das melhores redações vão receber um diploma de honra ao mérito. O livro, em formato de bolso, está à venda na Editora da Unicamp (R$ 10) e pode ser comprado pela página eletrônica da universidade.



Unicamp lança livro com melhores redações do vestibular  (Veja – Educação – 03/12/14)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) vai lançar nesta sexta-feira, 5, um livro com as melhores redações realizadas no vestibular 2014 da instituição. Os autores dos textos serão homenageados e o evento ocorrerá às 10 horas na Sala do Conselho Universitário (Consu), Prédio da Reitoria II, no campus da Unicamp, em Campinas. A seleção foi feita pela Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) e o livro será publicado pela Pró-Reitoria de Graduação, a Comvest e a Editora da Unicamp. Durante o lançamento, os vinte estudantes autores das melhores redações vão receber um diploma de honra ao mérito.



Política social favorece ensino público   (Correio Popular – Cidades – 04/12/14)

O Ensino Médio registrou crescimento menor na rede privada em relação ao Ensino Fundamental, e isso pode ser explicado entre outros motivos por incentivos concedidos a estudantes do Ensino Médio em universidades públicas, segundo considerou o estudo da Fundação Seade. Políticas sociais, como o ProUni e cotas em universidades públicas, têm facilitado o acesso ao Ensino Superior para estudantes vindos da rede pública. “Há várias políticas do governo federal que oferece mincentivos maiores para alunos que frequentam escolas públicas no Ensino Médio. Isso significa mais chances de conseguir vaga no ProUni, bolsa do Pronatec, de ter acesso ao Fies”, afirma Maria Helena Guimarães de Castro, diretora executiva da Fundação Seade. Maria Helena destaca que, hoje, o Fies e o ProUni representam mais de 40% do total das matrículas do Ensino Superior brasileiro. “É um número muito expressivo”, diz. A fundação, por outro lado, chama atenção para o fato de que é possível imaginar que, futuramente, o ensino privado tenda acrescer mais rapidamente no Ensino Médio à medida que as gerações que estudam no fundamental particular cheguem ao médio. Coordenador pedagógico do Ensino Fundamental 2 e do Ensino Médio do Colégio Conhecer, em Valinhos, José Carlos Bortotto  Júnior afirma que é notório o incremento de matrículas nos últimos anos. A escola, segundo ele, começou há 12 anos com uma turma de 15 alunos de berçário e, atualmente, atende 520 alunos do Ensino Infantil ao Ensino Médio. A primeira turma do Ensino Médio foi aberta no ano passado. “O crescimento foi de 100% no Ensino Médio porque tínhamos uma sala e abrimos mais uma este ano”, afirmou. Segundo ele, os pais buscam maior atenção aos filhos. “Principalmente as famílias que vem de escolas públicas apontam que não têm um acompanhamento individualizado, até pela quantidade de alunos por classe. Trabalhamos com, no máximo, 25 alunos. Tem escolas com 45 alunos por classe, o que dificulta bastante o trabalho do professor e o rendimento do aluno. Trabalhar de maneira maciça e uniforme no momento da alfabetização ou nos anos iniciais acarreta prejuízos para o aluno”. “Em relação ao Ensino Médio, entendemos que o nosso público vem buscando essa educação de qualidade para competir pelos principais vestibulares que temos hoje no Estado”.