05/03/2009 / Em: Clipping

 


Número de ingressantes da rede pública em medicina na Fuvest aumentou 211%  (UOL – Vestibular – 05/03/09)

De 2008 para 2009, o número de convocados em medicina na Fuvest que fizeram o ensino médio na rede pública de ensino aumentou 211%. No vestibular 2008, apenas 30 jovens que cursaram o segundo grau público conseguiram a aprovação. Neste ano, a quantidade mais do que triplicou: foram 93 chamados. Os dados fazem parte do relatório sócio-econômico da Fuvest, divulgado nesta quarta-feira (4) e se baseiam na primeira chamada de aprovados. Apesar do crescimento da convocação de alunos da rede pública, ainda é a rede particular que garante a maior parte do corpo discente de medicina – ela é responsável pelo ingresso de 72,8% dos calouros do curso. A rede pública fica com uma parcela de 24,6%. O restante é composto por alunos que estudaram no exterior ou parcialmente em escola pública e particular. Dentre os novos universitários de medicina que fizeram ensino público, a maior parte cursou escola estadual (17%). Em segundo lugar, nessa categoria, aparecem os estudantes da rede federal de ensino (5,8%) e, em terceiro lugar, os estudantes da rede pública municipal (1,3%). Ainda 0,5% estudou em mais de um tipo de rede pública. Ao todo a carreira de medicina oferece 375 vagas, nos cursos da USP (Universidade de São Paulo) na capital, em Ribeirão Preto e na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa.

Aumento geral da rede pública na FUVEST

No geral, a Fuvest 2009 teve um aumento de 15,8% na proporção de estudantes egressos da rede pública de ensino médio, com relação ao vestibular 2008. A parcela de convocados para a matrícula em primeira chamada que cursaram todo o segundo grau em escolas públicas pulou de 25,3% para 29,3%, de um ano para o outro.  As informações se baseiam na avaliação da Pró-Reitoria de Graduação da Universidade, que, por sua vez, se assemelham aos dados do questionário sócio-econômico divulgado pela Fuvest.
Segundo os dados da fundação que realiza o processo seletivo, o aumento foi ligeiramente menor: 14,6%. O percentual de convocados na primeira chamada de estudantes da escola particular, exclusivamente, caiu de 68,8% para 65,5%.

Cresce nº de alunos de renda alta na USP, indicam dados  (UOL – Vestibular – 05/03/09)

Mesmo com as ações de inclusão em curso, a porcentagem de alunos de renda alta aprovados na USP (Universidade de São Paulo) aumentou nos últimos oito anos. Segundo dados da Fuvest, tabulados pelo jornal O Estado de S. Paulo, cresceu em 36,4% a proporção dos calouros que declararam ter renda superior a R$ 5 mil entre 2001 e 2009. Já entre os que vivem em famílias que ganham menos de R$ 1,5 mil, a taxa caiu 34%. No câmpus da zona leste, criado em 2005, o movimento se repete. Hoje, os calouros com as menores rendas são 17,9% e os com as maiores chegam a compor 25,3%. A faixa intermediária teve pouca alteração, sendo cerca de 50% dos alunos. No último vestibular, 40,4% dos aprovados em todas as unidades da universidade estavam entre os mais ricos; 46,9% tinham renda intermediária (entre R$ 500 e R$ 5 mil) e 12,2% estavam entre os mais pobres. Para o diretor do Fórum dos Cursinhos Comunitários, frei David dos Santos, o problema está no vestibular. “A USP cobra em seu exame conteúdos que só cursinhos caros, que cobram R$ 800 de mensalidade, podem oferecer”, diz. A USP propôs no mês passado uma mudança na prova que deve ajudar estudantes de escolas públicas. Poderá deixar de ser considerada a nota da primeira fase na contabilidade geral do vestibular e serem instituídas perguntas de todas as disciplinas na segunda fase, porém em menor número. A pró-reitora de graduação da USP, Selma Garrido, informou que o Pasusp, que ajudou só 55 vestibulandos a entrar na universidade, será mantido, mesmo sem parceria com a Secretaria de Educação.

USP vai manter bônus para aluno da rede pública no vestibular (UOL – Vestibular – 05/03/09)

A USP vai manter o Pasusp, programa de avaliação para alunos da rede pública estadual, no vestibular deste ano mesmo que não haja convênio com o governo do Estado.  A universidade informou que alunos do ensino médio de escolas federais e municipais do Estado também poderão participar neste ano do programa. O Pasusp é uma prova aplicada a alunos do terceiro ano do ensino médio da rede pública, que rende bônus de até 3% na nota do vestibular. Esse benefício, junto a outras bonificações dadas pela USP, pode aumentar a nota em até 12% -896 alunos de escolas públicas usaram os bônus e foram aprovados no vestibular do ano passado. Segundo a Pró-Reitoria de Graduação da USP, se não houver convênio com o Estado, a universidade pode usar verba própria na próxima edição da prova –no ano passado, o Pasusp custou R$ 1,76 milhão, dividido entre o Estado e a USP. Questionada sobre o local onde as provas seriam feitas –responsabilidade que atualmente cabe à Secretaria da Educação–, a pró-reitora de graduação Selma Garrido Pimenta disse que a universidade tem condições de realizar o exame. “Temos o conhecimento e a logística da Fuvest.”  Em setembro de 2008, a Folha noticiou que a gestão José Serra havia decidido limitar o Pasusp. Inicialmente, o programa previa, até 2011, a aplicação de provas aos alunos nos três anos do ensino médio. O governo, porém, informou no ano passado que o exame seria limitado ao terceiro ano e que poderia não se repetir em 2009. Ontem, a Secretaria da Educação disse que avalia a continuidade do Pasusp e que aguarda informações da USP sobre os resultados do programa.  Segundo dados divulgados ontem pela Fuvest, 29% dos alunos aprovados em primeira chamada são da rede pública. Em 2008, foram 25,3%. No ano passado, dos 48.862 inscritos no Pasusp, só 7.889 (16,1%) fizeram a prova. “Por ser o primeiro ano, considero o dado como positivo. Mas precisamos ampliar a divulgação”, disse a pró-reitora.



Mesmo sem convênio, USP fará programa de avaliação seriada neste ano  (Globo.Com – G1 Vestibular – 04/03/09)

Primeira edição do Pasusp, que oferece bônus na Fuvest, foi em 2008.
Pró-reitora de graduação diz que USP tem como bancar os custos.

A Universidade de São Paulo (USP) garante que a prova da avaliação seriada vai acontecer neste ano mesmo se não for fechado convênio com nenhum órgão de governo. Outra novidade é que, além dos alunos da rede estadual de São Paulo, poderão participar estudantes matriculados no terceiro ano do ensino médio regular de escolas federais e municipais no Estado. Realizado pela primeira vez no ano passado, o exame foi alvo de polêmica porque, dos 48.862 alunos inscritos, somente 7.868 compareceram para fazer a prova. A USP havia firmado um acordo com o governo estadual paulista, que arcou com R$ 1,75 milhão. A elaboração e aplicação do exame ficaram a cargo da universidade. No entanto, a Secretaria Estadual de Educação, que questiona a eficácia do projeto, já disse que não irá financiar a prova neste ano. “Entendemos que essa ação beneficia as próprias políticas de governo, mas também ela não precisa obrigatoriamente ser realizada em parceria com algum órgão de governo. Não há nenhum impedimento para fazermos a prova”, afirmou por telefone ao G1, nesta quarta-feira (4), a pró-reitora de graduação, Selma Garrido. “Temos condições de arcar com os custos, que equivalem ao mesmo gasto por aluno no Enem [Exame Nacional do Ensino Médio], mas não sei te precisar agora este valor.”

Bônus

A nota da prova da avaliação seriada (Pasusp, como é chamado o programa) é revertida num bônus de até 3% na nota da Fuvest. A avaliação faz parte do programa de inclusão da USP (Inclusp), que tem o objetivo de ampliar o número de matrículas da rede pública na universidade. Atualmente, 85% dos alunos do ensino médio se formam em escolas públicas, mas eles representam menos de 30% na USP, índice mais alto dos últimos nove anos. Além do percentual do Pasusp, alunos da rede pública recebem 3% de acréscimo na Fuvest e a nota do Enem também pode representar até 6% adicionais _totalizando 12% de bônus na nota da Fuvest. A divulgação começará a ser feita nas escolas ainda neste mês, segundo a pró-reitora de graduação. Ainda não há data definida para a prova, que ser nos mesmos moldes da do ano passado: 50 testes de múltipla escolha sobre o conteúdo do ensino médio. 

Resultados positivos

Os resultados da primeira edição do Pasusp foram avaliados como positivos pela universidade. “O impacto numérico não foi expressivo. Nós sabemos que a distância do aluno da rede pública para a universidade é imensa. Mas a USP está fazendo o seu papel. Esse programa é uma política de estado e não de governo. Não é programa para uma única gestão. Os resultados virão a médio e longo prazos”, afirmou a pró-reitora. Dos 7.868 que fizeram a prova do Pasusp, 5.182 se inscreveram na Fuvest, sendo que 736 passaram para a segunda fase do vestibular e 117 foram convocados para matrícula na 1ª chamada _o que representa 3,79% dos candidatos da rede pública aprovados. A pró-reitora de graduação afirma que a expectativa é ampliar o programa para as outras séries do ensino médio, como inicialmente divulgado, mas que isso só será avaliado no ano que vem, para ser implantado para o vestibular de 2011.



Unicamp 2009: matrículas da 4ª chamada na sexta-feira, 6
(Folha Dirigida – Vestibular – 05/03/09)

Os candidatos convocados em quarta chamada do vestibular 2009 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) deverão se matricular nesta sexta-feira, dia 6. O horário de atendimento é das 9 às 12 horas. Todos os candidatos aprovados nos cursos da Unicamp deverão fazer a matrícula no campus de Campinas. Já os ingressantes em cursos da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), deverão se dirigir à sede da instituição, no município de São José do Rio Preto. Na ocasião da matrícula, os aprovados precisam portar cópias autenticadas ou cópias simples acompanhadas dos originais dos seguintes documentos: certificado de conclusão do ensino médio ou equivalente, certidão de nascimento ou casamento, cédula de identidade, título de eleitor, uma foto 3×4 recente e colorida (duas fotos para Famerp), atestado de alistamento militar (para estudantes do sexo masculino maiores de 18 anos) e histórico escolar completo do ensino médio (somente para Famerp e para aqueles que optaram pelo programa de ação afirmativa – PAAIS). Em caso de vagas remanescentes, serão divulgadas mais seis chamadas de aprovados, sendo que a última está prevista para o dia 26 de março. No total, são ofertadas 3.434 vagas, distribuídas entre 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp. O preenchimento das vagas é feito, dentro de cada carreira, de acordo com a classificação obtida.