05/11/2012 / Em: Clipping

 


Comvest divulga locais de prova da 1ª fase do vestibular da Unicamp 2013  (Globo.Com G1 Vestibular – 01/11/12)

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) divulgou na manhã desta quinta-feira (1) os locais de prova da primeira fase do Vestibular 2013. A relação dos endereços pode ser consultada pelos candidatos na página na internet da comissão. Neste ano, são 3.444 vagas em 68 cursos da Unicamp e dois cursos da Faculdade pública de Medicina e Enfermagem de São José do Rio Preto (Famerp).



Para professores, prova do segundo dia do Enem 2012 exigiu do candidato leitura crítica   (UOL – Educação – 04/11/12)

O segundo dia de prova do Enem 2012 (Exame Nacional do Ensino Médio) trouxe enunciados longos e a exigência de uma leitura crítica feita pelos candidatos, de acordo com professores ouvidos pelo UOL Educação. A prova de linguagens e códigos e a redação trouxeram textos com problemática social e com diferentes tipos de linguagem, como tirinhas, poesia e artes, que exigiam do aluno interpretação de texto e capacidade de estabelecer relações com o mundo. O tema da redação foi “Movimento Imigratório para o Brasil no século XXI” e citava os casos dos bolivianos e dos haitianos. “A prova exigiu um aluno com boa leitura, com senso crítico”, avalia a professora Vera Lúcia Antunes, do curso e colégio Objetivo. Na parte de português, a prova não exigiu conteúdos gramaticais específicos, mas pedia uma boa capacidade de interpretação de texto e análise.



Para professor da Poli, Enem 2012 aponta para mudança estrutural do ensino médio  (IG – Educação – 05/11/12)

O debate liderado pelo governo federal para reformular o ensino médio parece ter sido refletido no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2012. É nesse sentido a avaliação de Joel Pontin, coordenador da disciplina transdisciplinar “aprender a conhecer” do Cursinho da Poli, voltada para o Enem. “Eu diria que foi uma prova-mensagem, no sentindo do que vai ser a nova escola”, aposta o professor também de química. O educador acredita que mudanças farão com que escolas tenham que repensar metodologicamente o dia-a-dia. Nesse sentido, a nova escola tem como desafio ser mais do que uma fornecedora de um empilhamento de informações ao longo da vida escolar do estudante para se tornar uma mediadora de construção de repertório capaz de auxiliar o estudante a fazer análises e conexões – uma das principais críticas ao ensino médio é o excesso de disciplinas obrigatórias e a falta de relações entre elas.  “Essas habilidades vieram com muita força em 2012 e não parece ter sido à toa”, comenta Joel. O especialista cita como exemplo a prova de Ciências da Natureza, aplicada no primeiro dia, que se mostrou mais interessada em avaliar o hábito saudável da leitura e a capacidade do aluno em fazer relações. No bloco temático, temas pautados pela Rio+20 deste ano como água, solo, reciclagem, energia e biocombustíveis foram amplamente explorados.