06/04/2010 / Em: Clipping

 


Educação – Calendário dificulta uso do Enem  (Correio Popular – Cidades – 06/04/10)

O calendário dos vestibulares 2011, divulgado na última semana pelas três maiores universidades públicas do Estado de São Paulo, deve inviabilizar a utilização da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pela Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Representantes das instituições ressaltaram o desejo de usar a nota do Enem, mas, de acordo com as datas de provas previstas, apenas a Universidade Estadual Paulista (Unesp) teria condições. Isso porque o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas e Educacionais (Inep), responsável pelo Enem, só deve entregar as notas para as universidades em 6 de janeiro — após a convocação para a segunda etapa. A Unicamp e a USP pretendem manter o modelo do ano passado — antes do cancelamento do Enem —, pelo qual o desempenho no exame valeria 20% na nota da 1 fase. Em 2009, ambas deixaram de lado o Enem depois que reportagens revelaram o furto das provas, levando ao adiamento do exame. Embora o Ministério da Educação não tenha oficializado as datas, as provas do Enem devem ocorrer dias 6 e 7 de novembro. O ministério quer pelo menos exigir da empresa escolhida para elaborar o exame um parecer no qual seja divulgada a data em que o resultado será entregue. De acordo com o diretor da Comvest, que organiza o vestibular Unicamp, Renato Pedrosa, a decisão oficial sobre a utilização do exame sai até maio, quando será definida, no edital do processo, a data final para o recebimento das notas. Pedrosa já adiantou que o limite é novembro. “A Unicamp pretende usar o Enem, mas depende de quando o Inep divulgar as notas.” Na USP, a confirmação será em maio. “A data do Enem vai pesar na decisão”, diz o pró-reitor de graduação substituto da USP, Quirino Augusto de Camargo Carmello. A Unesp pretende adotar um modelo diferente na soma das notas — semelhante ao do ano passado — e deve usar o Enem. “O Enem representará 20% da nota de primeira fase, mas apenas no cálculo final”, afirmou Tânia Cristina Arantes Macedo de Azevedo, diretora acadêmica da Vunesp.