06/08/2012 / Em: Clipping

 


Aluno da Unicamp nascido na zona rural de MG vai estudar na França   (Globo.Com – G1 Vestibular – 06/08/12)

Quando vivia em Pocrane, cidade de 9.000 habitantes na zona rural de Minas Gerais, André Luiz de Moura Marques, hoje com 21 anos, queria se livrar do trabalho na roça. Tinha pavor de ter de ajudar a família no cultivo das plantações de milho, feijão e arroz como faziam os jovens de sua idade, e ia estudar, ler e sonhar com novas oportunidades. Não sabia ao certo onde queria chegar, mas conhecia o caminho: a educação. Pocrane ficou para trás, André se tornou aluno de engenharia química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e agora está prestes a mudar de casa novamente. O destino é Lyon, que abriga a École Centrale de Lyon, uma das mais respeitadas instituições de ensino superior de engenharia do mundo. O jovem vai participar de um intercâmbio de dois anos que será possível graças a um programa de duplo diploma da Unicamp destinado aos estudantes de engenharia. Os candidatos são selecionados por meio de análise de currículo, histórico escolar, entrevista e prova. André embarca no próximo dia 21 de agosto. Vai aprender o idioma, fazer as disciplinas do curso de engenharia química em Lyon, mas conclui a graduação na Unicamp. Não é a primeira vez que André sairá do país. Em julho, em sua primeira viagem de avião, ficou três semanas na China por um programa de intercâmbio do Santander para participar de uma série de discussões sobre meio ambiente e sustentabilidade. “Foi bom conhecer outro país, outra cultura, outra moeda. É bom ver tudo isso para depois emitir suas próprias opiniões”, diz. Para chegar até a École Centrale de Lyon, a trajetória do jovem foi longa. Durante o ensino fundamental estudava em um povoado distante uma hora de sua casa em Pocrane, ia a pé, sob sol quente.



Para onde vão as nossas universidades  (Folha de S.Paulo – Opinião – 06/08/12)

A expansão do ensino superior durante os governos Lula e Dilma foi quantitativamente ampla, tanto para as universidades públicas quanto para as privadas. O primeiro grupo vivenciou uma expansão dos campi muito significativa, através da profusão de cursos -muitos dos quais, entretanto, pautados pela razão instrumental, de qualidade duvidosa e em sintonia com a era da flexibilidade. O segundo grupo viu o governo do PT mostrar também um lado generoso em relação aos mercados. Faculdades em sua grande maioria de fachada, autodefinidas como “instituições do ensino superior”, carentes de rigor científico mínimo em sua docência e pesquisa (esta, salvo raras exceções, inexiste neste ramo empresarial), tiveram seus cofres inflados com o ProUni. Já que os pobres são tolhidos em larga escala das universidades públicas -uma vez que frequentam o ensino fundamental em escolas públicas, que se encontram destroçadas-, o governo Lula encontrou uma saída bárbara: reuniu-os nos espaços privados do ProUni. De outra parte, deu-se positivamente a ampliação das universidades públicas, através da expansão dos cursos nas instituições federais e da contratação significativa de docentes.