07/11/2011 / Em: Clipping

 

Destak
Unicamp proíbe celular e relógio digital em vestibular  (Destak – Campinas – 07/11/11)

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) determinou  para  o  vestibular deste ano, que será proibida a entrada de vestibulandos portando telefone celular, mesmo que desligados. Segundo  a  Comvest (Comissão Permanente para  os Vestibulares), além dos telefones celulares, também está proibido o uso de relógios digitais, bonés e canetas que não sejam transparentes. “Não vai haver nenhum tipo de revista no local da prova, porém se o fiscal perceber o candidato em posse de celular, ele será desclassificado da prova”, esclareceu uma das integrantes da  Comvest, Juliana Sangion. O candidato à Engenharia Química, Rodrigo Artioli, considera a proibição uma medida válida. “Acho a medida cabível, não só por impedir acontecimentos como os que ocorrem no  Enem, mas também por achar o celular algo que não é necessário naquele ambiente”, afirmou.



Unicamp proibe até celular desligado na  prova  (RAC – Educação – 05/11/11)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) divulgou o local de provas da primeira fase do vestibular 2012 junto com uma novidade. A prova será realizada no próximo dia 13 e, a partir deste ano, será proibido entrar nas salas portando celulares. O candidato que for pego com o aparelho, ainda que desligado, durante a realização das provas, será eliminado do vestibular. Também é vedada a utilização de quaisquer equipamentos eletrônicos, relógios digitais, corretivo líquido, lapiseira, lenço, boné, chapéu, ou outros materiais estranhos à prova. Para consultar o local de provas da primeira fase, marcada para o próximo domingo, dia 13, o candidato deve consultar o site da Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest). É necessário apenas digitar o nome ou o número de inscrição no vestibular.



Cresce 6% o número de matrículas no ensino superior  (Folha de S.Paulo – Educação – 05/11/11)

O número de estudantes brasileiros matriculados no ensino superior chegou a 6,38 milhões em 2010 – patamar 6,7% superior ao registrado em 2009. É o que mostram dados preliminares do, do MEC (Ministério da Educação). A meta do governo, incluída no PNE (Plano Nacional de Educação), é atingir 10 milhões de matrículas até 2020. Para o secretário de Ensino Superior do MEC, Luiz Cláudio Costa, o crescimento das matrículas deverá ser maior nos próximos anos. Isso porque, segundo ele, a expansão das vagas nas universidades federais, iniciada em 2007, ainda não se consolidou. “Esses programas já garantiram um aumento, mas ele será ainda maior nos últimos anos. O alicerce está perfeito e as coisas estão caminhando dentro de um projeto estruturado”, avaliou. As instituições públicas de ensino superior foram responsáveis por 310 mil novas matrículas e o setor privado por 120 mil, totalizando 430 mil novos estudantes. Entre 2008 e 2009, o crescimento tinha sido de 2%. Apesar do esforço do MEC para aumentar o número de alunos nas instituições públicas, a proporção de matrículas entre os estabelecimentos privados e públicos continua desigual.