08/03/2018 / Em: Clipping

 

Unicamp libera lista de aprovados na 5ª chamada do vestibular 2018; confira (G1 – Campinas e Região – 08/03/2018)

Ao todo, foram convocados 159 estudantes; veja como fazer a matrícula presencial.

 

A Unicamp liberou nesta quarta-feira (7) a lista com nomes dos 159 aprovados na 5ª chamada do vestibular 2018.

O candidato aprovado precisa fazer a matrícula presencial na sexta-feira (9), das 9h às 12h, nos respectivos campi, conforme indicação da Unicamp:

Faculdade de Odontologia (FOP) – campus de Piracicaba (SP)

Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) e Faculdade de Tecnologia – campus de Limeira (SP)

Demais cursos – campus de Campinas (SP), em Barão Geraldo

Próximas chamadas

Segundo a Comvest, a sexta chamada será divulgada na sexta-feira e, neste caso, os convocados devem realizar matrícula presencial em 13 de março. Ao todo, estão previstas até 11 chamadas. No vestibular 2018, a Unicamp registrou número recorde de inscritos – 83,7 mil candidatos. Entre os cursos mais concorridos estão: medicina, arquitetura e urbanismo e ciências biológicas.

 

Português e matemática são destaque em versão da base curricular do ensino médio; entenda proposta e veja análises (G1 – Educação – 08/03/2018)

Apenas as disciplinas de língua portuguesa e matemática seriam obrigatórias, as demais aparecem de forma interdisciplinar no documento será entregue ao CNE até o fim do mês.

 

A mais recente versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do ensino médio será enviada pelo Ministério da Educação (MEC) ao Conselho Nacional da Educação (CNE) até o fim do mês de março. Mas antes de nova rodada de debate pelos conselheiros, o texto já opõe MEC e especialistas. A BNCC é documento que vai nortear o que deve ser ensinado nas escolas, levando em conta o que está previsto na reforma do ensino médio aprovada em dezembro do ano passado. A primeira parte da norma, referente a educação infantil e ensino fundamental, foi homologada em dezembro do ano passado. Até ser aprovado, o texto ainda vai percorrer um longo caminho, passar por debates e audiências públicas. Entretanto já é possível observar pelo menos dois eixos principais na atual versão do documento formulado pelo MEC:

Apenas as disciplinas de língua portuguesa e matemática serão obrigatórias nos três anos do ensino médio, as demais aparecem de forma interdisciplinar;

Não haverá orientações detalhadas de habilidades que devem ser ensinadas nos itinerários formativos, previstos na reforma do ensino médio.

Português e matemática

Apesar do envio ao conselho ainda não ter sido oficializado, o Ministério da Educação fez uma apresentação a secretários da Educação, em São Paulo, no fim de fevereiro, e adiantou que os pontos acima estarão no documento que será encaminhado. Nele, o governo mostra a intenção de transformar como obrigatórias apenas as disciplinas de língua portuguesa e matemática. As demais, as 12 restantes, como física, química, filosofia, por exemplo, aparecem de maneira interdisciplinar em três áreas de conhecimento definidas como ciências humanas, ciências da natureza e linguagens e suas tecnologias. Cesar Callegari, presidente da comissão de elaboração da base no CNE, diz que dessa forma o MEC induz a uma concepção errada de que somente as disciplinas de português e matemática são importantes.

“E elas não se sustentam sozinhas. As demais disciplinas não são tratadas como componentes curriculares, não há base conceitual. Cria uma imensa instabilidade junto aos professores brasileiros.” Callegari defende o rompimento das disciplinas isoladas como ocorre hoje, mas, por outro lado, diz que elas não podem ser abandonadas. “Não se pode jogar tudo fora e tratar como se fosse projeto. Os alunos precisam ser preparados para pensar sobre física, química, biologia, não é só ‘fazeção’.” – Cesar Callegari

Maria Helena Guimarães, secretária executiva do MEC, disse em entrevista por e-mail ao G1, que o não detalhamento das demais disciplinas atende a uma solicitação dos secretários estaduais de educação. “A BNCC foi organizada por áreas de conhecimento, de forma a não engessar os currículos e respeitar a prerrogativa dos estados em definir a forma de organização dos seus próprios currículos. Isso quer dizer que os estados podem definir seus currículos por disciplinas, como é obrigatório hoje, ou por projetos interdisciplinares ou, ainda, outras formas de organização”, afirma. “A base organizada por áreas não exclui nenhum dos conteúdos de filosofia, sociologia, artes, física, química, biologia e outros, apenas os trata de forma integrada na sua área de conhecimento para não inibir a flexibilização dos currículos e itinerários formativos introduzidos pela nova lei do ensino médio.”

Itinerários

A reforma do ensino médio aprovada no ano passado prevê que 40% da carga horário do ensino médio seja destinada aos itinerários formativos, que representa a parte flexível do currículo. São eles:

linguagens e suas tecnologias

matemática e suas tecnologias

ciências da natureza e suas tecnologias

ciências humanas e sociais aplicadas

formação técnica e profissional

As escolas, pela reforma, não são obrigadas a oferecer aos alunos todas as cinco áreas, mas deverão oferecer ao menos um dos itinerários formativos. Segundo o ministério, a base não vai trazer orientações detalhadas das habilidades que precisam ser ensinadas em cada um destes eixos. Caberá aos sistemas e redes de ensino defini-las. De acordo com Maria Helena Guimarães, o que constará na base para os itinerários, “com exceção da educação técnico profissional, são as competências específicas para as quatro áreas de conhecimento.”

Para Callegari, a medida reduz os direitos de aprendizado no que couber nas 1.800 horas obrigatórias do ensino médio. “Sem proposta para os itinerários formativos, a rede fica solta e desobrigada a oferecer um ensino de qualidade. A base é a expressão dos direitos de aprendizado. Se eles são pequenos, os direitos também serão pequenos.”

Maria Helena diz que “a organização curricular e o detalhamento das disciplinas e dos itinerários formativos são prerrogativas dos currículos que serão elaborados pelas redes estaduais e ou escolas.”

Próximos passos

Os conselheiros têm autonomia para propor mudanças no texto que irá receber do MEC. Callegari afirmou que o CNE vai propor uma ampla discussão sobre o tema, e depois encaminhar as alterações ao governo. Assim como a base da educação infantil e do ensino fundamental, o documento do ensino médio ainda será debatido com entidades, em audiências pública e consulta pública. A expectativa do conselheiro é de que ela seja aprovada até o fim do ano.

 

 


Unicamp anuncia 5ª chamada do Vestibular 2018 (Super Vestibular – Notícias – 08/03/2018)

As matrículas dos calouros serão realizadas na sexta-feira, 9 de março, das 9h às 12h.

 

A Universidade de Campinas (Unicamp) divulgou a 5ª chamada do Vestibular 2018 nesta quarta-feira, 7 de março.

Os calouros da Unicamp terão que se matricular na próxima sexta-feira, 9 de março, das 9h às 12h. Os aprovados devem comparecer aos seus respectivos campi de aprovação (Piracicaba, Limeira e Campinas), com os originais e cópias dos documentos abaixo:

=> Identidade
=> CPF
=> Certificado de Conclusão e Histórico Escolar do Ensino Médio;
=> Certidão de nascimento ou casamento;
=> Título de eleitor (obrigatório para maiores de 18 anos).

As próximas chamadas da Unicamp serão realizadas nos dias 9, 13, 15, 19, 23 e 27 de março.

Vestibular

A Unicamp ofereceu 3.340 vagas neste Vestibular 2018, o que representa um aumento em relação às 3.330 oportunidades da última seleção e às 3.320 da seleção de 2016.  As vagas da Unicamp foram para os cursos gratuitos ministrados nas unidades de Campinas, Limeira e Piracicaba. O Vestibular contou com duas fases de seleção. A primeira foi aplicada em 19 de novembro de 2017 e trouxe 90 questões Português, Matemática, História, Geografia, Química, Física, Biologia, Língua Estrangeira e interdisciplinares.  A segunda etapa foi realizada entre os dias 14 e 16 de janeiro. Suas provas tiveram questões discursivas de Português, Literatura, Química, Física, Biologia, Geografia, História e Matemática, além da Redação. Mais informações no Manual do Candidato.

 

 


Unicamp libera a 5ª chamada de aprovados em seu Vestibular 2018 (Vestibular Brasil Escola – Notícias – 08/03/2018)

As matrículas dos convocados serão realizadas no dia 13 de março.

 

A quinta chamada de aprovados no Vestibular 2018 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) está disponível. Os convocados devem comparecer ao campis que oferta o curso para o qual foi aprovado no dia 9 de março para realizar a matrícula. O atendimento aos novos calouros será feito das 9h às 12h e será necessária a apresentação dos seguintes documentos: Certificado de Conclusão e Histórico Escolar do Ensino Médio; Certidão de Nascimento ou de Casamento; Carteira de Identidade e CPF; Título de Eleitor; e Certificado de Reservista, para homens maiores de 18 anos. A próxima convocação deve ser publicada no dia 9 de março, com matrículas até o dia 13 seguinte. De acordo com o calendário, outras chamadas estão previstas para os dias 15, 19, 23 e 27 de março. Ao todo serão divulgadas onze listas de aprovados e, a partir da 10ª convocação, a Unicamp deve publicar uma Lista de Espera. As demais chamadas serão feitas com base na lista de estudantes que manifestaram interesse.

Provas

Este vestibular foi composto por duas fases, sendo a primeira delas aplicada no dia 19 de novembro. Os melhores colocados seguiram para a etapa seguinte, que contou com avaliações entre os dias 14 e 16 de janeiro. Candidatos dos cursos de Música, Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança passaram também por Testes de Habilidades Específicas.

Vagas

O Vestibular 2018 da Unicamp disponibilizou 3.340 vagas em 70 cursos ministrados em Campinas, Limeira e Piracicaba, no interior de São Paulo. Quem concluiu todo o ensino médio em escolas pública pôde participar do Programa de Ação Afirmativa para Inclusão Social (PAAIS), recebendo bônus nas notas.

Outros detalhes podem ser obtidos no Manual do Candidato.