10/05/2013 / Em: Clipping

 


Unicamp: desempenho de alunos com bônus é igual ao dos demais   (Terra – Vestibular – 09/05/13)

Estudo divulgado nesta quinta-feira pela Universidade de Campinas (Unicamp) aponta que estudantes oriundos de escolas públicas bonificados pelo Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (Paais) apresentam ganho de desempenho em relação aos demais, quando se compara duas medidas: a nota no vestibular e a nota ao final na graduação. Com notas inferiores no vestibular, os estudantes de escola pública conseguem melhorar seu desempenho ao igualar as notas obtidas ao longo do curso na Unicamp com as dos demais estudantes. O levantamento acompanhou a vida acadêmica dos ingressantes na Unicamp nos anos de 2005 a 2008, comparando o desempenho de todas as turmas após quatro anos na instituição.



Enem: justificativa para nota máxima fica fora do edital   (O Globo On Line – Educação – 10/05/13)


Apesar de ter sido anunciada há dois dias pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, como uma das grandes novidades do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, a exigência de justificativa dos corretores para cada nota máxima dada em uma redação não consta no edital da prova, publicado ontem no Diário Oficial da União. O MEC também não detalhou no documento quais erros seriam aceitos em casos tidos como “excepcionais”. A medida foi divulgada como uma resposta à série de falhas das correções da prova mostradas pelo GLOBO em abril deste ano. O jornal revelou que redações de mil pontos (nota máxima) da última edição do exame continham erros graves de concordância e de ortografia, como “rasoável” e “trousse”. No entanto, não há nenhum dispositivo no edital que torne obrigatória a medida sobre a justificativa dos corretores. Questionado sobre a ausência da justificativa, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), responsável pelo Enem, informou que a medida constará nas orientações dadas aos corretores no momento do treinamento. Embora ainda não haja punição clara aos que não seguirem a orientação, o Inep disse que a fuga de suas diretrizes poderá acarretar desligamento do avaliador. Entre as medidas anunciadas, consta no edital que redações com inserções deliberadamente indevidas serão anuladas. Além disso, foi reduzida de 200 para 100 pontos a discrepância necessária para a prova ser revisada por um novo corretor. O professor de Língua Portuguesa Rodrigo Monteiro participou das correções de redação do Enem entre 2009 e 2011. Para ele, mesmo se for cumprida, as justificativas dadas pelos corretores serão “para constar”.— Teve vezes em que eu tive que corrigir 300 redações em um só dia. Você acha mesmo que um corretor vai parar todo seu trabalho para escrever uma justificativa e mandar para seu supervisor? E, mesmo se fizer isso, a justificativa vai ser aquela toda padronizada, só para constar — argumentou Monteiro.