11/11/2011 / Em: Clipping

 


‘Redação é o que eu mais temo’, diz estudante que fará prova da Unicamp  (Globo.com – G1 Vestibular – 11/11/11)

Mais de 61 mil estudantes estão inscritos para o vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que ocorre neste domingo (13). Nesta primeira fase o que mais amedontra os candidatos é a prova de redação, que inclui a produção obrigatória de três textos de gêneros diferentes que não são divulgados antes do exame. Além dos textos, os estudantes têm de responder 48 questões de múltipla escolha. No ano passado, entre os três textos obrigatórios da Unicamp estavam um comentário de uma pesquisa, um discurso como se o candidato fosse um líder estudantil e um artigo opinativo. “Nesta primeira fase a redação é o que mais temo, ao lado de matemática”, diz Taís Aparecida de Andrade, de 19 anos, moradora de Jaguariúna, no interior de São Paulo. Taís quer uma vaga no curso de medicina e vai fazer a prova da Unicamp pelo segundo ano consecutivo. A estudante conta que se preparou ao longo do ano, com a produção de textos diversos que eram corrigidos por professores e simulados. “Acho que evoluí”, diz. Taís acredita que pelo menos um dos textos a ser cobrado pela Unicamp deva ser uma narração ou conto. Outro desafio, segundo a candidata, é o tempo. Os estudantes terão cinco horas para fazer a primeira fase da Unicamp, incluindo os três textos e as 48 questões. Para não se perder, Taís costumava escrever em casa ao lado do relógio. “Fazia redações e cronometrava o tempo. Não adianta fazer bons textos e deixar as questões de lado, e vice-versa.”



Metade das vagas no ensino superior do País sobrou em 2010  (Terra – Educação – 11/11/11)

No ano passado, quase metade (49%) das vagas de ingresso para novos alunos oferecidas pelas universidades, centros universitários e faculdades do País não foi preenchida. Segundo dados do Censo da Educação Superior de 2010, divulgado nesta semana pelo Ministério da Educação (MEC), as 2.377 instituições de ensino superior disponibilizaram 3.120.192 vagas em seus processos seletivos, mas o número de ingressos registrados foi 1.590.212.  De 1,5 milhão de oportunidades de acesso não preenchidas em 2010, a maioria era de estabelecimentos particulares. Ainda assim, sobraram 36 mil vagas em instituições públicas, especialmente nas municipais. O secretário de Ensino Superior do MEC, Luiz Cláudio Costa, reconhece que é preciso melhorar o aproveitamento das vagas das instituições que não são federais.  “As instituições municipais passam por algumas dificuldades. Estamos elaborando um programa para que a gente possa apoiar as instituições públicas que não são federais e passam por dificuldades de financiamento ou infraestrutura.



Total de calouros de engenharia no Brasil cresce 83% em 2010  (Folha de S.Paulo – Cotidiano – 11/11/11)

O número de novos alunos de engenharia quase dobrou no ano passado no país, mas as faculdades ainda não conseguem atender à demanda do mercado aquecido com o crescimento econômico. As conclusões estão no levantamento do Observatório de Educação em Engenharia, grupo de pesquisa ligado à Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). A base é o Censo da Educação Superior do Ministério da Educação, divulgado nesta semana. A pesquisa aponta que o número de ingressantes nos cursos de engenharia cresceu 83% em 2010 em relação a 2009. Considerando todas as carreiras presenciais no ensino superior, a elevação foi de 5%, segundo tabulação da Folha. Medicina e administração subiram 1%, e direito, 7%. O aumento de calouros em engenharia ocorreu basicamente via vagas ociosas e foi puxado pelas áreas de produção e construção civil. Segundo o pesquisador Vanderli Fava de Oliveira, um dos responsáveis pelo estudo, o aumento é devido às constantes notícias de carência de engenheiros no país. Oliveira ressalta que o número de formandos ainda é baixo, considerando a demanda da indústria. Em 2010, foram 41 mil concluintes. “A CNI [Confederação Nacional da Indústria] afirma que são necessários 70 mil novos engenheiros em 2011. Vamos ter de continuar a importar profissionais”, afirmou Oliveira, também diretor da Associação Brasileira de Ensino de Engenharia. Segundo os últimos dados, cerca de 25% dos formandos da área fizeram cursos reprovados na avaliação federal.

MAIS CRESCIMENTO

O secretário de Ensino Superior do MEC, Luiz Cláudio Costa, disse que o crescimento na área decorre, em parte, da expansão de vagas públicas feita pelo governo. “Mas precisamos crescer mais.” O representante do governo Dilma afirmou que o ministério finaliza estudo para identificar as regiões e as áreas da engenharia prioritárias, considerando os investimentos e as demandas previstas para os próximos anos. “Em quatro ou cinco anos nossos números [de formados] estarão em patamares bem melhores”, disse o diretor da Escola Politécnica da USP, José Roberto Cardoso.

Concorrência em medicina aumenta 40%  (Folha de S.Paulo – Cotidiano – 11/11/11)

Quem pretende virar médico enfrenta uma concorrência cada vez maior. Segundo o Censo da Educação Superior, o número de candidatos à carreira subiu 40% em apenas um ano (2009-2010). No período anterior, a elevação havia sido de 1%. Em números absolutos, 542 mil alunos tentaram uma vaga na carreira no ano passado. Como o número de lugares ficou praticamente estável, em 16 mil, a concorrência chegou a 34 estudantes por vaga. Se consideradas todas as carreiras do país, são quatro alunos por vaga. Segundo o secretário de Ensino Superior do MEC, Luiz Cláudio Costa, a disparada na concorrência em medicina ocorreu devido ao Sisu, sistema federal que permite que o aluno dispute vagas em todo o país apenas com o Enem. “Antes, muitos sonhavam com medicina, mas não tinham dinheiro nem para viajar nem para fazer o vestibular”, afirmou.

EXPANSÃO

O número de vagas segue estável principalmente devido à ação do MEC, que raramente tem autorizado a abertura de cursos. A principal preocupação, diz o secretário, é com a qualidade dos cursos. Em breve, porém, poderá ocorrer um ciclo de expansão. Os ministérios da Educação e da Saúde finalizam estudo para verificar onde há carência de médicos, para que haja criação de vagas de graduação.



Vestibular Unicamp 2012 acontece neste domingo   (IG – Educação – 11/11/11)

O vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) acontece neste domingo (13) com número recorde de inscritos: 61.500 candidatos. São oferecidas 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp). Para verificar o local de prova, os candidatos devem acessar o site da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) e digitar o nome ou o número de inscrição no vestibular. O Vestibular Unicamp 2012 mantém o mesmo formato de provas lançado no ano passado. Na primeira fase, tem duas partes: a redação, em que o candidato será solicitado a produzir três textos de gêneros diversos, todos de execução obrigatória, e a parte de conhecimentos gerais, com 48 questões de múltipla escolha, baseadas nos conteúdos das diversas áreas do conhecimento desenvolvidas no ensino médio. O tempo máximo de prova na primeira fase é de cinco horas e o mínimo de três horas e trinta minutos.