12/04/2011 / Em: Clipping

 


Unicamp abre inscrições para a oficina ‘A redação no vestibular’  (IG – Vestibular – 11/04/11)

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) abriu as inscrições para a oficina “A Redação no Vestibular Unicamp”, que pretende esclarecer professores do ensino médio e estudantes universitários as características da nova prova da Redação, que passou a ser aplicada desde o último vestibular. Podem participar professores do ensino médio de escolas públicas e particulares, alunos de graduação ou pós-graduação. Os interessados devem fazer a inscrição exclusivamente pela internet, no site da Comvest, até as 17 horas do dia 22 de abril. A oficina será oferecida em dois sábados e o participante poderá escolher a data em que quer participar: 7 ou 14 de maio. A taxa de inscrição é de R$ 35 para estudantes e professores de escolas da rede pública; e R$ 70 para professores de escolas particulares.


 
Unicamp abre inscrições para oficina sobre redação do vestibular (EPTV – Virando Bixo – 11/04/11)

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) abriu nesta segunda (11) o período de inscrições para a oficina “A Redação no Vestibular Unicamp”. O curso abordará a nova prova de redação, que passou a ser aplicada desde o último vestibular. Os interessados devem fazer a inscrição exclusivamente no site www.comvest.unicamp.br, até as 17h do dia 22 de abril. A oficina será oferecida em dois sábados e o participante poderá escolher a data em que quer participar: 7 ou 14 de maio.



Unicamp abre inscrições para a oficina de redação do vestibular 2012  (Globo On Line – Vestibular – 11/04/11)

A Universidade de Campinas (Unicamp) abriu o período de inscrições para a oficina “A Redação no Vestibular 2012”, sobre as características da nova prova da Redação que passou a ser aplicada desde o último vestibular. Os interessados deverão fazer a inscrição, até as 17 horas do dia 22 de abril. A oficina será oferecida em dois sábados e o participante poderá escolher a data em que quer participar: 7 ou 14 de maio. A taxa de inscrição é de 35 reais para estudantes e para professores de escolas da rede pública; e 70 reais para professores de escolas particulares.



Brasil forma quase três vezes menos engenheiros do que países da OCDE  (O Dia – Educação – 11/04/11)

As áreas preferidas de formação dos estudantes brasileiros no ensino superior são ciências sociais, negócios, direitos e serviços (37,1%) e humanidades, artes e educação (29,3%). É o que mostra levantamento feito pelo especialista em análise de dados educacionais Ernesto Faria, do portal Estudando Educação, a partir de relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os números apontam que o Brasil forma quase três vezes menos engenheiros do que os países desenvolvidos que fazem parte do grupo. O estudo reuniu dados sobre 36 países. Entre todos eles, o Brasil tem o menor percentual de formandos em engenharia, indústria e construção: 4,6% do total, enquanto entre os países da OCDE a média é de 12%. Na Coreia do Sul e no Japão, por exemplo, os formandos nessas áreas respondem por 23,2% e 19% do total, respectivamente. O outro país latino-americano incluído na pesquisa, o Chile, tem 13,7% de titulados nessa área do total de concluintes. O secretário de Ensino Superior do Ministério da Educação, Luiz Cláudio Costa, afirma que a pasta já trabalha para mudar esse quadro. Uma “sala de situação” está mapeando – junto com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e outros órgãos do governo – quais áreas do conhecimento, inclusive as engenharias, precisarão ter um aumento no número de profissionais formados para atender as demandas do país nas próximas décadas. “Com a expansão do Reuni [Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais, lançado em 2007], dobramos a matrícula nos cursos de engenharia. Então, no horizonte de uns cinco anos, já teremos uma mudança porque os concluintes vão aumentar muito. Mas, independentemente disso, temos que avançar mais.