13/01/2010 / Em: Clipping

 

Pesquisa FAPESP no vestibular  (Fapesp – Notícias – 12/01/10)

Todas as 12 questões dissertativas da prova de química da segunda fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), ministrada ontem (11/01) ao lado do exame de História, foram formuladas a partir de reportagens publicadas na revista Pesquisa FAPESP. Desde 1987, quando o vestibular da Unicamp deixou de ser unificado, foi a primeira vez que a universidade baseou sua prova de química em apenas uma fonte de informação. A informação é o destaque principal de hoje no site da Unicamp (veja imagem acima). Antes de apresentar as perguntas de química, o texto da prova justificou desta forma a escolha da revista como base do conteúdo do exame: “As questões dessa prova exploram matérias da Revista Pesquisa FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), uma publicação mensal disponível gratuitamente na rede mundial. Essa é uma importante fonte de informação para a sociedade em geral e particularmente útil para quem quer aprender e ensinar em todas as áreas do conhecimento. As questões seguintes são um singelo exemplo desse uso. BOA PROVA!” As questões da prova exploraram um pouco da grande diversidade de temas científicos que são alvo de reportagens de Pesquisa FAPESP. A primeira pergunta, por exemplo, é formulada com base numa reportagem publicada no número 163 da revista, de setembro de 2009, que trata da descoberta de estrelas da Via Láctea com núcleo quase totalmente cristalizado, as chamadas estrelas de diamante. A segunda é inspirada num texto da edição 146 de Pesquisa FAPESP, de abril de 2008, que “fala de um sistema de descontaminação e reciclagem de lâmpadas fluorescentes que separa seus componentes (vidro, mercúrio, pó fosfórico e terminais de alumínio), tornando-os disponíveis como matérias-primas para reutilização em vários tipos de indústria”. A terceira é baseada em outra reportagem da edição 163, que enfoca as pesquisas sobre o etanol de segunda geração. Até o mistério da imagem de uma suposta santa que se formava numa vidraça, cuja origem nada sobrenatural foi explicada num artigo publicado no número 79 de Pesquisa FAPESP, serviu de mote para uma questão do vestibular da Unicamp. O texto da revista, de setembro de 2002, mostra que a apelidada santa das vidraças era um fenômeno do acaso, e não do além. Segundo Renato Pedrosa, coordenador da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest), a ideia de formular toda a prova de química a partir de reportagens de Pesquisa FAPESP foi da banca de quatro professores que formulou o exame. “Normalmente não fazemos isso e nunca faríamos algo assim se se tratasse de um veículo comercial. Costumamos usar várias fontes de informação para formular o vestibular” afirma Pedrosa. “Mas Pesquisa FAPESP é uma boa revista de divulgação científica, é da FAPESP, que é do estado de São Paulo, e não tem fins lucrativos. Esperamos que, com esse gesto, os jovens e os pais conheçam a revista.” Ele explica que essa deve ter sido a primeira e a última vez que uma prova do vestibular da Unicamp se baseia inteiramente numa única fonte de conteúdo. Afinal, a universidade não pode fornecer pistas para os vestibulandos de onde vai retirar as ideias para suas provas.


Unicamp divulga errata de questão do terceiro dia de provas da segunda fase de 2010; veja  (UOL – Vestibular – 13/01/10)

Os organizadores do vestibular 2010 da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) divulgaram errata sobre a questão 6 de física da prova aplicada ontem (12). Segundo o documento, devido a erro de impressão, a fórmula dada na pergunta (N x (V/L)) estava sem um fator 2 no denominador. A fórmula correta seria N x (V/2L).
A banca de correção do vestibular irá considerar corretas tanto as respostas que utilizem a primeira fórmula quanto as que utilizem a segunda, “uma vez que a diferença entre as respostas se dá apenas por um fator constante, com as mesmas unidades e mesma dimensionalidade”, afirma o documento. Veja a íntegra da errata.
A questão falava de Raul Seixas e da viola caipira e a fórmula errada é a das freqüências de onda em uma corda de viola. O erro já havia sido apontado por professores ouvidos pelo UOL Vestibular. Nesta quarta-feira (13), ocorrem as provas de matemática e inglês do vestibular 2010. Após o exame, o UOL Vestibular trará a prova corrigida e comentada por professores do Curso e Colégio Objetivo. O terceiro dia de exames teve 9,06% de abstenção. Faltaram 1.332 candidatos dos 14.706 esperados. A taxa é superior à do vestibular passado, quando os ausentes somavam 7,13%. O maior índice de abstenção ocorreu no Rio de Janeiro, onde 45,45% dos candidatos faltaram. Em seguida, aparece Fortaleza, com 36,99% de ausentes. Em São Paulo, os faltantes foram 9,5% e, em Campinas, 8,36%.

 

 

Física da Unicamp traz fórmula errada, dizem professores; nível de dificuldade foi médio no 3º dia de exames da 2ª fase  (UOL – Vestibular – 12/01/10)

A prova de física da segunda fase do vestibular 2010 da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) forneceu uma fórmula errada na pergunta 6, segundo os professores de cursinhos consultados pelo UOL Vestibular. A questão fala de Raul Seixas e da viola caipira e a fórmula errada é a das freqüências de onda em uma corda de viola. “A fórmula é N x (V/2L), faltou o 2 no denominador no enunciado da Unicamp”, afirma o professor Caio Calçada, do curso Objetivo. “A resposta final vai dar o dobro do que deveria. Mas imagino que o examinador não deva anular, dando pontos para quem usou a fórmula correta ou a errada”, especula. O problema com a fórmula, de acordo com o supervisor de física do Anglo, Ronaldo Moura de Sá, pode ter prejudicado o bom aluno. “Quem está preparado conhece a fórmula e vê que está errada. Ele pode ter perdido tempo com isso”, diz. O professor Marcelo Monte Forte da Fonseca, do Etapa, concorda com Calçada e afirma que a banca não deve anular a pergunta. Ele aponta ainda que outras duas questões tiveram pequenas imprecisões. “A questão 3 utilizou duas vezes a mesma constante, o que pode dificultar na construção do problema. E a pergunta nova pede uma estimativa que é bastante aberta”, avalia. A Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp) informou que a banca examinadora vai analisar o problema. Após avaliação, os candidatos saberão qual o procedimento que será adotado na correção.

Física

Um exame de dificuldade mediana, na opinião dos docentes, com questões contextualizadas e originais. Essa foi a cara da prova discursiva de física desta terça. “Quando você olha para a prova, vê que há assuntos que extrapolam o ensino médio. Mas a banca fornece instruções para a resolução”, afirma Fonseca. “A dificuldade está deslocada para a interpretação.” Foi exatamente pela dificuldade de entendimento do enunciado que Calçada classificou a pergunta 10 como a mais complicada do exame. “Mas as contas estavam fáceis, mesmo com as frações, não havia números muito grandes para calcular”, aponta. Para Sá, do Anglo, outra virtude do exame foi a abrangência. “A Unicamp deu um banho na Fuvest”, afirma.

Geografia

A questão mais difícil de geografia na opinião dos professores foi a 21, sobre as cavernas, dada a especificidade do tema. “A Unicamp já fez questões de geografia muito trabalhosas, mas este ano as respostas estavam bastante diretas”, afirma Vera Lúcia da Costa Antunes, do Objetivo. “Foi uma prova de média para fácil, tirando as perguntas 20 e 21”, avalia. Omar Fadil, do curso Etapa, define o nível de dificuldade de geografia entre médio e baixo. “O exame exigia que o aluno ficasse atento, porque muitas respostas estavam na própria questão”, explica. Para o professor, as questões 14 e 23, apesar de serem fáceis, poderiam confundir os estudantes. “Saber a origem dos nomes ‘El Niño’ e ‘grilagem’ são curiosidades que se fala em sala de aula, mas nem sempre os alunos lembram”, diz. Já o professor Reinaldo Scalzaretto, do curso Anglo, classifica as questões de geografia como difíceis: “Exigiram bons conhecimentos conceituais e boa decodificação de linguagens como a cartográfica, para entender os mapas; a quantitativa, para observar os gráficos; e a gramatical, para entender o que era pedido. Não era um trabalho fácil. Deve ter faltado tempo para fazer esse exame”, afirma.


Unicamp não vai anular questão com fórmula errada  (O Estado de S.Paulo – Educação.Edu – 13/01/10)

A coordenação do vestibular da Unicamp não irá anular uma questão de física em cujo enunciado havia um erro em uma fórmula. De acordo com a Comvest, responsável pelo vestibular, a banca de correção da prova considerará como corretas as soluções que utilizaram qualquer uma das fórmulas. Por um erro de impressão, segundo a Comvest, a questão número 6 da prova de física, realizada ontem, apresentava a fórmula sem um fator 2 no denominador. De acordo com nota divulgada pela coordenação do vestibular, “a diferença entre as respostas se dá apenas por um fator constante, com as mesmas unidades e mesma dimensionalidade.

 

Terceiro dia da Unicamp é o mais fácil   (O Estado de S.Paulo – Educação.Edu. – 12/01/10)

O terceiro dia do vestibular da Unicamp teve nível de dificuldade entre fácil e médio. O índice de abstenção foi de 9%, maior do que no ano passado  (7,1%). Na prova de geografia, segundo a professora do Objetivo Vera Lucia da Costa Antunes, os 13.374 candidatos resolveram questões “muito criativas”, com uma boa mescla entre a cobrança de conceitos geográficos, como a origem dos continentes, e atualidades.  Numa das perguntas, o vestibulando tinha que apontar quais são os principais produtos que as organizações criminais transnacionais comercializam, além das drogas. “Não foi difícil. Foi média para fácil. Dá tempo do aluno fazer. Nos anos anteriores era mais difícil”, conclui Vera. “Foi bem mais simples que no ano pasado, deu para responder com tranquilidade em duas horas”, endossou Omar Fadil, do Etapa. Apenas uma questão, a de número  21, estava mais difícil, para os professores. Cobrava conhecimento sobre as cavernas, tema que não é dado detalhadamente no ensino médio. “No geral, os temas foram adequados, tradicionais”, disse André Guilbur, do cursinho da Poli. A prova de física foi considerada “de média para fácil” para o professor Caio Calçada, do Anglo. Conteúdos da mecânica e eletricidade apareceram mais, mas também caiu na prova óptica, ondulatória, termologia. “Os enunciados estavam claros e não encheram linguiça contando histórias que não servem para nada”, disse. O único porém da prova de física, para Calçada, foi um erro na questão de número 6, na fórmula de vibração da corda de violão fornecida pelo examinador: F = NV/L. O correto seria: F = NV/2L. O supervisor de física do Anglo, Ronaldo Moura Sá, também achou a prova “equilibrada, muito boa”. Mas, para ele, o erro na fórmula dada foi grave e pode ter acarretado um “problemão” para os vestibulandos: “O aluno fica em dúvida se usa a fórmula que sabe, correta, ou a fornecida pelo examinador. Vai ter que decidir, isso leva tempo e atrapalha muito.” Marcelo Monte Forte da Fonseca, coordenador de Física do Etapa, vai mais longe e aponta outro erro na prova de física, na questão número 3, sobre energia, em que aparecem duas constantes diferentes, mas com o mesmo nome ‘KB’. “Isso pode gerar uma confusão”, diz. “A Unicamp não deve anular as questões. Eles vão corrigir as questões com flexibilidade. Quem resolver de acordo com a fórmula dada, também será considerado correto.”


Unicamp aceitará 2 respostas para questão de física com fórmula errada  (Globo.Com – G1 Vestibular – 13/01/10)

A Unicamp informou na manhã desta quarta-feira (13) que vai aceitar duas respostas para a questão 6 da prova de física da segunda fase, que trazia uma fórmula errada. O exame foi aplicado na terça-feira (12). A fórmula era sobre as frequências naturais de uma corda vibrante com as extremidades fixas, sendo que deveria haver um fator 2 no denominador dela. Portanto, em vez Fn= N(v/L), a correta seria Fn= N(v/2L). Segundo nota da Comvest, que realiza o vestibular, ambas as respostas serão aceitas “uma vez que a diferença entre as respostas se dá apenas por um fator constante, com as mesmas unidades e mesma dimensionalidade”.  O problema já havia sido apontado por professores de cursinho ouvidos pelo G1 . Para eles, não se tratava de um caso em que fosse necessário anular a questão. A segunda fase da Unicamp termina nesta quarta-feira (13) com as provas de matemática e inglês. O G1 vai trazer a correção das questões feita por professores de cursinhos. 

 

Questão de física da Unicamp traz fórmula errada, dizem professores  (Globo.Com – G1 Vestibular – 12/01/10)

A questão 6 da prova de física da segunda fase da Unicamp, aplicada nesta terça-feira (12), traz uma fórmula errada no seu enunciado, afirmam professores de cursinho ouvidos pelo G1. Mesmo assim, segundo esses profissionais, não se trata de um caso em que seja necessário anular a questão. “A fórmula dada foi Fn= N(v/L), mas a correta é Fn= N(v/2L)”, diz. Segundo Ronaldo de Moura Sá, professor de física do curso Anglo, a hipótese mais provável é que a banca aceite a resposta de quem tiver usado a fórmula dada e também a resolução de quem tiver feito com a fórmula correta, já que o aluno estudioso deve conhecê-la. “Evidentemente o aluno vai usar a fórmula e sua resposta vai ser o dobro do que teria que dar fisicamente. O examinador vai ter que aceitar essa resposta, já que foi ele quem errou”, concorda Caio Sérgio Calçada, professor da disciplina no curso Objetivo. “Ou então o examinador poderá anular”, acrescenta. Para o professor do curso Etapa, Marcelo Monte Forte da Fonseca, “não se trata de um caso para anulação”. “Acredito que os examinadores vão considerar as duas respostas”, disse. Fonseca acrescenta, ainda, que na questão 3 duas constantes físicas diferentes foram ‘batizadas’ com o mesmo nome, o que poderia levar algum aluno desatento a cometer alguma confusão. “Não é nada grave, porém foi uma imperfeição”, avaliou. A coordenação da Comvest, que realiza o vestibular, informou na noite desta terça que já entrou em contato com a banca examinadora de física para analisar se há alguma incosistência na questão 6. No entanto, a resposta sobre a decisão tomada só deve ser divulgada nesta quarta-feira. 

 

‘Não tinha nada muito difícil’, opina estudante sobre provas da Unicamp  (Globo.Com – G1 Vestibular – 12/01/10)

Às vésperas do fim da maratona de provas da segunda fase da Unicamp, o estudante Renan Martins, que briga por uma vaga em engenharia civil, disse que achou os exames aplicados nesta terça (12) muito bons. “Não tinha nada muito difícil”, opinou. “A prova teve grau de dificuldade mediano, de maneira geral”. Hoje os estudantes responderam a questões de física e geografia. “Na prova de física, os itens ‘a’ e ‘b’ das questões não dependiam um do outro, como costuma acontecer. Era possível responder o ‘b’ se você não soubesse o ‘a'”, disse. De acordo com outro candidato, Artur Felipe de Sousa, a maior parte das questões dessa disciplina estavam baseadas em cinemática. “Achei a parte de física fácil porém trabalhosa pelo volume de fórmulas”, conta. Para Artur, a prova de geografia estava complicada, mas ele faz a ressalva de que é um assunto que não domina muito. “Quero prestar química, não é a minha área”, complementa. “Acho que o fato de eu não acompanhar muito as notícias pode ter comprometido meu desempenho”, disse. Para os estudantes, que fizeram a prova no prédio da Unip Vergueiro, na capital paulista, assim como nos dias anteriores o tempo foi “apertado” para resolver todas as questões.


Enunciado errado faz Unicamp considerar duas respostas para questão de física (Folha Online – Educação – 13/01/10)

A Unicamp informou nesta quarta-feira que a banca de correção das provas do vestibular 2010 vai considerar mais de uma resposta correta para a questão de número seis da prova de física, aplicada ontem (12). Segundo a instituição, a questão apresentava um erro de impressão e, por conta disso, o enunciado apresentou a fórmula das frequências naturais da onda numa corda com as extremidades fixas sem multiplicar o denominador, o comprimento L da corda, por dois, como seria o correto. Por conta disso, a banca vai considerar como corretas as soluções que utilizarem qualquer uma das formulas –a correta e a apresentava no enunciado. Hoje, a Unicamp realiza o último dia de provas da segunda fase. Cerca de 15 mil estudantes foram convocados para o exame que teve início no último domingo. Nesta quarta, serão respondidas as questões de matemática e inglês. Neste ano, o vestibular teve um número recorde de inscrições: 55.484 candidatos para 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp –Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto.

  

No terceiro dia da Unicamp prova de física tem erro em enunciado; veja correção  (Folha Online – Educação – 12/01/10)

No terceiro dia da segunda fase do vestibular 2010 da Unicamp, realizada nesta terça-feira, a prova de física foi considerada bem elaborada, mas com um problema relevante que pode ter confundido os candidatos, de acordo com os professores de cursinhos consultados pela Folha Online. O enunciado da questão seis apresentou a fórmula das frequências naturais da onda numa corda com as extremidades fixas sem multiplicar o denominador, o comprimento L da corda, por dois, como seria o correto. Para Ronaldo Moura de Sá, professor de Física do Anglo, isso pode ter confundido o aluno que estava melhor preparado e sabia que a fórmula apresentada estava errada. “O aluno que sabe vai ficar em dúvida e vai perder tempo na questão. Isso vai beneficiar o candidato médio.” Segundo Marcelo da Fonseca, professor de física do Etapa, o erro não vai levar a Unicamp a anular a questão, e sim a aceitar mais de uma resposta, uma vez que a instituição não estaria preocupada em avaliar se o candidato sabia a fórmula correta. “A ideia é avaliar se os candidatos estão preparados para estudar e se são capazes de interpretar um texto técnico. Ninguém quer saber se você sabe tudo, até porque você vai para universidade para aprender.” Para Caio Calçada, professor de física do Objetivo, a avaliação teve questões originais e com uma contextualização que trazia informações relevantes no enunciado. “O assunto das questões podia parecer difícil, mas as perguntas eram acessíveis e condizentes com o conteúdo do ensino médio.” Os professores consideraram o grau de dificuldade de médio para fácil. A prova de geografia por sua vez conseguiu alcançar um equilíbrio das questões que permitiu que o candidato respondesse todas as perguntas, o que não aconteceu nos anos anteriores, segundo a professora de geografia do Objetivo Vera Lúcia da Costa Antunes. “A prova avalia bem os candidatos. As respostas são diretas e curtas. É uma prova quase perfeita.” Uma pequena imperfeição para o professor de geografia do Etapa Omar Fadil estaria na questão 21. Segundo Fadil, morfologia das cavernas é um assunto muito específico e normalmente não muito trabalhado no ensino médio, mas a prova foi bem elaborada de uma forma geral. Os candidatos tiveram quatro horas para responder 12 questões de cada matéria, todas subdivididas em dois itens. Ao todo, 9% dos candidatos faltaram hoje, o que equivale a 1.332 dos 14.706 candidatos convocados para a prova.


Unicamp aceitará 2 respostas para questão de física com fórmula errada  (Tribuna de Santos – Educação – 13/01/10)

A Unicamp informou na manhã desta quarta-feira, que vai aceitar duas respostas para a questão 6 da prova de física da segunda fase, que trazia uma fórmula errada. O exame foi aplicado na terça-feira. A fórmula era sobre as freqüências naturais de uma corda vibrante com as extremidades fixas, sendo que deveria haver um fator 2 no denominador dela. Portanto, em vez Fn= N(v/L), a correta seria Fn= N(v/2L). Segundo nota da Comvest, que realiza o vestibular, ambas as respostas serão aceitas “uma vez que a diferença entre as respostas se dá apenas por um fator constante, com as mesmas unidades e mesma dimensionalidade”.
O problema já havia sido apontado por professores de cursinho ouvidos pela reprtagem . Para eles, não se tratava de um caso em que fosse necessário anular a questão.  A segunda fase da Unicamp termina nesta quarta-feira com as provas de matemática e inglês.


Professores apontam erro na Unicamp  (Jornal Agora – Dicas – 13/01/10)

A prova de física da segunda fase do vestibular da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) forneceu uma fórmula errada na questão 6, segundo os professores ouvidos pela reportagem do Agora. O professor de física do Curso e Colégio Objetivo Caio Calçada diz que faltou o número 2 no denominador da fórmula da frequência. “A fórmula correta é N x (V/2L). Isso pode ter gerado uma dupla solução da questão. Espero que a banca examinadora considere as duas respostas, tanto quem usou a fórmula correta, como quem usou a errada”, diz. Para o supervisor de física do Anglo Ronaldo Moura de Sá o erro na fórmula pode prejudicar o bom aluno. “Quem estava preparado viu que estava errado e pode ter perdido tempo”, afirma. Mesmo com esse incidente os professores consideraram a prova de física bem elaborada, adequada e contextualizada. “Destaco as questões 9 e 11 pela originalidade. Já a questão 10 teve uma dificuldade de interpretação”, afirma Calçada. A Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp) informou que a banca examinadora irá analisar o problema. A comissão afirma ainda que após a avaliação, os candidatos saberão qual o procedimento que será adotado na correção. A coordenadora do Curso e Colégio Objetivo Vera Lúcia da Costa Antunes afirma que os alunos não tiveram problemas em relação ao tempo para a resolução da prova de geografia. “As respostas eram diretas e objetivas. A prova foi muito bem elaborada e exigiu do aluno conhecimentos e domínio dos conceitos geográficos. O professor de geografia do Cursinho da Poli André Guibur também acredita que os vestibulandos não tiveram dificuldades com o tempo. “A prova teve um grau de dificuldade médio. Os temas abordados estava dentro do esperado. A questão mais difícil foi a 21 que fala sobre a cavernas, devido a especificidade do tema”, comenta. 1.332 vestibulando deixaram de comparecer ao exame. O número corresponde a 9% dos 14.706 convocados.

Último dia

Os candidatos realizam hoje, a partir das 14h, as duas últimas provas do vestibular. Serão 12 questões dissertativas de matemática e 12 de inglês. A lista dos convocados na primeira chamada será divulgada no dia 4 de fevereiro, e a matrícula no dia 9 de fevereiro.


Unicamp divulga errata da prova de Física; não haverá anulação  (Terra – Vestibular – 13/01/10)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) divulgou uma errata da prova de Física da segunda fase do vestibular, aplicada nesta terça-feira. Confira a Confira a nota. A prova trazia um erro de impressão de uma fórmula a ser empregada para a resolução da questão 6. Veja a prova. Segundo a comissão responsável pelo vestibular, a questão não será anulada. Serão aceitas duas respostas: a obtida com a fórmula impressa e com a fórmula correta.

Último dia

A segunda e última fase do vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) se encerra nesta quarta-feira, com a aplicação das provas de Matemática a Inglês. A prova começa às 14h, com duração máxima de 4 horas. O Terra e a equipe de professores do Sistema COC de Ensino trazem a resolução online das questões no final da tarde. Confira a resolução dos três primeiros dias. Os candidatos aos cursos com provas de aptidão, que acontecem entre 18 e 21 de janeiro, devem consultar as orientações para a realização dos exames, como locais e horários, na página da Comvest na internet (www.comvest.unicamp.br). Neste ano, o vestibular Unicamp registrou um número recorde de inscrições: 55.475 candidatos. Eles concorrem a 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp). Para a segunda fase foram convocados 14.706 candidatos. O resultado final da Unicamp será divulgado às 12h do dia 4 de fevereiro.


Unicamp divulga errata sobre questão da prova de física  (IG – Educação – 13/01/10)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) divulgou nesta quarta-feira uma errata sobre a questão 6 da prova de física da segunda fase do vestibular, aplicada na última terça-feira. De acordo com a Comvest (fundação responsável pelo vestibular), há um erro na fórmula constante da pergunta. Em comunicado, a Unicamp afirma que “houve erro de impressão, acarretando em incorreção em uma das fórmulas fornecidas aos candidatos. A fórmula em questão apresentava as frequências naturais de uma corda vibrante com as extremidades fixas, sendo que deveria haver um fator no denominador da mesma”.

A Unicamp informou que a banca irá considerar como corretas as resoluções que considerem uma das duas fórmulas apresentadas. Nesta quarta, os vestibulandos fazem o último dia de provas da segunda fase da Unicamp. Serão aplicadas as provas de matemática e inglês. O iG Educação fará a correção das provas, em parceria com o Cursinho da Poli.