14/01/2016 / Em: Clipping

 


Segunda fase do Vestibular Unicamp 2016 começa no final de semana  (SejaBixo – Notícias – 14/01/16)

Começa no próximo domingo (17) a aplicação das provas da segunda fase do vestibular 2016 da Unicamp – Universidade Estadual de Campinas. Ao todo 15.848 candidatos foram aprovados para esta fase.



Vão mesmo ‘de encontro a’?   (Folha Online – Educação – 14/01/16)

Neste espaço já afirmei várias vezes que, em língua, o que é “certo” hoje pode ter sido “errado” ontem. No século 17, Gregório de Matos escreveu “…da vossa alta piedade me despido”, porque era “despido” a forma “certa” da primeira do singular do presente do indicativo de “despedir” (que já tinha sido “despidir” e “despidyr”). Hoje a forma usada é “despeço”, que se apoia na flexão equivalente de “pedir” (“peço”). Pode-se falar também da mudança de valor de formas verbais. Não preciso explicar o que significa hoje a locução “tenho dito” em “Tenho dito a eles que essas coisas…”, mas qual será o valor dessa locução quando se encerra com veemência um pronunciamento (“E tenho dito!”)? Trata-se de resquício do valor que essa locução já teve. “Tenho feito” já significou “fiz”, “tenho visto” já significou “vi”, portanto “tenho dito” já significou “disse”. Moral da história: “E tenho dito” significava/significa “E (eu) disse”, isto é, “Eu disse o que havia para ser dito”. Há algum tempo a Unicamp incluiu no seu vestibular uma questão que se apoiava neste texto, publicado em 1895: “Tem havido no Mar Negro grande tempestade, naufragando grande número de embarcações. Até agora o mar tem arrojado à praia mais de 80 cadáveres…”.  A expressão “grande tempestade” (no singular) impede que se entenda “tem havido” com o sentido hodierno. “Tem havido” significava “houve”; “tem arrojado” significava “arrojou” (= “lançou”).