16/11/2016 / Em: Clipping

 


Estudos apontam bom desempenho de beneficiados por bônus ou cotas (Capital Teresina – 15/11/2016)

Essas são as conclusões de estudos recentes sobre as ações afirmativas brasileiras

Políticas como cotas e bônus têm aberto as portas das universidades públicas para candidatos com bom desempenho escolar e os estimulado a buscar carreiras competitivas, mas podem levar os potenciais beneficiados a se dedicar menos aos estudos no ensino médio.

Essas são as conclusões de estudos recentes sobre as ações afirmativas brasileiras, que começaram a ser adotadas há mais de uma década no ensino superior e foram ampliadas nos últimos anos.

Segundo especialistas, analisar os resultados dessas políticas ajuda a entender seus efeitos e a necessidade de ajustes. “Havia receio de que as cotas diminuiriam muito a qualidade do aluno ingressante, mas isso não parece ser verdade”, diz Naércio Menezes Filho, do Insper.

Um estudo feito neste ano pelo economista, em coautoria com os pesquisadores Lara Vilela e Thiago Yudi Tachibana, estabeleceu cenários hipotéticos –com ou sem cotas– para avaliar o impacto da política sobre as notas de entrada em cinco universidades federais (Goiás, Bahia, Pará, Minas Gerais e Rio Grande do Sul) com base nos dados do Enem de 2008.



Unicamp: 45% dos inscritos buscam vagas nos 5 cursos mais concorridos (G1 – 16/11/2016)

33,3 mil candidatos disputam 295 oportunidades; 72,9% querem medicina.
Universidade recebeu 73,4 mil inscrições e tem 3,3 mil vagas em 70 cursos.

Os cinco cursos mais concorridos no vestibular 2017 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) concentram 45,3,% dos 73,4 mil inscritos, de acordo com estatísticas da comissão responsável por organizar o exame (Comvest). Ao todo, são 33,3 mil candidatos para 295 oportunidades disponíveis nos cursos de medicina, arquitetura e urbanismo, comunicação social – midialogia, ciências biológicas e engenharia civil.

Entre as cinco carreiras, somente medicina teve alta na quantidade de interessados – subiu de 24,2 mil no vestibular passado para 24,3 mil neste, o que representa um crescimento de 0,4%, segundo dados da Comvest.

No comparativo entre as outras quatro carreiras mais concorridas na Unicamp, a queda mais acentuada, de 22,7%, foi verificada em engenharia civil – número de inscritos passou de 3,5 mil para 2,7 mil.