21/11/2017 / Em: Clipping

 

Com 9% de abstenção, Unicamp faz prova ‘engajada’ (TodoDia – Cidades – 19/11/2017)

Na disputa por uma vaga na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), 76.225 candidatos fizeram neste domingo (19) a primeira fase do vestibular da universidade. A taxa de abstenção foi de 9,02%, um pouco superior à do ano passado -quando a abstenção geral foi de 8,6%.

A prova, composta por 90 questões de múltipla escolha, foi elogiada por professores e não fugiu ao que, segundo eles, tem caracterizado os exames de admissão para a instituição: abrangência, acessibilidade e tom crítico nas questões de humanas. “A parte de humanas foi engajada, politizada. A prova de português trouxe uma questão de literatura marginal, com um texto do Ferréz [escritor paulista que aborda a temática social], e em inglês foi abordado o tema da inclusão de transgêneros”, diz Vera Lúcia da Costa Antunes, coordenadora do Curso e Colégio Objetivo. Célio Tasinafo, coordenador pedagógico da Oficina do Estudante, corrobora os comentários. “A prova tratou de grandes temas, como contaminação por metais pesados, o descaso de empresas com as vítimas da tragédia de Mariana”. Segundo Daniel Perry, coordenador do Anglo, a prova não destoou em relação aos vestibulares dos últimos anos. “A Unicamp sempre traz assuntos em suas questões com esse viés crítico”. Ele também discorreu sobre as provas de exatas. “A prova de física, geralmente discriminatória, foi considerada fácil; a de matemática, foi técnica, na contramão de outros vestibulares que buscam contextualizar as matérias; e a de química, que exigiu poucos cálculos, foi conceitual e inteligente”. A avaliação de Edmílson Motta, coordenador-geral do Etapa, é que os alunos devem pontuar bem. “A Unicamp costuma ser uma prova acessível e dessa vez não foi diferente. Por isso, as notas de corte devem ser altas.” O gabarito oficial será divulgado pela Comvest, a comissão organizadora da prova, na próxima quinta-feira (23).

 


A Tribuna On-line divulga o gabarito extra-oficial do vestibular da Unicamp (A Tribuna – Educação – 19/11/2017)

Provas foram realizadas com recorde de inscrições; veja as respostas divulgadas pelo Colégio Objetivo. Mais de 83 mil candidatos se inscreveram para o vestibular

Com temas como feminismo, tragédia em Mariana (MG), racismo e ditadura na America do Sul, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) realizou neste domingo (19) a primeira fase do vestibular 2018.  De acordo com a Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest), a abstenção geral desta primeira fase foi de 9,02%. Em Santos, uma das cidades onde foram aplicadas as provas, o índice foi de 7,54%. Neste ano, a instituição registrou recorde de inscrições de 83.782 candidatos para disputar 3.340 vagas em 70 cursos de graduação. Ao todo, 76.225 candidatos fizeram a prova em 30 municípios no Estado de São Paulo e em Belo Horizonte, Brasília e Fortaleza. Em parceria com o Curso e Colégio Objetivo, A Tribuna On-line divulga o gabarito extra-oficial da prova. No site da Comvest, estão disponíveis as oito versões do exame e o candidato pode conferir qual é a ordem correta das questões para cada caso: Prova Q, Prova R, Prova S, Prova T, Prova X, Prova Y, Prova Z, Prova W. O gabarito será divulgado na quinta-feira (23) na página da Comvest e a lista de aprovados na primeira fase será divulgada no dia 11 de dezembro, juntamente com os locais de prova da segunda fase. A prova de conhecimentos gerais foi composta de 90 questões de múltipla escolha, distribuídas em: 13 questões de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, 13 questões de Matemática, 9 questões de História e 9 questões de Geografia (incluindo Filosofia e Sociologia), 9 questões de Física, 9 questões de Química, 9 questões de Biologia, 7 questões de Inglês, além das 12 questões interdisciplinares. Cada questão teve quatro alternativas. As provas da segunda fase serão aplicadas nos dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018.

Avaliação

Professores do Curso e Colégio Objetivo avaliaram as provas. Segundo Lúcio Ribeiro, a prova de Matemática foi abrangente, cobrando os temas mais importantes do Ensino Médio, como probabilidade, função; geometria, trigonometria, matrizes, polinômios e números complexos. ”A prova irá avaliar muito bem o conhecimento dos alunos”. Fabio Rodrigues, professor de Geografia, considerou o exame excelente. “Extremamente abrangente e de nível intermediário de dificuldade. Temas clássicos da ciência geográfica marcaram presença, tais como a expansão da fronteira agrícola brasileira associada à utilização de agrotóxicos e cultivos transgênicos, além da urbanização brasileira, biomas e solos do Brasil, e temas da geopolítica internacional, como o Brexit e a relação EUA –  Acordo de Paris. Em suma, uma prova exatamente dentro das expectativas do aluno do Ensino Médio”. Robério de Paula Lima Filho, professor de Química, disse que a prova apresentou uma questão interdisciplinar que abordava a história da química e a questão de gênero. ”As duas de termoquímica cobraram de forma muito original os conceitos clássicos dessa parte da química e apenas uma questão cobrou diretamente conceitos de química orgânica. Os candidatos aprovados para a segunda fase já podem esperar mais questões de química orgânica”. A prova de Física, de acordo com a professora Cristiane Batistela, abordou diversas áreas do conhecimento e, para isso, usou situações cotidianas e resultados de recentes e descobertas científicas, como o lançamento do primeiro satélite geoestacionário brasileiro e a onda de calor que atingiu os EUA. ”O aluno com domínio do conteúdo e capacidade de interpretação de texto e gráfico foi contemplado pelo o exame”. As sete questões da prova de linguagem, segundo Luci Rocha, tratavam, principalmente, de semântica e de processos de formação de palavras, como estrangeirismos, neologismos e figuras de linguagem. Sobre obras, oito questões abordaram a lista quase completa. Caminhos Cruzados precisava ser relacionado à técnica utilizada pelo autor; Guimarães Rosa, com A hora e a vez de Augusto Matraga, associava um provérbio ao enredo da novela, e O espelho, de Machado, trazia a ironia Machadiana como resposta mais apropriada. Prova de nível médio para fácil.”

 


 

Unicamp traz questões atuais e nível médio de dificuldade (Guia do Estudante – Universidades – 19/11/2017)

Professores consideram que prova foi exigente com estudantes, mas manteve nível dos últimos anos; destaque vai para as questões interdisciplinares

A prova da primeira fase da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), aplicada neste domingo (19), manteve o tradicional nível médio para difícil: “é uma prova extremamente atual, contextualizada, que exige conhecimento, domínio da matéria, boa formação. Cai bastante aplicação de conceitos e domínio sobre vocabulário”, comenta Vera Lúcia da Costa Antunes, coordenadora do Curso e Colégio Objetivo. “Foi a melhor prova da primeira fase da Unicamp dos últimos cinco anos”, diz Célio Tasinafo, coordenador pedagógico do cursinho Oficina do Estudante. “Este ano eles consolidaram o modelo de 90 testes, com questões interdisciplinares em que o aluno realmente precisou mobilizar conceitos de duas disciplinas pra responder corretamente”, comenta. Os candidatos responderam a 90 questões de múltipla escolha sobre o conteúdo comum do ensino médio: 13 língua portuguesa e literatura, 13 de matemática, 9 de história e 9 de geografia (incluindo filosofia e sociologia), 9 de física, 9 de química, 9 de biologia, 7 de inglês, além de 12 questões interdisciplinares. No geral, as provas mantiveram o mesmo nível de dificuldade dos anos anteriores. “Um destaque foi a prova de história, que consideramos difícil, de certa maneira bastante acadêmica e conceitual. Em contrapartida, matemática foi mais tradicional, muito técnica”, explica Daniel Perry, coordenador do Anglo Vestibulares. “Os professores consideram a prova linda, mas o aluno deve ter achado bem mais difícil do que do ano passado. Foi muito mais exigente com relação a detalhes e informações específicas”, comenta Célio.

Próximas datas

O gabarito oficial será divulgado na próxima quinta-feira (23). A lista de aprovados para a segunda fase será divulgada no dia 11 de dezembro, e as provas serão nos dias dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018. Para cursos que exigem provas específicas (Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança), os exames ocorrerão no período de 22 a 25 de janeiro de 2018. A primeira chamada para matrícula será publicada em 8 de fevereiro.

Concorrência

As carreiras mais concorridas do vestibular são Medicina, com 279 candidatos por vaga; Arquitetura e Urbanismo (97,6); Ciências Biológicas (51,8); Midialogia (48,5); Engenharia Química (34,8); Odontologia (32,1); História (31,8); Engenharia Civil (31,7); Engenharia de Produção (31,6) e Artes Cênicas (31,5).

 

Acesse a correção da primeira fase da Unicamp 2018 (Guia do Estudante – Universidades – 19/11/2017)

Gabarito oficial será divulgado na próxima quinta-feira (23)

A prova da primeira fase do vestibular 2018 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aconteceu neste domingo (19), das 13h às 18h. Em parceria com o Cursinho Oficina do Estudante, o GUIA traz a correção completa neste link. As questões serão atualizadas à medida que forem sendo resolvidas. O gabarito oficial será divulgado na próxima quinta-feira (23). Os candidatos responderam a 90 questões de múltipla escolha sobre o conteúdo comum do ensino médio: 13 língua portuguesa e literatura, 13 de matemática, 9 de história e 9 de geografia (incluindo filosofia e sociologia), 9 de física, 9 de química, 9 de biologia, 7 de inglês, além de 12 questões interdisciplinares. A prova foi feita por 76.225 candidatos, num total de 9,02% de abstenção – um pouco acima da registrada no ano passado, que foi de 8,6%. A edição 2018 teve recorde de inscritos: 83.779, 10 mil a mais do que o registrado no ano passado, um aumento de 14%. Antes, o maior número de inscritos havia sido registrado no vestibular 2016, que teve 77 mil inscritos. Também houve recorde de candidatos isentos da taxa de inscrição, com 8.650 estudantes. O período para se candidatar ao exame terminou em 31 de agosto. O percentual de candidatos oriundos de escolas da rede pública inscritos aumentou para 30,7%, contra 30,2% no ano passado. Já o percentual de candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas passou de 20,3% no ano anterior para 22,4% do total de inscritos.

Concorrência

As carreiras mais concorridas do vestibular são Medicina, com 279 candidatos por vaga; Arquitetura e Urbanismo (97,6); Ciências Biológicas (51,8); Comunicação Social-Midialogia (48,5); Engenharia Química (34,8); Odontologia (32,1); História (31,8); Engenharia Civil (31,7); Engenharia de Produção (31,6) e Artes Cênicas (31,5).

Próximas datas

A segunda fase acontecerá nos dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018. Para cursos que exigem provas específicas (Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança), os exames ocorrerão no período de 22 a 25 de janeiro de 2018. A lista de aprovados para a segunda fase será divulgada no dia 11 de dezembro. A primeira chamada para matrícula será publicada em 8 de fevereiro.

 


Vestibular da Unicamp aborda racismo, feminismo e questões de gênero (Metrópoles – Brasil – 19/11/2017)

Prova deste domingo (19), aplicada em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Fortaleza, foi realizada por 76.225 candidatos

Uma das mais concorridas seleções do país, o vestibular da Universidade de Campinas (Unicamp) trouxe em sua primeira fase questões sobre racismo, femininos e questões de gênero, além de temas da atualidade, como a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) e Acordo de Paris sobre mudanças climáticas. Aplicada neste domingo (19/11) em São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza e Brasília, a prova foi realizada, segundo a instituição, por 76.225 candidatos. O índice de abstenção foi de 9,02%. O gabarito com o resultado oficial deve ser divulgado na próxima quinta-feira (23). Nas 90 questões aplicadas na primeira fase do vestibular, a temática do racismo foi abordada em diferentes disciplinas – o exame ocorreu na véspera do Dia da Consciência Negra, celebrado no Brasil nesta segunda (20). Em um item de português, a prova exigiu a interpretação de versos do poema “Olá, Negro!”, do escritor Jorge de Lima. Publicado em 1947 na compilação “Poemas Negros”, o texto trata da influência do escravo na cultura brasileira. Em uma outra questão sobre o movimento dos direitos civis norte-americano, o vestibular relembrou o pódio dos 200m rasos das Olimpíadas do México, em 1968, em que os atletas dos Estados Unidos levantaram o punho em apoio ao movimento dos Panteras Negras. Itens envolvendo o movimento feminista e questões relacionadas à identidade de gênero também caíram na prova deste domingo. Uma questão de inglês trazia dois diferentes desenhos sobre a problemática do uso de banheiros públicos por transsexuais e travestis. Outros temas como Brexit e o Acordo de Paris também foram abordados no vestibular. As provas deste domingo podem ser acessadas pelo site da universidade. A lista de aprovados na primeira fase será divulgada pela Unicamp no dia 11 de dezembro, bem como os locais de prova da segunda etapa.

Prova difícil

Embora tenham predominado os temas atuais, candidatos que prestaram o exame em Sorocaba, interior de São Paulo, consideraram difícil a primeira fase do vestibular da Unicamp. “Foi uma prova complexa, com uma quantidade grande de questões que exigiam bastante análise”, disse a candidata Letícia Maria Monteiro Guedes Ribeiro, de 18 anos. As questões de física foram as mais complicadas, segundo ela. “Prestei Unicamp também no ano passado, mas neste ano foi seguramente mais difícil. Fiz também a prova da Unesp, mas esta estava mais complicada”, acrescentou Letícia.

 


 

Candidatos classificam como ‘atual e difícil’ prova da primeira fase da Unicamp (Jornal Metro – Foco – 19/11/2017)

Embora tenham predominado os temas atuais, candidatos que prestaram a prova em Sorocaba, interior de São Paulo, consideraram difícil a primeira fase do vestibular da Unicamp. “Foi uma prova complexa, com uma quantidade grande de questões que exigiam bastante análise”, disse a candidata Letícia Maria Monteiro Guedes Ribeiro, de 18 anos. As questões de física foram as mais complicadas, segundo ela. “Prestei Unicamp também no ano passado, mas esse ano foi seguramente mais difícil. Fiz também a prova da Unesp, mas esta estava mais complicada”, disse. Letícia, que pretende cursar odontologia em universidade pública, chegou com a antecedência para evitar o trânsito intenso no local da prova – o prédio da Universidade Paulista (Unip), na zona leste da cidade -, mas ficou na sala de prova até o final do tempo. “Respondi tudo, mas agora é aguardar. Os temas atuais, como as questões de gênero e a tragédia de Mariana, a gente tinha tratado muito durante a preparação. Ainda assim, as questões exigiram bastante atenção.” O candidato Pedro Augusto Dantas, de 18 anos, quer cursar biologia e teve dificuldade em química e física. Já em língua portuguesa e história, ele acredita que foi bem. “No geral, as questões eram bem atuais”, disse. Dantas quase perdeu a prova: o carro em que viajava de Pilar do Sul para Sorocaba pegou uma poça de água na estrada e teve pane no motor. “Por sorte, tínhamos saído com antecedência e chegamos em cima da hora.”

 


Candidatos acham ‘atual e difícil’ prova da primeira fase da Unicamp (Isto É Dinheiro – Geral – 19/11/2017)

Embora tenham predominado os temas atuais, candidatos que prestaram a prova em Sorocaba, interior de São Paulo, consideraram difícil a primeira fase do vestibular da Unicamp. “Foi uma prova complexa, com uma quantidade grande de questões que exigiam bastante análise”, disse a candidata Letícia Maria Monteiro Guedes Ribeiro, de 18 anos. As questões de física foram as mais complicadas, segundo ela. “Prestei Unicamp também no ano passado, mas esse ano foi seguramente mais difícil. Fiz também a prova da Unesp, mas esta estava mais complicada”, disse. Letícia, que pretende cursar odontologia em universidade pública, chegou com a antecedência para evitar o trânsito intenso no local da prova – o prédio da Universidade Paulista (Unip), na zona leste da cidade -, mas ficou na sala de prova até o final do tempo. “Respondi tudo, mas agora é aguardar. Os temas atuais, como as questões de gênero e a tragédia de Mariana, a gente tinha tratado muito durante a preparação. Ainda assim, as questões exigiram bastante atenção.” O candidato Pedro Augusto Dantas, de 18 anos, quer cursar biologia e teve dificuldade em química e física. Já em língua portuguesa e história, ele acredita que foi bem. “No geral, as questões eram bem atuais”, disse. Dantas quase perdeu a prova: o carro em que viajava de Pilar do Sul para Sorocaba pegou uma poça de água na estrada e teve pane no motor. “Por sorte, tínhamos saído com antecedência e chegamos em cima da hora.”

 

Unicamp terá tecnologia contra ‘colas eletrônicas’ (Isto É – Geral – 19/11/2017)

As provas da 1.ª fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que serão aplicadas hoje, terão uma novidade. A instituição vai testar um sistema contra “cola eletrônica”, que promete detectar qualquer sinal de celular, via Wi-Fi ou Bluetooth, ou de radiofrequência. Os sinais serão captados por uma rede de sensores instalada nas salas e nos banheiros dos locais do exame, que fica conectada a um software em nuvem. Esse software transfere as informações, em tempo real, para uma central de controle, que mostra a frequência do sinal, local, hora e até a operadora. Aparelhos não homologados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) também podem ser detectados. A tecnologia já foi testada no último domingo, em menor escala, nas provas de residência médica da Unicamp. Para o vestibular, o sistema será testado só nas 19 salas da Unicamp, em Campinas. O locais das outras 31 cidades paulistas que recebem o exame não terão a tecnologia. “O vestibular da Unicamp, por sua credibilidade e compromisso, tem de antever esse tipo de tentativa de fraude. Por esse primeiro experimento (na prova de residência médica), o indício é bastante favorável”, diz José Alves de Freitas Neto, coordenador executivo da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp. Além da nova tecnologia, a universidade possui detectores de metal em alguns banheiros e nos acessos aos prédios. Neste ano, a Unicamp teve recorde de inscrições: 83.782 candidatos disputarão 3.340 vagas em 70 cursos de graduação. A prova tem 90 questões e o tempo máximo de resolução é de cinco horas. Enem. Neste ano, o Ministério da Educação (MEC) usou detectores de ponto eletrônico para identificar quem tenta usar pontos eletrônicos ou aparelhos de transmissão. O novo recurso é um receptor avançado de detecção de campo próximo, capaz de identificar a emissão de sinais em radiofrequência de Wi-Fi, Bluetooth, celulares e transmissões ilegais. O MEC também usou detectores de metal.

 


 

Unicamp: prova ‘simples e bem bolada’, avaliam professores (Estadão – Edu – 19/11/2017)

Profissionais destacam Interdisciplinaridade das questões e ressaltam que nota de corte deverá ser alta

O vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) manteve a tradição de exigir do candidato o domínio sólido de conceitos básicos, das diversas áreas do conhecimento, e a capacidade de fazer correlações entre diferentes temas para responder corretamente as perguntas. Um dos destaques nesse ponto foi a prova de inglês, que testou, nas questões de linguagem conhecimentos de física e história. A prova, cuja primeira fase ocorreu hoje, foi “atual e politizada”, segundo a coordenadora do curso do Colégio Objetivo Vera Lúcia da Costa Antunes. “Tratou de prisão de políticos, literatura marginal, meritocracia, Mariana (cidade palco do desastre ambiental do Rio Doce), redes sociais”, afirma. “Dos 12 livros exigidos, trouxe questões com sete deles. Uma questão de cada livro. E não eram questões simples. Exigiram que o aluno tivesse conhecimento do livro, do momento histórico em que foi feito”, afirma. Ela chama a atenção também para uma das questões de química que trouxe termos não comuns para a área, como Dalton (uma unidade de medida usada para expressar a massa atômica) e isopreno (um composto químico). “Era uma questão que o aluno poderia responder, mesmo sem conhecimento desses termos, que existem mas não estão nos livros de química. Só que, ao ver uma palavra que desconhece, o aluno se assusta”, afirma. Nas questões de humanas, a Unicamp trouxe e temas da atualidade, como o Brexit (a saída do Grã-Bretanha da União Europeia) e o abandono, da gestão do norte-americano Donald Trump, do acordo de Paris (que busca conter o aquecimento global). Mas também fez perguntas elementares. “Muita gente se perguntou se a prova traria algo da Rússia, do 100 anos da revolução. A prova teve uma pergunta da Rússia: na geografia, sobre o relevo na ferrovia Transiberiana. Uma questão de geografia clássica”, afirma. Vera Lúcia exemplifica a interdisciplinaridade cobrada com uma questão de inglês que estava relacionada com a segunda lei de Newton, um tema de física. “Foram 12 questões interdisciplinares, algo muito difícil para o coitado do aluno”, brinca a professora. O inglês também chamou a atenção do professor Célio Tasinafo, da Oficina do Estudante. “A prova de inglês foi quase um manifesto pela cidadania e a inclusão social”, afirma. “Trouxe questão citando banheiros unissex, outra com a leitura de um texto abolicionista norte-americano”. Para o professor, a exceção desse espírito interdisciplinar foi a prova de matemática. “Foi uma prova muito parecida com a dos anos anteriores, sem relação com as demais áreas”, ressaltou. Nota de corte. O coordenador-geral do curso Etapa, Edimilson Motta, avaliou que a prova “é daquelas em que todos saem felizes, por acharem que foram bem. Mas aí é quando a nota de corte vai lá para a estratosfera”, afirma. “Especialmente na prova de medicina.” A prova teve 90 questões. A segunda fase do exame está marcada para janeiro.

 


76 mil candidatos fazem a prova da 1ª fase do Vestibular Unicamp 2018 (Seja Bixo – Notícias – 19/11/2017)

De acordo com a Comvest, a prova transcorreu de maneira tranquila em todos os locais

Na disputa por uma das 3.340 vagas em 70 cursos de graduação da Unicamp, 76.225 candidatos fizeram neste domingo, 19 de novembro, a primeira fase do Vestibular Unicamp 2018. Este ano, a Unicamp aplicou a prova da primeira fase em 30 municípios no Estado de São Paulo e em Belo Horizonte, Brasília e Fortaleza. A abstenção geral foi de 9,02%, um pouco superior à do ano passado, quando a abstenção geral foi de 8,6%. Dos 83.782 inscritos no Vestibular 2018, 7.557 candidatos não compareceram para fazer o exame. Em Campinas, a abstenção foi de 10,09% e em São Paulo de 8,5%. A Comvest vai divulgar o gabarito das questões na próxima quinta-feira (23/11), em sua página eletrônica www.comvest.unicamp.br. A prova da primeira fase já está disponível para consulta na mesma página, bem como os índices de abstenção por cidade. A lista de aprovados na primeira fase será divulgada no dia 11 de dezembro, juntamente com os locais de prova da segunda fase. A Comvest está disponibilizando, aos candidatos, um formulário de alteração de dados, até as 23h59 do dia 21/11. Os dados que podem ser corrigidos são os seguintes: nome, RG, data de nascimento, telefones, e-mail, ano de conclusão do ensino médio e opção pelo PAAIS (Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social). A prova da primeira fase foi composta de 90 questões de múltipla escolha, distribuídas da seguinte maneira: 13 questões de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, 13 questões de Matemática, 9 questões de História e 9 questões de Geografia (incluindo Filosofia e Sociologia), 9 questões de Física, 9 questões de Química, 9 questões de Biologia, 7 questões de Inglês, além das 12 questões interdisciplinares. A Unicamp aplicou a prova da primeira fase do Vestibular 2018 nas seguintes cidades: Araçatuba, Bauru, Belo Horizonte, Botucatu, Bragança Paulista, Brasília, Campinas, Fortaleza, Franca, Guaratinguetá, Guarulhos, Indaiatuba, Jundiaí, Limeira, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Sumaré e Valinhos.

Segunda fase

A segunda fase será realizada nos dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018. As Provas de Habilidades Específicas para os cursos de Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança, serão feitas entre 23 e 26 de janeiro de 2017, em Campinas.

 


Unicamp 2018: mais de 83 mil candidatos fazem provas da primeira fase (Brasil Escola – Notícias – 19/11/2017)

Processo seletivo ocorrerá das 13h às 18h, em mais de 30 cidades brasileiras

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aplica neste domingo, 19 de novembro, das 13h às 18h, as provas da primeira fase do Vestibular 2018. São esperados 83.782 candidatos. O processo seletivo ocorrerá nas cidades de Araçatuba, Avaré, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Franca, Guaratinguetá, Guarulhos, Indaiatuba, Jundiaí, Limeira, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Sumaré e Valinhos, além de Belo Horizonte, Brasília e Fortaleza. As provas serão formada por 90 questões objetivas de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia (incluindo Filosofia e Sociologia), Física, Química, Biologia e Inglês mais 12 questões interdisciplinares. Recomenda-se que os vestibulandos se apresentem com uma hora de antecedência portando o documento de identidade indicado na inscrição, cenateas de cor preta em material transparente, lápis preto e borracha. Régua transparente e compasso também serão permitidos. Não serão permitidos aparelhos celulares ou quaisquer outros equipamentos eletrônicos, relógios digitais, corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto, bandana/lenço, boné, chapéu, ou outros materiais estranhos à prova.

Resultados

Conforme o calendário, a lista de aprovados na 1ª fase será publicada em 11 de dezembro, junto com os locais de prova da 2ª etapa, que acontecerá nos dias 14, 15 e 16 de janeiro de 2018 e contará com redação e questões discursivas. Já as notas serão liberadas em 21 de dezembro. Candidatos aos cursos de Música, Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança passarão, ainda, pelos Testes de Habilidades Específicas nos meses de setembro, outubro e janeiro, conforme a graduação escolhida. A divulgação da primeira chamada está prevista para 8 de fevereiro de 2018 com matrículas para o dia seguinte. No total, serão realizadas 12 convocações até o mês de março. A oferta é de 3.340 vagas em 70 cursos ministrados em Campinas, Limeira e Piracicaba, no interior de São Paulo.

 


Unicamp terá tecnologia contra “colas eletrônicas” (Exame – Brasil – 19/11/2017)

Sistema promete detectar qualquer sinal de celular, via Wi-Fi ou Bluetooth, ou de radiofrequência

As provas da 1.ª fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que serão aplicadas hoje, terão uma novidade. A instituição vai testar um sistema contra “cola eletrônica”, que promete detectar qualquer sinal de celular, via Wi-Fi ou Bluetooth, ou de radiofrequência.

Os sinais serão captados por uma rede de sensores instalada nas salas e nos banheiros dos locais do exame, que fica conectada a um software em nuvem. Esse software transfere as informações, em tempo real, para uma central de controle, que mostra a frequência do sinal, local, hora e até a operadora. Aparelhos não homologados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) também podem ser detectados. A tecnologia já foi testada no último domingo, em menor escala, nas provas de residência médica da Unicamp. Para o vestibular, o sistema será testado só nas 19 salas da Unicamp, em Campinas. O locais das outras 31 cidades paulistas que recebem o exame não terão a tecnologia. “O vestibular da Unicamp, por sua credibilidade e compromisso, tem de antever esse tipo de tentativa de fraude. Por esse primeiro experimento (na prova de residência médica), o indício é bastante favorável”, diz José Alves de Freitas Neto, coordenador executivo da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp. Além da nova tecnologia, a universidade possui detectores de metal em alguns banheiros e nos acessos aos prédios. Neste ano, a Unicamp teve recorde de inscrições: 83.782 candidatos disputarão 3.340 vagas em 70 cursos de graduação. A prova tem 90 questões e o tempo máximo de resolução é de cinco horas.

Enem

Neste ano, o Ministério da Educação (MEC) usou detectores de ponto eletrônico para identificar quem tenta usar pontos eletrônicos ou aparelhos de transmissão. O novo recurso é um receptor avançado de detecção de campo próximo, capaz de identificar a emissão de sinais em radiofrequência de Wi-Fi, Bluetooth, celulares e transmissões ilegais. O MEC também usou detectores de metal.

 


 

Unicamp aplica 1ª fase do vestibular 2018 para 83,7 mil neste domingo (G1 – Campinas e Região – 19/11/2017)

Candidatos devem chegar aos locais de prova às 12h (horário de Brasília) e portões fecham às 13h. Universidade oferece 3,3 mil vagas em 70 cursos de graduação.

A Unicamp aplica a primeira fase do vestibular 2018, neste domingo (19), para 83,7 mil inscritos, que disputam 3.340 vagas em 70 opções de cursos de graduação. A Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) alerta que os candidatos devem chegar ao local às 12h (horário de Brasília). O acesso para as salas de aulas será permitido até as 13h. Nesta edição, a universidade testará pela primeira vez uma tecnologia capaz de identificar sinais de celular e radiofrequência para evitar “colas eletrônicas” durante o processo seletivo.

Cidades com provas no estado de São Paulo:

No estado de São Paulo, as provas serão nas cidades de Araçatuba, Avaré, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Franca, Guaratinguetá, Guarulhos, Indaiatuba, Jundiaí, Limeira, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Sumaré e Valinhos.

Capitais

As provas também serão feitas em três capitais, segundo a organização. Belo Horizonte (MG) e Fortaleza (CE) retornaram para a lista, depois de ausentes por quatro e cinco anos, respectivamente. A outra capital que mantém local de prova é Brasília (DF).

1ª etapa

A primeira etapa do vestibular será composta por 90 questões de múltipla escolha. Serão 13 questões de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa, 13 questões de matemática, 9 questões de história e 9 questões de geografia (incluindo filosofia e sociologia), 9 questões de física, 9 questões de química, 9 questões de biologia, 7 questões de inglês, mais 12 questões interdisciplinares. De acordo com a Comvest, cada questão terá quatro alternativas. Cada candidato terá o tempo máximo de cinco horas para terminar a prova, mas poderá deixar a sala de exame após 3 horas e 30 minutos.

Itens permitidos

documento de identidade original indicado na inscrição

caneta de cor preta em material transparente

lápis preto, borracha, régua e compasso transparentes

água, sucos, doces

uso de bermudas e vestimentas leves.

Proibidos

celulares ou equipamentos eletrônicos

relógios digitais

corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto

bandana/lenço, boné, chapéu, ou outros materiais estranhos à prova

Observações

Segundo a Comvest, o candidato poderá usar relógio para controlar o tempo, mas eles devem ficar no chão, ao lado da carteira. Além disso, terá de desligar o celular e guardá-lo em embalagem que será fornecida pela comissão ao entrar na sala – a retirada pode ser feita após a saída do prédio.

Pontuação

A Unicamp utiliza a nota obtida pelo candidato no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – parte de conhecimentos gerais – para compor a nota final da primeira fase, desde que ele tenha autorizado no formulário de inscrição. A atribuição ocorre por meio de padronização; veja aqui.

Além disso, a universidade concede aos participantes do Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (Paais), após o vestibular, 60 pontos à nota final da primeira fase. Quem for convocado para a segunda etapa terá acréscimo de 90 pontos à nota da redação e 90 pontos à nota de cada prova que compõe a nota final da segunda fase, segundo manual disponível no site da Comvest. Além disso, candidatos inscritos no grupo e autodeclarados pretos, pardos ou indígenas (segundo classificação do IBGE) receberão outros 20 pontos à nota final da primeira fase; enquanto que os convocados para a etapa seguinte terão mais 30 pontos à nota da redação e mais 30 na nota final da segunda fase. Só será contemplado quem fez a indicação durante o período de inscrição.

Segundo a Comvest, são beneficiários do Paais candidatos que fizeram todo ensino médio regular ou ensino médio supletivo (presencial, semipresencial ou a distância) na rede pública nacional; ou quem terminou o ensino médio por meio de exames nacionais como Enem – até 2016 – ou Encceja.

 

Família viaja 760 km entre RJ e Campinas para incentivar filho na 1ª fase do vestibular da Unicamp (G1 – Campinas e Região – 19/11/2017)

Universidade aplica primeira prova para 83,7 mil candidatos neste domingo (19) em quatro estados. Ao todo, são oferecidas 3,3 mil vagas em 70 cursos de graduação.

O casal Cristiane e Ugues Simão percorreu 760 km de ônibus entre Campos dos Goytacazes (RJ) e Campinas (SP) para incentivar o filho Gabriel, de 16 anos, durante a primeira fase do vestibular 2018 da Unicamp, aplicado neste domingo (19) para 83,7 mil candidatos. Ao todo, foram 13 horas de viagem e o jovem faz a prova como treineiro para o curso de medicina, o mais disputado na edição. “Se tornou nosso sonho também. Acompanhamos e acreditamos nele, que estuda muito para vir estudar em São Paulo”, explica Ugues ao mencionar que a família não tem condições de pagar uma faculdade particular para ele. A família chegou ao interior de São Paulo no sábado, se hospedou na região central e decidiu esperar pelo jovem durante a realização do exame no campus I da PUC. Após o término do vestibular, a família irá de táxi para a rodoviária e, de lá, seguirá de volta ao estado do Rio. Segundo a mãe, o filho também cogita estudar na USP. “Semana que vem vamos para São Paulo levá-lo de novo”, ressalta a mãe do adolescente. A universidade oferece 3,3 mil vagas em 70 cursos de graduação. Entre os cursos mais concorridos estão medicina (278,9 c/v), arquitetura e urbanismo (97,6 c/v) e ciências biológicas (51,8 c/v).

‘Não tem segunda opção’

Outra família que precisou encarar a estrada antes do vestibular 2018 da Unicamp foi a de Irene e José Augusto Guimarães, que também permaneceram no campus da PUC à espera da filha Ana Luísa. Eles moram em Pouso Alegre (MG), a quase 200 km de Campinas. “Ela não tem segunda opção, ela quer muito estudar na Unicamp e tem se dedicado durante todo o ensino médio. Ela estuda em tempo integral, fez outros vestibulares e está tranquila”, diz a mãe.

Avaliação

Na primeira fase, a avaliação é formada por 90 questões de múltipla escolha: 13 de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa, 13 de matemática, 9 de história, 9 de geografia (inclui filosofia e sociologia), 9 de física, 9 de química, 9 de biologia, 7 de inglês e 12 interdisciplinares. Cada pergunta tem quatro alternativas. O tempo máximo da prova é de 5h, enquanto o mínimo é de 3h30 – quando o estudante pode deixar a sala de exame, diz a comissão organizadora (Comvest). A lista de aprovados nesta etapa, os locais de aplicação das provas da segunda fase e as notas de corte por curso serão divulgados em 11 de dezembro, informou a Comvest. Já as notas obtidas pelos candidatos na primeira etapa serão disponibilizadas pela comissão em 21 de dezembro.

Unicamp aplica vestibular para 5,3 mil candidatos em Limeira e Piracicaba (G1 – Piracicaba e Região – 19/11/2017)

Primeira fase é aplicada neste domingo. Confira informações sobre local do exame, horário, o que levar e alternativas de transporte.

A primeira fase do vestibular da Unicamp será aplicado neste domingo (19) em 33 cidades. Em Piracicaba (SP) e Limeira (SP), 5.361 candidatos estão inscritos para prestar a prova. Veja abaixo as recomendações. A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) orienta que os candidatos cheguem aos locais de prova às 12h, já que os portões de acesso às salas serão fechados às 13h. Outra orientação é fazer o percurso até o local antes do dia do exame para conhecer o caminho e evitar imprevistos. A prova da primeira fase é composta de 90 questões de múltipla escolha: 13 de Língua Portuguesa e Literatura, 13 de Matemática, 9 de História e 9 de Geografia (incluindo Filosofia e Sociologia), 9 de Física, 9 de Química, 9 de Biologia, 7 de Inglês, além das 12 questões interdisciplinares. O tempo máximo para realização da prova é de cinco horas e o mínimo de três horas e meia. O candidato deve levar documento de identidade indicado na inscrição, caneta preta de material transparente, lápis e borracha. É permitido o uso de régua transparente e compasso. É proibida a utilização de equipamentos eletrônicos, relógios digitais, corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto, bandana/lenço, boné e chapéu. O candidato pode usar relógio para controlar o tempo, mas todos os relógios deverão ficar no chão, ao lado da carteira. É permitido levar água, sucos, doces, usar bermudas e roupas leves. O resultado da primeira fase será divulgado no dia 11 de dezembro.

Transporte

Em Piracicaba (SP) as provas acontecem na Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep) e, para facilitar a chegada dos estudantes, os ônibus urbanos que saem do Terminal Cecap da linha 202 – Eldorado vão entrar na universidade.

 Unicamp 2018: veja horários, itens proibidos e dicas para mandar bem na primeira fase do vestibular (G1 – Campinas e Região – 18/11/2017)

Coordenador da Comvest explica características da prova que será aplicada para 83,7 mil na tarde deste domingo (19). Universidade oferece 3,3 mil vagas em 70 cursos de graduação.

A primeira fase do vestibular 2018 da Unicamp será aplicada na tarde deste domingo (19) para 83,7 mil candidatos em 31 cidades no estado de São Paulo, além de Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Fortaleza (CE). O coordenador executivo da comissão organizadora do exame (Comvest), José Alves de Freitas Neto, dá algumas dicas que podem contribuir para a melhora de desempenho dos estudantes, e reforça as orientações sobre itens proibidos e os que devem ser levados para a prova. O acesso aos locais de exame será permitido até 13h (horário da capital federal), mas a orientação da universidade é para que os candidatos cheguem com uma hora de antecedência para evitar possíveis atrasos – provocados por trânsito intenso nas proximidades das escolas, por exemplo. Na primeira fase, a avaliação é formada por 90 questões de múltipla escolha: 13 de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa, 13 de matemática, 9 de história, 9 de geografia (inclui filosofia e sociologia), 9 de física, 9 de química, 9 de biologia, 7 de inglês e 12 interdisciplinares. Cada pergunta tem quatro alternativas. O tempo máximo da prova é de 5h, enquanto o mínimo de três 3h30 – quando o estudante pode deixar a sala de exame, informou a assessoria da Comvest.

Interpretação e ‘leitura de mundo’

Neto ressalta que a prova da Unicamp manterá características dos exames anteriores e o candidato deve dar ênfase para a leitura dos enunciados das perguntas. “Leitura e interpretação. Cada questão tem quatro alternativas e isso permite que ele tenha mais tempo para solucionar”, ressalta. Ao mencionar que a universidade espera por alunos que tenham “uma leitura de mundo” e isso se reflete em abordagem com “pegada que mistura clássicos e realidade próxima deles”, o coordenador destaca que isso deve favorecer quem está bem informado sobre atualidades. “Não só do ponto de vista de efemérides, mas entender processos que estamos testemunhando, científico, tecnológico e cultural. É preciso saber se posicionar e ser um cidadão do século XXI.” Sobre a realização da prova, a orientação dele é para que o estudante comece pelas áreas que têm mais familiaridade. “Isso dá maior segurança para ele se dedicar às outras. Como é a primeira fase, não é peso total, mas acúmulo de pontos, é preferível garantir o que ele tem mais certeza e depois voltar para as que considera difíceis”, explica Freitas Neto.

Ele lembra ainda que o aspecto interdisciplinar pode ir além das 12 perguntas feitas pela banca. “Isso não impede uma área de recorrer a outra durante a avaliação”, menciona o coordenador. A universidade oferece 3,3 mil vagas em 70 cursos de graduação. Entre os cursos mais concorridos estão medicina (278,9 c/v), arquitetura e urbanismo (97,6 c/v) e ciências biológicas (51,8 c/v).

Itens permitidos

documento de identidade original indicado na inscrição

caneta de cor preta em material transparente

lápis preto, borracha, régua e compasso transparentes

água, sucos, doces

uso de bermudas e vestimentas leves.

Proibidos

celulares ou equipamentos eletrônicos

relógios digitais

corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto

bandana/lenço, boné, chapéu, ou outros materiais estranhos à prova

Observações

Segundo a Comvest, o candidato poderá usar relógio para controlar o tempo, mas eles devem ficar no chão, ao lado da carteira. Além disso, terá de desligar o celular e guardá-lo em embalagem que será fornecida pela comissão ao entrar na sala – a retirada pode ser feita após a saída do prédio.

Pontuação

A Unicamp utiliza a nota obtida pelo candidato no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – parte de conhecimentos gerais – para compor a nota final da primeira fase, desde que ele tenha autorizado no formulário de inscrição. A atribuição ocorre por meio de padronização; veja aqui.

Além disso, a universidade concede aos participantes do Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (Paais), após o vestibular, 60 pontos à nota final da primeira fase. Quem for convocado para a segunda etapa terá acréscimo de 90 pontos à nota da redação e 90 pontos à nota de cada prova que compõe a nota final da segunda fase, segundo manual disponível no site da Comvest. Além disso, candidatos inscritos no grupo e autodeclarados pretos, pardos ou indígenas (segundo classificação do IBGE) receberão outros 20 pontos à nota final da primeira fase; enquanto que os convocados para a etapa seguinte terão mais 30 pontos à nota da redação e mais 30 na nota final da segunda fase. Só será contemplado quem fez a indicação durante o período de inscrição. Segundo a Comvest, são beneficiários do Paais candidatos que fizeram todo ensino médio regular ou ensino médio supletivo (presencial, semipresencial ou a distância) na rede pública nacional; ou quem terminou o ensino médio por meio de exames nacionais como Enem – até 2016 – ou Encceja.

 

Unicamp 2018: primeira fase (G1 – Campinas e Região – 19/11/2017)

Vestibular será aplicado para 83,7 mil candidatos neste domingo (19) em Campinas e mais 30 cidades no estado de São Paulo, além de Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Fortaleza (CE).

Acompanhe os registros feitos em tempo real pelo portal G1

 


 

Mais de 83 mil candidatos fazem 1ª fase do vestibular da Unicamp hoje (Brasil ao Minuto – Educação – 19/11/2017)

Universidade de Campinas oferece 3,3 mil vagas em 70 cursos de graduação

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aplica a primeira fase do vestibular 2018 para 83 mil inscritos neste domingo (19). Os candidatos disputam 3.340 vagas em 70 opções de cursos de graduação. As informações são do G1.  A Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) informa que os inscritos devem chegar ao local às 12h (horário de Brasília). A entrada nas salas de aulas será permitido até as 13h. Os candidatos terão até cinco horas para responder à prova, composta por 90 questões de múltipla escolha. Serão 13 questões de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa, 13 questões de matemática, 9 questões de história e 9 questões de geografia (incluindo filosofia e sociologia), 9 questões de física, 9 questões de química, 9 questões de biologia, 7 questões de inglês, mais 12 questões interdisciplinares. Será possível deixar a sala de aplicação de exame após 3 horas e 30 minutos. Neste ano, a universidade vai testar pela primeira vez um sistema capaz de identificar sinais de celular e radiofrequência para identificar “colas eletrônicas” durante a prova. A Comvest informa, ainda, que os candidatos poderão usar relógio para controlar o tempo, mas o objeto deve ficar no chão, ao lado da carteira.

Confira abaixo a lista de itens permitidos:

Documento de identidade original indicado na inscrição

Caneta de cor preta em material transparente

Lápis preto, borracha, régua e compasso transparentes

Água, sucos, doces

Uso de bermudas e vestimentas leves.

Itens proibidos

Celulares ou equipamentos eletrônicos

Relógios digitais

Corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto

Bandana/lenço, boné, chapéu, ou outros materiais estranhos à prova

Lista de cidades onde serão realizadas as provas

No estado de São Paulo, as provas serão nas cidades de Araçatuba, Avaré, Bauru, Botucatu, Bragança Paulista, Campinas, Franca, Guaratinguetá, Guarulhos, Indaiatuba, Jundiaí, Limeira, Marília, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Sumaré e Valinhos. Além disso, as cidades de Brasília, Belo Horizonte e Fortaleza também terão seleção.

 


Unicamp aplica provas da 1ª fase do vestibular neste domingo (19) (Jornal Cruzeiro do Sul – Brasil – 17/11/2017)

A Unicamp oferece 3.340 vagas distribuídas em 70 cursos – USP IMAGENS A Unicamp oferece 3.340 vagas distribuídas em 70 cursos

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) vai aplicar neste domingo (19) a prova da primeira fase de seu vestibular. Os 83.782 candidatos vão disputar 3.340 vagas distribuídas em 70 cursos de graduação. A primeira fase será composta por 90 questões objetivas nas áreas de língua portuguesa, literatura, matemática, história, geografia, física, química, biologia e inglês, além de perguntas de conteúdo interdisciplinar. Os candidatos terão até 5h para responder a prova. O tempo mínimo para responder o teste é de 3h30.  Nesta edição, o vestibular da Unicamp será realizado em 31 cidades paulistas. As capitais Belo Horizonte, Brasília e Fortaleza também sediarão as provas. Os candidatos precisarão chegar aos locais de prova antes das 13h (horário de Brasília). Quem vai fazer o vestibular em Fortaleza, a capital do Ceará, deve ficar atento ao relógio. Por lá, não há horário de verão e o horário a ser seguido será o de Brasília.

Durante a primeira fase, a Unicamp vai testar pela primeira vez um sistema contra “cola eletrônica”. A ferramenta promete ser capaz de detectar qualquer sinal de celular (wifi ou bluetooth) ou de radiofrequência. Os sinais serão captados por uma rede de sensores, instalada nas salas e nos banheiros do local do exame, e que ficará conectada a um software em nuvem. O software vai transferir as informações, em tempo real, para uma central de controle. O sistema foi desenvolvido pela empresa Neger Telecom (empresa-filha da Unicamp), em parceria com pesquisadores do Laboratório de Inteligência Espectral da universidade.

O que levar

Os candidatos deverão levar o documento de identidade indicado na inscrição, canetas de cor preta em material transparente, lápis preto e borracha. Também será permitido o uso de régua transparente e compasso. É proibida a utilização de celulares ou quaisquer outros equipamentos eletrônicos, relógios digitais, corretivo líquido, lapiseira, caneta marca texto, bandana/lenço, boné e chapéu. O candidato poderá usar relógio para controlar o tempo, mas todos os equipamentos deverão ficar no chão, ao lado da carteira.