23/04/2009 / Em: Clipping

 


Unicamp começa a receber inscrições para isenção nesta quinta-feira  (UOL – Educação – 23/04/09)

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) abre nesta quinta-feira, 23 de abril as inscrições para o pedido de isenção da taxa de inscrição do vestibular 2010. As inscrições devem ser realizadas até dia 22 de maio, exclusivamente pela internet, na página do vestibular.  Para finalizar o processo de inscrição, o candidato deve enviar a documentação necessária descrita no edital pelo correio até o dia 30 de maio. A falta de qualquer documento ou o envio após o prazo excluem o candidato do processo. Para quem achar conveniente, a Comvest terá em seu prédio computadores com acesso à internet para que os candidatos efetuem a inscrição.



Unicamp começa a receber pedido de isenção da taxa de inscrição  (Globo.Com – G1 Vestibular – 23/04/09)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) começa a receber a partir desta quinta-feira (23) as inscrições para o pedido de isenção da taxa de inscrição no seu vestibular 2010. Os candidatos devem se inscrever até o dia 22 de maio, exclusivamente pela internet. Para finalizar o processo de inscrição, é preciso enviar a documentação necessária (descrita no Edital) pelo correio para a Comvest, comissão que aplica o vestibular, até o dia 30 de maio. Na Unicamp, as isenções da taxa de inscrição são oferecidas em três modalidades: para candidatos provenientes de família de baixa renda (renda líquida máxima de R$ 500 por morador do domicílio); funcionários da Unicamp/Funcamp; e para aqueles que se candidatarem aos cursos de licenciatura em período noturno (ciências biológicas, física, letras, licenciatura integrada química/física, matemática e pedagogia).


*
Unicamp abre período para isenção  (Jornal Agora – dicas – 23/04/09)

Começa hoje o período para solicitar a isenção da taxa de inscrição do próximo vestibular da Unicamp, um dos exames mais concorridos do país. O candidato deverá fazer o pedido até 22 de maio, exclusivamente pelo site www.comvest.unicamp.br, e enviar os documentos pelos Correios até o dia 30 de maio. As isenções serão concedidas em três modalidades: candidatos com família de baixa renda, funcionários da instituição e candidatos aos cursos de licenciatura em período noturno. Para pedir o benefício, é necessário que o candidato se enquadre nas exigências da Comissão de Vestibulares da Unicamp. O resultado sairá em 17 de agosto. Os contemplados com a isenção não estarão automaticamente inscritos no vestibular.


*
Comitê faz ato público por cotas nas universidades  (Folha de Pernanbuco – Últimas Notícias – 23/04/09)

O Comitê Brasileiro em Defesa da Aprovação do Projeto de Lei Complementar (PCL) 180, sobre cotas nas universidades federais para oriundos de escolas públicas, fará ato público hoje (23) para que a matéria entre em votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O ato será às 12h30, no próprio Senado, com a participação de parlamentares, representantes sindicais, movimentos em defesa de negros e indígenas e entidades estudantis e educacionais. O projeto que veio da Câmara reserva 50% das vagas nas universidades federais e nos cursos tecnológicos para pessoas que estudaram em escolas de rede pública de ensino, respeitando a proporção de negros e indígenas em cada estado.O assunto foi discutido em audiência pública no último dia 1º deste mês. No entanto, a audiência terminou sem avanços por conta de um requerimento de outro projeto de lei para ser apensado ao PLC.



MEC dá mais uma função ao Enem  (O Estado de S.Paulo – Vida& – 23/04/09)

Além de substituir o vestibular, o novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deve ser usado como parte do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), feito por alunos de faculdades, universidades e centros universitários do País.Hoje, alunos do primeiro e do último ano de cursos de graduação  precisam realizar a prova. A intenção do Ministério da Educação (MEC) é que os jovens que fizerem o novo Enem ao fim do ensino médio sejam dispensados do Enade  aplicado aos calouros. A mudança deve ocorrer no ano que vem, mas já está sendo organizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do MEC responsável pelas avaliações.Este é o primeiro ano em que o Enade será obrigatório para todos os calouros e formandos dos cursos avaliados. Até 2008, o exame era feito por amostragem.Mais de 1 milhão de pessoas ingressam no ensino superior por ano no País. Será a primeira vez também que o Enem passará a ser elaborado para que seu resultado possa ser comparado ano a ano. Até então, a prova tinha um nível de dificuldade diferente a cada edição. As duas mudanças vão ajudar na comparação de Enem e Enade em 2010. “Não é preciso ter exames idênticos para se comparar, e sim instrumentos capazes de medir o potencial de aprendizado dos alunos, como o novo Enem”, diz o presidente do Inep, Reynaldo Fernandes. O Enem tinha 63 questões até o ano passado,mas está sendo ampliado para ser usado por universidades federais como processo seletivo. Ele passará a ter 200 perguntas de quatro áreas: matemática, ciências da natureza, ciências humanas e linguagem e códigos. Segundo Fernandes, a idéia é usar só as provas de matemática e de ciências humanas e linguagem como substitutas do Enade. Hoje, quem está no primeiro ano do ensino superior faz um exame de conhecimentos gerais e outro específico (sobre a área do curso), mas esse será eliminado no novo formato. O mesmo exame é aplica aos formandos, para avaliar os conhecimentos adquiridos na graduação. A instituição recebe uma nota específica para isso, chamada de Indicador de Diferença de Desempenho (IDD).“O Enem será melhor para essa comparação porque é feito antes do ingresso no curso superior”, diz Fernandes. Hoje, o Enade é criticado porque realiza a prova para calouros depois de alguns meses de curso. “O estudante já fez algumas disciplinas, foi orientado a ler livros, já teve a influência da vivência universitária”, afirma o presidente do Sindicato das Entidades Mantenedoras do Ensino Superior do Estado de SãoPaulo (Semesp),Hermes Figueiredo.Ele defende também que o Enem sirva para que participantes manifestem interesse pela inscrição no Programa Universidade para Todos (ProUni), que dá bolsas a carentes em universidades privadas, e no Financiamento Estudantil (Fies).Com a mudança, o MEC pretende estimular mais ainda uma adesão maciça ao Enem, que na última edição teve 4 milhões de inscritos.O governo deve criar uma nova prova, apenas com português e matemática, para calouros que não participarem do Enem, já que esse exame não é obrigatório.A participação no Enade, por sua vez, é exigida para a obtenção do diploma no País. Ele substituiu o Provão e uma das diferenças era o fato de avaliar apenas por amostragem. No último ano, participaram 118 mil ingressantes e 71 mil concluintes de áreas como Engenharia e Arquitetura. A presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Lúcia Stumpf,  acha que o uso da nota do Enem no Enade será bom para os alunos, mas mantém suas críticas à avaliação do Ensino superior.“O Enade continua permitindo rankings de universidades, como o Provão, e a avaliação interna da instituição não é valorizada.”

Projeto isenta alunos carentes de taxa de inscrição  (O Estado de S.Paulo – Vida& – 23/04/09)

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou o projeto de lei que acaba com a cobrança de taxas de inscrição em vestibulares das universidades federais para estudantes carentes. Pela proposta, fica proibida a cobrança de qualquer valor para a inscrição de candidatos que tenham cursado integralmente o ensino médio em escola pública ou que tenham renda familiar inferior a dois salários mínimos. Como a decisão foi terminativa na CCJ – somente passará pelo plenário se houver recurso, assinado por nove senadores, no prazo de cinco dias –, o texto segue diretamente para a Câmara dos Deputados. Se aprovado lá, vai para a sanção presidencial.