23/04/2015 / Em: Clipping

 


Cresce o número de calouros da USP oriundos de escolas públicas   (Globo.Com – G1 Vestibular – 22/04/15)

Universidade de São Paulo anunciou, nesta quarta-feira (22), que o número de ingressantes oriundos de escolas públicas na USP cresceu 8% em relação a 2014, passando de 32,3% para 35,1%. Segundo a USP, o número representa um recorde desde a criação do  Programa de Inclusão Social (Inclusp) – criado em 2006 para incentivar o ingresso de alunos de escola pública na universidade por meio de bônus nas notas do vestibular da Fuvest.  Alunos da rede pública na USP (%). Veja a evolução no nº de alunos que fizeram o ensino médio em escola pública e passaram na Fuvest. Ao todo foram 3.847 calouros vindos da rede pública, do total de 10.955 novos alunos matriculados este ano. Ainda segundo o relatório, o número de calouros que se autodeclararam pretos, pardos e indígenas aumentou, de 17,2% em 2014 para 18,8% em 2015. Desses, 32% vieram de escola pública e utilizaram o bônus do programa. A maior porcentagem dos matriculados declarou ter renda familiar de três a cinco salários mínimos  — 19,6% dos alunos matriculados em 2015 (em 2008, essa porcentagem era de 15,7%). Para a renda familiar de até sete salários mínimos, o índice chega a 56,7%. Em 2008, esse índice era de 41,5%. 



Unicamp abre inscrições para isenção de taxa do vestibular 2016   (UOL – Vestibular – 23/04/15)

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) abre nesta quarta-feira (22) as inscrições para isenção de taxa do vestibular de 2016. Os interessados poderão realizar o cadastro até dia 22 de maio, no site da Comvest.

Para professor da Unicamp, ensino superior deve se aproximar dos alunos   (UOL – Vestibular – 21/03/15)

Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes, doutor em Filosofia pela USP e professor da Unicamp

Massificar, descentralizar, popularizar. Esses devem ser os objetivos do ensino superior no Brasil, na visão de Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes, 64, professor de ciência política da Unicamp.  Sua análise foi consolidada com a pesquisa sobre os modelos de educação em vários países. Parte dela está sendo lançada agora no livro “Educação Superior nos Estados Unidos: História e Estrutura” (Editora Unesp), que percorre as metamorfoses do sistema desde a colônia.  A obra mostra como os norte-americanos transformaram um modelo elitista e privado em outro flexível e majoritariamente público.  Doutor em filosofia e autor de “O Peso do Estado na Pátria do Mercado” (2013), Moraes afirma que o dinheiro público foi decisivo para essa evolução. “Em lugar nenhum do mundo o ensino superior se paga”, diz.

Leia a entrevista a seguir.



USP deve adotar Enem para 15% das vagas   (O Estado de S.Paulo – Educação – 2

A Universidade de São Paulo (USP) quer aprovar ainda neste ano a adoção do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para selecionar parte dos alunos. O Enem seria usado para preencher 15% das vagas – essa forma de ingresso estaria voltada para alunos da escola pública. A instituição divulgou nesta quarta-feira, 22, que em 2015 conseguiu aumentar a proporção de estudantes da rede pública: chegou a 35,1%, ante 32,3% no ano anterior. A adoção do Enem tem sido discutida desde o ano passado. Das 42 unidades da USP, 36 já se pronunciaram sobre o assunto e somente duas não recomendaram o exame como forma de ampliar a inclusão. “Houve muitas propostas sobre como melhorar a inclusão, mas a adoção do Enem é praticamente uma unanimidade”, diz o pró-reitor de Graduação, Antonio Carlos Hernandes. A pró-reitoria vai consolidar a proposta para aprovação até junho no Conselho Universitário, instância máxima da universidade. Assim, a mudança poderia valer já no próximo vestibular. A meta da USP é ter 50% de alunos da rede pública até 2018. A universidade é pressionada para criar estratégias para aumentar a inclusão – a instituição nunca adotou cotas, mas aposta em um sistema de bônus. Cerca de 85% dos alunos de ensino médio estão em escolas públicas.



USP aprova mais alunos de escolas públicas, mas fica abaixo da meta   (Folha Online – Educação – 22/04/15)

A proporção de estudantes de escolas públicas aprovada no vestibular da USP subiu de 32,3% para 35,1% em relação ao ano passado.  As informações foram divulgadas nesta quarta (22) pela universidade. A estimativa da instituição, porém, era que o percentual chegasse a 38%, após mudanças no vestibular. Cerca de 85% dos estudantes do ensino médio saem de escolas públicas.



Unicamp recebe pedidos de isenção de taxa do vestibular   (Veja – Educação – 22/04/15)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) começou a receber os pedidos de isenção da taxa do vestibular 2016. Os candidatos deverão realizar o cadastro no site da Comissão Permanente Para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) até o dia 22 de maio. Estão aptos a solicitar a isenção os estudantes de famílias de baixa renda (renda líquida máxima de 920 reais por morador do domicílio), funcionários da Unicamp e aqueles que se candidatarem aos cursos de licenciatura em período noturno nos cursos de ciências biológicas, física, letras, licenciatura integrada química ou física, matemática e pedagogia.



Cotas: Documentário “Usp 7%” aborda o racismo na universidade    (Carta Capital –  TV Carta –  16/04/15 )

Na contramão das universidades federais e de 30 das 38 estaduais, a USP, maior universidade do Brasil, fala em “meritocracia” para discutir a reserva de vagas para alunos pretos e pardos. No documentário ‘USP 7%’, o diretor Daniel Mello debate a questão.

https://www.youtube.com/watch?v=WAWkE2bU0QM#t=10