24/11/2014 / Em: Clipping

 


Candidatos aprovam o novo formato de teste da Unicamp   (Correio Popular – Vestibular 2015 – 24/11/14)

O vestibular 2015 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) ocorreu ontem sem incidentes nos 11 locais onde as provas foram aplicadas. Segundo a Comissão Permanente para Vestibulares (Comvest), a abstenção chegou a 8,04% dos 77.128 candidatos, ou seja, cerca de seis mil. No ano passado, dos 3,8 mil inscritos, 6,93% não fizeram a prova (5,1 mil). Este foi o sexto ano consecutivo em que a universidade registra recorde no número de inscrições. A próxima fase da prova ocorre nos dias 11, 12e 13 de janeiro, e trará a redação. O resultado oficial da avaliação de ontem será divulgado nesta quarta-feira. Ainda de acordo com a comissão, o aumento na abstenção era esperado, devido ao recorde do número de inscritos. Este ano foram 3,328 mil candidatos a mais. Para os organizadores, a abstenção maior segue tendência de outros vestibulares no País. “O feriado (do dia 20 – Dia da Consciência Negra) pode terafeta do. Estudantes que já não estavam confiantes podem ter desistido”, comentou o coordenador Jayme Vaz.O local que registrou maior abstenção foi em Brasília, com 27,70% de faltantes. Em segundo ficou a cidade de Presidente Prudente, com 13,1%. Nesta edição, o processo seletivo foi marcado pela expectativa dos candidatos em relação à prova, que teve um formato diferente de anos anteriores, com 90 questões de múltipla escolha, e não mais 48, além da redação que ficou para a segunda fase. Apesar do aumento das questões, os estudantes entrevistados pela reportagem não acharam as questões extensas, porém, os testes de química e física foram considerados difíceis.



Taxa de abstenção da Unicamp sobe e chega a 8% na 1ª fase do vestibular   (Globo.Com – G1 Vestibular – 23/11/14)

A taxa de abstenção subiu na primeira fase do vestibular da Unicamp e chegou a 8,04% (6.199 candidatos) na prova aplicada neste domingo (23). O índice no ano passado foi de 6,93% e nos anos anteriores havia sido de 7,64% e 7,39%. A comissão organizadora apontou o feriado prolongado como um dos possíveis motivos para alta de estudantes ausentes, mas não considerou o número anormal.

Vestibulandos comparam primeira fase da Unicamp à prova do Enem

Aplicada pela Unicamp neste domingo (23), a prova da primeira fase do vestibular 2015 foi comparada por vestibulandos ouvidos pelo G1 ao modelo do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Segundo os estudantes, o teste exigiu muita interpretação de texto em temas como dengue e crise hídrica nos estados de São Paulo e Minas Gerais, transposição do Rio São Francisco, ditadura no Brasil e citou os “rolezinhos”. Este ano, a Unicamp mudou o modelo de prova e deixou de exigir a redação na primeira fase. Em geral, o vestibulandos aprovaram as alterações e acharam o exame mais fácil do que no ano passado.

Vestibulando ‘prodígio’, estudante da periferia já passou em 10 vestibulares   (Globo.com – G1 Vestibular – 22/11/14)

No casebre de paredes sem acabamento e privacidade guardada apenas por pedaços de pano disfarçados de porta, na periferia de Nova Odessa (SP), Jesus Cristian de Oliveira guarda sonhos que não cabem nas mais de 20 vezes em que já viu o nome estampado em uma lista de aprovados em vestibulares e concursos. Com renda familiar de um salário mínimo e quociente de inteligência inversamente proporcional, o jovem de 25 anos desistiu recentemente do curso de engenharia e, este ano, foi desafiado pelo cursinho que o “adotou” a enfrentar uma maratona de 10 vestibulares para Medicina – entre eles os mais concorridos do Brasil -, e passar em todos. Neste domingo (23), ele executa parte do desafio como candidato na prova da Unicamp. Em uma pasta de elástico no canto do quarto de não mais que 2 x 2 metros, ele guarda como um tesouro medalhas, homenagens, e os certificados que começam com o prêmio de melhor desenho na pré-escola e terminam no melhor desempenho, entre 20 mil estudantes, no simulado do Enem deste ano.



Primeira fase da Unicamp 2015 tem textos curtos e pouco cálculo   (UOL – Vestibular – 23/11/14)

Com enunciados e textos curtos, pouco cálculo e apenas quatro alternativas em cada questão, a primeira fase da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) não deve ter apresentado problema para os candidatos quanto ao tempo de resolução, segundo professores ouvidos pelo UOL. “Foi uma prova muito bem feita quanto à extensão de textos e o volume de cálculos. O aluno não deve ter tido problemas em relação ao tempo”, diz Célio Tasinafo, diretor pedagógico da Oficina do Estudante.  Para Vera Lucia da Costa Antunes, coordenadora do Curso e Colégio Objetivo, a prova desse ano não foi trabalhosa, pois apresentava textos curtos e resoluções rápidas. “Foram poucas questões com alternativas longas, algumas de geografia e outras de biologia. Algumas questões cobravam conhecimentos fundamentais, mas o aluno precisava saber aplicar.



Vestibular da Unicamp 2015 foi de fácil a médio, dizem professores   (O Estado de S.Paulo – Educação – 23/11/14)

Professores de cursinhos consultados pelo Estado consideraram a primeira fase do vestibular da Unicamp com dificuldade entre fácil e média. A prova foi realizada neste domingo, dia 23, e mais de 70 mil inscritos participaram. Esta edição marcou a estreia de um novo modelo de vestibular: o número de questões passou de 48 para 90, a redação ficou para a segunda fase e os itens apresentavam apenas quatro alternativas, e não mais cinco. Para o coordenador do Cursinho Etapa, Marcelo Dias Carvalho, as mudanças não alteraram muito o estilo da prova. “Não mudou o tipo de abordagem. Em português, por exemplo, manteve a cobrança de literatura e a ausência de gramática, o que já se praticava”, diz. A professora Vera Antunes, do Objetivo, chama atenção para a exigência das obras contidas na lista de livros obrigatórios. “Houve uma questão que usava um poema do Drummond e pedia para que o aluno associasse a outras obras da lista.



Primeira fase da Unicamp foi mais ampla e conceitual, dizem professores  (Folha Online – Educação – 23/11/14)

Mais ampla, conceitual e antenada aos temas da atualidade. Foi assim que os professores de cursos preparatórios para vestibulares ouvidos pela Folha classificaram a primeira fase da Unicamp -aplicada neste domingo (23) em 20 cidades do Estado de São Paulo, além de Brasília.  A crise hídrica que afeta o Sudeste, as implicações da transposição do rio São Francisco, os grupos separatistas na Bélgica e até uma citação do “rolezinho” –fenômeno social dado aos encontros de jovens combinados pela internet -foram cobrados na prova. “A Unicamp conseguiu produzir uma prova que cobra a maior diversidade possível de conteúdo e seleciona o melhor tipo de aluno”, analisa Célio Tasinafo, diretor-pedagógico do Oficina do Estudante. Na edição 2015 do vestibular, a primeira fase saltou de 48 questões para 90, porém trouxe uma novidade: eliminou a redação que será exigida nas próximas fases. “Desta vez, o candidato teve tempo para refletir em cada questão sem chegar morto ao final da prova”, afirma Vera Antunes, coordenadora do Objetivo.