26/02/2009 / Em: Clipping

 


Aprovados na Fuvest ou na Unicamp devem confirmar matrícula  (UOL – Vestibular – 26/02/09)

Os candidatos que foram aprovados na Fuvest ou na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) devem confirmar a matrícula nesta quinta-feira (26).  Para os convocados na USP (Universidade de São Paulo) ou na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, o prazo se estende até esta sexta (27). Já para os ingressantes na Unicamp, o prazo se esgota nesta quinta mesmo. O aprovado que não realizar este procedimento perde direito à vaga.

Confirmação de matrícula na USP e na Santa Casa

Os aprovados em primeira e segunda chamadas devem confirmar a matrícula pessoalmente ou por procuração, junto à seção de alunos da escola, faculdade ou instituto em que efetuou a sua matrícula. A não confirmação de matrícula implicará o cancelamento automático da vaga e a exclusão de qualquer eventual convocação posterior. Confira as informações na página 57 do manual do candidato. Outras informações podem ser consultadas no site da Fuvest.

Confirmação de matrícula na Unicamp

Nesta quinta haverá confirmação de matrícula para matriculados na primeira, segunda e terceira chamadas, inclusive para os que aguardam remanejamento. Os estudantes devem realizá-la nos respectivos campi, das 9hs às 16hs. Os ingressantes em cursos noturnos poderão confirmar a matrícula das 18hs às 21hs. A confirmação será no Ceset – Limeira para os cursos superiores de tecnologia, na Faculdade de Ciências Aplicadas – Limeira para os cursos novos, em Piracicaba para os candidatos ao curso de Odontologia, em São José do Rio Preto para os candidatos aos cursos da Famerp e em Campinas para os demais candidatos. É necessário levar documento de identidade. Outras informações podem ser consultadas no site do vestibular da Unicamp.



Filosofia e sociologia serão obrigatórias no Ensino Médio  (Terra – Educação – 24/02/09)

Após quase 40 anos, as disciplinas de filosofia e sociologia foram novamente incorporadas ao currículo do Ensino Médio, em junho de 2008, com a entrada em vigor da Lei nº 11.684. A medida tornou obrigatório o ensino das duas disciplinas nas três séries do Ensino Médio. Elas haviam sido banidas do currículo em 1971 e substituídas por educação moral e cívica.  A nova legislação deu força de lei ao Parecer nº 38/2006, do Conselho Nacional de Educação (CNE), que tornava obrigatória a inclusão de filosofia e sociologia no Ensino Médio sem estabelecer, no entanto, em que série deveriam ser implantadas. Na época, as duas disciplinas já eram adotadas em instituições de Ensino Médio de 17 estados brasileiros. De acordo com a presidente do Conselho Nacional de Educação, Clélia Brandão Alvarenga Craveiro, a escola brasileira, de um modo geral, carece muito de uma dimensão crítica e analítica. Em sua opinião, a escola precisa trabalhar com a metodologia investigativa desde o início e, no Ensino Médio, os conteúdos de filosofia e sociologia, temas que são extremamente importantes do ponto de vista da cultura escolar, também proporcionam uma metodologia muito mais intensiva em relação ao aspecto de refletir e tomar decisões a partir de uma análise da realidade. Para Clélia Brandão, o conteúdo da filosofia é extremamente importante, pois dá a visão de desenvolvimento, das relações entre as pessoas. O Brasil tem carência de professores de filosofia para o Ensino Médio, mas o problema não é isolado. Também faltam professores de outras disciplinas como física, química, matemática, biologia, português e artes.  Segundo dados do último censo escolar, cerca de 350 mil professores em exercício não possuem formação em nível de graduação e aproximadamente 300 mil atuam em área diferente daquela em que se graduaram. O Parecer nº 8/2008 do CNE criou a chamada segunda licenciatura, voltada especificamente para o atendimento de professores que estão lecionando disciplinas para as quais não têm a graduação específica.  É o Programa Emergencial de Segunda Licenciatura para Professores em exercício na educação básica pública, a ser coordenado pelo MEC em regime de colaboração com os sistemas de ensino. Além disso, decreto assinado em janeiro deste ano pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva estabeleceu a política nacional de formação de profissionais do magistério. A União deverá atuar em regime de colaboração com estados, municípios e o Distrito Federal para a formação inicial e continuada de professores para as redes públicas da educação básica estaduais e municipais. A formação para os professores faz parte das metas do Plano de Ações Articuladas (PAR).



Matriculados na Unicamp devem confirmar vaga nesta quinta-feira  (Globo.Com – G1 Vestibular – 26/02/09)

Horário de atendimento é das 9h às 16h.
Confira os locais onde a confirmação deverá ser feita.

Os candidatos aprovados em primeira, segunda e terceira chamadas, inclusive os que aguardam remanejamento, deverão confirmar a matrícula nesta quinta-feira (26). O horário de atendimento é das 9h às 16h no campus de Piracicaba para o curso de odontologia, no Ceset – Limeira para os cursos superiores de tecnologia, na Faculdade de Ciências Aplicadas – Limeira para os cursos novos e no campus de Campinas (nas Unidades de Ensino) para os demais cursos. Os ingressantes aos cursos da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp) deverão confirmar a matrícula no Setor de Vida Escolar, Pavilhão da Secretaria Geral, na sede da Famerp em São José do Rio Preto. Alunos ingressantes aos cursos ministrados em período noturno poderão confirmar a matrícula das 18h às 21h.  A não confirmação da matrícula leva à automática perda da vaga.



Vestibular – Fera da Unicamp também é o número 1 na medicina da USP   (Correio Popular – Cidades – 24/02/09)

Primeiro em Campinas em 2007, João de Souza, agora, volta a ser calouro

Mineiro de Belo Horizonte e filho de um coronel do Exército, João Francisco Ferreira de Souza passou pela linha dura do colégio militar. Respeitava demais os professores e estudava o dia inteiro, sem parar. Assim, ser aprovado no vestibular nunca foi problema. Ele colecionou sucessos nas provas de universidades tradicionais: Federal de São Paulo (Unifesp), Estadual Paulista (Unesp), Federal de São Carlos (UFSCar). Em 2007, foi o primeirão no exame da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Agora, este ano, o rapaz conseguiu ser o melhor entre os candidatos que prestaram medicina na Universidade de São Paulo (USP). Ele atingiu nada menos que 925 dos mil pontos possíveis.  Na mais recente conquista, Souza contou com a ajuda importante de um cursinho pré-vestibular. Ele fez o Etapa, lá na Capital, graças a uma bolsa de estudos. Apesar de fera dos livros, o estudante nunca teve dinheiro para pagar os estudos em instituições particulares. Antes do Etapa, para se ter uma idéia, ele estudava em escolas públicas. Aqui em Campinas, a passagem foi como um relâmpago. Primeiro, virou notícia de jornais e emissoras de TV, quando faturou o primeiro lugar na Unicamp. Na época, ele deixou para trás 13 mil concorrentes. Fez 758,57 pontos. Para chegar ao topo da lista de aprovados, teve a ajuda estratégica dos 30 pontos conferidos pelo Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (Paais), incentivo para quem tinha cursado o Ensino Médio em escolas da rede pública.  O jovem, a tiracolo do pai Gleisson, que trocava de quartel toda hora, estava morando em Campo Grande (MS) quando prestou Unicamp. Na época da matrícula, cercado de repórteres, explicou o sucesso pessoal em uma frase: “Estudar nunca foi uma tortura para mim. Adoro ler”, disse, modesto. Quando resolveu estudar engenharia elétrica em Campinas, Souza pensava seguir o caminho de um tio que já tinha se formando por aqui. Mas a vida dá voltas. O universitário resolveu desistir do curso porque a mãe dele, Eliana, vivia internada no Instituto do Coração (Incor), na Capital, por causa de uma deficiência cardíaca séria. Ele queria estar mais perto dela. Além disso, passou tanto tempo nos corredores do hospital que decidiu trocar de carreira. Resolveu ser médico.  
Hoje, ele mora no bairro do Paraíso, perto da Avenida Paulista, na região central da Capital. As aulas na USP começaram no último dia 16. Souza e a irmã Caroline, de 17 anos, se revezam para acompanhar a mãe no Incor. Liana, que já tinha passado por um transplante de coração, agora enfrenta uma infecção pulmonar. Mas está muito bem. Divertida, ela até atende, no telefone, as ligações de repórteres do Brasil inteiro. O filhão, diz, virou atração nacional. E ela, lógico, está muito orgulhosa.

Estudante incorporou o jornal na rotina diária

João Francisco Ferreira de Souza só tinha uma insegurança antes do vestibular. Nunca foi dado a ler jornal. Achava que ia ter uma tremenda dificuldade na hora de responder questões sobre atualidades. Assim, se entregou a uma fase intensiva de preparação: lia o jornal inteiro de sexta-feira a domingo. E comprava duas revistas para saber, pelo menos em resumo, tudo o que tinha acontecido na semana. Ele confessa que a leitura preferida sempre foram livros. A paixão começou na 8 série, quando foi obrigado a ler Dom Casmurro para fazer uma ficha de leitura. Ele assume que achou a leitura do clássico do Machado de Assis muito difícil. Mas ele embalou. Se tornou fã de carteirinha do escritor e passou a devorar outros autores brasileiros.

SAIBA MAIS

O Colégio Militar de Campo Grande (MS) onde João fez o Ensino Médio é gratuito apesar de severo. Trata-se de uma instituição federal. O primeiro grau também tinha sido em instituição militar em Brasília (DF). Quando decidiu encarar o disputado vestibular da medicina, ficou sabendo que o Etapa concedia descontos, de acordo com o resultado de uma avaliação feita pelos interessados em bolsas de estudos. O desconto na mensalidade variava: 60%, 70%, 80%. Ele foi tão bem que faturou uma bolsa integral.



Matrícula da USP e da Unicamp deve ser confirmada (Folha Online – Educação – 26/02/09)

Todos os matriculados que foram convocados em primeira e em segunda chamadas na USP (Universidade de São Paulo) devem confirmar a matrícula hoje e amanhã, nas respectivas seções de alunos. O horário de atendimento deve ser confirmado com cada unidade.  Na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), candidatos aprovados até a terceira chamada têm de garantir a vaga hoje, nas unidades de ensino em que fizeram a matrícula, das 9h às 16h ou das 18h às 21h. Nas duas universidades, a confirmação da matrícula é procedimento obrigatório e o não comparecimento do estudante implica na perda imediata da vaga obtida. Na hora, basta apresentar o documento de identidade. O objetivo da confirmação é evitar que matriculados que, por ventura, tenham desistido do curso, prejudiquem um candidato que aguarda convocação na lista de espera. Da mesma forma, as próximas chamadas serão processadas somente com os candidatos que manifestaram interesse por vagas restantes. Na USP, a declaração foi aceita na semana passada. Na Unicamp, quem ainda não foi convocado, prestou a segunda fase e não foi eliminado por nota zero pode manifestar interesse por vaga até as 17h de amanhã, no site www.comvest.unicamp.br. O candidato que tem esperança de ser chamado deve ficar atento às listas. É recomendável também que providencie a documentação exigida com antecedência, visto que as matrículas só são efetivadas após a apresentação de todos os documentos.

Aprovação da escola pública na USP é a maior em 9 anos (Folha de S.Paulo – Cotidiano – 21/02/09)

Participação corresponde a 29,3% dos aprovados neste ano; índice é o maior ao menos desde 2001

Universidade ampliou a bonificação neste ano, que poderia render até 12% de vantagem em relação ao aluno da rede particular

A participação de estudantes formados na rede pública entre os aprovados no vestibular da USP aumentou 12,7% neste ano. O crescimento ocorreu após a universidade aumentar as bonificações a esses alunos no processo seletivo. No vestibular para ingresso neste ano, 29,3% dos aprovados cursaram o antigo colegial na rede pública. No exame anterior, o percentual foi de 26%. A participação do sistema público entre os aprovados neste ano é o maior desde ao menos 2001 (quando esteve em 24,6%), segundo o relatório da universidade que aborda apenas os últimos nove anos. O período pode ser maior, pois só em 1992 o percentual ficou acima do patamar atual -chegou a 31,3%. Mas, como a metodologia usada era diferente, pode haver distorção. As informações, às quais a Folha teve acesso, foram apresentadas anteontem pela pró-reitoria de graduação em reunião com representantes de unidades da universidade. Considerada elitista e pressionada por movimentos sociais a adotar as cotas (reserva de vagas), a USP passou a conceder, há dois anos, 3% de acréscimo na nota do vestibular a alunos de escola pública. A instituição avaliou que o sistema de cotas era muito radical. No primeiro ano do programa (2007), aumentou o percentual de aprovados dessa rede (foi de 24% para 26%).
Mas no exame seguinte houve estagnação no percentual, que ainda estava longe da meta estipulada pela reitora Suely Vilela, de chegar aos 30% -o sistema público representa 85% das matrículas no Estado. Para o vestibular deste ano, a universidade ampliou a bonificação, que poderia render até 12% de vantagem dos alunos das escolas públicas em relação aos das particulares. Além de manter os 3% iniciais, a USP criou uma prova exclusiva para os estudantes da rede pública, que, dependendo das questões acertadas, poderia render até outros 3%. Além disso, passou a dar até 6% adicionais com base na nota do Enem (bônus também proporcional ao desempenho).

Diversificação
A assessoria da USP disse que a reitoria não se pronunciaria ontem, pois a divulgação oficial dos dados será na próxima semana. Segundo a Folha apurou, a universidade avaliou os dados como positivos na reunião com as unidades. “O aumento de alunos na rede pública é importante, pois traz mais diversidade ao alunado da USP”, afirmou a pesquisadora Elizabeth Balbachevsky, do Núcleo de Pesquisa de Políticas Públicas da USP. “Mas não se pode esperar que a universidade resolva o problema de inclusão social. O Estado forma cerca de 500 mil alunos ao ano, e a USP oferece apenas 10 mil vagas. A massificação do ensino superior precisa ser feita por outras vias.” Balbachevsky cita como opção a maior utilização das vagas nas universidades privadas. Apesar do aumento da participação dos alunos da rede pública entre os aprovados, caiu o interesse dessa rede para prestar o exame: de 32,9% para 31,3% em um ano. Além disso, a prova específica criada para os alunos da rede pública (a avaliação seriada) teve uma procura abaixo do esperado (cerca de 8.000 alunos, em uma rede que forma cerca de 500 mil alunos).

Bonificação na USP   (Folha de S.Paulo – Opinião – 24/02/09)

A USP começa a indicar na prática um caminho promissor para aumentar a diversidade social no acesso ao ensino superior -é o que se depreende de seu último processo seletivo. A instituição adotou em seu vestibular uma bonificação aos alunos das escolas públicas -que tem como base a pontuação obtida na Fuvest, uma prova de avaliação e o Enem. Adotado há dois anos -inicialmente apenas sobre a nota da Fuvest-, esse sistema foi ampliado. Como resultado, a participação de oriundos da escola pública entre os selecionados aumentou 12,7%, como esta Folha noticiou no sábado. O percentual atingiu 29,3%, contra 26% em 2008.
Trata-se da maior taxa desde ao menos 2001, segundo relatório que analisa os últimos nove anos. Esse patamar teria sido superado em 1992 -com 31,3%-, mas o resultado anterior pode estar distorcido, dada a diferença de metodologia empregada. A bonificação introduzida pela universidade tem a dupla vantagem de adotar o critério socioeconômico -já que os egressos das escolas públicas em sua maioria têm nível de renda inferior- sem distorcer demasiadamente o princípio do mérito. Desatar esse nó -o de permitir maior diversidade no acesso às universidades públicas sem afetar o desempenho médio dos seus cursos- é tarefa complexa. Nesse sentido, as chamadas políticas de ação afirmativa têm provocado debates acalorados. O STF ainda não se pronunciou sobre o ponto nevrálgico nessa controvérsia -a constitucionalidade da adoção de cotas baseadas em critérios raciais. Há boas razões na Carta para rejeitar esse modelo. Além de afrontar o princípio de igualdade perante a lei, a seleção baseada em raças não possui fundamento objetivo. Iniciativas como a da USP inspiram maior equilíbrio e justiça -ainda que estejam naturalmente sujeitas a aperfeiçoamentos.



Aprovados na Unicamp devem confirmar matrícula  (A Tarde/Salvador/ Vestibular – 26/02/09)

A Universidade Estadual de Campinas convoca os aprovados no vestibular 2009 para a confirmação de matrícula. Quem não realizar o procedimento, perde o direito à vaga. A confirmação é para os aprovados em primeira, segunda e terceira chamada e também para quem aguarda o remanejamento. Todos devem ir aos respectivos campi dos seus cursos, das 9hs às 16hs, para os candidatos a graduações diurnas. Para quem optou por estudar de noite deve confirmar a matrícula das 18hs às 21hs. É preciso levar carteira de identidade. Para msi informações, acesse o site da Unicamp.



Matrícula deve ser confirmada  (Jornal Agora – Dicas – 26/02/09)

Todos os matriculados que foram convocados em primeira e em segunda chamadas na USP (Universidade de São Paulo) devem confirmar a matrícula hoje e amanhã, nas respectivas seções de alunos. O horário de atendimento deve ser confirmado com cada unidade.  Na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), candidatos aprovados até a terceira chamada têm de garantir a vaga hoje, nas unidades de ensino em que fizeram a matrícula, das 9h às 16h ou das 18h às 21h.  Nas duas universidades, a confirmação da matrícula é procedimento obrigatório e o não comparecimento do estudante implica na perda imediata da vaga obtida. Na hora, basta apresentar o documento de identidade. O objetivo da confirmação é evitar que matriculados que, por ventura, tenham desistido do curso, prejudiquem um candidato que aguarda convocação na lista de espera. Da mesma forma, as próximas chamadas serão processadas somente com os candidatos que manifestaram interesse por vagas restantes. Na USP, a declaração foi aceita na semana passada. Na Unicamp, quem ainda não foi convocado, prestou a segunda fase e não foi eliminado por nota zero pode manifestar interesse por vaga até as 17h de amanhã, no site www.comvest.unicamp.br. O candidato que tem esperança de ser chamado deve ficar atento às listas. É recomendável também que providencie a documentação exigida com antecedência, visto que as matrículas só são efetivadas após a apresentação de todos os documentos.



Alunos da Unicamp devem confirmar matrícula hoje  (Gazeta de Limeira – Local – 26/02/09)

Todos os matriculados nas 1ª, 2ª e 3ª chamadas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), devem obrigatoriamente confirmar a matrícula hoje, inclusive os que aguardam remanejamento. A não-confirmação da matrícula leva à automática e definitiva perda da vaga.  A confirmação deve ser feita das 9 às 16 horas nos respectivos campi. Em Limeira, no Ceset, para os ingressantes nos cursos superiores de Tecnologia e, na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), para os ingressantes nos cursos de Ciências do Esporte, Engenharia de Manufatura, Engenharia de Produção, Gestão de Comércio Internacional, Gestão de Empresas, Gestão de Políticas Públicas, Gestão do Agronegócio e Nutrição; em Piracicaba, para os ingressantes no curso de Odontologia e, em Campinas, para os demais cursos.  Até amanhã, às 17h, a Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) da Unicamp disponibiliza o formulário específico para declaração de interesse por vaga. Os candidatos que fizeram a 2ª fase, não foram eliminados por nota zero e não tenham sido convocados para alguma de suas opções, até e inclusive a 3ª chamada, devem declarar interesse em continuar concorrendo a eventuais vagas nas próximas listas. A declaração será feita exclusivamente no site da Comvest (www.comvest.unicamp.br). Os que não declararem interesse ficam eliminados do processo de convocação para matrícula.  Ao declarar interesse, o candidato deve consultar atentamente as próximas listas de chamada para verificar os convocados nos cursos escolhidos. A quarta chamada será divulgada no próximo dia 3 até as 24h; a quinta, no dia 6; a sexta, no dia 10; a sétima chamada, no dia 13; a oitava, no dia 17; a nona, no dia 24 (juntamente com uma lista de espera); a décima chamada, no dia 26, assim como a última, que será divulgada até as 18h.