27/05/2019 / Em: Clipping

 

Saiba quais são as diferenças entre as redações do Enem, Unesp, Usp e Unicamp (Quero Bolsa – Vestibular e Enem – 27/05/2019)

 

Se você, assim como a maioria dos vestibulandos, está prestando todos os vestibulares possíveis para poder aumentar suas chances, deve se atentar ao estilo de redação que cada prova exige. Os vestibulares mais conhecidos como Enem, Vunesp, Fuvest e Unicamp tem estilos de redações parecidos, mas cada um tem suas particularidades na proposta e avaliação. Então, na hora de estudar, não adianta treinar somente um tipo de texto, é preciso conhecer cada uma das propostas de redações. A professora de Redação do Cursinho da Poli, Miriele Amorim, explica que todos esses vestibulares, exceto a Unicamp, pedem o mesmo estilo de texto, o dissertativo-argumentativo, e precisam ter introdução, desenvolvimento e conclusão. Com a estrutura clássica do texto dissertativo-argumentativo, a professora MIriele explica que o Enem preza pela interpretação do candidato acerca do tema e dos textos de apoio. De acordo com o Manual de Redação do Enem de 2018, os candidatos devem “defender uma tese – uma opinião a respeito do tema proposto –, apoiada em argumentos consistentes, estruturados com coerência e coesão”. O Enem, diferente dos outros vestibulares, espera que o candidato indique uma solução ao problema apresentado. A proposta de intervenção é avaliada em uma das competência e deve ser criativa, detalhada e respeitar os direitos humanos. Sem uma proposta, o critério avaliativo é zerado. O processo de entrada na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp) é feito pela Fundação Vunesp e ela exige a redação do gênero dissertativo. A professora esclarece que, geralmente, o tema é uma pergunta, o que torna mais fácil a criação da tese, pois é só o candidato responder a essa pergunta com sua tese. Assim como no Enem, a banca preza pela interpretação que o candidato faz da coletânea. “Jamais se deve copiar o que está no textos de apoio, porque seria plágio, mas o candidato pode colocar na sua redação o conhecimento que ele absorveu dos textos e parafrasear dados”, ressalta Miriele. A Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular) é o órgão responsável pelo vestibular da Universidade de São Paulo (USP), um dos mais concorridos do país. A prova também exige uma redação dissertativa-argumentativa, mas seus temas são mais subjetivos e filosóficos. A banca valoriza o repertório sócio-cultural do candidato e sua interdisciplinaridade ao trazer assuntos distintos para incrementar a redação. “Ele precisa saber relacionar livros, músicas, novelas, filmes com o tema de redação”, comenta Miriele. No Manual do Candidato de 2019, a Fuvest afirma que espera que o candidato sustente seu ponto de vista sobre o tema, mostrando seus conhecimentos e opiniões de forma coerente e pertinente. A redação do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), feito pela Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest), foge ao padrão das outras provas.  Até o ano passado, os candidatos deviam elaborar dois textos de gêneros discursivos diferentes, que não são informados previamente. A partir desse ano, os candidatos podem escolher apenas um dos gêneros para escrever.  Os gêneros podem ser os mais variados possíveis, como carta, manifesto, resumo, apresentação, texto de blog, entre outros. A dica da professora Miriele é conhecer as estruturas desses gêneros textuais para conseguir dominar a proposta de redação. De acordo com o edital do vestibular de 2019, a prova busca avaliar a capacidade dos estudantes de produzir e interpretar textos nos diferentes gêneros propostos, de fazer uma leitura crítica dos textos de apoio e se dirigir ao público correto. Apesar das diferenças entre um vestibular e outro, alguns critérios são essenciais a toda boa redação e não mudam. Todas as redações devem seguir a norma culta, manter a ortografia correta, coerência e coesão. Também é necessário tomar cuidado para não escrever menos que o exigido, fugir do formato ou tema proposto e ferir os direitos humanos. Lembrando que o título só é obrigatório quando informado na proposta de redação e conta como uma linha. No caso das conclusões das redações dissertativas, somente no Enem é exigido uma proposta de intervenção. Nas provas da Vunesp e Fuvest, “o estudante deve concluir o texto resumindo as principais partes e reafirmando a tese”, informa a professora.