27/04/2010 / Em: Clipping

 


Unesp e Unicamp recebem pedidos de isenção de taxa  (IG – Educação – 26/04/10)

Já a Unicamp, recebe inscrições para isenção da taxa de inscrição para o vestibular de 2011. A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) disponibilizou a partir desta segunda-feira o formulário para a solicitação da isenção. As inscrições devem ser realizadas até dia 28 de maio, exclusivamente pela internet. Para finalizar o processo de inscrição, o candidato deve enviar a documentação necessária (descrita no Edital), para Comvest, pelo correio, até o dia 31 de maio.



Uso do Enem no vestibular da UFRJ gera debandada em faculdades do Rio  (O Estado de S.Paulo – Educação.Edu – 27/04/10)

O cancelamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em outubro, após o vazamento da prova, continua causando transtornos. Milhares de alunos que utilizaram a nota do Enem como primeira fase do vestibular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) descobriram que foram aprovados apenas no início de abril, quando já frequentavam as aulas em outras universidades que haviam escolhido como segunda opção. O resultado foi um processo em efeito cascata: além de a UFRJ ter atrasado em um mês e meio o início do ano letivo, esses novos alunos abandonaram o curso que faziam em outras instituições, esvaziando turmas inteiras. De quebra, o resultado tardio do vestibular da UFRJ para os candidatos que utilizaram a nota do Enem obrigou as instituições que perderam esses alunos a abrir novas listas de aprovados, também com atraso. Só a Universidade Federal Fluminense (UFF), considerada a segunda opção da maioria dos vestibulandos, convocou 772 candidatos após o resultado da UFRJ. Outros 281 candidatos, que haviam sido aprovados para cursos com início das aulas no segundo semestre ou em outros turnos, foram remanejados. Em alguns cursos, a debandada foi geral. Em listas de discussões nas redes sociais na internet, estudantes relatam que uma das turmas de Economia da UFF ficou com apenas sete alunos. Só o Direito da Fluminense abriu 94 vagas para reclassificados e remanejados em 9 de abril; na semana seguinte havia mais 27 vagas.



Educação – Cruesp analisa vestibular unificado (Correio Popular – Cidades – 27/)4/10)

A tramitação na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo da lei de unificação dos vestibulares das universidades estaduais está suspensa por dois meses até que o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) apresente um estudo sobre o assunto. No último dia 7, as reitorias da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), juntamente com o deputado estadual Edson Giriboni (PV), autor do projeto de lei, reuniram-se para discutir sua viabilidade. Isso porque as instituições não haviam sido consultadas para poder dar qualquer tipo de posição a respeito da mudança. “Acredito que as mais interessadas nisso sejam as universidades. Não é tão simples assim criar uma lei e unificar os vestibulares. Claro que existem pontos positivos, mas também tem os negativos e temos que analisar como um todo. Cada aluno que presta um vestibular tem um perfil diferente e tudo isso tem que ser levado em conta”, afirmou o pró-reitor de Graduação da Unicamp, Marcelo Knobel. Segundo Knobel, muitas barreiras logísticas precisam ser superadas para se alcançar um resultado prático. “Tudo isso envolve muita gente e precisa ser discutido com muita cautela e paciência, não é algo para amanhã. É necessário existir uma proposta concreta para que isso se torne uma melhoria. E até agora isso ainda não foi possível”, afirmou. Já o deputado estadual Giriboni acredita que a proposta traria dois benefícios importantes ao vestibulando. Primeiro, não seria preciso pagar diversas taxas para fazer todas as inscrições. Segundo, o estudante poderia concentrar esforços em apenas uma prova. No ano passado, uma comissão para analisar o mesmo tema foi formada no Conselho Estadual da Educação, com integrantes das universidades, do governo e do conselho. Mas não teve nenhum resultado concreto. As universidades têm demonstrado certa resistência com a proposta, porque a operação, do ponto de vista logístico, seria muito complexa. (Carolina Cunha/Da Agência Anhanguera)

Unicamp divulga hoje lista de sorteados para simulado

A Unicamp divulga hoje o nome dos estudantes sorteados para fazer o simulado do novo modelo da primeira fase do vestibular 2011 e a lista de espera. Limitados a 1,2 mil participantes, os alunos foram escolhidos em sorteio entre os inscritos. Todos os sorteados e os que constam na lista de espera deverão confirmar interesse no site www.comvest. unicamp.br até amanhã. O simulado será no próximo dia 16, no campus da universidade. No novo modelo, aprovado no final de 2009, a prova se compõe de duas partes: 48 questões de múltipla escolha de conhecimentos gerais e a redação, na qual os participantes serão solicitados a elaborar três textos de gêneros diversos. A duração da prova será de cinco horas. A partir do dia 17, a prova estará disponível para consulta, com o gabarito das 48 questões. Os participantes terão acesso, individualmente, às suas notas, a partir de 15 de junho. Também a partir dessa data, serão divulgados exemplos de redações, com comentários.



Avaliação para todos (Folha de S.Paulo – Editorial – 27/04/10)

O MINISTÉRIO da Educação promete aprovar, no próximo mês, uma resolução que exigirá das universidades federais a adoção dos mesmos parâmetros de qualidade hoje cobrados das instituições de ensino privadas para operar no país. Ainda que seus objetivos sejam mais amplos, a medida, se aplicada com rigor, permitirá corrigir distorções criadas pela multiplicação de cursos públicos promovida pelo atual governo. Para fazerem jus ao nome, não basta às universidades, segundo a Constituição, exercerem atividades de ensino. É imperativo que também se dediquem à pesquisa e a atividades de extensão. Essa obrigação impõe custos elevados a esses estabelecimentos, que em troca ganham autonomia para criar novas faculdades, o que constitui vantagem nada desprezível para instituições privadas no concorrido mercado educacional brasileiro. Por tais razões, o Conselho Nacional de Educação atualmente só outorga essa qualificação aos grupos particulares que mantêm pelo menos um programa de doutorado e três de mestrado -é o patamar mínimo para atestar seu empenho em seguir a lei. O problema é que 15% das universidades federais também fazem uso indevido dessa denominação, já que não cumprem esses requisitos básicos. É certo que, nas universidades privadas e estaduais existentes, os percentuais de insuficiência são ainda mais altos: 59% e 51%, respectivamente. Mas não é razoável que o Ministério da Educação abdique, em seu próprio quintal, das regras que aplica aos outros. A iniciativa é louvável e tenta conter a proliferação de universidades de papel. É pena, porém, que ela só venha a ser adotada ao final do governo Lula: das 13 instituições que o presidente alardeia ter criado, seis não atenderiam aos padrões que agora planeja legar a seus sucessores.



Pedido de isenção é aceito até fim de maio  (Jornal dos Concursos – Vestibulando& – 26/04/10)

A Unicamp recebe até 28 de maio inscrições para obtenção de isenção da taxa de inscrição para seu Vestibular 2011. O subsídio é oferecido em três modalidades: para candidatos cuja renda líquida máxima por morador do domicílio seja de R$550; funcionários da Unicamp/Funcamp; e para aqueles que se candidatarem aos cursos de licenciatura em período noturno (ciências biológicas, física, letras, licenciatura integrada química/física, matemática e pedagogia). Estão disponíveis 6.640 isenções para estudantes de baixa renda, cem para funcionários da Unicamp e Funcamp e um número ilimitado para alunos dos cursos de licenciatura.