28/05/2012 / Em: Clipping

 


O uso das mídias sociais para escolher qual universidade estudar   (Universia Brasil – Notícia /Educação – 28/05/12)

Se você está escolhendo a universidade na qual irá estudar, mas não pode ir nos dias de visitas abertas, há muitas maneiras de avaliar os cursos e ambientes das instituições sem ter que sair de sua casa. Os sites das universidades estão cada vez mais equipados para que candidatos de todos os lugares do Brasil e do mundo possam conhecê-las sem ter que fazer visitas presenciais. Em época de vestibulares, muitas fazem palestras online e ao vivo, onde os alunos possam tirar dúvidas e conhecer os professores de cada área, além de entrar em contato com os estudantes que já estão nessas universidades. Outra ferramenta útil são as páginas do Facebook. Procure pela universidade de seu interesse e entre em contato com ela por meio dessa rede. Além disso, você pode conhecer outros alunos que já estão lá e podem passar informações mais exclusivas sobre ela.



Nova correção de textos do Enem vai triplicar 3ª leitura   (O Estado de S.Paulo – Educação – 28/05/12)

As novas – e mais rigorosas – regras de correção das redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) devem triplicar o número de textos que vão para o terceiro corretor, na comparação com o que ocorreu em 2011. A estimativa é de técnicos do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC) responsável pelo exame, cujas inscrições abrem hoje.Na última edição do Enem, 360 mil redações, cerca de 10% dos textos corrigidos, foram para uma terceira avaliação por causa de discrepância de mais de 300 pontos entre as duas primeiras correções, conforme previa a regra antiga. É a primeira vez que esse número é revelado. Agora, esse limite de diferença entre as duas correções iniciais caiu para 200 pontos. A terceira leitura poderá ocorrer ainda em outra situação: se as notas de pelo menos um dos cinco critérios de avaliação dos textos tiver discrepância maior que 80 pontos entre as duas correções iniciais, mesmo que na nota geral a diferença seja inferior a 200. Pelo novo modelo de correção, anunciado semana passada, haverá mais uma instância de correção. Se mesmo com a terceira correção persistir a discrepância de avaliação, a redação será novamente relida, dessa vez por uma banca presencial de três membros. Com os novos critérios, mais de 1 milhão de redações devem ter mais de duas leituras, na previsão do Inep.



Portas para a inovação   (Editora Segmento – Revista Ensino Superior – Edição 163)

Para o crescimento do Brasil de forma sustentável não há outra saída: é preciso investir na educação associada à inovação. A aposta é do ex-secretário nacional de Desenvolvimento Tecnológico do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Ronaldo Mota, que em março assumiu a Cátedra Anísio Teixeira no Instituto de Educação da Universidade de Londres. Para que o país se torne uma grande potência nos próximos anos, Mota afirma que é preciso implantar uma série de transformações no sistema educacional brasileiro, para desburocratizar os processos de avaliação e estimular as novas possibilidades tecnológicas e de metodologia de ensino, permitindo formar pessoas de vocação empreendedora e capazes de construir o próprio conhecimento. Entre um desembarque e outro, Ronaldo Mota conversou com a revista Ensino Superior no aeroporto de Guarulhos – ele vinha de Los Angeles, onde participara do conselho consultivo de uma empresa de inovação, e ia para o Rio Grande do Sul, onde passaria o final das férias antes de embarcar para Londres. Apesar das cerca de 11 horas de voo enfrentadas, simpático e bem disposto, Mota não se furtou a responder questões nem tão amenas que tangem o universo do ensino superior, especialmente em relação às necessidades de formação no Brasil, inovação, tecnologia e educação a distância. De acordo com ele, o problema do sistema educacional brasileiro, sobretudo no ensino superior, é um legado histórico que merece maior atenção para que a ampliação do acesso venha junto com a qualidade da educação.