29/04/2009 / Em: Clipping

 


Comitê do novo Enem contará com instituições estaduais (Ministério da Educação – 28/04/09)

A Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem) participará do comitê de governança do novo Enem. A decisão foi tomada durante reunião nesta terça-feira, 28, em Brasília, entre membros da entidade, o ministro da Educação, Fernando Haddad, e o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Reynaldo Fernandes. Com isso, o comitê reunirá reitores de todas as instituições de educação superior públicas – federais, estaduais e municipais – além de secretários de educação. O órgão terá, entre suas responsabilidades, discutir e acompanhar a elaboração do novo Enem e seu impacto no currículo do ensino médio. Os reitores de instituições estaduais e municipais vieram ao Ministério da Educação conhecer o novo modelo. Todos concordaram com os princípios da proposta do ministério, que prevê um processo de seleção capaz de orientar o currículo do ensino médio, a partir de um exame que tem como objetivo avaliar a capacidade de compreensão e de resolução de problemas pelo aluno e o uso criativo do conhecimento. Para o ministro, mais importante que definir a maneira de utilização do novo exame e o prazo para isso é criar um círculo virtuoso de discussão, que torne a passagem da educação básica para a educação superior menos traumática e estressante para o aluno, além de privilegiar a capacidade analítica do estudante. “A participação de todas as instituições públicas nesse processo daria um padrão de referência à educação básica muito significativo”, avaliou Haddad. O ministro sugeriu um prazo de três anos para que as instituições implementem a medida de maneira “tranqüila, segura e com objetivos comuns”. “Se a nota do novo Enem for considerada para o ingresso sob qualquer das formas propostas, será um grande salto de qualidade”, afirmou. As instituições podem optar entre quatro alternativas, ou ainda usá-las de forma combinada. O novo Enem poderá ser usado como única fase; como primeira fase; como parcela da nota do vestibular; ou para preencher as vagas remanescentes do vestibular. A maioria dos reitores demonstrou interesse em adotar uma das formas já neste ano. Na reunião, ficou definido também que as instituições discutirão a proposta com suas comunidades acadêmicas e que a Abruem escolherá os seus membros de composição do comitê de governança nos próximos 30 dias. A Abruem representa 32 instituições estaduais e municipais de educação superior.



Vestibular: Haddad pede a reitores que se posicionem sobre novo Enem (Globo On Line – Vestibular – 29/04/09)

O ministro da Educação, Fernando Haddad, pediu nesta terça-feira aos reitores das universidades federais um posicionamento claro sobre o novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), proposto como forma de ingresso nas universidades federias. Segundo Haddad, é preciso “colocar os pingos nos is” sobre a questão do Enem. O ministro pediu que a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) se manifeste sobre a proposta.  – A Andifes precisa dar um sinal sobre o princípio geral do novo Enem para aplacar os ânimos. O que queremos é dar um norte para o país. Depois, com toda tranquilidade, cada instituição pode verificar qual é maneira mais apropriada de participar – afirma o ministro, durante reunião.  O ministério ampliou para quatro as possibilidades de adesão das universidades ao novo Enem. O exame pode ser adotado como fase única de seleção, como uma primeira etapa do vestibular, como parte da nota do candidato ou ainda para preenchimento de vagas remanescentes. Haddad disse que “foge à razoabilidade” alguma instituição não participar sequer para preencher as vagas ociosas.



Metade das federais já aderiu ao Enem  (Zero Hora –  Vestibular – 29/04/09)

Três das seis universidades do Rio Grande do Sul já aderiram ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como única forma de ingresso em 2010. É o fim do vestibular tradicional nas federais de Pelotas (UFPel), do Pampa (Unipampa) e de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Juntas, as instituições já oferecem aos estudantes cursos em 12 cidades gaúchas. Nas três instituições do Estado, a participação no sistema unificado de seleção (com provas marcadas para 3 e 4 de outubro) foi aprovada com a maioria dos votos. Mas não agradou a todos. Vestibulandos de Porto Alegre, que têm a UFCSPA como principal opção ao curso de Medicina, tentaram evitar a mudança, com um abaixo-assinado.