29/08/2013 / Em: Clipping

 


Unicamp abre as portas para 40 mil estudantes no sábado   (Correio Popular – Cidades – 29/08/13)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) se prepara para receber no próximo sábado 40 mil estudantes do Ensino Médio na edição 2013 do Unicamp de Portas Abertas (UPA). O evento tem como objetivo apresentar ao público as ações desenvolvidas pela universidade nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, além da estrutura do campus, dos equipamentos e dos laboratórios das faculdades e institutos. Os estudantes também poderão participar de palestras e atividades culturais no Centro de Convenções e no estacionamento situado ao lado. Até segunda-feira, 38 mil alunos de sete estados já haviam feito as inscrições, segundo o coordenador geral da Unicamp, Álvaro Crósta.



Número de pretos e pardos inscritos no Enem cresce 29% em um ano    (Globo.Com – G1 Vestibular – 28/08/13)

O número de candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que se autodeclaram pretos e pardos cresceu 29% entre a edição de 2012 e a de 2013, segundo balanço divulgado pelo Ministério da Educação nesta quarta-feira (28). Para as provas que serão realizadas em 26 e 27 de outubro estão inscritos 4.006.425 de pretos e pardos, quase um milhão de candidatos a mais que os 3.094.545 de inscritos em 2012, um crescimento acima da média de inscritos, de 24%. A lei de cotas sociais e raciais na rede federal de ensino superior completa um ano de sua promulgação nesta quinta-feira (29). A lei prevê que, até 2016, todas as universidades e institutos federais reservem 50% de todas as suas vagas por critério de cor, rede de ensino e renda familiar. O aumento das cotas deverá ser gradual até o prazo final: em 2013, no mínimo 12,5% das vagas já deveria seguir as regras da lei federal. Para 2014, a meta mínima é de 25%. Porém, segundo o MEC, 32,5% das 141.953 vagas nas universidades federais foram oferecidas em 2013 na modalidade de cotas. O mesmo aconteceu com 44,2% das 20.763 vagas nos institutos federais. Além disso, 34% das universidades federais e 83% dos institutos federais já cumprem a meta de 2016 e reservam metade de suas vagas aos alunos que preenchem os requisitos da ação afirmativa. Em reunião com membros de movimentos sociais, o ministro Aloizio Mercadante afirmou que a evolução do número de candidatos pretos e pardos no Enem é “uma coisa absolutamente fantástica” e ressaltou que os pretos e pardos já são maioria no número de inscritos. “Há uma demanda reprimida pela exclusão, mas eles estão chegando, e vão mudar a história do ensino superior”, afirmou o ministro, durante a reunião. No mesmo período, o crescimento no número de indígenas inscritos no Enem foi ainda maior, apesar de o grupo ainda representar uma minoria do total de candidatos. A evolução, segundo o balanço do MEC, foi de 30% (de 35.756 para 46.563). Os candidatos que se autodeclaram brancos eram 2.421.487 em 2012 e, neste ano, são 2.837.064, o que representa um crescimento de 17%. Estão inscritos para o Enem 2013 7.173.574.



MEC: nº de cotistas em instituições federais alcança meta prevista   (Terra – Vestibular – 29/08/13)

Um terço das universidades federais e 83% dos institutos federais destinam 50% das vagas para a política de cotas, meta prevista apenas para 2016. Segundo o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, que apresentou nessa quarta-feira o balanço da política, os números são resultado de muita luta e mostram a abertura dos institutos e universidades federais. Nesta quinta-feira, comemora-se um ano da Lei 12.711, que reserva vagas a estudantes de escolas públicas. A meta para o primeiro ano, era a reserva de 12,5% das vagas e o índice foi superado. Nas universidades federais, 32,5% de todas as vagas ofertadas foram destinadas aos cotistas e nos institutos federais, 44,2% foram preenchidas por esses estudantes. O ministro destacou, como consequência da Lei de Cotas, a grande participação de estudantes negros em processos seletivos e em programas do governo. No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2012, dos 5,7 milhões de inscritos, 3,1 milhões eram negros. No Enem 2013, dos 7,2 milhões, 4 milhões de candidatos são negros – o que corresponde a um aumento de 29%. No Programa Universidade para Todos (Prouni) de 2013, 55,3% das bolsas nos institutos particulares de educação superior são para estudantes negros.

MEC anuncia programa de intercâmbio para negros e indígenas   (Terra – Vestibular – 29/08/13)

O Ministério da Educação (MEC) anunciou nessa quarta-feira um programa de intercâmbio voltado para estudantes do ensino superior negros e indígenas. O Programa de Desenvolvimento Acadêmico Abdias Nascimento será desenvolvido em parceria com Universidades e Instituições Comunitárias de Ensino Superior Historicamente Negras nos Estados Unidos. Parte das bolsas de estudo será oferecida pelo Programa Ciência sem Fronteiras (CsF) e parte será destinada aos cursos de humanas. As Universidades Historicamente Negras foram criadas na década de 60 com a missão de educar negros, sendo abertas, no entanto, a indivíduos de todas as etnias. Para aderir ao programa, as universidades devem ter comprovada excelência. São mais de 100 instituições com essas características nos Estados Unidos. Segundo Mercadante, 18 reitores estão no Brasil para detalhar o programa Abdias Nascimento, cujo nome é uma homenagem ao político e ativista social brasileiro defensor da cultura e igualdade para as populações afrodescendentes no Brasil.



Pesquisa aponta que jovens acreditam que as universidades os deixam aptos para o mercado   (EPTV – Virando Bixo – 29/08/13)

Os jovens acreditam que as universidades estão os deixando aptos para enfrentar o mercado de trabalho. É o que aponta recente pesquisa realizada pela Page Talent, consultoria especializada em recrutamento e seleção de estagiários e trainees. De acordo com o levantamento, 59% dos respondentes afirmaram que têm ótima qualificação e que se sentem seguros para participar de processos seletivos. A pesquisa foi realizada pela internet, em julho, com 518 jovens profissionais de 18 a 24 anos. Para Manoela Costa, gerente da Page Talent no Brasil, o papel da instituição de ensino superior é fundamental nesse processo. “Os candidatos a vagas de estágio sentem uma insegurança natural em seus primeiros processos. Porém, os que estudam em universidades que oferecem mais estutura relacionadas à carreira, com áreas específicas da universidade voltadas a isso, acabam se dando melhor”, diz a executiva.