29/11/2016 / Em: Clipping

 


A qualidade da inclusão (Folha de S. Paulo – 29/11/2016)

Estudos recentes têm mostrado que o efeito das ações afirmativas em universidades públicas sobre o desempenho dos alunos beneficiados não é o desastre esperado pelos críticos dessas políticas.

Pelo contrário, as pesquisas indicam que os jovens favorecidos por cotas e bônus conseguem suas vagas com notas de conclusão no ensino médio similares às dos demais aprovados.

Economistas construíram dois cenários hipotéticos —com e sem cotas— para cinco universidades federais com base no Enem de 2008. Em uma simulação na qual 50% das vagas são reservadas para cotistas por critérios sociais ou raciais, as notas médias de entrada caíam, no máximo, 1% em relação a uma situação em que a política não existisse.