19/06/2018 / Em: Destaques, Notícias

 

Texto e imagens: Ricardo Adorno

Na manhã do último sábado (16/6), a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) recebeu cerca de 340 participantes, entre professores das redes pública e particular de ensino e alunos de graduação e pós-graduação, todos ligados à área da linguagem, no Centro de Convenções da Unicamp, no Distrito de Barão Geraldo, para a oficina “A Redação no Vestibular Unicamp”.

O evento, que tem como carro chefe a discussão das características e dos gêneros abordados na prova de redação do Vestibular Unicamp, proporciona à comunidade externa a possibilidade de um contato mais próximo com os critérios de correção, viabilizando assim, melhores possibilidades de preparação dos estudantes para o processo seletivo da Universidade.

Exemplo disso é a preocupação do professor Tiago de Campos, da cidade de São Paulo (SP) que aproveita a oportunidade de participar do evento, pela primeira vez, para aprimorar sua didática em sala de aula. “Trabalhamos muito com a preparação dos alunos para os vestibulares. Na rede pública, qualquer incentivo faz a diferença. Por isso, ter um conhecimento específico de determinado processo de correção, proporciona um suporte maior para trabalhar com os alunos”, explica Tiago.

Também marinheira de primeira viagem, a professora Gabriela Lauria, da cidade de Itapira (SP), tentava conter o nervosismo, ao lado do marido, enquanto aguardava o início das atividades definidas para o evento. Ao se formar no curso de letras, em 2017, ela começou a dar aulas de inglês, na ETEC de Itapira. Logo em seguida, aceitou o desafio de também ministrar uma disciplina para estudantes do terceiro ano, especificamente ligada à preparação de textos de redação. “Eu vi a necessidade de me inscrever para o curso para poder instruí-los melhor sobre como podem proceder, o que fazer ou não e como determinado conteúdo é cobrado no vestibular”, aponta a Gabriela.

A professora Marta Silva Souza, de Francisco Morato (SP), participa da oficina pela segunda vez e destaca que “as temáticas abordadas nas redações, tanto do Enem quanto de muitos outros vestibulares, têm estado voltadas para problemas sociais. A Unicamp se diferencia por explorar isso através da abordagem de gêneros textuais que, ao meu ver, é um formato que tem pouca visibilidade dentro das salas de aula. Seria interessante, inclusive, que outras universidades nos proporcionassem a mesma oportunidade de contato com seus mecanismos de elaboração”, considera a professora.

Outra veterana no evento, a professora Vanessa Alves Pinto, de Campinas (SP), conta que também já atuou como corretora das provas de redação da Unicamp e que “o evento dá para o professor uma visão de como o vestibular está funcionando, seus critérios e formatos. Com isso, fornece uma boa perspectiva dos elementos com os quais ele deve trabalhar em sala de aula”, ressalta Vanessa.

O coordenador Executivo da Comvest, José Alves de Freitas Neto, buscou destacar que a Unicamp tem buscado, através de suas políticas e estratégias, um maior comprometimento com a sociedade e sua representatividade nas dependências de seus campi. Essa mobilização tem se refletido em uma série de mudanças nas formas de ingresso na Universidade. “Vocês, como disseminadores dessas informações, também ajudam a tirar dúvidas dos estudantes, juntamente com as ações de divulgação da Comvest em relação aos processos seletivos. O que é importante dizer é que a Unicamp está criando vários mecanismos de seleção. Serão cinco grandes formas de ingressos: a principal, continua sendo o Vestibular, com 80% das vagas (com direito ao uso da bonificação do Programa de Ação Afirmativa para Inclusão Social – PAAIS), as cotas étnico raciais, o Enem, o Vestibular Indígena e as Olimpíadas Científicas. Além do Programa de Formação Interdisciplinar Superior (ProFIS)”, detalha o Coordenador Executivo.

A Pró-Reitora de Graduação, Eliana Amaral, aproveitou também para expor que a Universidade promoveu uma discussão interna sobre os principais valores da Unicamp, na qual foi constatado que, a característica mais intensa, reconhecida pela comunidade universitária, diz respeito à sua responsabilidade social. “Por isso, faz parte da linha de atuação da Unicamp buscar essa aproximação com os professores e gestores do ensino médio, além de seus estudantes, pois pretendemos que eles sejam nossos futuros alunos”, conclui Eliana Amaral.

Universidade e reflexão social
A diversidade social e a pluralidade de gêneros textuais têm sido assuntos constantemente abordados pela Unicamp, seja pelas novas formas de ingresso, cuidadosamente discutidas e implementadas na Universidade, ou ainda, através dos conteúdos cobrados em seus processos de seleção. Como reflexo dessas discussões, é possível destacar a lista de leitura obrigatória para o vestibular 2020 que, entre as novidades, traz a exigência da obra “Sobrevivendo no Inferno”, do grupo Racionais Mc’s, que contribui para a relevância estética, cultural e pedagógica atribuída à elaboração da lista e considerada necessária para a formação dos estudantes do ensino médio.

 

Audiodescrição: Em auditório, imagem frontal e em plano médio, três pessoas sentadas em cadeiras, uma ao lado da outra, sendo que todas sorriem. Todas usam crachá de identificação no pescoço e mantêm os braços cruzados à frente. Às costas deles, há outras pessoas sentadas em cadeiras que formam várias fileiras horizontais. Imagem 1 de 3.

 

 

Audiodescrição: No palco de um auditório, imagem frontal e de busto, três pessoas sentadas em cadeiras, uma ao lado da outra, sendo que mantêm os braços apoiados sobre uma extensa mesa retangular, coberta com tecido vermelho, que encontra-se à frente delas. O homem à direita na imagem fala ao microfone sem fio segurando-o com a mão direita. Sobre a mesa há uma jarra de inox e dois copos de vidro transparente com água. Imagem 2 de 3.
 

 

Audiodescrição: Em área externa, imagem frontal e em plano médio, três pessoas em pé, abraçadas, uma ao lado da outra, sendo que todos sorriem e olham para as lentes da câmera fotográfica. Eles usam crachá no pescoço, e blusas de mangas compridas. Ao fundo, às costas deles, a entrada de uma edificação, com portas de vidro transparente e estruturas de alumínio branco. Imagem 3 de 3.