12/12/2022 / Em: Destaques, Notícias, Releases

 

A abstenção final registrada na segunda fase foi de 8,5%, a menor desde o Vestibular 2009.

Provas

Abstenção

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) encerrou nesta segunda-feira, 12 de dezembro, a segunda fase do Vestibular Unicamp 2023 com uma abstenção de 8,5%, a mais baixa desde o Vestibular 2009. Dos 12.708 candidatos aprovados para fazer a segunda fase, faltaram neste segundo dia de provas 1.074 estudantes. Fizeram as provas 11.634 candidatos. No ano anterior, a abstenção registrada no último dia foi de 13,5%. A menor abstenção deste primeiro dia da segunda fase foi registrada em São Carlos, com apenas 4,3%, seguida de São Paulo, com 6,2%. Campinas registrou 8,5% de abstenção. Os índices de abstenção por cidade e as provas do primeiro dia estão disponíveis no site da Comvest (www.comvest.unicamp.br). As respostas esperadas pelas bancas serão divulgadas pela Comvest na próxima quinta-feira, 15 de dezembro. A primeira chamada será divulgada dia 6 de fevereiro e os convocados deverão efetivar a matrícula online (não presencial) entre os dias 7, 8 e 9 de fevereiro.

Nesta segunda-feira (12/12), os candidatos fizeram as provas de Matemática, de Ciências Humanas e as provas específicas por áreas, conforme o curso escolhido. Neste ano, pela primeira vez, a prova da segunda fase foi impressa em cores, para uma leitura mais detalhada dos diferentes tipos de imagens usadas nos enunciados das questões (gráficos, tabelas, fotos etc.). De acordo com o diretor da Comvest, José Alves de Freitas Neto, as provas mantiveram o padrão de exigência dos anos anteriores. Freitas comentou o uso das imagens coloridas. “São imagens tais quais os candidatos estão habituados a ver em seus materiais didáticos, isso permitiu que pudessem responder as questões e analisar com maior detalhe e exatidão as imagens que estavam sendo apresentadas”, explicou.

José Alves destacou duas questões da prova interdisciplinar de Ciências Humanas por estarem conectadas ao debate da prova do primeiro dia. Uma delas abordando o agravamento da fome no Brasil, nos últimos anos, que, de acordo com José Alves, “explica socialmente que a fome não é uma questão da natureza, mas uma vergonha política e moral de nosso país”.

Já a outra questão abordava o Brasil e sua relação com as identidades latino-americanas, pensada a partir de uma obra clássica do uruguaio Joaquín Torres García, denominada “América Invertida”, e sua ressignificação pelos movimentos indígenas recentes. A questão trouxe, também, a letra da música de Belchior “Apenas um rapaz latino-americano”. “Essas questões mostram que o Vestibular Unicamp continua com essa aproximação de trazer temas contemporâneos e que incidem para um olhar que os estudantes pré-universitários precisam ter em relação a conhecimentos sociais, científicos e culturais de nossos tempos”, disse José Alves.

A segunda fase do Vestibular Unicamp 2023 foi aplicada em dois dias, em 22 cidades do país, sendo as capitais Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Salvador e São Paulo, e outras 16 cidades paulistas: Bauru, Campinas,  Guarulhos, Jundiaí, Limeira, Mogi Guaçu, Osasco, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos e Sorocaba. No ingresso pelo Vestibular 2023, são oferecidas 2.540 vagas em 69 cursos de graduação da Unicamp.

A Comvest irá aplicar as Provas de Habilidades Específicas para os cursos de Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais e Dança, entre os dias 4 e 6 de janeiro de 2023, somente em Campinas.