26/12/2018 / Em: Notícias

 

Medalha na OBMEP ou OBM pode valer vaga na Unicamp (IMPA – 26/12/2018)

 

As medalhas de Felipe Bagni, de 17 anos, têm um peso que, até então, nem ele media. Pela primeira vez, poderão valer uma vaga em um curso de graduação na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Colega de Felipe, Gustavo Martins, de 14, também acumula prêmios. O aluno do 1.º ano do ensino médio não vai tentar vestibular agora, mas poderá ter ainda mais opções quando chegar a sua vez de se candidatar a uma universidade pública. Seguindo o exemplo da Unicamp, a Universidade de São Paulo (USP) e a Estadual Paulista (Unesp) pretendem abrir vagas “olímpicas” – aquelas destinadas a alunos com medalhas em competições científicas como as de Matemática, Física e Química – nos próximos anos. A nova modalidade de seleção faz parte de uma tendência de diversificar formas de ingresso nas instituições paulistas. “Para um estudante que passou bom tempo se dedicando, é um ótimo jeito de a universidade reconhecer”, diz Felipe, estudante do 3.º ano do Colégio Objetivo Integrado. Empolgado com torneios práticos, ele tentará uma vaga em Engenharia da Computação na Unicamp com os prêmios que conquistou em competições de Robótica, Física e Informática. “Eu me apaixonei pela Robótica. Tem o trabalho em equipe, de botar a mão na massa”, diz Felipe, que teve até de aprender a ler partituras para criar um robô tecladista. A Unicamp destinou 90 vagas (parte delas extras) em 26 cursos para ingresso exclusivo de alunos medalhistas – as inscrições começaram em novembro. Estudantes que optarem pelas vagas olímpicas na Unicamp não precisarão fazer os testes tradicionais – basta apresentar os prêmios e o histórico escolar. Se quiserem, também podem concorrer na modalidade convencional separadamente. Neste ano, 18 olimpíadas serão consideradas nessa modalidade. Quanto mais dourada a medalha, maior a pontuação. E prêmios em torneios internacionais aumentam a chance. Leia mais.