03/07/2009 / Em: Clipping

 

CAIO BLINDER

Com o legado de escravidão, segregação racial e injustiças sociais, os EUA empreenderam uma jornada para acertar as contas corretamente com a história. Desde os anos 60, ferramentas como ação afirmativa (que podemos chamar de cotas raciais ou discriminação positiva) têm sido usadas para colocar as coisas nos eixos. O Ato dos Direitos Civis, de 1964, foi essencial para assegurar aos negros, vítimas da infâmia histórica, acesso a “direitos inalienáveis” como a “busca da felicidade”, pedra de toque dos ideais americanos. Mas o caminho desta jornada de busca de retidão tem cada vez mais curvas, pois com os progressos históricos para minorar a discriminação ficam mais patentes as tensões entre justiça e igualdade de oportunidades. Esta semana, em uma decisão apertada de 5 x 4, a Corte Suprema decidiu que 18 bombeiros (17 brancos e um latino) foram “injustamente” discriminados quando a cidade de New Haven abriu mão de um exame com vistas à promoção na carreira porque nenhum negro tivera nota suficiente para ser promovido. A decisão recebeu muita atenção pois a juíza Sonia Sotomayor, – indicada para o Supremo pelo presidente Obama na condição de primeira latina-, em instância inferior, ficara do lado da cidade de New Haven. Os quatro conservadores na Corte com o voto do flutuante juiz Anthony Kennedy prevaleceram. A posição da minoria dissidente, apoiada pelo governo Obama, reflete a persistência de idéias liberais para tratar ação afirmativa como uma rígida ferramenta, sempre útil, ou seja, evita-se aceitar as consequências negativas no mundo real de um instrumento positivo. Estão aí, portanto, uma nova realidade e e novos dilemas. Quando o país tem o seu primeiro presidente negro, a taxa de desemprego entre homens brancos aumenta a um ritmo duas vezes maior do que entre homens negros na atual recessão. O risco é de que a ação afirmativa seja menos um direito e mais um privilégio. O principal envolvido no processo contra a cidade de New Haven era o bombeiro branco Frank Ricci. Ele largou um segundo emprego para ter mais tempo para estudar com vistas ao exame. E devido à dislexia, gastou dinheiro para comprar audioteipes e assim poder se preparar. Apesar das dificuldades, Ricci passou no exame. Merecia a promoção, que foi negada pois New Haven priorizou diversidade e não qualificação. Uma das justificativas da cidade era que caso promovesse os brancos seria processada por discriminação racial por minorias. Mas Frank Ricci e seus colegas brancos foram efetivamente discriminados. Eles, portanto, personificam o impacto negativo da “discriminação positiva”. Estes bombeiros são reais, não uma abstração. A juíza Sonia Sotomayor também é real. É um grande exemplo das conquistas da ação afirmativa, que permitiu sua aceitação nas melhores universidades. Diversidade tem benefícios práticos. E justiça seja feita. Era hora latina na Corte Suprema, que durante boa parte de suas existência foi um feudo de homens francos (hoje tem seu segundo juiz negro, Clarence Thomas, e segunda mulher, Ruth Ginsburg). Mas o risco na sociedade em geral é quando diversidade é imposta em seu próprio benefício. Aí a cura pode se tornar uma nova doença discriminatória. A sociedade parece consciente do risco. Uma recente pesquisa da Quinnipiac University sobre o caso Ricci revela que sete em dez americanos, inclusive 53% de negros, acreditam que New Haven deveria ter promovido os bombeiros brancos mesmo que nenhum negro tivesse nota suficiente para ser qualificado.


Inscrições para Vestibular 2010 da Unicamp começam em agosto (EPTV – Virando Bixo – 02/07/09)

O Vestibular Nacional Unicamp 2010 dará início ao período de inscrições no dia 13 de agosto. Os candidatos deverão se matricular até 6 de outubro, pelo site www.comvest.unicamp.br. As datas do vestibular foram definidas em conjunto com outras oito universidades paulistas: USP, Unesp, ITA, Unifesp, UFSCar, UFABC, PUC-Campinas e PUC-SP. O valor da taxa de inscrição ainda não foi definido. O Programa de Isenção da Taxa de Inscrição, que já teve seu período de candidatura encerrado, terá seus resultados divulgados no dia 17 de agosto. A partir desta data, os contemplados receberão, via correio eletrônico, o comunicado de que foram beneficiados. Os contemplados não estarão automaticamente inscritos para o Vestibular Unicamp 2010. É necessário fazer a inscrição com o código de isento fornecido pela Comvest. A primeira fase do vestibular ocorrerá no dia 15 de novembro, incluindo as provas de Redação e de Questões, esta versando sobre Ciências Biológicas, Física, Geografia, História, Matemática e Química. No dia 16 de dezembro, a Unicamp divulgará a lista dos convocados para a segunda fase e os locais de prova dos candidatos. A segunda fase será realizada de 10 a 13 de janeiro. Compõe-se de oito provas (duas por dia): I – Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa e Ciências Biológicas; II – História e Química; III – Física e Geografia; IV – Língua Inglesa e Matemática. As provas de aptidão para os cursos de Arquitetura e Urbanismo, Artes Cênicas, Artes Visuais, Dança e Música serão realizadas em Campinas, de 18 a 21 de janeiro. A lista de convocados em primeira chamada será divulgada no dia 4 de fevereiro e os convocados deverão efetuar a matrícula no dia 9 de fevereiro. As demais chamadas estarão listadas no Manual do Candidato. Não haverá mudanças para o próximo Vestibular Nacional Unicamp, mantendo-se os mesmos formatos de provas dos últimos anos para ambas as fases. Quanto ao novo Enem, também será mantida a forma de sua utilização: a nota do Enem 2009, excetuando-se a nota da prova de Redação, corresponderá a 20% da nota da primeira fase (para os candidatos que assim solicitarem).