03/08/2009 / Em: Clipping

 


Supremo nega liminar contra cotas raciais da UnB  (Terra – Educação – 31/07/09)

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, negou nesta sexta-feira o pedido de liminar ajuizado pelo partido Democratas (DEM) para suspender a adoção pela Universidade de Brasília (UnB) de cotas para admissão de vestibulandos negros. “Embora a importância dos temas em debate mereça a apreciação célere desta Suprema Corte, neste momento não há urgência a justificar a concessão da medida liminar”, afirmou Mendes. O caso ainda será julgado no mérito pelo plenário da Corte, mas até lá os procedimentos de matrícula na universidade poderão seguir normalmente. “A interposição da presente arguição ocorreu após a divulgação do resultado final do vestibular do segundo semestre de 2009, quando já encerrados os trabalhos da comissão avaliadora do sistema de cotas. Assim, por ora, não vislumbro qualquer razão para a medida cautelar de suspensão do registro (matrícula) dos alunos que foram aprovados no último vestibular da UnB ou para qualquer interferência no andamento dos trabalhos na universidade”.



AGU emite parecer favorável ao sistema de cotas para negros em universidades  (Globo.Com – G1 Vestibular – 31/07/09)

A Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu o sistema de reserva de vagas para pardos e negros na Universidade de Brasília (UnB) em parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Para a AGU, não existe incompatibilidade do sistema de cotas com o princípio da igualdade e com o Estado Democrático de Direito. O parecer é uma resposta ao pedido do presidente do STF, Gilmar Mendes, que decidiu adiar o julgamento da ação protocolada pelo partido Democratas (DEM), que questiona a política de cotas adotada pela instituição. Mendes pediu para a AGU e para a Procuradoria-Geral da República (PGR) pareceres sobre o caso. A PGR já se manifestou favorável às cotas. No documento, a AGU destacou que ações afirmativas como o sistema de cotas buscam reduzir as desigualdades. De acordo com a Advocacia-Geral da União, medidas de inclusão de grupos sociais excluídos não são só permitidas como exigidas para garantia do princípio da isonomia. A AGU também advertiu para as conseqüências de uma decisão desfavorável ao sistema de cota. Para o órgão, já que diversas universidades já adotam o sistema e vários alunos já foram matriculados, a suspensão da política de cotas não é razoável.



Unicamp 2010: inscrições a partir do dia 13 de agosto  (Folha Dirigida – Vestibular – 31/07/09)

As inscrições para o vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) serão recebidas a partir do dia 13 de agosto. Os interessados em participar da seleção deverão se inscrever pela internet, na página eletrônica da Comvest. A taxa de inscrição sofreu reajuste e custará R$115. No ano passado, foram cobrados R$105. Será possível solicitar a redução de 50% do valor da taxa. Os pedidos poderão ser feitos entre os próximos dias 17 e 21, pela internet. O benefício é voltado para candidatos que sejam estudantes matriculados no ensino médio, em curso pré-vestibular ou em curso superior; recebem remuneração mensal inferior a dois salários mínimos ou estejam desempregados. Estes candidatos deverão comparecer nos dias 25 e 26, das 9 às 17 horas, ao Ginásio Multidisciplinar da Unicamp, em Campinas, para entregar a documentação comprobatória de sua situação. A lista completa está disponível no endereço eletrônico da Comvest. Os nomes dos beneficiados serão divulgados no dia 28 de agosto. O prazo para se inscrever no vestibular 2010 da Unicamp se esgota no dia 6 de outubro.

O maior aliado dos vestibulandos  (Folha Dirigida – Entrevista – 30/07/09)

A cada ano, milhares de jovens em todo o país enfrentam vestibulares de todos os tipos, para chegar ao ensino superior e iniciar sua trajetória profissional. E são muitos os desafios, além, é claro, das próprias questões. Planejar a preparação, adotar uma disciplina de estudos, distribuir as atenções por todas as matérias e lidar com a pressão psicológica também faz parte do desafio de passar para uma universidade concorrida ou em um concurso público. O que boa parte dos candidatos não sabe é que cada um tem um aliado nesta batalha: o cérebro. Os avanços da Neurociência cada vez mais chegam ao campo da educação e mostram que, a partir dos estímulos adequados, é possível potencializar a capacidade de aprender e absorver informações dos mais diversos tipos. Com base nas descobertas de uma das correntes de estudo voltadas para a estruturação do aprendizado, a Programação Neurolingüística, a professora Carmem Zara mapeou as estratégias de raciocínio daquele que é conhecido como o guru dos concursos: o juiz federal William Douglas, aprovado em primeiro lugar em várias seleções e um dos mais consagrados especialistas no assunto. O resultado está no livro Como usar o Cérebro para Passar em Provas e Concursos (Editora Campus), que está em sua terceira edição. A obra apresenta técnicas que, segundo a autora, procuram trazer maior eficácia ao aprendizado. E mostra a fundamentação científica para algumas das orientações mais recorrentes em relação aos estudos. “O cérebro tem seu limite: 40 minutos seguidos é o máximo de tempo em que ele recebe informações de forma concentrada. Depois deste tempo, é necessário um intervalo para envio das informações à memória”, salienta Carmem Zara, autora do livro, ao lado do professor William Douglas, e que também é master trainning em Programação Neurolingüística pelo Instituto de Neurolingüística Aplicada e graduada em História pela Universidade Gama Filho.



Para professores, enunciados das questões do simulado do novo Enem 2009 são grandes demais  (Globo On Line – Educação – 31/07/09)

Dois professores do ensino médio e um universitário ouvidos pelo GLOBO consideraram extensos demais os enunciados das questões do simulado do novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), divulgadas nesta quinta-feira pelo Ministério da Educação. Para eles, as perguntas são bem feitas, mas o tamanho delas, algumas com até 15 linhas, pode atrapalhar os estudantes na hora da prova, ainda mais levando-se em conta o tempo para resolvê-las. Os professores avaliam a prova como de nível médio de dificuldade para fácil. (Leia mais: MEC corrige questão do simulado)  – As questões são bem feitas, mas exigem muito tempo do candidato. Esperava que a prova fosse mais curta e objetiva – avalia o professor do Colégio e Curso QI, Ricardo Canelier. (Faça aqui o simulado online)  A mesma opinião tem Fabio Tadeu, professor do Colégio de Aplicação da Uerj (CAP-Uerj). Ele observa ainda que as provas, que serão aplicadas pelo Inep nos dias 3 e 4 de outubro, terão 45 questões de cada matéria e o simulado divulgado esta semana, apenas 10. Os textos dos enunciados são grandes demais. A prova deveria ser mais objetiva. O simulado só tem 10 questões de cada área, mas no dia teremos 45. O tempo pode ser pouco. Uma dica é começar pela redação – diz. Neste ano, o vestibulando Rodrigo Tavares, 17 anos, vai fazer o Enem pela primeira vez e não achou dificuldade em resolver todas as questões do simulado, mas também reclamou do tamanho das perguntas.  – O enunciado muito grande deixou a prova cansativa, mas o 1º Exame de Qualificação da Uerj foi mais difícil – compara, apesar de achar que a prova do dia 3 e 4 de outubro será diferente no grau de dificuldade.