04/04/2016 / Em: Clipping

 


Educação a distância ainda gera desconfiança, diz estudo   (UOL – Educação – 04/04/16)

O ensino superior a distância ainda não tem a confiança de grande parte dos potenciais estudantes. Um levantamento feito pelo Instituto Data Popular revela que 93% dos jovens com menos de 24 anos e 79% dos que têm mais de 24 anos não querem fazer cursos a distância, nem semipresenciais. Eles desconfiam da qualidade da formação e têm medo de o curso não ser valorizado pelo mercado de trabalho. Encomendado pelo Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp), o levantamento mostra que as instituições terão que fazer algumas adequações para atrair mais estudantes. “É preciso mudar a oferta de EaD [educação a distância] e é ncessária uma mudança de imagem”, diz o diretor executivo do sindicato, Rodrigo Capelato.

57% dos médicos diplomados no exterior reprovaram no Revalida   (UOL – Educação – 01/04/16)

Apesar de o número de participantes e de aprovados serem crescentes nos últimos 5 anos, o Revalida – exame que certifica diplomas médicos expedidos no exterior – ainda reprova mais de 57% de seus candidatos, segundo dados do Ministério da Educação (MEC) divulgados nesta sexta-feira, 1º. Ainda assim, os índices são considerados satisfatórios pelo órgão, já que, em 2013, a taxa de reprovação era de 93%. “É uma grande satisfação ver que temos aumentado a adesão à prova, que hoje tem a simpatia de toda a classe médica”, disse o reitor da Universidade Federal do Ceará (UFCE) Henry Campos, representante da subcomissão do Revalida.

A partir de agosto, diploma em medicina dependerá de teste final   (UOL – Educação – 01/04/16)

O diploma de Medicina estará, a partir de agosto, condicionado à participação em um exame de avaliação dos estudantes, informou nesta sexta-feira, 1º, o Ministério da Educação (MEC). As provas serão aplicadas em caráter pedagógico a alunos dos segundo e quarto anos de faculdade; no sexto (e último), porém, quem não atingir a nota de corte não poderá se formar. Cerca de 20 mil estudantes que ingressaram nos cursos de Medicina em 2015 já devem ser submetidos ao exame, aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no segundo semestre deste ano. A medida responde a uma resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE) publicada em 2014 – e que estimava um prazo de dois anos para sua implementação.



Aluno de medicina precisará de nota boa em avaliação para receber diploma   (Folha Online – Educação – 01/04/16)

Estudantes de medicina que não tiverem bom desempenho em uma nova avaliação, que começará a ser aplicada a partir de agosto deste ano, não poderão receber o diploma e seguir para a residência médica. As medidas foram anunciadas nesta sexta-feira (1º) pelo Ministério da Educação. Com a nova avaliação, estudantes de medicina no país passarão a ter o desempenho avaliado a cada dois anos, no 2º, 4º e 6º ano, respectivamente. A cada avaliação, os estudantes precisam atingir uma nota de corte, que será definida conforme o desempenho dos alunos a cada exame.