05/01/2010 / Em: Clipping

 


Abrangente, vestibular inclui duas provas por dia (Folha de S.Paulo – Fovest – 05/01/10)

A segunda fase da Unicamp, que começa neste domingo, põe fim à maratona dos principais vestibulares do país. Serão quatro dias de provas, entre 10 e 13 de janeiro. Ao todo, 14.706 candidatos disputam 3.444 vagas em 66 cursos da universidade e mais dois da Famerp (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto). Os portões serão abertos às 13h e fechados às 13h45. A prova começa às 14h. Para os candidatos a uma vaga em universidade pública, a prova da Unicamp representa o final de uma pesada sequência de vestibulares. Será o último grande processo seletivo no Estado de São Paulo; as provas de USP, Unesp, UFSCar e Unifesp ocorreram entre novembro e o início deste mês. Lucas Watanabe Silva, 18, fez todas essas provas -mais o Enem, no mês passado- e agora se prepara para a Unicamp, onde é candidato a uma vaga de engenharia química. Em um período de nove dias, ele fez seis provas -e hoje tem mais, com o terceiro e último dia da segunda fase da Fuvest. “É muito cansativo. Estou tentando descansar nas festas e pelo menos antes das provas”, disse ele pouco antes do Natal. “Depois, quero aproveitar um pouco as férias.” A prova que aguarda Lucas faz parte do último vestibular 100% discursivo da Unicamp. A partir do próximo ano, o exame terá também, pela primeira vez, questões de múltipla escolha (leia mais na página 4). Desta vez, são provas de oito matérias, duas por dia. Abrangente, o vestibular cobra disciplinas de todas as áreas. Segundo cursinhos, as provas são difíceis e exigem muito dos candidatos. “É normal o aluno passar mesmo se não obtiver um desempenho tão bom em alguma matéria. Se isso acontecer, a recomendação é não desanimar”, afirma Edmilson Motta, coordenador do Etapa. Na prova de literatura, por exemplo, é costume cobrar até seis das nove obras literárias obrigatórias. “As questões são de nível muito complexo. O aluno não pode ficar atento só aos personagens principais. Tem de saber também os secundários, se aprofundar no enredo”, diz Cristiane Bastos, do Cursinho da Poli. Ela sugere que o candidato faça resumos dos livros para ajudar na compreensão. A anunciada dificuldade do vestibular não desanima Victor Emanuel Pinto, 19, que tenta uma vaga em medicina. “A prova é dissertativa. Fico confiante em escrever, porque existe meio certo. Há mais possibilidades de nota. Em múltipla escolha ou está certo ou errado.”

Tempo por questão preocupa alunos  (Folha de S.Paulo – Fovest – 05/01/10)

Enquanto o dia do vestibular não chega, o estudante Victor Emanuel Pinto decidiu fazer uma prova antiga da Unicamp de cronômetro na mão para treinar. O medo? Não terminar a tempo.
A segunda fase terá 24 questões dissertativas por dia, 12 de cada disciplina, em um total de quatro dias de provas. Os candidatos terão quatro horas por dia no vestibular. “Estou marcando o tempo para “pegar” o estilo de perguntas da prova e terminar tudo em quatro horas”, diz. “Assim, dá para ficar mais tranquilo na hora de responder.” Colega dele no cursinho Etapa, Lucas Watanabe levará um relógio nos dias de prova para controlar o tempo. Tanta preocupação faz sentido, segundo cursinhos. “Controlar o tempo é algo decisivo. Tem que procurar fazer as questões mais fáceis primeiro”, recomenda Edmilson Motta, coordenador do Etapa. O candidato terá dez minutos para cada questão. Como na Unicamp cada pergunta é dividida em dois itens, serão cinco minutos por item. Na Fuvest, por exemplo, os alunos tiveram entre 12 e 20 minutos para responder às perguntas da segunda fase.

Terceiro dia

O terceiro dia é o que mais exigirá a atenção do candidato, afirma Vera Lúcia da Costa Antunes, coordenadora do curso e colégio Objetivo. Isso porque as duas provas -física e geografia- são de matérias consideradas mais trabalhosas. Vera dá dicas para os candidatos: a principal delas é não fazer rascunhos, porque levam à perda de tempo. “Conheço uma aluna brilhante que fez rascunho na primeira fase da Unicamp e, quando se deu conta, não dava mais tempo de terminar tudo.” Ela sugere que os alunos esquematizem a resposta mentalmente antes de começar a escrever. Outra recomendação é ler atentamente o enunciado. As respostas devem ter exatamente o que for perguntado -nem curtas demais nem tão longas. Quem se preparou para o vestibular não terá dificuldades com o tempo, assegura Renato Pedrosa, coordenador da Comvest (comissão responsável pelo vestibular da Unicamp). Ele diz não ter registro de problemas do tipo para candidatos “medianamente” preparados. “Não se espera que os eles escrevam mais do que seis a oito linhas por item.” Isso significa que não será preciso ocupar todo o espaço disponível -haverá 18 linhas para os dois itens, afirma Pedrosa.

Próximo vestibular terá 3 redações e múltipla escolha (Folha de S.Paulo – Fovest – 05/01/10)

O próximo vestibular da Unicamp, que começa no fim do ano, terá questões de múltipla escolha e exigirá três textos dos candidatos -em vez de uma redação, como é hoje. As mudanças foram anunciadas no mês passado (veja quadro ao lado). As perguntas de múltipla escolha -num total de 48- virão na primeira fase, em substituição às 12 dissertativas do vestibular atual. O total de questões nas duas fases passará de 108 para 120. Segundo a Comvest (comissão responsável pelo vestibular da universidade), a introdução dos testes e os três textos na redação ajudarão a selecionar melhor os candidatos, especialmente nas carreiras que são mais concorridas. O Enem passará a ser obrigatório e valerá 20% da nota na primeira fase. O exame seria usado no vestibular atual, mas foi descartado após ter sido adiado para dezembro.

Arquitetura e engenharia têm as maiores disputas (Folha de S.Paulo – Fovest – 05/01/10)

Arquitetura, engenharia química e medicina são as carreiras mais concorridas da segunda fase da Unicamp. Nas duas primeiras, há 8,2 candidatos por vaga; em medicina, são 8.
Ainda assim, a disputa é muito inferior à da primeira fase, em novembro do ano passado. Na ocasião, medicina foi o curso mais concorrido (89,7 candidatos/vaga), e arquitetura, o segundo (60,3). Engenharia química foi o quinto (31,9) entre os 66 cursos oferecidos pela Unicamp. O corte da primeira para a segunda fase foi grande. Só 8,9% dos candidatos de medicina passaram à etapa final; em arquitetura foram 13,5% e, em engenharia química, 25,7%. Em média, concorrem a uma vaga na Unicamp 4,3 candidatos. São 14.706 candidatos para 3.444 vagas. Na primeira fase, eram 55.475 inscritos.



Unicamp divulga notas da 1ª fase nesta terça  (A Tarde/Salvador – Vestibular – 04/01/10)

Serão divulgadas nesta terça-feira, 5, as notas dos candidatos que participaram da primeira fase do Vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Mais de 52 mil estudantes realizaram as provas no dia 15 de novembro de 2009. Deste total, 14.706 foram aprovados e participam da segunda etapa, de 10 a 13 de janeiro.