08/09/2009 / Em: Clipping

 


Diário Popular do Rio Grande – Educação – 05/09/2009

Furg aprova Programa de Ação Inclusiva
Pessoas negras ou pardas irão somar mais três pontos na computação geral

O Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio Grande (Furg) aprovou a aplicação do Programa de Ação Inclusiva (Proai), validado já para o próximo concurso. A instituição é uma das últimas a adotar a política social sobre as bases do aplicada no resto do país. O amadurecimento da discussão durou três anos na Universidade.

O Proai prevê bonificação para quem estudou todo o Ensino Médio e no mínimo dois anos, consecutivos ou não, do Ensino Fundamental em escola pública. Esses estudantes receberão acréscimo de um ponto no escore em cada uma das nove provas objetivas da Furg, somando no máximo 15 acertos em cada disciplina.

Os autodeclarados negros ou pardos que se encaixarem no mesmo perfil citado irão acumular mais três pontos no cômputo total. Para os candidatos considerados índios serão dispostas mais cinco vagas, em cursos distintos, além das oferecidas no Processo Seletivo, conforme as carências apuradas com as comunidades indígenas.

“Entendemos que trabalhando com essa bonificação nós estamos considerando o critério de natureza social, natureza étnica e mérito do candidato. É um compromisso da universidade com o contexto social e histórico brasileiro”, explica a pró-reitora de Graduação da Furg, Cleuza Dias.

Na frente de defesa do novo sistema está o coordenador do Núcleo Temático de Afrodescendência (Nutaf), Pedro Amaral, que acompanhou o decorrer da discussão na Furg. Partindo da premissa de que há uma diferença entre o nível de escolaridade entre brancos e negros, fortalecido pela desigualdade social, Amaral considera o Proai uma conquista em nome dos primeiros movimentos afros na década de 80.

Hoje, opina, a ausência de estudantes negros no Ensino Superior comprova a exclusão. Apesar do benefício evidente, ele aponta que por trás da medida inclusiva se busca outra finalidade: superar a mentalidade etnocêntrica, implícita no mercado, reservado a um perfil definido de antemão. “O ideal é que não tivéssemos esse mecanismo. Se tivéssemos condições de acesso de forma igualitária certamente não seria necessário.”



Seja Bixo – 07/09/2009

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp, Comvest está com as inscrições para o Vestibular Nacional Unicamp 2010. Os candidatos têm até o dia 06 de outubro para se inscrever. O formulário de inscrição está disponível no site www.comvest.unicamp.br. A taxa de inscrição é de 115 reais. O Vestibular Unicamp 2010 oferece 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto). No ano passado, a Comvest registrou 49.322 inscritos. O Kit do Vestibulando (Manual do Candidato e Revista do Vestibulando) está disponível nesta página e é gratuito. As listas de beneficiados com a Isenção da Taxa de Inscrição e a Redução Parcial (50%) já estão disponíveis para consulta.