10/09/2010 / Em: Clipping

 


“Unicamp de Portas Abertas” recebe estudantes interessados em conhecer a universidade  (UOL – Vestibular – 10/09/10)

Começa nesta sexta-feira (10) a UPA – Unicamp de Portas Abertas, realizada no campus de Campinas, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), das 9h às 17h. O evento também acontece no sábado, no mesmo local e horário. A universidade recomenda que visitas individuais sejam feitas no último dia. Foram recebidas inscrições de escolas até ontem (9). Para visitas particulares não há necessidade de cadastro. O objetivo é oferecer aos alunos do ensino médio e fundamental a oportunidade de conhecer a instituição, que tem 66 cursos de graduação e 138 programas de pós-graduação. A universidade ainda conta com um centro de investigação científica e tecnológica, 22 faculdades e institutos, 3 hospitais, 23 centros e núcleos interdisciplinares, 2 colégios técnicos, além de projetos em desenvolvimento. A UPA trabalha com uma temática a cada ano. Para essa edição o foco será em dois temas: a questão da internacionalização, em que o objetivo da Unicamp é que 30% dos alunos calouros possam fazer intercâmbios fora do país, e o Profis (Programa de Formação Interdisciplinar Superior), que visa oferecer 120 vagas a alunos de escolas públicas de Campinas no vestibular Unicamp, ainda a ser votado pelo Conselho Universitário. Os participantes serão recebidos no Ginásio Multidisciplinar da Unicamp. Segundo a organização, a UPA conta com mais de 3.600 pessoas (entre professores, alunos e funcionários) para atender a demanda do evento. A expectativa é que aproximadamente 60 mil estudantes visitem a universidade nesses dois dias.



Unicamp de Portas Abertas será realizado nesta sexta e sábado (Terra – Vestibular – 09/09/10)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) realiza nesta sexta-feira e sábado, das 9h às 17h, o evento Unicamp de Portas Abertas (UPA), no campus de Campinas. As escolas podem cadastrar seus alunos no site www.upa.unicamp.br até às 21h desta quinta. A universidade recomenda que visitas individuais sejam feitas no sábado, sem necessidade de realizar cadastro. O objetivo do evento é oferecer aos alunos do ensino médio e fundamental a oportunidade de conhecer a instituição, que tem 66 cursos de graduação e 138 programas de pós-graduação. A universidade ainda conta com um centro de investigação científica e tecnológica, 22 faculdades e institutos, 3 hospitais, 23 centros e núcleos interdisciplinares e 2 colégios técnicos. Nesta edição, dois temas serão trabalhados: a questão da internacionalização, com o intuito de que 30% dos alunos calouros façam intercâmbios fora do país, e o Profis (Programa de Formação Interdisciplinar Superior), que visa oferecer 120 vagas a alunos de escolas públicas de Campinas no vestibular Unicamp, ainda a ser votado pelo Conselho Universitário.



Os‘cursinhos’ para o Enem  (O Estado de S.Paulo – Notas e Informações – 10/09/10)

Desde que o Ministério da Educação (MEC) modificou o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em marco do ano passado, convertendo-o na principal forma de ingresso nas 55 universidades federais, por meio do Sistema de Seleção Unificada, muitos estabelecimentos de ensino – principalmente os particulares e confessionais – reformularam seus projetos pedagógicos e passaram a produzir material didático, fazendo “simulados” e oferecendo cursinhos específicos para a prova. Varias escolas admitem que a adequação dos currículos ao perfil de exigências do Enem e uma estratégia para se manter no topo do ranking de qualidade do MEC. Pelas novas regras do MEC, as notas do Enem poderão ser utilizadas para preencher cerca de 40 mil das 183 mil vagas das universidades mantidas pela União. A possibilidade de disputar diversos cursos sem precisar se inscrever em vários vestibulares e o que atrai os estudantes. Alem disso, o Enem e geralmente um exame menos “difícil” do que os vestibulares tradicionais. A mudança no Enem também abriu novos negócios para os cursinhos preparatórios para vestibulares. Eles lançaram os chamados “laboratórios intensivos”,com distintos formatos e duração que varia de cinco dias a dois meses e meio. Voltadas especificamente para essa prova, as aulas são preparadas para que os alunos entendam a lógica de avaliação do MEC e aprendam a lidar com o tempo para resolver as questões. As atividades dos “laboratórios intensivos”, que são distintas das dos cursinhos tradicionais, valorizam a memorização e desenvolvem a capacidade de argumentação com base em temas da atualidade, como genética, aquecimento global, crescimento autos sustentado, preservação ambiental e globalização econômica. Nas aulas, os professores dão “dicas” de respostas aos alunos e se concentram nos conteúdos e habilidades exigidos pelo MEC em quatro áreas: matemática, ciências humanas, ciências da natureza e linguagem. Para os cursinhos preparatórios, os “laboratórios intensivos” para a prova do Enem são apenas mais uma forma diferenciada de educação, que surgiu como decorrência natural das mudanças do sistema de avaliação do MEC. A exemplo dos cursinhos, as editoras especializadas em livros didáticos também lançou centenas de publicações com exercícios e resumos teóricos sobre temas da atualidade. Ha ate livros de palavras cruzadas especialmente preparados para quem vai se submeter ao Enem. Os educadores criticam essa ofensiva comercial no campo da educação, atribuindo-lhe o objetivo único de conquistar o mercado aberto pelas mudanças no Enem. Para alguns pedagogos, esse tipo de preparação dos estudantes para o Enem vai estimular as escolas a adotar medidas prioritariamente voltadas para objetivos mercadológicos, desfigurando um mecanismo cujo principal objetivo e aprimorar a qualidade do ensino médio. Com isso, o Enem poderá deixar de refletir a real situação das escolas. “Vai ser difícil identificar os valores e o conhecimento que a escola agregou aos estudantes. Sem contar que existem escolas com a política deliberada de expulsar alunos que não conseguem acompanhar o nível de ensino”, diz Eduardo de Andrade, Ph.D. em economia da educação e professor do Insper. Para outros pedagogos, os “laboratórios intensivos” para o Enem têm o mesmo defeito dos tradicionais cursinhos preparatórios para vestibulares. Ou seja, eles tentam ensinar, em poucas aulas e de forma açodada, o que os estudantes deveriam ter aprendido nas três series do ensino médio. “A intenção do MEC e transformar o ensino médio. Mas as habilidades devem ser construídas em longo prazo e não num cursinho efêmero”, diz Alípio Casali, professor de pós-graduação em educação da PUC/SP. A reação das escolas particulares, dos cursinhos preparatórios e das editoras as mudanças no Enem eram previsíveis e inevitáveis: adaptaram-se as novas regras dessa prova.O que se esperado MEC, agora, e que aperfeiçoe as mudanças que realizou,para preservar a eficiência do sistema de avaliação escolar.



Unicamp cria programa para ingresso de melhores alunos via Enem   (EPTV – Virando Bixo – 10/09/10)

O Conselho Universitário (Consu) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) aprovou nesta quinta (9) a implantação do Programa de Formação Interdisciplinar Superior (ProFIS), que criará 120 novas vagas de graduação destinadas aos melhores alunos das 96 escolas públicas de Ensino Médio de Campinas. Os ingressantes serão selecionados segundo o desempenho obtido no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A iniciativa será implantada já a partir de 2011. De acordo com o reitor Fernando Ferreira Costa, um dos méritos do ProFIS é combater a auto-exclusão, já que boa parte dos estudantes das escolas públicas de Ensino Médio não participa do vestibular da Unicamp por considerar que não teria chance de aprovação.



Unicamp cria programa de formação superior para alunos de escolas públicas  (Folha Online – Educação – 10/09/10)

O Conselho Universitário da Unicamp aprovou, na tarde desta quinta-feira (9), o Profis (Programa de Formação Interdisciplinar Superior).  Pelo programa, os 120 alunos das escolas públicas de Campinas com melhores notas no Enem poderão fazer um curso de formação interdisciplinar na universidade, com dois anos de duração. Os primeiros ingressos serão já a partir do primeiro semestre do ano que vem.  A idéia da Unicamp é escolher, no mínimo, um e, no máximo, dois alunos de cada uma das 96 escolas públicas de Campinas. Não haverá inscrição. A universidade entrará em contato com as escolas e cadastrará interessados.  Nesse período de dois anos, os alunos receberão uma formação interdisciplinar e ampla, com aulas de disciplinas como matemáticas, português, inglês, física ou ainda ética, filosofia e primeiros socorros. Ao fim do curso, os alunos que quiserem poderão continuar nos cursos da Unicamp. Cada graduação vai oferecer um número determinado de vagas para os egressos do Profis. A prioridade na ocupação dessas vagas se dará a partir do desempenho do estudante durante o programa.  As vagas ofertadas pelos cursos de graduação são específicas para o Profis e não interferem no número de vagas do vestibular tradicional.

Unicamp cria curso superior de 2 anos para a rede pública (Folha de S.Paulo – Cotidiano – 10/09/10)

A Unicamp aprovou ontem o Profis (Programa de Formação Interdisciplinar Superior). O curso sequencial, com duração de dois anos, terá caráter interdisciplinar e será voltado aos alunos com as melhores notas no Enem na rede pública de Campinas. Serão abertas 120 vagas a partir de 2011. A Unicamp entrará em contato com escolas e cadastrará os interessados.



Unicamp destinará 120 vagas aos melhores alunos do Ensino Médio  (Jornal Cruzeiro do Sul – Educação – 09/09/10)

O Conselho Universitário (Consu) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aprovou, nesta quinta-feira (09), o Programa de Formação Interdisciplinar Superior (Profis), que formaliza a criação de 120 vagas de graduação para os melhores alunos de 96 escolas públicas do Ensino Médio de Campinas (SP). Os alunos que farão o curso de 1 600 horas em dois anos serão selecionados com base na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O projeto piloto começa a ser aplicado em Campinas, em 2011. De acordo com o pró-reitor de Graduação da Unicamp, Marcelo Knobel, o objetivo do Profis é abrir oportunidades a estudantes de escolas públicas que sequer pensavam em se inscrever em um vestibular de uma universidade do porte da Unicamp. Segundo Knobel, eles entrarão em um núcleo comum básico e estudarão disciplinas cujo objetivo é uma formação do aluno integral.  A formação integral já é premissa na Unicamp. No novo campus, em Limeira, os alunos frequentam disciplinas de um núcleo comum para aprender sobre ética, comunicação, cidadania, sociedade entre outros aspectos globais do conhecimento.



Unicamp cria programa de formação superior para alunos de escolas públicas  (Guia do Estudante – Saber – 10/09/10)

O Conselho Universitário da Unicamp aprovou, na tarde desta quinta-feira (9), o Profis (Programa de Formação Interdisciplinar Superior). Pelo programa, os 120 alunos das escolas públicas de Campinas com melhores notas no Enem poderão fazer um curso de formação interdisciplinar na universidade, com dois anos de duração. Os primeiros ingressos serão já a partir do primeiro semestre do ano que vem. A idéia da Unicamp é escolher, no mínimo, um e, no máximo, dois alunos de cada uma das 96 escolas públicas de Campinas. Não haverá inscrição. A universidade entrará em contato com as escolas e cadastrará interessados. Nesse período de dois anos, os alunos receberão uma formação interdisciplinar e ampla, com aulas de disciplinas como matemáticas, português, inglês, física ou ainda ética, filosofia e primeiros socorros. Ao fim do curso, os alunos que quiserem poderão continuar nos cursos da Unicamp. Cada graduação vai oferecer um número determinado de vagas para os egressos do Profis. A prioridade na ocupação dessas vagas se dará a partir do desempenho do estudante durante o programa. As vagas ofertadas pelos cursos de graduação são específicas para o Profis e não interferem no número de vagas do vestibular tradicional.



Unicamp cria graduação para alunos de escolas públicas de Campinas (Globo.Com – G1 Vestibular – 09/09/10)

O conselho universitário da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aprovou nesta quinta-feira (9) o Programa de Formação Interdisciplinar Superior (ProFis) que cria 120 vagas para um curso de graduação destinado a alunos de escolas públicas de Campinas. A expectativa é de que o programa entre em funcionamento no início de 2011. As vagas serão oferecidas aos estudantes com melhor desempenho na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Não haverá vestibular. Com duração de dois anos, o curso vai abranger todas as áreas do conhecimento, com aulas de biologia, física, história da arte, comunicação, entre outras. Ao final, o estudante receberá um diploma de curso seqüencial. “O aluno terá uma visão geral condizente com a do mundo globalizado. O mercado busca o profissional com essa formação geral”, diz o pró-reitor de graduação da Unicamp, Marcelo Knobel.