11/01/2013 / Em: Clipping

 


Segunda fase do vestibular da Unicamp começa neste domingo  (Folha Online – Educação – 11/01/13)

Os 15 mil candidatos aprovados na primeira fase da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) começam neste domingo a segunda etapa do vestibular. Serão três dias de prova. Cada prova terá a duração de quatro horas e começa às 13h. A Comvest, comissão responsável pela organização do vestibular, recomenda àqueles que forem fazer a prova chegar com uma hora de antecedência. A cada dia do exame, os candidatos deverão responder 24 questões dissertativas. No domingo, a prova será de língua portuguesa, literatura e matemática. No segundo dia haverá questões de ciências humanas, artes e língua inglesa. Já no último dia os estudantes farão a prova de ciências da natureza. São 15.352 candidatos disputando 3.444 vagas em 68 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto). Este ano, o vestibular da Unicamp recebeu um número recorde de inscrições: 67.408. As provas serão realizadas em 20 cidades: Bauru, Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Jundiaí, Limeira, Mogi Guaçu, Piracicaba, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador, Santo André, Santos, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo e Sorocaba. Os candidatos devem consultar seu local de provas no site da Comvest. Os candidatos devem ficar atentos, já que os locais de prova não são necessariamente os mesmos onde eles realizaram a primeira fase. Aqueles que disputam vagas nos cursos de arquitetura e urbanismo, artes cênicas, artes visuais, dança e música ainda devem realizar as provas de habilidades específicas nos dias 21 e 24. A primeira chamada do vestibular será divulgada dia 4 de fevereiro.

 

Assembleia pode impor cotas em universidades, diz reitor da Unesp   (Folha Online – Educação – 11/01/13)

Se o projeto de cotas feito pelos reitores de USP, Unesp e Unicamp não for aprovado internamente nas universidades, a Assembleia Legislativa pode impor uma lei com regras diferentes. A avaliação é do reitor da Unesp, Julio Cezar Durigan, que será oficializado no cargo hoje. O temor dos dirigentes é que os deputados imponham às universidades paulistas modelo semelhante ao aplicado nas federais, onde 50% das vagas serão automaticamente destinadas a alunos de escolas públicas até 2016. A avaliação dos reitores estaduais paulistas é que o modelo das federais pode prejudicar os cursos, pois estudantes mal preparados podem ocupar as vagas. Assim, eles apresentaram em dezembro projeto que prevê os mesmos 50% de vagas para alunos de escolas públicas, mas com um preenchimento de forma diferente: parte seria feito com alunos que passariam por curso superior intermediário, semipresencial, de dois anos. O projeto dos reitores precisa ser aprovado pelos Conselhos Universitários, que em discussões em anos anteriores já rejeitaram estabelecer um percentual fixo para os alunos de escolas públicas. Uma das razões para os reitores fazerem a proposta, diz Durigan, foi o fato de haver a informação de que a Assembleia se movimentava para aprovar lei como a federal. Durigan, 58, agrônomo, exerce o cargo desde 2011, quando o então titular, Herman Voorwald, deixou o posto para ser secretário estadual de Educação. Ano passado, Durigan venceu a nova eleição.



Férias em troca do conhecimento  (O Estado de S.Paulo – Educação – 10/01/13)

Ansiosos e tímidos, mas cheios de sonhos. Eles trocaram as férias escolares para passar um mês na Unicamp. A mudança na rotina será proveitosa, acredita o jovem Alexandre Rosa Júnior, terceiranista da Escola Barão Geraldo de Rezende, de Campinas. “Pelo fato de ser da Unicamp a gente sempre espera coisa boa, acredito que será bastante interessante. Eu tenho muitas dúvidas, mas algumas opções são artes cênicas ou computação”, responde o estudante de 15 anos sobre as possíveis carreiras que pretende seguir. Alexandre e outros 150 alunos começaram nesta quarta-feira, 9, suas atividades no Programa Ciência e Arte nas Férias (CAF), promovido pela Unicamp desde 2003.  Os estudantes, selecionados pelas escolas públicas de Campinas e região, desenvolverão atividades de pesquisa junto aos laboratórios da Universidade, incluindo práticas de iniciação científica, conferências, oficinas e visitas monitoradas. “Vocês terão a experiência de presenciar e participar da geração do conhecimento”, incentivou Ronaldo Aloise Pilli, da Pró-reitoria de Pesquisa (PRP), órgão que gerencia o programa.  A mensagem e as boas-vindas do pró-reitor foram dirigidas aos estudantes durante a abertura do CAF, realizada no auditório da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) no período da manhã. “O programa tem o papel importante de abrir os horizontes destes alunos para que eles aprendam como o conhecimento é produzido, como ele é utilizado, como ele pode mudar a vida das pessoas”, falou Ronaldo Pilli aos estudantes, pais e monitores presentes na abertura do evento.

 

Conselho de Educação quer cadastro de alunos para evitar fraude na Lei de Cotas    (O Estado de S.Paulo – Educação – 10/01/13)

O Conselho Nacional de Educação (CNE) discutirá a criação de um cadastro nacional de estudantes, que incluiria dados sobre o histórico escolar, para evitar fraudes no sistema de cotas das universidades federais. Um dos objetivos é evitar que um aluno que faça o ensino médio em escola privada preste uma prova de certificação de supletivo emitido pela rede pública e se candidate como cotista. “Atualmente as universidades federais, no momento da matrículas dos alunos, não têm como distinguir se o candidato fez apenas o supletivo ou se fez o supletivo e o ensino médio regular numa rede privada”, afirma José Fernandes de Lima, presidente do CNE – órgão consultivo do Ministério da Educação (MEC). Neste ano, pelo menos 12,5% das vagas em todos os cursos das universidades federais estão reservadas a estudantes de escola pública. Em 2016, o porcentual chegará a 50%. No final do ano passado, o Ministério Público Federal em Salvador entrou com ação para que a Universidade Federal da Bahia (UFBA) aceitasse candidatos cotistas que tivessem concluído o ensino médio por meio do supletivo ofertado pela rede pública. A possibilidade era vetada pela instituição. Segundo o procurador da República Leandro Bastos Nunes, seria ilegal proibir a matrícula desses candidatos. O pedido foi deferido pela Justiça. Após a polêmica, mesmo o processo não tendo sido concluído – aguarda vistas do MPF para a sentença pela Justiça Federal -, a universidade acatou a decisão liminar.



Unicamp começa 2ª fase do vestibular 2013 neste domingo; celulares são proibidos   (UOL – Vestibular – 11/01/13)

Começam neste domingo (13) as provas da 2ª fase do vestibular da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Os 15.352 candidatos convocados disputam 3.444 vagas nos 68 cursos oferecidos pela instituição e em dois cursos da Famerp (Faculdade pública de Medicina de São José do Rio Preto). O UOL Vestibular terá correção online da provas de português e matemática, feita pelos professores do Curso e Colégio Objetivo, a partir das 19h. No dia da prova, os candidatos precisam ficar atentos às regras estabelecidas no edital do processo seletivo. A Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp) alerta que é proibida a entrada de telefones celulares nas salas de prova. Os candidatos não devem sequer levar o aparelho para o prédio onde será realizado o vestibular, pois não haverá lugar para guardá-lo. Segundo a organização, quem for flagrado com celular será eliminado do processo seletivo. O candidato só será informado sobre a desclassificação depois da prova, para evitar transtornos na sala. Na primeira fase do vestibular 2013, 103 candidatos foram eliminados por descumprirem com a regra. A Comvest orienta que os estudantes consultem o local de prova com antecedência (clique aqui), já que eles podem não ser os mesmos da primeira fase – em dois casos há também alteração de cidade: quem fez a 1ª fase em Sumaré fará a 2ª fase em Campinas; aqueles que fizeram a 1ª fase em São Bernardo do Campo farão a 2ª em Santo André.