11/11/2013 / Em: Clipping

 


Para professores, prova da Unicamp foi mais leve e bem feita que o Enem   (Globo.Com – G1 Vestibular – 10/11/13)

Professores de cursinhos ouvidos pelo G1 consideraram a prova da Unicamp mais  leve e direta do que por exemplo o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Segundo eles, a prova da primeira fase aplicada neste domingo (10) serviu para tirar os “paraquedistas” (alunos que fazem a prova sem estar devidamente preparados) da disputa e deixar quem está realmente pronto para fazer a segunda fase, que será em janeiro de 2014. Edmilson Motta, coordenador-geral do Curso Colégio Etapa, disse que foi uma prova mais simples de conhecimentos gerais. “Comparada ao o Enem é uma prova bem mais leve, com enunciados mais diretos, questões com perguntas bem simples. A ideia é fazer uma prova que avalie os conhecimentos básicos, com questões de complexidade média.” Para ele, alunos que deverão ser aprovados em medicina, por exemplo vão chegar perto de gabaritar a prova objetiva. “Quem tiver mais cuidado na redação vai ter uma vantagem significativa.” Vera Lúcia Antunes, do Curso e Colégio Objetivo, destacou: “A primeira fase da Unicamp é uma prova básica. Serve para retirar da disputa os paraquedistas, os alunos que não estudaram. Cobra o básico que o aluno tem que saber. É uma prova excelente, ideal para a primeira fase. Seleciona o que é fundamental de cada matéria. Ela considerou que questões de matemática e física exigiram conhecimento básico dos alunos, enquanto que química, biologia, história e geografia exigiram um pouco mais de atenção na leitura dos enunciados. “Foi uma prova conteudista básica”, avaliou. A coordenadora do núcleo de redação do Objetivo, Maria Aparecida Custódio, disse que a prova com duas redações não apresentou dificuldades.

Redação da Unicamp cita mobilidade urbana e texto sobre oficina cultural   (Globo.com – G1 Vestibular – 10/11/13)

Uma carta aberta para reivindicar melhorias na mobilidade urbana em uma grande cidade e um relatório sobre atividades de uma oficina cultural foram os dois temas escolhidos para a prova de redação da 1ª fase do Vestibular da Unicamp 2014, neste domingo (10). Os primeiros estudantes que deixaram o Ciclo Básico da universidade, em Campinas  (SP), classificaram o exame como “tranquilo”. Eles saíram por volta das 16h30, mas o tempo final, segundo a Comissão Permanente para o Vestibular da Unicamp (Comvest), é até as 18h. Os candidatos poderia usar cinco horas para concluir a prova. “Foi bem mais tranquila do que eu esperava. Senti mais dificuldades em exatas, sobretudo em matemática. O curioso é que tinha muita coisa de interpretação de texto”, destaca o candidato de ciências sociais Aurélio Oliveira, de 18 anos. Candidato ao curso de engenharia mecânica, Felipe Bento, de 18 anos, também considerou a prova sem “surpresas”, mas ressalta que os temas da redação foram mais fáceis para quem prestou vestibular para a área de humanas. “Eram temas que não são do meu cotidiano”, admite.



Primeira fase da Unicamp tem textos sobre oficinas culturais e trânsito  (UOL – Vestibular – 10/11/13)

Os candidatos que saíram da unidade Vergueiro, em São Paulo, da primeira fase do vestibular 2014 da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) disseram nesta domingo (10) que o exame cobrou a elaboração de dois gêneros textuais: uma carta e um relatório. Este ano, o exame teve um número recorde de inscritos: 73.818 candidatos. Os professores do Curso e Colégio Objetivo farão a correção online do vestibular 2014 da Unicamp aqui no UOL a partir das 19h (horário de Brasília. Gustavo Vasconcelos, 17, está no último ano do ensino médio e pretende cursar medicina na instituição. Para ele, os temas foram uma surpresa. “Eu pensei que ia ser uma redação argumentativa, mas foi bem fácil”, conta. “Na carta, você tinha que falar que era de uma associação de moradores e pedir mais mobilidade no trânsito. Já o relatório era sobre uma oficina cultural”, diz.

Prova da Unicamp exigiu domínio de conhecimentos básicos, dizem professores   (UOL – Vestibular – 10/11/13)

Com enunciados curtos e diretos, a prova da primeira fase da Unicamp, aplicada neste domingo (10), exigiu que os alunos tivessem domínio de conhecimentos básicos das matérias do ensino médio. Para os professores de cursinhos pré-vestibulares ouvidos pelo UOL, a prova teve dificuldade entre média e fácil. “É uma prova mais simples, bem diferente do Enem [Exame Nacional do Ensino Médio], então podemos esperar que os candidatos de carreiras mais concorridas quase gabaritem a primeira fase”, disse Edmilson Motta, coordenador-geral do Etapa. O Enem foi realizado nos dias 26 e 27 de outubro em todo o país e teve enunciados mais longos e muita interpretação de texto. As provas de química, matemática e física do Enem também foram mais difíceis, disseram os professores.  “Quanto à distribuição dos assuntos, foi uma prova bem equacionada, exigiu domínio de conceitos e dos fundamentos básicos de cada matéria.



Professores de cursinhos dizem que prova da Unicamp foi bem elaborada  (O Estado de S.Paulo – Educação – 11/11/13)

Os cursinhos de São Paulo consideraram que a prova do vestibular da Unicamp não trouxe grandes surpresas e foi “bem elaborada”.A coordenadora pedagógica do curso e colégio Objetivo, Vera Antunes, achou a prova da Unicamp ideal para a primeira fase do vestibular. Para ela, o conhecimento geral básico do aluno foi testado, sem pegadinhas. “A prova foi excelente, conteudista e vai selecionar mesmo. Não perguntou nada dificílimo, mas precisava estar preparado”, explica. Já o coordenador pedagógico da Oficina do Estudante, Célio Tasinafo, relata que a prova apresentou o nível de dificuldade esperado pelos professores. Para ele, quem estudou com base nas provas anteriores não teve surpresas, pois neste ano também não havia cálculos complicados. Tasinafo acredita que o índice de acertos nas questões de múltipla escolha será alto e o que definirá a classificação dos alunos será a redação. No Anglo Vestibulares, a prova foi considerada adequada e com um bom nível de dificuldade. Para o coordenador-geral Luís Ricardo Arruda, os temas da redação foram atuais. “O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) poderia ver como se faz uma prova. Os testes estavam bem enunciados.

Candidatos acham primeira fase da Unicamp ‘objetiva’ e ‘tranquila’   (O Estado de S.Paulo – Educação – 11/11/13)

Os candidatos que prestaram a primeira fase do vestibular da Unicamp neste domingo, 10, começaram a sair da prova na Unip Paraíso, na zona sul de São Paulo, às 16h30, após 3h30 do início do exame. Cerca de 3.600 pessoas eram esperadas, segundo um fiscal, na maioria jovens estudantes.  Nesta primeira fase do vestibular, a prova continha 48 questões de múltipla escolha e duas propostas de redação. Segundo a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest), não é permitida a saída com o caderno de provas, pois o material é usado para as respostas finais. A maioria dos candidatos que saíram do câmpus da Unip Paraíso acharam a prova “tranquila” e “objetiva”. Na primeira proposta de redação, o vestibular sugeria que o estudante escrevesse um relatório com ações culturais para um colégio. Na segunda, a proposta era fazer uma carta, que deveria ser publicada em uma rede social e endereçada às autoridades sobre alternativas para diminuir o trânsito em seu município de origem. Para Rodrigo Souza, de 18 anos, que tenta ingressar no curso de Medicina, a redação foi a parte mais difícil da prova. “Achei a parte de teste tranquila, mas a redação foi complicada”, disse.

USP mudou bônus sabendo que não alcançaria meta   (O Estado de S.Paulo – Educação – 11/11/13)

A Universidade de São Paulo (USP) aprovou neste ano alteração no bônus em seu vestibular já sabendo que não alcançaria, no próximo ano, as metas propostas pelo governo do Estado nos porcentuais de matrículas de alunos de escolas públicas e de pretos, pardos e indígenas (PPI). Documento obtido pelo Estado mostra que, pelas simulações feitas pela USP, o quadro de inclusão não teria grande alteração: só 27% das 171 carreiras analisadas teriam 35% de aprovados de escola pública e 19% registrariam mais de 12,2% de PPI. O estudo com as simulações foi produzido pela Pró-Reitoria de Graduação para servir como base para a deliberação do Conselho Universitário sobre inclusão. O órgão decidiu aumentar a bonificação para quem é de escola pública (até 20%) e criar bônus extra para PPI. A USP jamais apresentou as simulações, que foram obtidas por meio da Lei de Acesso à Informação pela ONG Educafro. As estimativas nas carreiras consideraram o novo bônus no resultado do vestibular para ingresso em 2012. Das 47 carreiras em que o porcentual de aprovados vindos do ensino público alcança ou supera 35% do total, 20 são de humanas, dez são licenciaturas e 5 de saúde. Dentre os 30 cursos de Engenharia analisados, só três chegam ao porcentual. Segundo o cálculo, com dados de 2012, Medicina em São Paulo, por exemplo, alcançaria 35,4% de alunos de escola pública na primeira chamada. Já na simulação com resultados do vestibular de 2013, 26,9% dos convocados em primeira chamada teriam vindo de escola pública. O porcentual de alunos de PPI chegaria a 7,6% no curso. Em toda a USP, os convocados de escola pública em primeira chamada subiriam de 25,3% para 28,9%. Enquanto os pretos, pardos e indígenas iriam de 6,2% para 7,8%.



Enunciado de redação da Unicamp pode gerar confusão, diz professora   (IG – Educação – 10/11/13)

A prova da primeira fase do vestibular 2014 da Unicamp foi considerada fácil por candidatos e professores. De acordo com a coordenadora do curso e Colégio Objetivo, Vera Lúcia Antunes, ela foi a prova perfeita para uma primeira fase, “quando o importante é eliminar eventuais candidatos que chegam de paraquedas para fazer o vestibular”. As questões foram consideradas básicas, o problema ficou no enunciado da primeira redação, que pedia para o candidato escrever um relatório sobre atividades em uma oficina cultural.De acordo com a professora de redação do Curso Objetivo Maria Aparecida Custódio, só no final do enunciado era possível perceber o relatório era para a segunda oportunidade de oferecimento da oficina cultural e, portanto, era preciso apontar as experiências da primeira oficina.  “Foi mal formulado. Era preciso ler duas ou três vezes para entender. Nas primeiras linhas a Unicamp fala que vai realizar e só no final do enunciado é que explica que o relatório é para a segunda vez da oficina cultural, disse. O relatório pegou alguns alunos de surpresa.



Primeira fase da Unicamp é considerada tranqüila   (Correio Popular – Cidades – 10/11/13)

A primeira fase do Vestibular da Unicamp, que ocorreu neste domingo (10) em 17 cidades do País, teve 68.705 participantes e índice de abstenção de 6,93%, menor que no ano anterior, quando a taxa foi de 7,64%. A Comvest informou que não houve episódios de alunos portando celular ou que tenham passado mal. Os portões foram fechados às 13h em ponto e os candidatos que fizeram a prova no campus I da PUC-Campinas e deixaram para chegar depois das 11h enfrentaram um trânsito caótico.



Primeira fase da Unicamp tem abstenção menor; prova foi fácil, dizem professores   (Folha Online – Educação – 10/11/13)

A primeira fase do vestibular 2014 da Unicamp (Universidade de Campinas), realizada neste domingo (10), teve abstenção de 6,9% dos inscritos, percentual inferior ao observado em anos anteriores, informou a universidade. Dos 73.818 estudantes inscritos no exame, 5.113 não compareceram. A universidade oferece 3.460 vagas em nove cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto). Especialistas ouvidos pela Folha consideraram que a prova teve nível de médio para fácil. De acordo com o professor Edmilson Motta, coordenador geral do curso Etapa, as questões foram mais simples do que as encontradas no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e do que as que o estudante vai ver na Fuvest, o vestibular da USP. “Foram perguntas diretas, de complexidade baixa a média. A disputa vai se dar mesmo na redação”, afirma. Para Vera Lúcia da Costa Antunes, coordenadora pedagógica do curso Objetivo, a prova foi adequada para eliminar os candidatos “paraquedistas” e selecionar os melhores para a segunda fase.



Primeira fase do vestibular da Unicamp tem “questões adequadas”, diz professor do Anglo Vestibulares   (Veja – Educação – 10/11/13)

O coordenador-geral do Anglo Vestibulares, professor Luís Ricardo Arruda, define a primeira fase do vestibular 2014 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), realizada neste domingo, como “uma prova adequada”. Arruda evita falar em grau de dificuldade do exame: para ele, a prova mostrou-se adequada à proposta de separar os alunos que estão preparados daqueles que não estão. “Ainda haverá uma segunda fase; Agora, foi a primeira peneira”, diz. Segundo o professor, de uma forma geral, as questões foram bem selecionadas e os professores do Anglo Vestibulares não encontraram problemas nos enunciados. “As questões foram bem escolhidas, os enunciados eram claros, sem textos longos e não vimos defeitos como os que temos apontado em outras provas”, completa. Aplicada em 18 cidades, a prova teve início às 13 horas, com 73.818 candidatos habilitados a fazer o exame.

Cai a taxa de abstenção no vestibular 2014 da Unicamp   (Veja – Educação – 10/11/13)

Após quatro anos com tendência de crescimento, a primeira fase do vestibular 2014 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) registrou queda no número de faltosos. Dos 73.818 inscritos para o processo seletivo, 5.113 não compareceram ao exame — o que representa 6,93% do total. Na primeira fase do vestibular 2013 a taxa de abstenção foi de 7,6%; em 2012, de 7,4%; em 2011, de 6,9%; e, em 2010, de 5,3%. Segundo a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest), no Centro Universitário UNA, um dos locais de aplicação do exame em Belo Horizonte, houve queda de energia em razão do rompimento de um cabo de rede. Com isso, a avaliação prevista para começar às 13h teve início às 15h30. O número de candidatos que desistiram da prova por causa do problema ainda não foi contabilizado.