13/01/2019 / Em: Clipping

 

Sonho de estudar na Unicamp faz estudante viajar de Recife para Campinas durante vestibular 2019 (G1 – Campinas e Região – 13/01/2019)

Lucas Vieira percorreu cerca de 2,6 mil quilômetros para realizar o processo seletivo. Universidade aplica primeira prova da segunda fase neste domingo (13); veja calendário.

 

O estudante Lucas Vieira viajou cerca de 2,6 mil quilômetros de Recife (PE) até Campinas (SP), pelo sonho de estudar na Unicamp. A universidade estadual iniciou na tarde deste domingo (13) a aplicação da primeira prova da segunda fase para 18,9 mil candidatos. Veja detalhes. À EPTV, afiliada da TV Globo, ele contou que estudava engenharia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e planeja continuar na área de exatas. Sem esconder a ansiedade para a prova, o jovem chegou antes da abertura dos portões no campus da Unip, no bairro Swift. “Estou bem nervoso, o estilo de prova é diferente e tenho que ver como vai ser […] Hoje pode não ser muito a minha praia, realmente sou dos cálculos”, brincou antes de entrar para a sala. O exame começou às 13h, tem duração de quatro horas e reúne redação (duas propostas de textos) e questões dissertativas de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa. Leia mais.

 

 

Unicamp 2019: prova de redação aborda ‘doutrinação ideológica na sala de aula’ e desenvolvimento (G1 – Campinas e Região – 13/01/2019)

Primeiro dia da 2ª fase teve início neste domingo (13) e candidatos também responderam às perguntas de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa; veja calendário.

 

A prova de redação na segunda fase do vestibular 2019 da Unicamp, aplicada na tarde deste domingo (13), abordou como temas a “doutrinação ideológica na sala de aula” e a relação entre Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o comportamento do Produto Interno Bruto (PIB). Estudantes ouvidos pelo G1 contaram que, no primeiro caso, a universidade propôs ao candidato a elaboração de um abaixo-assinado onde deve pedir explicações para uma escola, após a professora de filosofia ser alvo de ameaças anônimas por conta da suposta prática no trabalho. Já a segunda proposta do exame era a elaboração de um comentário, para fórum em rede social, a partir de dois gráficos. A estudante Carolina de Moraes, de 22 anos, estuda química na Unicamp desde 2016 e conta que voltou a fazer vestibular para retomar o início do curso, por conta da atualização na grade da carreira. Ela avaliou que os temas reforçam necessidade de pluralidade. “O novo currículo do curso atende mais às minhas expectativas profissionais, então decidi começar a faculdade de novo […] Os dois temas da redação são questões muito importantes, necessárias. Acredito que a Unicamp esteja tentando avaliar mesmo se os candidatos têm essa visão de que há muitas formas de pensar no mundo, não só aquilo que nos é imposto”, contou a jovem que trabalha com análises químicas ambientais e pretende, no futuro, ser professora. Leia mais.

 

 

Unicamp 2019: segunda fase do vestibular começa neste domingo para 18,9 mil; veja orientações (G1 – Campinas e região – 13/01/2019)

Exame terá redação e questões de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa. Candidatos devem chegar com antecedência e duração é de quatro horas.

 

A Unicamp inicia neste domingo (13) a aplicação da segunda fase do vestibular 2019 para 18,9 mil candidatos em 16 cidades de São Paulo e mais cinco capitais. Ela é dividida em três dias de exames, cada um deles com quatro horas de duração. Os portões foram abertos às 12h e fechados às 13h. Neste primeiro dia, a avaliação reúne as provas de redação (composta por duas propostas de textos) e a de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa – formada por seis questões dissertativas. A universidade oferece 2,5 mil vagas em 69 cursos de graduação nesta modalidade, e esta é a primeira edição em que ela adota as cotas étnico-raciais para elevar a inclusão social. Leia mais.

 

 

Para especialistas, prova de Português da Unicamp avalia capacidade de reflexão (IstoÉ – Geral – 13/01/2019)

 

Na Redação e nas provas de Português e Literatura da segunda fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), neste domingo, 13, os alunos foram cobrados a mostrar capacidade de reflexão diante de temas atuais, na avaliação de especialistas ouvidos pela reportagem. A redação deu duas opções aos alunos, que tinham de produzir a resposta em 24 linhas para a que escolhesse. Ou faziam uma postagem na internet dando saídas para o desenvolvimento econômico do País, a partir de um material de apoio que trazia informações sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Noruega, ou um abaixo assinado pedindo posicionamento da universidade sobre um caso em que uma professora era acusada injustamente de doutrinação política, tema avaliado como “bastante atual” pelos especialistas. “Não se cobrou uma posição do aluno, seja para um lado, seja para outro. Mas sim a capacidade de refletir sobre o assunto”, afirmou o coordenador da Oficina do Estudante, Marcelo Pavani. Ele destacou que, com o vestibular, a Unicamp deixou claro a opção de peneirar os alunos em busca daqueles que têm na reflexão crítica sobre os temas atuais. Para ele, a Unicamp quer alunos com “maturidade intelectual”, que conseguem colocar o conhecimento que trazem do ensino médio em contexto com os temas de hoje. Leia mais.

 

 

Unicamp avalia capacidade de reflexão do aluno em prova de Português (Estadão – .Edu – 13/01/2019)

Primeira prova da segunda fase do vestibular, ocorrida neste domingo, trouxe teste com temas “atuais”, na avaliação de especialistas

 

Na Redação e nas provas de Português e Literatura da segunda fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), neste domingo, 13, os alunos que foram cobrados a mostrar capacidade de reflexão diante de temas atuais, na avaliação de especialistas ouvidos pelo Estado. A redação deu duas opções aos alunos, que tinham de produzir a resposta em 24 linhas para a que escolhesse. Ou faziam uma postagem na internet dando saídas para o desenvolvimento econômico do País, a partir de um material de apoio que trazia informações sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Noruega, ou um abaixo assinado pedindo posicionamento da universidade sobre um caso em que uma professora era acusada injustamente de doutrinação política, tema avaliado como “bastante atual” pelos especialistas. “Não se cobrou uma posição do aluno, seja para um lado, seja para outro. Mas sim a capacidade de refletir sobre o assunto”, afirmou o coordenador da Oficina do Estudante, Marcelo Pavani. Ele destacou que, com o vestibular, a Unicamp deixou claro a opção de peneirar os alunos em busca daqueles que têm na reflexão crítica sobre os temas atuais. Para ele, a Unicamp quer alunos com “maturidade intelectual”, que conseguem colocar o conhecimento que trazem do ensino médio em contexto com os temas de hoje. Leia mais.

 

 

Unicamp 2019: segunda fase do vestibular começa com abstenção de 12,7%; índice supera dois anos (G1 – Campinas e Região – 13/01/2019)

Universidade aplicou as provas de redação e a de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa neste domingo (16). Coordenador afirma que percentual ficou dentro da expectativa.

 

O primeiro dia de aplicação da segunda fase do vestibular 2019 da Unicamp teve abstenção de 12,7% neste domingo (13), segundo a comissão organizadora do processo seletivo (Comvest). Ao todo, 2,4 mil dos 18,9 mil classificados para esta etapa deixaram de fazer as provas de redação e as de língua portuguesa e literaturas de língua portuguesa. Veja abaixo como foi. As avaliações foram aplicadas em 16 cidades de São Paulo e mais cinco capitais. O índice superou os números de 2018 (11,3%) e de 2017 (10%), mas o coordenador executivo da Comvest, José Alves Freitas Neto, destacou que ele ficou dentro da expectativa, uma vez que a universidade criou nesta edição outras modalidades para acesso aos cursos, com objetivo de elevar a inclusão social. Os maiores percentuais de ausentes, de 35,1% e 24,8%, foram registrados respectivamente em Fortaleza (CE) e Curitiba (PR). Para a comissão, também integrada pela coordenadora acadêmica, Márcia Mendonça, e a coordenador adjunta, Ana Maria Almeida, os valores foram influenciados no primeiro caso porque a Universidade Estadual do Ceará (UECE) aplicou provas neste domingo; e a Universidade Federal do Paraná (UFPR) já divulgou a lista de aprovados no vestibular. Leia mais.

 

 

Unicamp avalia capacidade de reflexão do aluno em prova de Português (Terra – Educação – 13/01/2019)

Primeira prova da segunda fase do vestibular, ocorrida neste domingo, trouxe teste com temas “atuais”, na avaliação de especialistas

 

Na Redação e nas provas de Português e Literatura da segunda fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), neste domingo, 13, os alunos que foram cobrados a mostrar capacidade de reflexão diante de temas atuais, na avaliação de especialistas ouvidos pelo Estado. A redação deu dois textos aos alunos, que tinham de produzir a resposta em 24 linhas para as propostas. Uma era uma postagem na internet dando saídas para o desenvolvimento econômico do País, a partir de um material de apoio que trazia informações sobre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Noruega. A outra, um abaixo assinado pedindo posicionamento da universidade sobre um caso em que uma professora era acusada injustamente de doutrinação política, tema avaliado como “bastante atual” pelos especialistas. “Não se cobrou uma posição do aluno, seja para um lado, seja para outro. Mas sim a capacidade de refletir sobre o assunto”, afirmou o coordenador da Oficina do Estudante, Marcelo Pavani. Ele destacou que, com o vestibular, a Unicamp deixou claro a opção de peneirar os alunos em busca daqueles que têm na reflexão crítica sobre os temas atuais. Para ele, a Unicamp quer alunos com “maturidade intelectual”, que conseguem colocar o conhecimento que trazem do ensino médio em contexto com os temas de hoje. Leia mais.

 

 

Unicamp 2019: prova de redação aborda ‘doutrinação ideológica na sala de aula’ e desenvolvimento (Minha Campinas – 13/01/2019)

 

A prova de redação na segunda fase do vestibular 2019 da Unicamp, aplicada na tarde deste domingo (13), abordou como temas a “doutrinação ideológica na sala de aula” e a relação entre Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o comportamento do Produto Interno Bruto (PIB). Estudantes ouvidos pelo G1 contaram que, no primeiro caso, a universidade propôs ao candidato a elaboração de um abaixo-assinado onde deve pedir explicações para uma escola, após a professora de filosofia ser alvo de ameaças anônimas por conta da suposta prática no trabalho. Já a segunda proposta do exame era a elaboração de um comentário, para fórum em rede social, a partir de dois gráficos. A estudante Carolina de Moraes, de 22 anos, estuda química na Unicamp desde 2016 e conta que voltou a fazer vestibular para retomar o início do curso, por conta da atualização na grade da carreira. Ela avaliou que os temas reforçam necessidade de pluralidade. “O novo currículo do curso atende mais às minhas expectativas profissionais, então decidi começar a faculdade de novo […] Os dois temas da redação são questões muito importantes, necessárias. Acredito que a Unicamp esteja tentando avaliar mesmo se os candidatos têm essa visão de que há muitas formas de pensar no mundo, não só aquilo que nos é imposto”, contou a jovem que trabalha com análises químicas ambientais e pretende, no futuro, ser professora. Leia mais.

 

Segunda fase do vestibular da Unicamp começa hoje (Jornal Floripa – 13/01/2019)

 

A segunda fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) terá início neste domingo (13). Os exames serão realizados até a próxima terça-feira (15) pelos 18.933 candidatos aprovados na primeira fase. As provas serão feitas em 21 cidades: Bauru (SP), Belo Horizonte, Brasília, Campinas (SP), Curitiba, Fortaleza, Guarulhos (SP), Jundiaí (SP), Limeira (SP), Mogi Guaçu (SP), Piracicaba (SP), Presidente Prudente (SP), Ribeirão Preto (SP), Salvador, Santo André (SP), Santos (SP), São Carlos (SP), São José do Rio Preto (SP), São José dos Campos (SP), São Paulo e Sorocaba (SP). A recomendação da Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) da Unicamp é que, apesar das provas terem início às 13h os candidatos cheguem ao local às 12 h. Os organizadores também orientam os alunos a fazerem o percurso até o local antes do dia do exame, para o conhecimento do caminho. De acordo com a Comvest, os locais de exames não serão, necessariamente, os mesmos nos quais os candidatos realizaram a primeira fase das provas. Hoje (13) serão realizadas a prova de redação, de língua portuguesa e de literatura; na segunda-feira (14), será a vez de matemática, geografia e história; e na terça-feira (15), física, biologia e química. Leia mais.