13/08/2009 / Em: Clipping

 


Unicamp abre prazo de inscrição para o vestibular 2010 nesta quinta  (UOL – Vestibular – 13/08/09)

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) abre, nesta quinta-feira (13), o prazo de inscrições para o vestibular 2010. O período para se inscrever vai até o dia 6 de outubro.
O formulário e o kit do vestibulando, com manual e revista, estarão disponíveis no site da Unicamp. A taxa é de R$ 115. São oferecidas 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois da Famerp (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto). No processo seletivo de 2010, os candidatos terão que levar no dia da primeira fase duas fotos 3×4, coloridas, datadas de 2009. Quem não levar as fotos não poderá fazer a prova, que será aplicada em 15 de novembro. O formato dos exames desse ano será o mesmo do ano anterior. Candidatos que quiserem aproveitar a nota do Enem só poderão utilizar o desempenho da prova de 2009.



Unicamp abre inscrições para vestibular 2010 nesta quinta  (Terra- Vestibular – 12/08/09)

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Universidade Estadual de Campinas, Comvest, abre, às 9 horas do desta quinta-feira, as inscrições para o Vestibular Nacional Unicamp 2010. Os candidatos terão até o dia 06 de outubro para se inscrever. O formulário de inscrição estará disponível em WWW.comvest.unicamp.br. A taxa de inscrição é de 115 reais. O Vestibular Unicamp 2010 oferece 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto). No ano passado, a Comvest registrou 49.322 inscritos. O Kit do Vestibulando (Manual do Candidato e Revista do Vestibulando) estará disponível na página eletrônica da Comvest e é gratuito.



Inscrições para o Vestibular 2010 da UNICAMP começam no dia 13/08 (SejaBixo – Mural – 12/08/09)

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp, Comvest, abre, dia 13 de agosto, as inscrições para o Vestibular Nacional Unicamp 2010. Os candidatos terão até o dia 06 de outubro para se inscrever. O formulário de inscrição estará disponível em www.comvest.unicamp.br. A taxa de inscrição é de 115 reais. O Vestibular Unicamp 2010 oferece 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto). No ano passado, a Comvest registrou 49.322 inscritos. O Kit do Vestibulando (Manual do Candidato e Revista do Vestibulando) estará disponível na página eletrônica da Comvest e é gratuito.



Unicamp abre nesta quinta o prazo de incrição para o vestibular 2010   (Globo.Com – G1 Vestibular – 13/08/09)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) começa a receber, a partir das 9h desta quinta-feira (13), inscrições para o vestibular 2010. O prazo termina no dia 6 de outubro. O formulário de inscrição estará disponível em WWW.comvest.unicamp.br. A taxa de inscrição é de R$ 115. O manual do candidato e a Revista do Vestibulando) também estarão disponíveis gratuitamente no site. Serão oferecidas 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp). Houve um aumento no número de vagas do curso de física (noturno), que passa de 30 para 40. Em 2008, a Comvest registrou 49.322 inscritos. Neste ano, a Unicamp aceitará somente a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2009. Não será aceito o Enem 2008. Será aceita a nota do Enem mesmo daqueles candidatos que tiverem zerado na redação do exame. Até o vestibular passado, para compor parte da nota da 1ª fase do vestibular, o candidato não poderia ter tirado zero na redação, apesar de só a nota da prova de conhecimentos gerais do Enem ser usada pela Unicamp. Os candidatos precisarão autorizar o uso do Enem, que poderá valer até 20% da nota da primeira fase, no formulário de inscrição. Na primeira fase, os candidatos precisarão levar duas fotos recentes (ano de 2009), datadas e coloridas. Quem não cumprir a determinação, não poderá fazer a prova. Outra novidade diz respeito à inclusão de mais dois grupos de cursos que serão considerados como opções associadas na hora da classificação dos candidatos: os quatro cursos na área de gestão (agronegócio, comércio internacional, empresas e políticas públicas); e engenharia de produção e engenharia de manufatura. 



Uma prova de inteligência  (Folha Dirigida – Primeira Página – 12/08/09)

O Exame Nacional do Ensino Médio, que acontece nos dias 3 e 4 de outubro, está gerando ansiedade entre os candidatos, até mesmo entre aqueles já avaliados em anos anteriores pelo Ministério da Educação. O motivo da preocupação é que após 11 anos sua implantação, o Enem sofre sua primeira grande modificação: o número de questões saltou de 63 para 180 e a avaliação passa a acontecer em dois dias consecutivos. Além disso, o exame passou a ser aceito como forma de ingresso – ou parte dela – por 46 das 55 universidades federais do país. E para completar o quadro, houve um atraso no reinício das aulas do segundo semestre letivo nas escolas por conta das medidas preventivas de combate à Gripe A. O Enem, criado em 1998, é composto de quatro grupos de provas diferentes em cada processo seletivo, além de uma redação. A nova composição proposta pelo MEC contará com questões divididas nas áreas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; Ciências Humanas e suas Tecnologias; Ciências da Natureza e suas Tecnologias; e Matemáticas e suas Tecnologias. Cada grupo será composto por 45 itens de múltipla escolha. De acordo com Pedro Araujo, coordenador do ensino médio do Colégio de São Bento, primeiro colocado no ranking nacional do Enem de 2008,  os estudantes devem simular uma prova, nos moldes do atual Enem, para se habituar ao novo modelo. “A orientação que passamos é para que os alunos façam uma simulação, podendo ser até com Enem antigo. O importante é contabilizar o número de questões e dividi-las pelo tempo de prova. O resultado é o tempo médio que o estudante terá para resolver cada uma delas”, explica. Pedro Araujo informa também que a simulação deve ser iniciada por meio das disciplinas que o estudante tem maior facilidade de resolução. A orientação do coordenador refere-se ao lado psicológico, que poderá ser afetado caso o estudante tenha dificuldade em resolver, inicialmente, questões de outras matérias.