14/01/2015 / Em: Clipping

 


Professores comentam as provas do terceiro dia da 2ª fase da Unicamp   (Folha Online – Educação – 13/01/15)

O terceiro dia de prova da 2ª fase do vestibular da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) exigiu muita atenção dos candidatos, apesar de o nível das questões não ter sido complexo. Essa foi a avaliação de professores de cursinho ouvidos pela Folha.  A exceção, na opinião do professor Edmilson Motta, coordenador do curso Etapa, foi a prova de física, que, segundo ele, “estava mais difícil que a da Fuvest este ano”.  Nesta terça, os candidatos fizeram provas de física, química e biologia.  Para o diretor pedagógico da Oficina do Estudante, Célio Tasinafo, foi o melhor dia da 2ª fase da Unicamp deste ano. “O vestibular foi crescendo, o primeiro dia muito fraco, com pouca exploração das obras literárias [na prova de português], o segundo melhor, e hoje o melhor deles”, explica Tasinafo.

Ministro da Educação quer usar Enem como avaliação do ensino médio  (Folha Online – Educação – 13/01/15)

O ministro da Educação, Cid Gomes, afirmou nesta terça-feira (13) que deseja utilizar o Enem como “parte dos indicadores” de avaliação da qualidade do ensino médio. A proposta também foi defendida pelo então ministro da pasta Aloizio Mercadante, mas sofreu resistências.  Uma das preocupações é como fazer a mudança sem prejudicar a série histórica desenvolvida até aqui. Hoje, o ensino médio público do país é avaliado de forma amostral, por meio de prova realizada a cada dois anos, a exemplo da Prova Brasil, aplicada aos alunos do ensino fundamental.  “Eu quero discutir a possibilidade de ter o Enem também como indicativo de avaliação para políticas públicas na área de educação, com foco obviamente no ensino médio”, disse Gomes em coletiva de imprensa.  A melhoria da qualidade dessa etapa do ensino é uma das prioridades da presidente Dilma Rousseff em educação.  O novo ministro pretende viajar para Estados que apresentaram bons indicadores de qualidade do ensino médio —Pernambuco foi o primeiro a ser visitado. Cid reconheceu que o “ensino público brasileiro está muito aquém do desejável”.



Com questão sobre ebola, Unicamp fecha maratona de provas da 2ª fase   (Globo.Com – G1 Vestibular – 13/01/15)

A maratona de provas da 2ª fase do vestibular da Unicamp foi encerrada nesta terça-feira (13) com questões de biologia, física e química e, segundo estudantes ouvidos pelo G1, a universidade elaborou questões relacionadas a ebola, água e cadeia alimentar. O vestibular 2015 foi a estreia do novo modelo aplicado pela instituição. Os exames continuam agora apenas para os que concorrem a vagas de cursos que exigem testes específicos, como música e artes cênicas. “Estava mais difícil que o ano passado porque na 2ª fase caiu redação”, avaliou o vestibulando Cleo Costa, de 19 anos. Aluno de matemática na Unicamp, agora ele tenta uma vaga em estatística. O estudante classificou a maratona de “cansativa” e disse que a universidade elaborou questões sobre aceleração, velocidade média, entre outros assuntos em física.

‘Clima de férias’ marca último dia de provas do vestibular da Unicamp  (Globo.Com – G1 Vestibular – 13/01/15)

“clima de férias” marcou a chegada de parte dos candidatos no terceiro e último dia de provas do vestibular 2015 da Unicamp, em um dos locais de aplicação do exame em Campinas (SP), no bairro Swift, nesta terça-feira (13). Os vestibulandos têm quatro horas para as provas de física, química e biologia. São disputadas 3.320 vagas em 70 cursos de graduação. O alívio pelo fim da maratona de exames era também devido ao calor durante a espera pela abertura dos portões. Ao meio dia, hora da abertura dos portões, a temperatura era de 31ºC, segundo o Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Unicamp. Na segunda-feira, a máxima na cidade foi de 34,8ºC, às 16h, horário em que os estudantes começaram a deixar os locais de testes.

Unicamp registra abstenção de 12,3% no último dia da 2ª fase do vestibular   (Globo.Com – G1 Vestibular – 13/01/15)

A Unicamp registrou abstenção de 12,3% no último dia de provas da segunda fase do vestibular de 2015. Segundo a Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest), dos 15.444 aprovados para a segunda fase, 1.904 candidatos deixaram de fazer as provas de física, química e biologia nesta terça-feira (13). O percentual é menor que o do ano passado, quando o índice foi de 13%. Em Campinas, a abstenção foi de 11,1% e em São Paulo, 12,7%, segundo a Comvest.

Alunos de escolas federais têm as maiores médias nas provas do Enem   (Globo.Com – G1 Vestibular – 13/01/15)

O desempenho dos alunos do terceiro ano do ensino médio das escolas federais no Exame Nacional do Ensino Médio foi superior ao de outras redes de ensino, inclusive das escola particulares. As médias da rede federal foram as maiores nas cinco provas do Enem: ciências humanas (610,2 pontos), ciências da natureza (557,5), linguagens (563,2), matemática (589,6) e redação (618,7).



Unicamp 2015: último dia tem prova de física difícil e questão sobre ebola   (Uol – Vestibular – 13/01/15)

Os candidatos a uma vaga na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) realizaram nesta terça-feira (13) as últimas provas da segunda fase do vestibular 2015. Para os professores de cursinhos pré-vestibulares ouvidos pelo UOL, a prova de física foi a mais difícil, seguida pela de química, e depois biologia, com perguntas mais simples e diretas. “Física foi uma prova mais contextualizada, que abrange todos os tópicos clássicos e foi mais difícil do que a Fuvest deste ano,” afirma Edmilson Motta, coordenador Etapa. Ele diz que química exigiu dos candidatos uma leitura atenta dos enunciados para saber como aplicar o conceito. “Biologia foi mais simples, com perguntas diretas.  

Só 10,6% conseguem certificado de ensino médio no Enem 2014   (Uol – Vestibular – 13/01/15)

Na edição de 2014 do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), 997.131 estudantes se inscreveram para a prova de certificação do ensino médio, mas apenas 631.071 compareceram à prova, em novembro, com redução de 366.060 candidatos, equivalentes a 36,7% do total. Dos que fizeram a prova, só 67.254 candidatos (10,6%) atingiram os requisitos mínimos. A certificação do ensino médio pode ser solicitada pelos inscritos que tenham completado 18 anos. Para obtê-la, é preciso alcançar 450 pontos em cada uma das áreas do conhecimento avaliadas e 500 pontos na redação. O presidente do Inep (Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), Francisco Soares, explica que a certificação pelo Enem é uma das formas para aqueles que já passaram da idade escolar.



Novo formato de vestibular é aprovado    (Correio Popular – Cidades – 14/01/15)

A segunda fase do Vestibular 2015 da Universidade Estadual de Campinas foi encerrada ontem com as provas de química, física e biologia, realizada por 13.540 candidatos. O formato inédito, com 90 questões de múltipla escolha na primeira fase e redação apenas na segunda fase, foi aprovado pelos participantes e professores de cursinhos. Alguns pontos, entretanto, como a repetição de gêneros na prova de redação, não deixaram de ser criticados. As respostas esperadas das provas da segunda fase serão divulgadas na internet a partir de hoje. Candidato ao curso de educação física, João Vítor Mazutti, de 17 anos, considerou o terceiro e último dia da segunda fase equilibrado. “Física estava muito complicada. Química me surpreendeu, porque achei a primeira fase mais difícil do que a segunda”, afirmou. Já Lucas Saraiva Barros de Oliveira achou toda a prova fácil. “Durante esse ano me dediquei bastante e hoje vim colocar em prática o resultado do meu esforço. Achei a prova muito fácil”, disse. Formado em farmácia, pela Universidade de São Paulo, Willian de Azevedo Alves, de 53 anos, é professor de inglês e prestou Unicamp para linguística. Ele conta que iniciou o curso em 2013, mas desistiu após a greve. “Acho a Unicamp excelente, mas na ocasião houve redução da carga horária.



Enem 2014: apenas 250 pessoas tiveram nota máxima na redação   (Veja – Educação – 13/01/15)

Apenas 250 pessoas dos cerca de 6,2 milhões de participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2014 obtiveram nota máxima, ou seja, 1.000 pontos, na prova de redação. O número representa apenas 0,004% do total de participantes do exame. O dado foi divulgado nesta terça-feira pelo Ministério da Educação (MEC), em coletiva de imprensa. Ainda segundo a pasta, 35.719 participantes tiveram conceitos entre 901 e 999. Na última avaliação, 529.374 inscritos tiveram nota zero na redação. Quando avaliadas as notas de redação dos estudantes concluintes do ensino médio, é possível notar que os resultados pioraram em comparação com o exame de 2013. As notas médias foram 9,7% mais baixas do que em 2013 — 521,2 para 470,8. No Enem 2014, 3.235.715 pessoas declararam ser egressas do ensino médio. Mesmo dizendo que o MEC ainda não tem uma resposta definitiva para a queda na nota média da redação, o ministro da Educação, Cid Gomes, relaciona o resultado ao tema da avaliação — em 2013, os alunos tiveram de escrever sobre a Lei Seca, enquanto que no ano passado a dissertação foi sobre publicidade infantil. “A questão da Lei Seca foi muito debatida, a mídia focou muito nisso. Já não houve muita discussão sobre o tema de 2014. Não diria que foi mais difícil, pois isso é relativo. Mas é, sem dúvida, um tema que não teve o grau de discussão nacional que teve o de 2013”, disse. ​ Conforme balanço do MEC, foram encaminhadas 2.695.949 redações para um terceiro avaliador, o que acontece quando os corretores dão notas com discrepância maior de 100 pontos na soma total ou 80 em uma ou mais competências. Desse total, 283.746 foram enviadas para uma banca especial, formada por três integrantes, para decidir sobre a nota final.