15/01/2014 / Em: Clipping

 


Física foi a prova mais difícil do dia, dizem professores sobre Unicamp   (UOL – Vestibular – 14/01/14)

Os professores de cursinhos pré-vestibulares ouvidos pelo UOL na noite desta terça-feira (14) disseram que as questões de física foram as mais difíceis do último dia da segunda fase do vestibular 2014 da Unicamp. Hoje os candidatos realizaram a prova de ciências da natureza. “A ordem das matérias  –biologia, química e, por último, física– ajudou os candidatos, que chegavam às questões de física mais tranquilos e confiantes, porque já tinham resolvido parte da prova”, afirma Edmilson Motta, coordenador-geral do Curso Etapa . Para Luis Ricardo Arruda, coordenador-geral do Anglo, a prova teve questões bem enunciadas, com boa abrangência de temas e abordagem de assuntos relevantes para cada matéria. “Eu achei física mais difícil, porque as situações eram difíceis, exigiam muita interpretação, conceito e cálculos”, diz. Em química, os professores chamaram a atenção para a questão 9, que mostra um urso “polar” se dissolvendo na água.



Prova da Unicamp está “comprometida com o passado”   (Terra – Vestibular – 14/01/14)

Os três dias da segunda fase do vestibular da Unicamp mostraram provas “comprometidas com o passado”. A avaliação é dos professores da Oficina do Estudante. Nesta terça-feira, os estudantes responderam questões de Ciências da natureza – Química, Física e Biologia. “A prova de hoje foi um pouco mais contemporânea, um pouco melhor que de ontem e anteontem”, diz Célio Tasinafo, diretor pedagógico da Oficina do Estudante, que critica as questões por serem muito tradicionais, sem interdisciplinaridade. Nesta terça-feira, contudo, ele afirma que as perguntas fizeram uma contextualização com a vida do candidato – mas uma “contextualização muito básica”. A prova da Unicamp, afirma Tasinafo, é muito tradicional, cansativa e “não aponta para novas tendências”.



Para cursinhos, último dia de provas da Unicamp foi conteudista e sem surpresas   (O Estado de S.Paulo – Educação – 14/01/14)

As provas do último dia da segunda etapa do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), feito nesta terça-feira, 14, não apresentaram surpresas aos candidatos, segundo professores dos principais cursinhos de São Paulo. A avaliação geral é de que os testes de Ciências da Natureza, aplicados neste segunda, seguiram o formato dos últimos anos e mesclaram itens de vários níveis de dificuldade. Na opinião de Luís Ricardo Arruda, coordenador do cursinho Anglo, a cobrança nas questões exigiu estudo mais aprofundado dos candidatos. “Não dá para passar na Unicamp e na Fuvest (processo seletivo da Universidade de São Paulo) sem estudar bem Física, Química e Matemática”, alerta. Para ele, os exames seguiram um modelo mais conservador e abrangente. “Também não identifiquei falhas nos enunciados”.

Segunda fase da Unicamp registra 13% de abstenção   (O Estado de S.Paulo – Educação – 14/01/14)

A segunda etapa do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) teve abstenção de 13%, taxa 0,8% abaixo da registrada no ano passado . Dos 15.761 aprovados para a fase final do processo seletivo, 2048 não foram a um ou mais dias de prova. Nesta terça-feira, 14, os candidatos fizeram o exame de Ciências da Natureza. Os vestibulandos concorrem a 3.460 vagas em 69 cursos da Unicamp e dois cursos da Faculdade Pública de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp).



Unicamp encerra 2ª fase do vestibular com prova ‘quadrada’, dizem professores   (Folha Online – Educação – 14/01/14)

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) encerrou na tarde desta terça-feira (14) a segunda fase do vestibular deste ano. Segundo professores ouvidos pela Folha, os três dias de provas deste ano foram marcados pela tradição de questões bem elaboradas, mas sem novidades e quase sem interdisciplinaridade, o que a deixou “quadrada”. A prova de hoje era composta por 24 questões e teve quatro horas de duração para abordar a matérias de biologia, química e física –conhecidas como ciências da natureza. Hoje, 13.713 candidatos fizeram a prova, uma abstenção de 13%. O diretor pedagógico do curso pré-vestibular Oficina do Estudante, Célio Tasinafo, disse que a falta de interdisciplinaridade nas questões demonstra uma resistência da Unicamp em aderir a essa modalidade. “Ciências da Natureza, por exemplo, são áreas próximas, mas hoje ficaram sem relação. A prova foi muito cansativa e rendeu para o aluno que estudou de forma convencional, dentro da ‘caixinha'”, disse. Tasinafo, porém, elogiou a falta de erros ou ambiguidades nas questões.