16/09/2008 / Em: Clipping

 


Protesto de alunos em Limeira irrita José Serra  (Terra – Vestibular – 12/09/08)

O governador de São Paulo, José Serra, se irritou ao ser criticado por estudantes que protestaram durante a inauguração do prédio do Campus 2 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em Limeira, no interior de São Paulo. Serra interrompeu o seu discurso para responder aos cerca de 50 jovens, a maioria alunos do Centro Superior de Educação Tecnológica (CESET), administrado pela Unicamp, que faziam um apitaço no local.



Peso na nota do vestibular compensa treino intenso (Folha de S.Paulo – Fovest – 16/09/08)

Na Unicamp, por exemplo, redação corresponde à metade da 1ª fase

A diferença entre ter o nome na lista de aprovados no vestibular ou não é definida, muitas vezes, pelo desempenho na redação, que tem um grande peso na nota dos principais processos seletivos. Na Unicamp, por exemplo, ela vale metade da nota da primeira fase, que tem ainda uma prova com 12 questões discursivas. Na Fuvest, a redação corresponde à metade do exame de português da segunda fase. “O vestibulando precisa dar a devida importância para a redação, como se fosse uma outra disciplina, e treinar, treinar muito”, afirma Daniela Mamede Aizenstein, professora de redação do CPV Vestibulares. “É preciso romper a inércia e escrever pelo menos uma vez por semana”, recomenda. E como, em geral, os textos exigidos são dissertações, é preciso estar afiado nos argumentos que usará para embasar a sua tese ou opinião e garantir uma boa nota. Muitos vestibulares trazem uma coletânea de textos com diferentes abordagens sobre o tema. Podem ser trechos de reportagens de jornais, revistas ou quadrinhos. O que fará a diferença será como o candidato irá interpretá-los e o que acrescentará do seu conhecimento ou posicionamento sobre o assunto. A proposta da redação deve ser sempre seguida, sob risco de ter a nota zerada. “A redação é resultado de uma reflexão com base na leitura da coletânea, que, obrigatoriamente, deve ser usada”, afirma Thaís Nicoleti de Camargo, consultora de português do Grupo Folha-UOL e autora do livro “Redação Linha a Linha”. “O vestibulando deve se posicionar sobre o tema, mas escrever de forma impessoal, ou seja, nada de usar no texto: “Na minha opinião…” ou “Eu acho…”.” O assunto pedido pode variar muito. Segundo a coordenadora de português do Etapa, Célia Passoni, os temas da Fuvest costumam ser mais abstratos, como mundo digital (o do vestibular 2008), amizade (2007) e trabalho (2006). Na Unicamp, estão mais ligados à vida prática, como saúde (2008) e agricultura (2007). Quanto mais referenciais e bagagem cultural o estudante tiver, mais interessante ficará o conteúdo da redação. “O conhecimento de mundo conta muito. É preciso estar sempre bem informado. Os editoriais são uma ótima maneira de ler um texto argumentativo e se manter atualizado”, avalia Maria Creide Cordeiro, coordenadora de língua portuguesa do colégio Dante Alighieri, na zona oeste de São Paulo. Ficar de olho no relógio enquanto treina a redação é outra recomendação dos professores para, no dia em que for para valer, conseguir fazer o texto no prazo sem problemas. “Procuro cronometrar o meu tempo. Deixo uns 15 ou 20 minutos para o rascunho e o restante para o desenvolvimento”, diz Thaiza Goda Tolai, 20, que pretende cursar direito.

Leitura e coesão do texto são analisadas (Folha de S.Paulo – Fovest – 16/09/08)

Redação é corrigida por pelo menos dois examinadores

Mais do que correção ortográfica, os vestibulares estão preocupados mesmo é em avaliar a capacidade de leitura e reflexão e a coesão do texto. “A redação serve para analisar essas competências, que as questões ou testes não conseguem”, afirma Francisco Platão Savioli, professor de português do Anglo. “O candidato deve escrever na norma culta da língua. Se o texto estiver muito bem encadeado, os pequenos problemas de gramática ou ortografia não pesarão tanto.” Na Fuvest, serão levadas em conta três características: tema e desenvolvimento, estrutura e expressão. A Unicamp exige que o candidato use de alguma maneira a coletânea de textos dada. Vale a pena consultar o site das instituições para ver exemplos de boas redações.

Correção
As provas são corrigidas sem que o examinador saiba quem é o candidato. Em geral, é feita uma cópia eletrônica do texto, que, em seguida, passa por dois examinadores. Se houver grande discrepância entre as notas, um terceiro corrige. No ano passado, a redação fez com que Bruna Danielle da Silva Dias, 18, não passasse no vestibular. Ela tenta uma vaga em engenharia química. “Eu treinava pouco e acabei indo mal. Neste ano, coloquei em primeiro plano a redação e tenho escrito bem mais. Isso vai me ajudar, inclusive, na hora de responder as questões discursivas.” Camila Mucheroni Vidiri, 21, que concorre a uma vaga em medicina, concorda: “Em carreiras muito concorridas, a redação faz toda a diferença, porque os candidatos mais bem preparados vão bem em todas as disciplinas”.

UNICAMP APROVA CURSO EM LIMEIRA  (Folha de S.Paulo _ Fovest – 16/09/08)

A Unicamp anunciou a criação da licenciatura em ciências da natureza. Esta graduação faz parte do pacote de cinco cursos que serão oferecidos no novo campus de Limeira e que ainda não têm data de início.