16/11/2009 / Em: Clipping

 


Coletânea mais curta ajudou na redação da Unicamp 2010; prova teve nível médio   (UOL – Vestibular  – 15/11/09)

A coletânea de textos mais enxuta foi um elemento que ajudou os vestibulandos a elaborarem a redação da primeira fase do vestibular 2010 da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), disseram especialistas de cursinhos ouvidos pelo UOL Vestibular. A prova, realizada neste domingo (15), cobrou a elaboração de um texto e 12 perguntas discursivas sob a temática de “gerações”.

Unicamp 2010: “Conflito de gerações” foi tema da prova; vestibulandos se dividem sobre dificuldade  (UOL – Vestibular – 15/11/09)

A prova da primeira fase da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) tratou sobre “conflito de gerações”. O tema dividiu as opiniões dos estudantes ouvidos pelo UOL Vestibular neste domingo (15).  Para Natália Palharini, que presta gestao empresarial, “quem estudou caprichou”. Mas, como a jovem passou por processo de depressão neste ano, ela imagina que não tenha se saído tão bem assim no exame. Ela foi a primeira candidata a deixar o local de prova na rua Apeninos, em São Paulo. “Foi uma prova interpretativa, como sempre”, disse Natália. “O nível [de dificuldade] estava empatado com o ano passado. Até que deu pra sair leve”, contou a jovem que optou por fazer uma dissertação. O vestibulando de artes cênicas, Vinícius Miller dos Santos, 18, saiu da prova “tenso”. Ele explica: “Achei muito difícil porque é tudo dissertativo”.

Unicamp 2010: com bebê no colo, candidata chega um minuto atrasada e não consegue entrar  (UOL – Vestibular – 15/11/09)

Graicy Vital, 17, chegou com seu filho Enzo, de 14 dias, apenas um minuto após o fechamento dos portões para a primeira fase da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) neste domingo (15).  Sua mãe, a advogada Vera Vital, 45, ainda tentou conversar com a organização. Mas sem sucesso. “Foi um minuto só, ela está com o bebê no colo e não podia correr”, dizia a mãe tentando negociar com a organização pelo interfone do prédio da Unip na rua Apeninos, zona sul da capital. “Sou mãe e fazer vestibular seria esssencial. Preciso de uma profissão”, disse, aos prantos, a candidata a uma vaga de medicina. Ela ainda pretende concorrer no processo seletivo da Fuvest, que organiza o vestibular da USP (Universidade de São Paulo), no próximo domingo (22). Graicy conta que, apesar da gravidez e do nascimento do filho, teve um ano carregado de estudos. “Fiz o terceiro colegial junto com o cursinho; repunha aulas de sábado por causa da gripe suína e fazia simulados nos domingos”, disse. A jovem veio de carro do Tucuruvi juntamente com a mãe e o bebê.

Unicamp 2010 divulga provas da primeira fase; 2.955 candidatos faltaram   (UOL – Vestibular – 15/11/09)

Segundo a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), 2.955 candidatos não compareceram à prova da primeira fase neste domingo (15). Isso representa 5,33% dos 55.484 inscritos. A prova da primeira fase, composta por 12 questões dissertativas mais redação, é obrigatória para todos os candidatos.  A prova da primeira fase da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) tratou sobre “gerações”. O tema dividiu as opiniões dos estudantes. Para Natália Palharini, que presta gestao empresarial, “quem estudou caprichou”. Mas, como a jovem passou por processo de depressão neste ano, ela imagina que não tenha se saído tão bem assim no exame. Ela foi a primeira candidata a deixar o local de prova na rua Apeninos, em São Paulo. O vestibulando de artes cênicas, Vinícius Miller dos Santos, 18, saiu da prova “tenso”. Ele explica:

Confira a resolução comentada da 1ª fase do vestibular 2010 da Unicamp   (UOL – Vestibular – 15/11/09) 

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) realizou neste domingo (15), a primeira fase de seu vestibular 2010. O UOL Vestibular traz a correção do exame, elaborada por professores do curso e colégio Objetivo. Segundo a universidade, 2.955 candidatos não fizeram a avaliação. Isso representa 5,33% dos 55.484 inscritos. A prova da primeira fase, composta por 12 questões dissertativas mais redação, é obrigatória para todos os candidatos. A prova da primeira fase da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) tratou sobre “conflito de gerações”. O tema dividiu as opiniões dos estudantes. Para Natália Palharini, que presta gestao empresarial, “quem estudou caprichou”. Mas, como a jovem passou por processo de depressão neste ano, ela imagina que não tenha se saído tão bem assim no exame.



Candidatos: prova da Unicamp exigiu muita interpretação textual  (Terra – Vestibular – 15/11/09)

Grande parte dos candidatos que participaram neste domingo da primeira fase do vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) consideraram que a prova exigiu muita interpretação de texto. Adolfo de Lima Fernandes, 17 anos, que presta o exame para Engenharia Civil, disse ter ido mal na prova de exatas e melhor na de humanas. “A prova estava tranquila, mas eu não me dei bem em alguns pontos”, analisou. Segundo ele, o tema Gerações, da redação, foi bem escolhido pela organização do processo seletivo. “Teve bastante interpretação de texto”, afirmou. Para Guilherme Vieira, 17, que participa pela segunda vez do vestibular da Unicamp, a prova foi “bem básica”. “Foi exigido muita interpretação de texto. Tivemos que prestar muita atenção e ler bem os enunciados”, considerou. Na sua opinião, “a proposta de redação foi bem limitada e não dava a chance de ampliar as idéias”.

Forte calor marca a primeira fase do vestibular Unicamp   (Terra – Vestibular – 15/11/09)

Forte calor e céu nublado marcaram o início da primeira fase do vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Com o fechamento dos portões às 14h deste domingo, foi dada a largada no mais concorrido vestibular da história da universidade, com 55.475 – número recorde e 12,5% superior ao de 2008. Os candidatos ao curso de economia Guilherme Burgon e Guilherme Garrido, ambos com 17 anos, chegaram três minutos atrasados e foram impedidos de entrar. “Eu cheguei aqui às 13 horas e pensei que o acesso ao portão era lá fora”, disse Burgon, apontando em direção à guarita que fica a menos de 100 metros do prédio do Ciclo Básico ll, dentro do campus da Unicamp. “Acho que faltou informar que o fechamento do local de prova era da rampa de acesso”, lamentou Garrido, que também irá prestar Fuvest.



Quase três mil candidatos não comparecem à prova da Unicamp  (IG – Educação – 15/11/09)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) divulgou o número de candidatos que não comparecerem ao vestibular 2010 da universidade, aplicado neste domingo. Do 55.484 estudantes inscritos, 2.955 não prestaram à prova, o que representa 5,33% do total. Segundo a Comvest, fundação responsável pelo vestibular da Unicamp, a cidade com maior número de ausentes foi o Rio de Janeiro, com 11,93%, seguida de Salvador, com 11,17%, e Curitiba, com 9,84%. Em Campinas, 6,40% dos candidatos inscritos não comparecerem e, em São Paulo, 4,48%. A lista de candidatos aprovados para a segunda fase do vestibular da Unicamp será divulgada no dia 16 de dezembro deste anos. As provas da segunda fase ocorrem de 10 a 13 de janeiro de 2010.



‘Prova da Unicamp foi mais fácil do que eu esperava’, diz vestibulanda  (Globo.Com – G1 Vestibular – 15/11/09)

A vestibulanda Natália Jardim, que disputa uma vaga no curso de história na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), disse que a prova deste domingo (15) “foi mais fácil do que eu esperava”. Ela gostou da prova e do tema, “Gerações”: “achei diferente de qualquer outra prova que já fiz”. Rodrigo Quintella Messina, 18 anos, candidato a uma vaga no curso de engenharia civil, também considerou a prova fácil. “Não estava tão difícil quanto achei. As questões exigiam mais lógica e interpretação de texto do que conteúdo”, afirma ele, que terminou o ensino médio neste ano. A única reclamação de Natália com relação à prova da Unicamp diz respeito ao tempo: segundo ela, foi pouco. “Muitos da sala não tinham terminado quando a monitora anunciou o fim da prova”, disse ela. Para Rodrigo, não faltou tempo, mas ele diz que usou todo o período de prova para resolver as questões. “O tempo deu em cima”, diz.  Chamou a atenção de Natália a questão de matemática com um gráfico sobre a população brasileira.



Vestibular da Unicamp teve prova ”tranquila”  ( O Estado de S.Paulo – Vida& – 16/11/09)

O exame da primeira fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), realizado ontem, não trouxe grandes surpresas nas questões, segundo professores ouvidos pelo Estado. “A prova foi tranquila de um modo geral, nenhuma questão fugiu dos conhecimentos básicos”, disse Miguel Castro, diretor editorial do cursinho COC. Professores do Anglo disseram que o nível de dificuldade das questões foi adequado. O coordenador Luis Andrade só lamentou o fato de haver apenas duas questões por matéria, insuficientes para abranger todo o conteúdo estudado. Nesta primeira fase, os vestibulandos responderam 12 questões dissertativas de Ciências Biológicas, Física, Geografia, História, Matemática e Química, mais uma redação, cujo tema foi o conflito de gerações. “É um tema exigente, inteligente e de grande importância para os candidatos”, elogiou o coordenador de redação do curso Objetivo, Francisco Achcar. Dos 55.484 inscritos no vestibular, quase 3 mil (5,33%) não fizeram a prova. O índice de abstenção foi um pouco maior do que o da primeira fase do ano passado, de 4,57%. A prova foi aplicada em 24 cidades.

Unicamp divulga prova da primeira fase; confira as questões  (O Estado de S.Paulo – Estadão.Edu – 15/11/09)

Dos 55.484 inscritos no vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), 2.955 (5,33%) deixaram de fazer as provas neste domingo, 15. O índice de abstenção foi pouco maior que o registrado na primeira fase, em 2009, quando 4,57% deixaram de comparecer aos locais de exames. A universidade realizou provas para 52.529 estudantes que prestaram o vestibular 2010 em 24 cidades brasileiras neste domingo, 15. O índice de abstenção foi considerado aceitável pela Comvest, mesmo em casos como o Rio e Salvador, em que a ausência chegou a 11,93% e 11,17%. “O peso nas capitais é maior porque é muito comum o candidato prestar mais de um vestibular”, afirmou o coordenador executivo da Comissão Permanente para o Vestibular (Comvest), professor Renato Pedrosa. A Unicamp foi flexível em um aspecto: ao aceitar que alunos que não levaram as duas fotos 3×4 recentes e datadas exigidas para a primeira fase do vestibular fizessem a prova. A universidade não divulgou quantas pessoas deixaram de apresentar o documento por não ter o número neste domingo. “A gente esperava candidato sem foto, ou com foto sem data, ou foto com data errada.

Estudante com filho de 14 dias chega atrasada e perde a prova   (O Estado de S.Paulo – Estadão.Edu. – 15/11/09)

Eram 15h46 quando Graicy Vital, de 17 anos, deu de cara com o portão fechado. O atraso de um minuto impediu que a jovem fizesse o vestibular ontem no Cambuci, centro de São Paulo.  Graicy levava nos braços o filho Enzo, de apenas 14 dias. Ela foi para o local com a mãe, Vera, que ficaria com a criança durante a prova. Saíram do Tucuruvi às 12h40, mas não foi suficiente. Aos prantos, Graicy implorou aos fiscais para entrar no prédio. “Já sou mãe, fazer um vestibular é essencial para eu ter uma profissão”, desabafou, aos prantos. Ela faria prova para Medicina. Vera e os pais de outros vestibulandos também insistiram, mas não houve solução. “Quem sabe Deus está me preparando para a Fuvest”, disse ela, confiando que o “ano difícil” terminará bem. A história chegou à coordenação da Unicamp. Em coletiva em Campinas, o coordenador da Comvest, Renato Pedrosa, disse que o horário é rígido. Por causa do filho, segundo ele, Graicy poderia ter solicitado condições especiais para fazer a prova.“Já tivemos grávidas prestes a ter nenê. Tem gente com dislexia, deficiência visual e outras situações especiais, e temos como acomodar, se houver solicitação. Mas não foi o caso. O problema não foi o nenê. Ela chegou atrasada”. Duas pessoas fizeram a prova em hospitais, em Belo Horizonte e Campinas – uma delas isolada por gripe suína. A rigidez no horário foi implacável. A entrada do candidato foi permitida, como anunciado previamente, até as 13h45 e nenhum minuto a mais.

Professores elogiam exame da Unicamp e dizem que ele não trouxe surpresas  (O Estado de S.Paulo – Estadão.Edu – 15/11/09)

Professores de cursinhos consideraram bem elaborado o vestibular da Unicamp, cujo tema geral foi “Gerações”, e dizem que ele não surpreendeu alunos razoavelmente preparados.Segundo eles, enunciados precisos exigiam dos candidatos capacidade de interpretação, conhecimento do tema e uma boa redação. “A prova foi tranquila de um modo geral, nenhuma questão fugiu dos conhecimentos básicos exigidos na primeira fase”, afirma Miguel Castro, diretor editorial do Cursinho COC. Para ele, candidatos a uma vaga no curso de Medicina, que tem a maior concorrência desse vestibular, precisam ter acertado, no mínimo,70% das questões. Na primeira fase, os vestibulandos tiveram de responder neste domingo a 12 questões dissertativas de ciências biológicas, física, geografia, história, matemática e química, e fazer uma redação. Entre os professores do Anglo, a opinião unânime foi de que o vestibular teve questões de nível adequado. “Um detalhe dessa prova é que o aluno não deve ter só conhecimento do assunto, mas também é importante saber elaborar uma resposta bem escrita”, avalia o coordenador Luis Ricardo Arruda de Andrade. Segundo ele, a única falha estrutural da prova é que são apenas duas questões por matéria.  “A Unicamp tem uma primeira fase que não é dificil. As perguntas de biologia e história foram clássicas. Geografia cobrou aspectos fundamentais de demografia e desenvolvimento sustetável, que os alunos tinham que saber. Já as de química e física devem decidir os cursos mais concorridos”, comenta o professor Edmilson Mota, do Etapa. No Cursinho da Poli o que mais chamou a atenção foi uma das questões de história que abordava o coflito de gerações entre d. Pedro I e d. Pedro II. “Foi bem inteligente”, avalia a coordenadora Alessandra Venture, que caracterizou o tema da redação, “Conflito de Gerações” como atual e interessante. “O assunto começou no Enem do ano passado, que falou sobre idosos. Então o aluno bem antenado não sentiu grandes dificuldades”, diz Alessandra. 

Após se confundirem, candidatos são barrados nas salas de provas da Unicamp  (O Estado de S.Paulo – Estadão.Edu – 15/11/09)

Os estudantes Guilherme Burgon e Guilherme Garrido, ambos de 17 anos, vão ter de esperar mais um ano se quiserem tentar vaga na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).  Por uma confusão, chegaram três minutos após o fechamento do Ciclo Básico, onde está sendo realizada parte das provas do vestibular 2010 da Unicamp neste domingo, 15. “Não é possível! Chegamos aqui (no campus) antes da uma (13h) e estávamos esperando dar 13h45 para subir”, afirmou Burgon, que prestou vestibular como treineiro em 2008. Este ano ele tentaria uma vaga no curso de economia. Mesmo tendo feito a prova no ano passado, o estudante alegou que ele e o amigo acharam que ao informar que os portões seriam fechados às 13h45, a Universidade referiu-se aos portões do campus e não aos acessos às salas.  Às 13h36, integrantes da Comissão Permanente Para o Vestibular (Comvest) cercaram o pátio do Ciclo Básico da Unicamp com fita zebrada para impedir a passagem dos candidatos atrasados. Até as 13h45, ao menos seis estudantes passaram correndo pelo isolamento e conseguiram chegar a tempo de fazer as provas.  A estudante Daniana Motta, de 17 anos, chegou em cima da hora, mas disse estar tranquila para o exame com 12 questões dissertativas e uma redação.



Começa o mais disputado vestibular da Unicamp  (Correio Popular – Cidades – 15/11/09)

Começa hoje a primeira fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Com 55.475 candidatos para 3.444 vagas, essa será a prova mais concorrida da história do exame. A principal preocupação dos estudantes deve ser com a chegada no horário ao local de prova, até as 13h45, com todo o material necessário, incluindo duas fotos 3×4 deste ano, datadas e coloridas. A prova começa às 14h, mas a Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) pede que os candidatos cheguem às 13h, 45 minutos antes do fechamento dos portões. “Os estudantes têm de lembrar que vai ter trânsito, então precisam sair cedo de casa”, disse o coordenador do cursinho Oficina do Estudante, Célio Ricardo Tasinafo. Em Campinas, o exame será realizado em nove locais. A prova da primeira fase tem uma redação e 12 questões gerais de natureza discursiva: ciências biológicas, física, geografia, história, matemática e química. O tempo de prova é de quatro horas e o tempo mínimo de permanência nas salas, de duas horas e 30 minutos. A lista dos candidatos que passaram para a segunda fase será divulgada em 16 de dezembro. Nascida em Teófilo Otoni, em Minas Gerais, Larissa Camargo, de 18 anos, vai prestar medicina na Unicamp. “Estou confiante. Acho que meu esforço pessoal será suficiente”, afirmou. Karen Osawa, de 18 anos, que vai prestar engenharia química, disse que também se sente preparada para o exame, mas está com medo. “Estou muito ansiosa, agitada”, afirmou Karen, que passou dias inteiros nas últimas semanas estudando no cursinho. Moradora do Cambuí, na região Leste de Campinas, a jovem vai de carona para a Universidade Paulista (Unip) do Swift, na região Sul, onde fará a prova. “Não sei o caminho direito. Estou confiando na minha carona”, afirmou. Para evitar transtornos aos vestibulandos, a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) vai reforçar linhas de ônibus que atendem os locais de prova e agentes de trânsito farão o monitoramento das vias. O esquema prevê a circulação da linha 3.57 (PUC-Santana), que normalmente não opera aos domingos, com quatro veículos. Os ônibus sairão do Terminal Metropolitano entre as 10h30 e as 12h50, e do Campus 1 da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) entre as 16h30 e as 18h50, em intervalos de 20 minutos. Além disso, a partir das 10h30, quatro ônibus extras estarão disponíveis no Terminal Central e outros dois no Terminal Barão Geraldo para o eventual reforço da frota das linhas 3.57 e 3.51 (PUC-Primavera). Os veículos serão usados se houver necessidade. Dúvidas podem ser tiradas pelo Disque-CimCamp, no telefone (19) 3772-1517. Os estudantes devem levar à prova, além da foto 3×4 recente, datada e colorida, original do documento indicado na inscrição, lápis, caneta azul ou preta, borracha e uma pequena régua. Quem estiver sem as fotos será impedido de fazer o exame. É proibido entrar na sala com calculadora, pager, celular, relógio com calculadora, boné e corretivo líquido. É permitido entrar com água e alimentos.

SAIBA MAIS

1ª fase da Unicamp
Redação e 12 questões gerais de natureza discursiva: ciências biológicas, física, geografia, história, matemática e química

Duração
4 horas

Tempo mínimo de permanência
2 horas e 30 minutos

Horário
Os candidatos devem chegar às 13h
Os portões serão fechados às 13h45
As provas começam às 14h

Correção
O site www.cosmo.com.br terá correção das provas a partir das 18h de domingo com comentários de professores do cursinho Oficina do Estudante

Classificados para a 2ª fase
A lista será divulgada em 16 de dezembro

Tema da redação surpreende jovens no vestibular da Unicamp  (Correio Popular – Cidades – 16/11/09)

Crise financeira mundial, aquecimento global, eleição de Barack Obama nos Estados Unidos, que nada. Para surpresa dos jovens que prestaram ontem a primeira fase do Vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o tema da redação foi “geração”. A Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) foi buscar na sociedade, mais precisamente nos seus conflitos, a inspiração para o exame. “A gente ouve casos todos os dias sobre conflitos sobre gerações, e esse é um tema bastante próximo dos jovens, que vivenciam essas relações”, disse o coordenador executivo da comissão, Renato Pedrosa. “Esperava o tema da crise mundial, mas desenvolvi bem o tema proposto”, disse o estudante Helder Halferd Ferreira, de 18 anos. Dos 55.484 inscritos no vestibular, 2.955 (5,33%) deixaram de fazer as provas neste domingo. O índice de abstenção foi pouco maior que o registrado no ano passado, quando 4,57% deixaram de comparecer aos locais de exames. Porém, para a comissão, o número foi dentro da normalidade, uma vez que as provas deste ano registraram recorde no número de inscritos. A universidade aplicou provas para 52.529 estudantes em 24 cidades brasileiras. Somente na Região Metropolitana de Campinas (RMC), foram 12.230 concorrentes, a maioria em Campinas. Neste caso específico, a abstenção foi um pouco maior, de 6,03%, atrás apenas das sete capitais (Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Goiânia e Fortaleza), cuja ausência registrada foi de 7,67%. Pedrosa explicou que a Unicamp evita “grandes” temas atuais, como a crise financeira mundial, para barrar “redações prontas”. Porém, quando indagado sobre a possibilidade de avaliar por duas vezes (prática de redação e conhecimentos gerais atuais) o concorrente, o coordenador executivo deu explicações vazias. “Preferimos os temas de ordem geral para evitar aqueles dois, três temas do ano e que os alunos venham com a redação pronta”, disse. “Nós gostamos quando o aluno busca estar bem informado, mas eles podem pegar trechos de publicações de um lado e de outro, e isso entrar na redação.” Para a redação, o concorrente deveria escolher entre dissertação, carta ou narração, e optar apenas pelas coletâneas propostas na prova. “A prova não foi difícil. Ela veio com o nível normal que a Unicamp cobra. Porém, esperava que o tema da redação fosse a crise, o que não aconteceu”, disse Ferreira, que prestou vestibular para economia.  “Estou esperançoso com essa prova. Foi um exame típico, com mais leitura e interpretação. Na redação, optei pela dissertação porque o tema exigia isso”, disse o estudante Willian Leonardo Barbosa, de 18 anos, que prestou para o curso de engenharia química. “Não fiquei muito nervoso. Esta já é a segunda vez que presto o vestibular. Ano passado eu não entrei. Daí, fiz cursinho e agora acredito que dá”, disse. “Esse tema foi muito estranho, muito abrangente e pouco consistente”, disse Aline Ferreira, de 18 anos. O tema da redação também permeou a prova. Foram 12 questões dissertativas sobre as disciplinas de química, física, geografia, biologia, matemática e história. Cada questão era dividida em dois itens. O resultado deve ser publicado em 16 de dezembro. A segunda fase acontece entre os dias 10 e 13 de janeiro. As provas serão aplicadas sempre das 14h às 18h, com entrada proibida a partir das 13h45. Serão 24 questões dissertativas divididas em duas disciplinas por prova. A primeira chamada para inscrições acontece no dia 4 de fevereiro. A expectativa é de que sejam feitas dez chamadas. O curso mais concorrido, por sua vez, continua sendo o de medicina, seguido por arquitetura e urbanismo, comunicação social e midialogia, ciências biológicas e engenharia química.

Primeira etapa de provas ocorre sem confusões

Apesar do trânsito carregado no local, clima foi tranquilo entre participantes

O início da primeira fase do Vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) ocorreu dentro da normalidade, sem tumultos diante dos portões do complexo de salas da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), que recebeu vestibulandos e candidatos aos cursos de especialização. Os horários eram diferentes. A prova do Vestibular 2010 começava à 14h com fechamento do portão às 13h45 e, um pouco antes, às 13h, começava a prova de quem disputava uma vaga de especialização. Por volta das 13h15, o trânsito estava parado na Avenida Professora Ana Maria Adade, uma das principais vias de acesso aos portões 2 e 3 da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), onde também foram realizadas as provas do vestibular da Unicamp, e ao complexo do Hospital de Clínicas (HC).
Dez minutos antes do início da prova, o silêncio pairava nos dois campi. Muito calmo, de óculos escuros e segurando sua ficha de inscrição, um rapaz sentou-se diante de um dos portões onde seria aplicada às 13h a prova para as vagas de especialização. Após muita insistência dos parentes de candidatos, o jovem bateu na porta e entrou. Dois minutos depois, o portão amarelo se abriu e ele saiu correndo à procura do local correto. Sônia Augusto, de Serra Negra, aguardava no local a filha Pamela Carvalho Augusto, de 21 anos, que tentava uma vaga no curso de especialização em traumatologia. A mãe conta que elas saíram às 10h da cidade e não enfrentaram dificuldades para chegar até o local da prova. A filha entrou na sala às 12h20 e Sonia viu apenas um candidato que não conseguiu fazer a prova porque estava atrasado.
Na frente do prédio onde a filha Bárbara Rocha dos Santos, de 21 anos, prestava pela segunda vez o vestibular para o curso de medicina, estava Maria Augusta Rocha dos Santos, que deixou a zona Leste de São Paulo anteontem para ficar em Sumaré. Ontem, elas deixaram a casa da amiga às 7h e seguiram de taxi até a Unicamp. “Só vi uma pessoa atrasada”, disse a mãe da candidata.

SAIBA MAIS

O uso da foto datada e recente na ficha do candidato faz parte de um cadastro único que vai conter a foto e as digitais do candidato colhidas na primeira fase, nos quatro dias da segunda fase e na matrícula, caso o estudante passe em todas essas fases. Todos esses dados, mais as assinaturas nas respectivas datas, constarão de um só documento. O objetivo é prevenir possíveis fraudes.



Redação surpreende  (Diário do Povo – Cidade – 16/11/09)

Crise financeira mundial, aquecimento global, eleição de Barack Obama nos Estados Unidos, que nada. Para surpresa dos jovens que prestaram ontem a 1ª fase do Vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o tema da redação foi “conflito de gerações”. A Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest) foi buscar na sociedade a inspiração para o exame. “A gente ouve casos todos os dias sobre conflitos de gerações, e esse é um tema bastante próximo dos jovens, que vivenciam essas relações”, disse o coordenador executivo da comissão, Renato Pedrosa. “Esperava o tema “crise” na redação, mas desenvolvi bem o tema proposto”, disse o Helder Halferd Ferreira, de 18 anos. Dos 55.484 inscritos no vestibular, 2.955 (5,33%) deixaram de fazer as provas neste domingo. O índice de abstenção foi pouco maior que o registrado no ano passado, quando 4,57% deixaram de comparecer. Porém, para a comissão, o número foi dentro da normalidade, uma vez que as provas deste ano registraram recorde no número de inscritos. A universidade aplicou provas para 52.529 estudantes em 24 cidades brasileiras. Só na Região Metropolitana de Campinas (RMC), foram 12.230 concorrentes, a maioria em Campinas. Neste caso específico, a abstenção foi um pouco maior, de 6,03%, atrás apenas de sete capitais (Brasília, Curitiba, Rio, Belo Horizonte, Salvador, Goiânia e Fortaleza), cuja ausência foi de 7,67%. Pedrosa explicou que a Unicamp evita “grandes temas atuais” como a crise financeira mundial para não incentivar “redações prontas”. “A prova não foi difícil. Ela veio com o nível normal que a Unicamp cobra. Porém, esperava que o tema da redação fosse a crise, o que não aconteceu”, disse Ferreira, que prestou vestibular para economia. “Estou esperançoso com esta prova. Foi um exame típico, com mais leitura e interpretação. Na redação, optei pela dissertação porque o tema exigia isso”, disse o estudante Willian Leonardo Barbosa, de 18 anos, que prestou para o curso de engenharia química. “Não fiquei muito nervoso. Essa já é a segunda vez que presto o vestibular. Ano passado eu não entrei. Daí fiz cursinho e agora acredito que dá”, completou.  “Esse tema foi muito estranho, muito abrangente e pouco consistente”, disse Aline Ferreira, de 18 anos.

DISCIPLINAS. Foram 12 questões dissertativas sobre as disciplinas de Química, Física, Geografia, Biologia, Matemática e História. Cada questão era dividida em dois itens. O resultado deve ser publicado em 16 de dezembro. A 2ª fase acontece entre os dias 10 e 13 de janeiro. As provas serão aplicadas sempre das 14h às 18h, sendo a entrada proibida a partir das 13h45. Serão 24 questões dissertativas divididas em duas disciplinas por prova. A 1ª chamada para inscrições acontece no dia 4 de fevereiro. A expectativa é de que sejam feitas dez chamadas. O curso mais concorrido, por sua vez, continua sendo o de medicina, seguido por arquitetura e urbanismo, comunicação social e midialogia, ciências biológicas e engenharia química.

Na FCM, o trânsito deu trabalho

A 1ª fase do vestibular 2010 da Unicamp ocorreu dentro da normalidade, sem tumultos diante dos portões do complexo de salas da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), que recebeu vestibulandos e candidatos aos cursos de especialização. Os horários eram diferentes. A prova do vestibular 2010 começava à 14h com fechamento do portão às 13h45 e um pouco antes, às 13h começava a prova de quem disputava uma vaga de especialização. Por volta das 13h15, o trânsito estava parado na Avenida Professora Ana Maria S. Adade, uma das principais ruas de acesso aos portões 2 e 3 da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), onde também foram realizadas as provas do vestibular da universidade estadual, e ao complexo do Hospital das Clínicas na Unicamp. Dez minutos antes do início da prova, o silêncio pairava nos dois campi. Muito calmo, de óculos escuros e segurando sua ficha de inscrição, um rapaz sentou-se diante de um dos portões onde seria aplicada às 13h a prova para as vagas de especialização. Após muita insistência dos parentes de candidatos, o jovem bateu na porta e entrou. Dois minutos depois, o portão amarelo se abriu e ele saiu correndo à procura do local correto. Na frente do prédio onde a filha Bárbara Rocha dos Santos, de 21 anos, presta pela segunda vez o vestibular para o curso de medicina, Maria Augusta Rocha dos Santos deixou a Zona Leste de São Paulo anteontem para ficar em Sumaré.

SAIBA MAIS

O uso da foto datada e recente na ficha do candidato faz parte de um cadastro único que vai conter a foto e as digitais do candidato colhidas na primeira fase, nos quatro dias da segunda fase e na matrícula, caso o estudante passe em todas essas fases. Todos esses dados, mais as assinaturas nas respectivas datas, constarão de um só documento. O objetivo é se prevenir contra possíveis fraudes.



Unicamp faz maior vestibular da história  (CBN – Notícias – 16/11/09)

Cerca de 52 mil candidatos fizeram a prova

Número é o mairo em 24 anos de vestibular. O tema geral da prova foi “Gerações”. Coordenação avaliou como tranquila a primeira fase. A Unicamp não vai usar a nota do Enem no cálculo da nota.  Apesar de exigir a apresentação de fotos 3/4 no dia da prova, os candidatos que não levaram o documento puderam fazer a prova e se, aprovados vão ter que levar a prova da segunda fase.



Unicamp tem 5,33% de abstenção   (Jornal da Tarde – Cidades – 16/11/09)

A Comvest (comissão organizadora do vestibular da Unicamp) divulgou que o índice de abstenção da primeira fase do vestibular, realizada ontem, foi de 5,33%. Esse número é maior do que o registrado no ano passado, quando a ausência chegou a 4,57%. A cidade que mais registrou faltas foi o Rio de Janeiro, com 11,93% de abstenção. O menor índices de ausências aconteceu em Valinhos (3,51%), no interior de São Paulo. Os vestibulandos tiveram quatro horas e meia para concluir a prova, que apresentou 12 questões discursivas e uma redação sobre ‘conflitos de geração’.

Unicamp realiza hoje a primeira fase  (Jornal da Tarde – Cidade – 15/11/09)

Com 55.475 inscritos, a primeira fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) ocorre hoje em 24 cidades brasileiras. É o maior número de candidatos nos últimos cinco anos. A prova começa às 14 horas, mas os candidatos devem chegar às 13 horas. Os portões serão fechados às 13h45. Os alunos devem levar duas fotos 3×4, coloridas e datadas, com nome e número de inscrição no verso; documento original indicado na inscrição; lápis; caneta azul ou preta; borracha e régua. Os vestibulandos terão quatro horas para responder a 12 questões dissertativas de Biologia, Física, Geografia, História, Matemática e Química, além de escrever uma redação. A lista dos aprovados para a segunda fase será divulgada em 16 de dezembro. As provas ocorrem entre 10 e 13 de janeiro de 2010. Os inscritos concorrem a 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e 2 da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp). Medicina é o curso mais concorrido, com 89,7 candidatos por vaga. Neste ano, a Unicamp não vai utilizar a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que foi cancelado após denúncia sobre o vazamento da prova.



Pobres vão tomar universidade   (Folha Online – Educação – 16/11/09)

O escândalo da minissaia de Geisy Arruda é apenas um detalhe de um fenômeno muito maior: a entrada dos mais pobres no ensino superior brasileiro. Em breve –e breve significa mais três ou quatro anos– as classes C, D e E serão maioria nas universidades. Uma consultoria especializada em ensino superior (Hoper) informa que, de 2004 até 2008, o número de alunos da classe C cresceu 84%, e da classe D, 52%. Isso significa um batalhão de quase 680 mil pessoas. São brasileiros com mais expectativas profissionais, já que, ao entrarem na faculdade, imaginam-se com mais chance de um bom emprego. É gente que, em geral, tende a tornar-se mais crítica e ciosa de seus direitos –vejam como Geisy Arruda defendeu seus direitos. É também gente, que, em geral, tem mais garra. Não é fácil sobreviver ao ensino médio público, trabalhar à noite e estudar de dia. Aposto que está aí o nascimento, aos poucos, de uma nova elite brasileira. Sem perder o olhar crítico e a demanda por mais qualidade de ensino, os acadêmicos deveriam olhar com menos preconceitos para o ensino superior privado. Assim como é melhor um jovem concluir o ensino médio público, por pior que seja, é melhor ter quatro anos de uma escola privada no ensino superior.

Unicamp aborda tema “gerações”; professores avaliam prova positivamente  (Folha Online – Educação – 15/11/09)

Sob o tema “gerações”, a prova do vestibular da Unicamp foi considerada pelos professores de cursinhos ouvidos pela Folha Online como “adequada” à primeira fase de seleção da universidade. De acordo com os profissionais, as questões não geraram dúvidas aos vestibulandos que, se “bem preparados”, não devem ter enfrentado grandes dificuldades. A prova –aplicada na tarde deste domingo para mais de 52 mil candidatos– foi composta por uma redação e 12 questões gerais de biologia, química, física, história, geografia, matemática. Os alunos tiveram quatro horas para resolver as questões.  Para o coordenador do curso Anglo, de São Paulo, professor Luiz Ricardo Arruda de Andrade, a Unicamp conseguiu elaborar questões inteligentes a partir do tema escolhido. “É muito difícil que diferentes áreas de conhecimento explorem um tema como ‘gerações’, e eles conseguiram isso muitíssimo bem, sem gerar dúvidas aos candidatos”, afirmou. O assunto foi abordado tanto na redação, quando nas questões das demais disciplinas. Segundo o coordenador, assim como nos outros anos, o formato adotado pela Unicamp exigiu do candidato uma boa capacidade de articulação. “A prova cobra não apenas o conhecimento, mas também a capacidade de articular a resposta”, disse. Para a equipe de professores do Curso e Colégio Objetivo, a prova da Unicamp não trouxe surpresas, mas também não pode ser considerada fácil. “Não é uma prova para aventureiro, e seguiu uma tendência empregada pelo Enem [Exame Nacional do Ensino Médio]. […] Mesmo que o candidato não saiba nada, ele consegue identificar alguma coisa no enunciado da questão que o ajudará a resolver o item ‘a’. Mas o item ‘b’ é o oposto: ou você sabe ou está fora”, afirmou Daily de Matos Oliveira, professor de história do Objetivo. A lista de candidatos que passaram para a segunda fase do processo seletivo será divulgada no dia 16 de dezembro. De acordo com a Comvest, responsável pelo processo seletivo, 2.955 candidatos faltaram, o que representa 5,33% do total de inscritos. A prova foi realizada em 24 cidades do país.

Com recorde de inscritos, Unicamp realiza 1ª fase hoje (Folha de S.Paulo – Cotidiano – 15/11/09)

Hoje, às 14h, 51.213 candidatos fazem a primeira fase do vestibular da Unicamp. O número de inscritos é recorde e 11,5% mais alto do que o registrado no ano passado, desconsiderando-se os candidatos à medicina e enfermagem na Famerp (Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto), que também escolhe seus alunos pelo processo seletivo da Comvest (que organiza a prova da Unicamp). Diferentemente de USP e Unesp, que anunciaram mudanças significativas, a Unicamp foi a única estadual de São Paulo que não alterou o formato do vestibular deste ano. Os candidatos, portanto, encaram hoje 12 questões discursivas (sendo duas de cada uma das seguintes disciplinas: matemática, física, química, biologia, história e geografia), além da redação. Cada questão tem dois itens, a e b.
A prova é tradicionalmente temática, o que quer dizer que tanto as questões quanto a redação serão pedidas a partir de um tema apresentado no início da prova. Na redação, é possível escolher entre uma narrativa, uma dissertação ou uma carta. Os candidatos que ainda não conferiram o local da prova podem checar o endereço pelo www.comvest.unicamp.br. A coordenação do vestibular alerta que todos os candidatos deverão levar duas fotos 3×4 coloridas e datadas com o ano de 2009 (veja quadro). Sem apresentá-las hoje, não será possível fazer a prova.

Unicamp libera prova para candidato que esqueceu fotografia (Folha de S.Paulo – Cotidiano – 16/11/09)

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) permitiu que os vestibulandos que se esqueceram de levar duas fotografias 3 x 4 pudessem fazer a prova da primeira fase, ontem à tarde. Na tentativa de evitar fraudes no vestibular, a universidade passou a exigir pela primeira vez este ano que os candidatos levassem fotos datadas. A coordenação do vestibular afirmou, no entanto, que vai barrar os estudantes que se esquecerem das fotografias no primeiro dia de prova da segunda fase, marcada para os dias 10, 11, 12 e 13 de janeiro. “Já esperávamos candidatos sem fotos ou com fotos sem data. Por isso, resolvemos dar uma chance. Mas os esquecidos assinaram um documento no qual se comprometeram a trazer as fotos na segunda fase”, disse o coordenador-executivo do vestibular, Renato Pedrosa. A Unicamp divulga a lista dos candidatos que passaram para a segunda fase no dia 16 de dezembro. Ao todo, 55.475 candidatos disputam 3.444 vagas. De acordo com a Comvest, responsável pelo processo seletivo, 2.955 candidatos faltaram (5,33% do total de inscritos).

Gerações

Professores ouvidos pela Folha afirmaram que a prova foi bem elaborada e não teve problemas. As questões giraram em torno do tema “gerações”. “Química cobrou conhecimento de reações que ocorrem em produtos que escurecem o cabelo. Física falou da perda de audição com o avanço da idade. A prova abordou o tema sugerido com questões relevantes”, disse Luis Ricardo Arruda de Andrade, coordenador do Anglo Vestibulares. Eduardo Figueiredo, professor do Objetivo, ressaltou a semelhança da prova com o Enem. “Cada vez mais, as universidades buscam ligar as questões à vida cotidiana.” Na opinião de Alessandra Venturi, do Cursinho da Poli, a Unicamp fez uma prova inteligente. Ela citou uma questão de história que pedia uma comparação entre dom Pedro 1º e dom Pedro 2º. “Exigiu habilidade de argumentação.” Na redação, o candidato podia optar entre dissertação, narração e carta.



Unicamp faz prova para 52 mil inscritos  (Jornal Agora – Dicas – 16/11/09)

A primeira fase do processo seletivo da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) aconteceu ontem em 24 cidades do país. Ao todo, 2.955 candidatos faltaram ao exame, o que totalizou 5,3% dos 55.484 inscritos. O vestibular, que seleciona os candidatos para as 3.444 vagas oferecidas, foi composto de uma redação e 12 questões, divididas em biologia, química, física, história, geografia e matemática, com o tema “Gerações”.



Unicamp tem abstenção de 6,29% em Sorocaba  (Jornal Cruzeiro do Sul – Educação – 16/11/09)

Dos 55.484 inscritos no vestibular 2010 da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), 2.955 (5,33%) deixaram de fazer as provas ontem. O índice de abstenção foi pouco maior que o registrado na primeira fase de janeiro 2009, quando 4,57% deixaram de comparecer aos locais de exames. Em Sorocaba, foram 144 ausentes (6,29%), de um total de 1.813 inscritos, pouco mais de 2% que na primeira fase. A Universidade de Sorocaba (Uniso) realizou as provas na cidade. O índice de abstenção foi considerado aceitável, mesmo em casos como o Rio e Salvador, em que a ausência chegou a 11,93% e 11,17%. “O peso nas capitais é maior porque é muito comum o candidato prestar mais de um vestibular”, afirmou o coordenador executivo da Comissão Permanente para o Vestibular (Comvest), professor Renato Pedrosa. A rigidez no horário foi implacável. A entrada do candidato foi permitida, como anunciado previamente, até as 13h45 e nenhum minuto a mais.



Prova da Unicamp foi ‘tranquila’, dizem professores  (Diário do Grande ABC – Nacional – 16/11/09)

O exame da primeira fase do vestibular da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), realizado domingo, não trouxe grandes surpresas nas questões, segundo professores. “A prova foi tranquila de um modo geral, nenhuma questão fugiu dos conhecimentos básicos”, disse Miguel Castro, diretor editorial do cursinho COC.
Professores do Anglo disseram que o nível de dificuldade das questões foi adequado. O coordenador Luis Andrade só lamentou o fato de haver apenas duas questões por matéria, insuficientes para abranger todo o conteúdo estudado. Nesta primeira fase, os vestibulandos responderam 12 questões dissertativas de Ciências Biológicas, Física, Geografia, História, Matemática e Química, mais uma redação, cujo tema foi o conflito de gerações.



Prova da Unicamp foi ‘tranquila’, dizem professores  (Diárioweb – Educação – 16/22/09)

O exame da primeira fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), realizado ontem, não trouxe grandes surpresas nas questões, segundo professores. “A prova foi tranquila de um modo geral, nenhuma questão fugiu dos conhecimentos básicos”, disse Miguel Castro, diretor editorial do cursinho COC.
Professores do Anglo disseram que o nível de dificuldade das questões foi adequado. O coordenador Luis Andrade só lamentou o fato de haver apenas duas questões por matéria, insuficientes para abranger todo o conteúdo estudado. Nesta primeira fase, os vestibulandos responderam 12 questões dissertativas de Ciências Biológicas, Física, Geografia, História, Matemática e Química, mais uma redação, cujo tema foi o conflito de gerações.