18/01/2017 / Em: Clipping

 


Unicamp faz prova equilibrada e com nível médio de dificuldade, diz docente (Folha de São Paulo – Educação – 17/01/2017)

A Unicamp encerrou nesta terça-feira (17) a maratona de provas da segunda fase do vestibular 2017. Para professores de cursinhos ouvidos pela Folha, os candidatos encontraram uma prova equilibrada nos três dias, com nível médio de dificuldade. “O aluno bem preparado conseguiu fazer”, diz Daniel Perry, coordenador do Anglo.

As provas foram aplicadas em dezoito cidades e tiveram a menor abstenções dos últimos seis anos. Segundo a Comvest, responsável pelo vestibular, as ausências começaram em 10%, no domingo (15), e chegaram a 11,2% nesta terça. No ano passado, ela chegou a 15% no terceiro dia.



Último dia da 2ª fase da Unicamp tem provas de química e física difíceis e contextualizadas (Estadão – Educação – 17/01/2017)

Nesta quarta-feira, 18, Unicamp publica as respostas esperadas em cada uma das provas da 2ª fase do vestibular

O último dia da 2ª fase do vestibular da Unicamp trouxe provas contextualizadas com assuntos atuais e exigente em Química e Física, segundo professores de cursinho. Os 13.672 candidatos também fizeram a prova de Biologia nesta terça-feira, 17.

As questões de Química e Física cobraram conteúdos clássicos dos vestibulares, mas com uma abordagem contextualizada. “Em Física, por exemplo, a prova cobrou assuntos fundamentais do ensino médio, sem exigir conhecimento específico ou encontrado em notas de rodapé. Muitas questões abordaram novas tecnologias e a mais difícil foi a que abordou física moderna e eletrostática”, disse Daniel Perry, coordenador do Anglo.

Para Marcelo Dias, coordenador do Etapa, a prova de Química trouxe temas cotidianos, como lixo e meio ambiente. “As questões traziam um contexto para cobrar conceitos do aluno. Esse é um tipo de prova mais moderna e que a Unicamp vem consolidando de forma muito bem feita”, disse.



Unicamp reduz abstenção; prova cita Mariana (MG) (Correio Popular – Vestibular – 17/01/2017)

Com provas de biologia, física e química, terminou nesta terça-feira a segunda fase do Vestibular Unicamp 2017, com a presença de 13.672 candidatos. A Comissão Permanente para Vestibulares (Comvest) registrou nesta terça-feira abstenção de 11,2%, encerrando a segunda fase com índice bem abaixo dos 15,6% verificados no ano passado. É o menor índice de abstenção dos últimos seis anos na segunda fase. A menor abstenção, como nos dois dias anteriores, foi registrada em Campinas: 8,3%, contra 11,4% no ano passado. No Estado, a abstenção fechou em 11,5%, contra 16,7% em 2016.

A exemplo dos dois primeiros dias, as provas desta terça mantiveram o padrão de excelência da Unicamp, de acordo com a professora Saray Azenha, diretora pedagógica da Oficina do Estudante. “Não teve nível fácil em nenhuma das provas desta segunda fase, mas sim alunos bem preparados. Nos três dias as provas foram conectadas com a realidade, sem pegadinhas e com foco no conteúdo”, afirma.



2ª fase da Unicamp tem provas de química e física difíceis e contextualizadas (UOL – Notícias – 17/01/2017)

São Paulo – O último dia da 2ª fase do vestibular da Unicamp trouxe provas contextualizadas com assuntos atuais e exigente em Química e Física, segundo professores de cursinho. Os 13.672 candidatos também fizeram a prova de Biologia nesta terça-feira, 17.

As questões de Química e Física cobraram conteúdos clássicos dos vestibulares, mas com uma abordagem contextualizada. “Em Física, por exemplo, a prova cobrou assuntos fundamentais do ensino médio, sem exigir conhecimento específico ou encontrado em notas de rodapé. Muitas questões abordaram novas tecnologias e a mais difícil foi a que abordou física moderna e eletrostática”, disse Daniel Perry, coordenador do Anglo.

Para Marcelo Dias, coordenador do Etapa, a prova de Química trouxe temas cotidianos, como lixo e meio ambiente. “As questões traziam um contexto para cobrar conceitos do aluno. Esse é um tipo de prova mais moderna e que a Unicamp vem consolidando de forma muito bem feita”, disse.



Para cursinhos, 2ª fase da Unicamp uniu conteúdo tradicional e atualidade (G1 – Campinas e Região – 17/01/2017)

Estudantes disputam 3.330 vagas distribuídas em 70 cursos de graduação.
Abstenção foi a menor dos últimos 6 anos, segundo comissão organizadora.

Nesta terça-feira (17), os candidatos participaram do último dia de provas da segunda fase do vestibular 2017 da Unicamp. Eles disputam 3.330 vagas distribuídas em 70 cursos de graduação. Para os cursinhos, este ano o vestibular uniu atualidade com conteúdos tradicionais do ensino médio.

“A prova foi moderna, mas não abandona os conteúdos tradicionais […] mas cobrava um bom nível de conhecimento”, afirma Saray Azenha, diretora pedagógica da Oficina do Estudante.

O diretor do Anglo, Paulo Moraes, também concorda que a prova foi atual sem descuidar do conteúdo clássico. “Uma prova atual. Essa prova vai valorizar realmente o bom aluno, o aluno antenado. Não teve pegadinhas. […] Tinha que saber a matéria, saber o conceito”, destaca.

Alunos do Estado poderão usar nota do Enem para aprovação na escola (G1 – Pará – 17/01/2017)

Resolução diz que escolas a aprovarem alunos com 450 pontos no Enem.
Resultado do Enem será divulgado nesta quarta-feira, 18.

O Conselho Estadual de Educação estendeu para o ano de 2017 a resolução que autoriza as escolas estaduais a aprovarem os alunos do terceiro ano do ensino médio que tiverem nota mínima de 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A decisão foi tomada a pedido da Secretaria de Estado de Educação (Seduc). A medida é válida para quem não tiver cursado componente curricular referente ao ano letivo de 2016.



2ª fase da Unicamp tem provas de química e física difíceis e contextualizadas (Isto é – Geral – 17/01/2017)

O último dia da 2ª fase do vestibular da Unicamp trouxe provas contextualizadas com assuntos atuais e exigente em Química e Física, segundo professores de cursinho. Os 13.672 candidatos também fizeram a prova de Biologia nesta terça-feira, 17.

As questões de Química e Física cobraram conteúdos clássicos dos vestibulares, mas com uma abordagem contextualizada. “Em Física, por exemplo, a prova cobrou assuntos fundamentais do ensino médio, sem exigir conhecimento específico ou encontrado em notas de rodapé. Muitas questões abordaram novas tecnologias e a mais difícil foi a que abordou física moderna e eletrostática”, disse Daniel Perry, coordenador do Anglo.

MEC abre consulta pública sobre aplicação do Enem em apenas um dia (Isto É – Geral – 18/01/2017)

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) poderá ser aplicado em apenas um dia em 2017. A possibilidade foi levantada pelo Ministério da Educação (MEC) e colocada em consulta pública, aberta hoje (18).

Qualquer pessoa pode participar e tem até o dia 10 de fevereiro para opinar no site do Inep. O edital do Enem 2017 será divulgado, segundo o ministro da Educação, Mendonça Filho, após o encerramento da consulta, ainda no mês de fevereiro.

Atualmente, o Enem é aplicado em dois dias – um sábado e um domingo. A redução nos dias de aplicação, segundo Mendonça Filho, reduziria também os custos com as provas. A prova seria menor e teria, no máximo, 100 questões – hoje são 180 divididas em dois dias. A redação, aplicada no segundo dia de prova, seria mantida.



Refugiados e imigração são temas abordados no 2º dia da Unicamp (Jornal de Floripa – Brasil – 17/01/2017)

O problema dos refugiados e as políticas de controle de imigração por meio de muros como o que o , foram temas abordados no segundo dia de provas da segunda fase do vestibular da Unicamp 2017. Os candidatos responderam questões de geografia, história e matemática nesta segunda-feira (16). O exame começou no domingo (15) e segue até a terça-feira (17). A , mas com um enfoque diferente. Os estudantes foram desafiados a escrever uma carta para discutir a relação estabelecida em um artigo sobre a presença de estrangeiros no Brasil, especialmente de haitianos. Abstenção De acordo com a Comissão Permanente para os Vestibulares da (Comvest) nesta segunda, 13.765 candidatos fizeram as provas. O índice de abstenção foi de 10,6%, número abaixo dos 14,8% registrados no mesmo período do ano passado. Dentre todas as cidades, o menor índice de abstenção registrado nessa segunda-feira foi em Campinas: 7,3% (contra 10,6% no ano anterior). Em São Paulo, a abstenção no segundo dia de provas foi de 11,1% (contra 15,7% em 2016). Neste vestibular, a Comvest informou que tem registrado os menores índices de abstenção dos últimos seis anos. Dificuldade Na avaliação dos estudantes entrevistados pelo G1, as provas de história e geografia tiveram dificuldade média, já matemática foi mais difícil. “Não tava tão difícil, tava um pouquinho mais complicada que a de ontem […] Eles falaram dos refugiados e também sobre a questão de muros. Tinha bastante de atualidades e de história tinha algumas que eu não esperava”, afirma a candidata Letícia Pereira, de 18 anos, que presta ciências sociais. Já Gabriel Albo, de 23 anos, que já cursa física na Unicamp, mas está fazendo vestibular para mudar de curso, elogiou a escolha do tema dos refugiados.



Resultado do Enem 2016 já está disponível na internet (Agência Brasil – Educação – 18/01/2017)

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) liberou hoje (18) o resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016. Os cerca de 6 milhões de candidatos que fizeram as provas já podem conferir as notas na página do participante do Enem. Para acessar, é necessário informar o CPF e a senha escolhida na hora da inscrição.

Os estudantes têm acesso a uma tabela com a nota obtida em cada uma das provas: linguagens, matemática, ciências humanas, ciências da natureza e redação. Eles ainda não têm, no entanto, acesso ao espelho da redação, com a correção mais detalhada do texto, que será divulgado posteriormente.

Só 7,3% dos alunos atingem aprendizado adequado em matemática no ensino médio (Agência Brasil – Educação – 18/01/2017)

Segundo o movimento Todos pela Educação, índice de estudantes com aprendizado adequado aumentou, mas ainda há um gargalo em matemática -Arquivo/Agência Brasil

O percentual de estudantes com aprendizado adequado no Brasil aumentou do ensino fundamental ao ensino médio, de acordo com dados divulgados hoje (18) pelo movimento Todos pela Educação. Persiste, no entanto, um gargalo em matemática, no terceiro ano do ensino médio. Ao deixar a escola, apenas 7,3% dos estudantes atingem níveis satisfatórios de aprendizado. O índice é menor que o da última divulgação, em 2013, quando essa parcela era 9,3%.

O índice é ainda menor quando consideradas apenas as escolas públicas. Apenas 3,6% têm aprendizado adequado, o que significa que 96,4% não aprendem o esperado na escola. “É algo muito frustrante. A gente não está conseguindo avançar na gestão da política pública educacional”, diz a presidente executiva do movimento, Priscila Cruz. “Matemática é uma disciplina cujo aprendizado é muito mais dependente da escola. Se não aprendeu na escola, não aprende na vida. Diferentemente de leitura e interpretação de texto, que é algo que os estudantes acabam praticando fora da escola”, acrescenta.



Quase 90% dos alunos chegam ao ensino médio no Rio sem saber tudo o que deviam (Extra – Notícias – 18/01/2017)

Escola pública: alunos chegam ao ensino médio no Estado do Rio com deficiências de formação

Somente 13,9% dos estudantes de escolas públicas chegam ao ensino médio no Estado do Rio sabendo o que deveriam. Em Português, a situação é um pouco melhor: 30% têm o resultado esperado.

As informações constam de um levantamento feito pelo programa Todos pela Educação, com base nos desempenhos dos estudantes brasileiros nas avaliações oficiais de larga escala (Prova Brasil e Saeb), aplicadas pelo governo federal em todo o país.



Nota do Enem tira o sono dos candidatos e enche redes sociais de memes (UOL – Educação – 18/01/2017)

Estudantes que fizeram o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2016 estão ansiosos para saber as notas individuais que tiraram nas quatro provas que compõem o teste, aplicadas em novembro e dezembro do ano passado, em duas edições. A previsão é que elas sejam divulgadas às 11h30 pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), responsável pela aplicação das provas.

Na segunda-feira (16), o MEC (Ministério da Educação) informou que o resultado, antes previsto para sair na quinta-feira (19), seria antecipado para esta quarta. A divulgação das notas vai acontecer ao mesmo tempo de uma entrevista à imprensa que será concedida pelo ministro Mendonça Filho e a presidente do Inep, Maria Inês Fini comentar a avaliação e falar sobre possíveis mudanças para a edição deste ano.