19/01/2018 / Em: Clipping

 

Vagas remanescentes na Unicamp: veja lista de convocados em 2018 (G1 – Campinas e Região – 19/01/2018)

Matrículas devem ser feitas os dias 24 e 25 de janeiro na Diretoria Acadêmica.

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) convocou 38 candidatos para a matrícula do processo de vagas remanescentes 2018 – cursos sem provas de habilidades específicas-. Os candidatos devem fazer a matrícula entre os dias 24 e 25 de janeiro de 2018 das 9h às 11h e das 13h às 16h, na Diretoria Acadêmica (DAC), no campus de Campinas da universidade. Ainda de acordo com a Comvest, haverá provas de habilidades específicas (que serão feitas juntamente com os candidatos do vestibular 2018) para os cursos de arquitetura e urbanismo, artes cênicas, artes visuais e dança. Estas provas serão entre os dias 22 e 25 de janeiro de 2018. O aluno deve fazer a matrícula com os seguintes documentos relacionados abaixo e com cópias autenticadas ou acompanhadas dos originais.

1 certificado de conclusão do ensino médio;

2 certidão de nascimento ou casamento;

3 cédulas de identidade ou passaporte ou carteiras expedidas por Ordens ou Conselhos reconhecidos por lei ou carteiras de motorista que contenham a foto do candidato;

4 CPF

5 título de eleitor para os brasileiros maiores de 18 anos;

6 certificado de reservista ou atestado de alistamento militar ou atestado de matrícula em Centros de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR) ou nos Núcleos de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR) para os brasileiros maiores de 18 anos, do sexo masculino;

7 histórico escolar completo, com a finalização do 2º período letivo de 2016, contendo notas, unidades de créditos e/ou respectivas cargas horárias das disciplinas cursadas, exceto para alunos de cursos de graduação da Unicamp;

8 programas pormenorizados das disciplinas cursadas e aprovadas ao final do 2º período letivo de 2016, devidamente carimbados e assinados pelas IES de origem, exceto para alunos de cursos de graduação da Unicamp. As assinaturas nos programas das disciplinas devem ser identificadas, ao menos na última folha de cada programa (carimbo do funcionário responsável pela emissão do programa);

9 Apenas para portadores de diploma de curso superior: cópia autenticada ou acompanhada do original dos seguintes documentos: diploma registrado, histórico escolar, programas pormenorizados das disciplinas, com aprovação no histórico (conforme solicitado no inciso anterior), bem como os documentos constantes nos incisos 2, 3 e 4.

Quem se formou pela Unicamp a partir do ano de 2003 e alunos de graduação em curso não precisam entregar os documentos listados acima. Embora não necessitem da documentação acadêmica, eles precisam comparecer para assinatura da lista de presença. As matrículas em disciplinas, dos candidatos aprovados, serão realizadas nos dias 21 e 22 de fevereiro de 2018.

Calendário

24 e 25/1/18: matrícula e solicitação de Aproveitamento de Estudos para candidatos aprovados (cursos sem prova de habilidades específicas)

22 a 25/1/18:provas de habilidades específicas (vestibular), exceto cursos de música

7/2/18:divulgação da lista de convocados para a matrícula (cursos com prova de habilidades específicas)

8/2/18: matrícula e solicitação de Aproveitamento de Estudos para candidatos aprovados (cursos com prova de habilidades específicas)

21 e 22/2/18:matrícula em disciplinas dos candidatos aprovados

 

 

Notas médias no Enem caem em ciências humanas e linguagens, e sobem em matemática e ciências da natureza (G1 – Educação – 18/01/2018)

Resultado foi divulgado nesta quinta e precisa ser consultado individualmente.

O Ministério da Educação (MEC) divulgou nesta quinta-feira (18) o resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017. Na média geral das áreas do conhecimento, houve queda em ciências humanas e linguagens, e aumento em matemática, ciências da natureza e redação em relação a 2016. (confira os gráficos abaixo). Apesar do aumento na média na redação, apenas 53 alunos tiraram nota mil. O número representa uma queda no total, já que no ano anterior foram 77 notas máximas obtidas na prova. O resultado deve ser consultado individualmente: para isso, os candidatos devem acessar a Página do Participante (https://enem.inep.gov.br/participante/) e incluir CPF e a senha cadastrada.

Redação

Das 4,72 milhões de redações corrigidas, 309.157 tiveram notas zero. A fuga ao tema da prova foi o motivo para zerar a redação. Em 2016, apenas 0,78% dos alunos cometeram este erro. Em 2017, o número subiu para 5,01%. Apesar de haver menos “notas mil” em comparação com o Enem do ano anterior, em que 77 alunos tiraram a nota máxima na redação, o rendimento dos estudantes foi melhor. A nota média da redação passou de 541,9 para 558.

 


Redações zeradas no Enem aumentam para 309,15 mil (O Tempo – Brasil – 19/01/2018)

Alta foi de 6%, e especialistas dizem que tema difícil sobre inclusão de cegos na educação pesou

O Ministério da Educação divulgou as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2017). Houve um aumento significativo de redações notas zero em relação a 2016. Com 4.725.330 provas corrigidas no Enem 2017, foram registradas 309.157 notas zero e apenas 53 redações notas mil. Na edição anterior, foram 291.806 notas zero e 77 notas mil, num universo de 6.034.672 provas corrigidas. Para a presidente do Inep, Maria Inês Fini, os índices são de difícil comparação porque as populações que fazem o exame são diferentes, mudam a cada ano. O Enem 2017 foi marcado por uma decisão judicial que, a poucos dias da aplicação da prova, acatou um pedido do movimento Escola Sem Partido proibindo que redações que desrespeitassem os direitos humanos fossem zeradas, como previa o edital. Segundo o MEC, 205 candidatos perderam pontos por esse motivo, mas não foram zerados. “A correção da 5ª competência (que tira pontuação nesses casos) foi normal, não houve drama. A quantidade de candidatos que infringiram essa regra foi ínfimo, perto do total de pessoas que fizeram a prova”, afirmou Maria Inês. Para André Ferreira, diretor pedagógico do Colégio Alfa Cem Bilíngue, um dos motivos que podem ter contribuído para o aumento de notas zero é a precisão exigida pelo tema, “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”. “Se fosse para abordar a inclusão de pessoas com deficiência na cidade, por exemplo, seria um ótimo tema e menos restritivo. Em geral, os candidatos são jovens ainda, estão formando e construindo seus repertórios. Quando se estabelece filtros muito estreitos, pode haver um número maior de jovens se distanciado da nota mil e se aproximando da zero”, diz ele. Considerando apenas os números absolutos, o volume de redações zeradas aumentou 5,94% em relação ao exame de 2016. O percentual em relação ao total é de 6,5%. Segundo o MEC, o principal motivo foi fuga ao tema (5,01% do total). Para o educador Marco Laurindo, isso era esperado. “Isso aconteceu porque o tema abria a possibilidade para os alunos falassem de outros assuntos. Quem não estava tão bem preparado, facilmente caía na tentação de tangenciar o tema, sem de fato abordá-lo”, analisa. Durante entrevista coletiva, o ministro da Educação, Mendonça Filho, anunciou que o calendário do SISU – sistema do MEC por meio do qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas a candidatos participantes do Enem – será antecipado do dia 29 para o próximo dia 23. A nota média dos participantes aumentou entre as edições de 2016 e 2017 do exame, passando de 541,9 para 558, quando a pontuação máxima é de 1.000. Em 2017, o Enem foi aplicado pela primeira vez em dois fins de semana seguidos. Em um dos dias de prova, os estudantes fizeram as redações e, no outro, as provas específicas divididas em três áreas: ciências humanas, matemática e ciências da natureza. A proficiência média dos estudantes de ciências humanas passou de 533,5 em 2016 para 519,3 no ano passado. No caso da matemática, houve um aumento de 489,5 para 518,5, e de ciências da natureza, de 477,1 para 510,6.

Treineiro se sai melhor que formando

Conhecidos como “treineiros”, estudantes que não terminaram o ensino médio em 2017, mas que fizeram o Enem para testar as habilidades tiveram média maior que os concluintes da etapa escolar, ou seja, aqueles que de fato já vão disputar uma vaga nas universidades por meio do exame. A nota foi superior em todas as áreas de conhecimento da prova de 2017. Em Matemática, a diferença dos treineiros chegou a 16,4 pontos – vantagem significativa na seleção para cursos mais concorridos. Enquanto os concluintes do ensino médio tiveram média 522,4 em Matemática, os treineiros alcançaram 538,7. Em Ciências da Natureza, a vantagem deles foi de 10,9 pontos – 519,3 contra 508,4. Na área de Linguagens e Códigos, concluintes tiraram 10,3 pontos a menos que os 516,8 obtidos pelos treineiros, que também ficaram 10 pontos à frente em Redação, na qual tiraram 570,6.