21/05/2009 / Em: Clipping

 


MEC atualiza balanço de instituições que vão aderir ao Enem  (Globo.Com – G1 Vestibular – 20/05/09)

O Ministério da Educação (MEC) informou nesta quarta-feira (20) a posição de mais três universidades federais sobre o uso do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no seu vestibular neste ano. Terminou nesta quarta o prazo para que as instituições informem se pretendem utilizar o exame como fase única do vestibular já neste ano. Confira a tabela abaixo com o levantamento, agora com a inclusão da decisão da Federal do Paraná e da Federal do Amapá. São quatro as possibilidades de se utilizar a nota do Enem: como fase única; como primeira fase; como fase única para as vagas remanescentes, após o vestibular; ou combinado ao atual vestibular da instituição. Neste último caso, a universidade definirá o percentual da nota do Enem a ser utilizado para a construção de uma média junto com a nota da prova do vestibular. Cada instituição de ensino superior divulgará em seus editais em qual formato participará e e se haverá diferenças entre os cursos.



19 federais decidem usar o Enem como vestibular unificado  (Folha de S.Paulo – Cotidiano – 21/05/09)

Pelo menos 19 das 55 universidades federais vão substituir o vestibular pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) ainda neste ano para todas as suas vagas ou parte delas.
A decisão não impede que sejam reservadas vagas para ações afirmativas ou mesmo que parte dos alunos continue sendo selecionada pelo vestibular tradicional. É o caso da Unifesp. Dos 26 cursos oferecidos, 19 selecionarão unicamente pelo Enem. Para o restante, haverá uma segunda fase. Ontem terminou o prazo para a adesão ao sistema unificado de seleção proposto pelo Ministério da Educação. Como ainda há 15 instituições que não decidiram se e como usarão o exame, os números podem mudar. Caso elas resolvam fazer do Enem o seu vestibular, o MEC avaliará a viabilidade de fazer isso ainda neste ano. Entre elas, estão a maior federal do país -a do Pará- e a UFMG, terceira maior. Há ainda cinco universidades que adotarão o Enem apenas como primeira fase, realizando depois uma prova discursiva. É o caso da UFRJ, a segunda maior federal do país. Em outras sete, o exame corresponderá a um percentual da nota. Cinco já decidiram não utilizar o Enem neste ano. O balanço com todas as 55 faculdades está em www. folha.com.br/ 091405. A partir de janeiro, quando as notas forem divulgadas, o candidato fará pela internet sua inscrição em até cinco cursos de até cinco instituições -mas só naquelas que participam do sistema unificado de seleção, que utiliza só o Enem. O sistema vai disponibilizar a nota dos concorrentes. Assim, o candidato poderá mudar suas opções para outros cursos para os quais têm mais chance. Além das 19 federais já existentes, quatro instituições cujo projeto de criação ainda tem de ser aprovado pelo Congresso já decidiram usar o Enem como única forma de seleção -casos da Unila (Universidade Federal da Integração Latino-Americana) e da Uniam (Universidade da Integração Amazônica).



Enem será usado por 41 federais  (Diário de Pernambuco – Brasil – 21/05/09)

Vinte e cinco das 55 instituições federais de ensino superior vão adotar o novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de ingresso, sem combiná-lo a outras fases ou ao vestibular tradicional. Dessas, porém, somente 13 decidiram que a prova será a única forma de acesso às universidades. A demais vão destinar o Enem a um determinado percentual de vagas ou cursos. Ontem foi o último dia para as instituições que aderiram ao sistema unificado se manifestarem oficialmente. Por meio da assessoria de imprensa, o Ministério da Educação (MEC) informou que o órgão não está preocupado com contabilidade e que a necessidade de fixar um prazo justifica-se por questões logísticas. O ministro Fernando Haddad, porém, já declarou publicamente que está satisfeito com a quantidade de adesões, considerando que o projeto foi apresentado oficialmente aos reitores há somente dois meses. No total, 41 federais vão adotar o Enem dentro das quatro possibilidades apresentadas pelo MEC – única forma de ingresso, combinado ao vestibular, para determinados cursos ou vagas remanescentes, e três já avisaram que rejeitaram a ideia. As demais estudam a proposta junto à comunidade acadêmica. De acordo com o 1º vice-presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Edward Madureira Brasil, embora os reitores achem interessante o projeto do MEC, que visa, principalmente, reestruturar o ensino médio, é preciso agir com cautela. “A maioria (das instituições) aderiu, mas parcialmente. Isso é natural porque ainda precisamos sentir o impacto que o Enem vai ter no ensino médio, além de outros fatores.  Edward Brasil, que também é reitor da Universidade Federal de Goiás, diz que os dirigentes das federais estão preocupados com o fato de os estudantes poderem checar, via internet, como está a concorrência para os cursos e só depois disso fazerem sua opção. As instituições que aderirem ao sistema de seleção unificada, ou seja, oEnem como única forma de ingresso, vão informar online quantas vagas têm disponíveis para cada curso, qual o peso de cada uma das quatro áreas do conhecimento que cairão na prova e o número de inscritos. O aluno poderá, assim, simular a inscrição em até cinco cursos ou instituições, durante todo o período em que o sistema ficar disponível. Se um curso ou uma instituição estiver muito concorrido, ele poderá escolher outro. “O fato do aluno ficar testando diversas opções pode não ser bom para o sistema”, alega o dirigente. O próximo passo do MEC é divulgar um simulado, com questões semelhantes às que serão cobradas no exame. A matriz de referência – forma como o conteúdo deve ser cobrado – já está disponível no site www.mec.gov.br. As inscrições para o Enem estão previstas para 15 de junho.