21/12/2010 / Em: Clipping

 


Fuvest e Unicamp divulgam aprovados para a segunda fase (Universia Brasil – Notícias – 20/12/10)

Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular) e Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) divulgaram nesta segunda-feira suas listas de aprovados para a segunda fase do vestibular 2011.  Para os candidatos inscritos para o vestibular da Fuvest, as provas da segunda fase serão realizadas nos dias 09 e 10 de janeiro. Para mais informações e para ver a lista completa de aprovados, acesse o hotsite especial de vestibular do Universia.



5º colocado na 1ª fase da Unesp fez prova da Unicamp no hospital  (IG – Último Segundo/Educação – 20/12/10)

Um problema de hérnia de disco e uma operação na coluna quase fizeram com que Leonardo Zanella, de 20 anos, perdesse os vestibulares nos quais se inscreveu. Prestando engenharia mecânica na Unicamp e na Unesp, em que ficou em quinto lugar na primeira fase, e Engenharia Aeronáutica no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), ele passou por uma verdadeira via crucis para fazer todas as provas. A trajetória começa em janeiro de 2010, quando ele vendeu um Celta 2008 para poder pagar o cursinho e se mudar para São José dos Campos. “Fiz um pré-vestibular especial para o ITA e por isso fiquei desesperado quando quase perdi a prova”, conta. Depois de ficar internado por 10 dias, ligou para a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) e explicou a situação. “Imediatamente eles se prontificaram a resolver meu problema”, diz Zanella. No dia 14 de novembro, data da primeira etapa do exame, um fiscal foi até o hospital em que ele estava e aplicou a prova normalmente, cumprindo o mesmo horário e regras de quem estava nas escolas.



Novo plano para a Educação  (O Estado de S.Paulo – Notas&Informações – 21/12/10)

O Ministério da E d u c a ç ã o (MEC) dispunha de muito tempo para preparar o Plano Nacional de Educação para o período de 2011 a 2020 – que tem de ser anunciado até 31 de dezembro, como determina alei –, mas se atrasou, por causados problemas ocorridos na aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e acabou divulgando um projeto feito às pressas. Com 11 artigos e um anexo de 16 páginas, o texto é uma verdadeira colcha de retalhos. O Plano, que tem de será provado pelo Congresso e pode ser alterado pelos parlamentares, tem 10 diretrizes e 20 metas. As diretrizes foram formuladas com a marca característica do governo do presidente Lula – ou seja, são grandiloqüentes, porém vagas. Elas propõem a “superação das desigualdades educacionais”, a “promoção humanística,científica e tecnológica do País”, a “promoção da sustentabilidade socioambiental”, a “formação para o mercado” e a “difusão dos princípios da equidade, do respeito à diversidade e a gestão democrática da educação”. Várias das 20 metas não passam de simples declaração de intenções. E uma – a que prevê colocar nas universidades cerca de 33% da população entre 18 e 24 anos – limita-se a repetir o que já constava no Plano preparado pelo governo do presidente Fernando Henrique Cardoso para a atual década.Em outras palavras, o presidente Lula teve dois mandatos para alcançar essa meta, não conseguiu e deixou o desafio para a presidente eleita, Dilma Rousseff. O Plano também deixa para ela o cumprimento da promessa feita por Lula no início de seu primeiro mandato, de erradicar o analfabetismo. A maioria das metas propostas pelo MEC se destaca pelo irrealismo. O Plano propõe elevar os recursos públicos do setor, que passariam dos atuais 5,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para 7%. Ele também promete criar planos de carreira para professores, “aproximar”o salário do professorado do de outros profissionais com nível superior (que, em média, ganham 60% a mais), estimular a participação da comunidade na escolha dos diretores de escola e duplicar o número de matrículas no ensino técnico de nível médio.O Plano prevê ainda que 50% das crianças com idade de até 3 anos estejam em creches até o final da década; que todas as crianças sejam alfabetizadas até os 8 anos de idade; que metade das escolas públicas ofereça ensino em tempo integral, com sete horas de duração e que metade dos professores da rede escolar do ensino básico tenha feito mestrado ou doutorado.Para avaliar corretamente o grau de irrealismo desta meta, basta lembrar que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), vinculado ao MEC, divulgou recentemente uma pesquisa mostrando que mais de um terço do 1,9 milhão de professores das redes pública e privada de ensino fundamental e ensino médio não dispõe nem mesmo de diploma universitário. A situação é mais grave nas Regiões Norte e Nordeste, onde 75,2% e 71,5% dos docentes, respectivamente, lecionam sem ter cursado uma faculdade. Para os especialistas em pedagogia, a baixa escolaridade do magistério é um dos problemas mais graves da educação brasileira, que continua muito distanciada dos padrões necessários a uma economia competitiva– como foi evidenciado pelo último levantamento comparativo do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa, na sigla em inglês), divulgado há dez dias. No ranking da pesquisa, que é realizada pela OCDE, os estudantes brasileiros ficaram nos últimos lugares em matemática, ciências e capacidade de leitura. A única novidade do Plano é a proposta de introduzir o “princípio da responsabilidade educacional”na Lei de Ação Civil Pública. A medida, que precisa ser mais detalhada, permitiria ao Ministério Público acionar prefeito se governadores que não cumpram as metas educacionais. Por ironia, as autoridades educacionais do governo FHC chegaram a cogitar dessa medida,mas desistiram de implementá-la por causa da oposição do PT.

Fuvest e Unicamp divulgam convocados para segunda fase  (O Estado de S.Paulo – Vida& – 21/12/10)

A Fundação Universitária para o vestibular (Fuvest) e a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) divulgaram ontem a lista dos candidatos aprovados para a segunda fase do vestibular 2011. A Fuvest chamou cerca de 35 mil candidatos e 2,3 mil treineiros para a próxima etapa da seleção para preenchimento das 10.752 vagas oferecidas pela Universidade São Paulo (USP) e pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. A lista completa pode ser consultada no site da Fuvest (fuvest.br). Os convocados para a segunda fase farão as provas entre os dias 9 e 11 de janeiro. Unicamp. A Unicamp também divulgou a relação dos aprovados para a segunda fase. Foram convocados os candidatos que tiveram nota igual ou maior que 54 pontos na primeira fase, em número mínimo de três e máximo de oito vezes o número de vagas do curso escolhido na primeira opção. As notas obtidas pelos candidatos na primeira fase serão publicadas no site da Comvest (comvest.unicamp.br) a partir de 4 de janeiro. A Unicamp também colocou no site os locais de prova e a relação candidato/vaga. Neste ano, o vestibular registrou um número recorde de inscrições: 57.209 candidatos se inscreveram para concorrer a 3.444 vagas em 66cursos da Unicamp e dois cursos da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp).



Vestibulandos reforçam estudos  (Correio Popular – Cidades – 21/12/10)

Os últimos dias de dezembro podem significar férias para muitos estudantes, mas para os aprovados nas primeiras fases dos principais vestibulares do País são sinônimo de trabalho dobrado. As listas de convocados para a última etapa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Fuvest, que seleciona estudantes para a Universidade de São Paulo (USP), foram divulgadas ontem e funcionam como uma injeção de ânimo para os estudantes enfrentarem a segunda maratona. Eles passaram o ano inteiro estudando com uma rotina que muitas vezes ultrapassava dez horas diárias. Mas, para garantir a aprovação na última fase dos vestibulares, decidiram manter a rotina. É o caso de Bianca Janduci de Sá, de 18 anos, aprovada para a segunda fase da Unicamp e da Fuvest. Além de passar horas e horas revisando conteúdo, Bianca cortou as festas, diminuiu o tempo de visita do namorado e adiou a viagem de férias de toda a família. “Os meus pais conseguiram pegar férias juntos e iam para o Paraná, mas preferiram adiar para me acompanhar”, afirma. Apoio e orientação dos pais também não faltam para os outros candidatos. Sara Sabrina Silva, de 19 anos, vai fazer a segunda etapa dos dois vestibulares. Ela viajou para descansar no litoral com a família, mas levou todos os livros e cadernos juntos. “Continuo fazendo pelo menos três exercícios por dia e só pretendo parar de estudar às vésperas dos feriados”, afirma. A mãe, Cleide Berg, reforça o ânimo da garota. “Oriento-a a não deixara peteca cair. Um pouco amais de estudo é o diferencial entre os candidatos”,diz. Beatriz  Silva Patriarca, de 18 anos, foi aprovada para as segundas fases da Unicamp, Fuvest e Unesp. “A família inteira está acompanhando de perto. Só vamos descansar nos dias das festas”,conta Elizabeth, mãe de Beatriz. A mãe de Bianca completa. “Ela se esforçou e mereceu ir para a segunda fase. Estamos todos dando muito apoio”, afirma.

Orientações

Os especialistas orientam os vestibulandos a estudar, refazer as provas anteriores e ter pensamento positivo. “O conselho é para que os estudantes foquem nas matérias específicas que serão abordadas, utilizem os resumos, refaçam as últimas provas desses vestibulares e treinem redação. Mas como a segunda fase costuma ser muito cansativa, é importante que eles tirem esses dias de festa para descansar, sem cometer abusos”, orienta Célio Tasinafo, coordenador pedagógico do cursinho Oficina do Estudante. A psicóloga e orientadora vocacional do Objetivo, Maria Francisca de Mello, recomenda tranquilidade. “Quem vai fazer mais de um vestibular deve estudar para todos, mas focar os estudos em um deles pode ajudar. É importante ter pensamento positivo, procurar fazer relaxamento e se organizar para o dia da prova”,afirma. Alguns cursinhos preparatórios para o vestibular em Campinas montaram um esquema especial de estudo para os candidatos aprovados para as segundas fases. As aulas de revisão serão realizadas nas primeiras semanas de janeiro e têm como foco a preparação para as questões dissertativas. No Oficina do Estudante, as aulas acontecem entre os dias13 e 18 de janeiro. No Objetivo, de 6 a 14 de janeiro.



Ranking universitário (Folha de S.Paulo – Editorial – 21/12/10)

A comparação das melhores universidades paulistas -USP e Unicamp- com as dez mais bem colocadas no reconhecido ranking Times Higher Education (THE) é reveladora. No cotejamento feito ontem na Folha, salta aos olhos a disparidade entre as verbas de pesquisa que as instituições conseguem atrair. A Universidade Estadual de Campinas, que amargou um longínquo 248º na classificação, contou em 2009 com R$ 248,1 milhões para financiar investigações científicas. As quatro primeiras colocadas -Harvard, CalTech, MIT e Stanford, todas americanas- obtiveram entre R$ 1,2 bilhão e R$ 3,8 bilhões cada. A única com cifra comparável, R$ 300,9 milhões, ocupa a quinta posição, Stanford. Mas só tem 7.500 estudantes de graduação e pós, contra 33 mil da Unicamp. Pior figura faz a Universidade de São Paulo, 232ª colocada no ranking. A principal universidade do país, com mais de 82 mil graduandos e pós-graduandos, não sabe informar qual é a verba de pesquisa que manuseia. Embora o valor de verbas para pesquisa não seja o critério que mais pesa no ranking (5,25% do escore final), trata-se de excelente indicador de prestígio e competitividade. As universidades brasileiras precisam cuidar melhor da qualidade dos dados que coletam e transmitem às organizações classificadoras, para garantir que recebam destaque merecido. As mais destacadas instituições universitárias do país são organizações pesadas e burocráticas, acostumadas ao financiamento garantido pelo dinheiro público. No caso das paulistas, pela parcela fixa de 9,57% da arrecadação do ICMS. À USP cabe pouco mais de 5% do arrecadado e à Unicamp, 2,2% (o restante vai para a Unesp). No ano passado, as duas receberam, respectivamente, R$ 2,89 bilhões e R$ 1,28 bilhões. Para a Unicamp, essa fonte representa 72% do orçamento total. Harvard, em contraste, recebe do Estado menos de 17% de seus recursos. Várias outras características distinguem as universidades paulistas das que estão no topo do ranking. Estas são bem mais antigas, como a britânica Cambridge, fundada em 1209. Cobram mensalidades de seus alunos e têm entre eles mais estrangeiros -até 38%- do que USP (2%) e Unicamp (4%). A comparação direta, nesse sentido, pode ser injusta e até inapropriada. Afinal, análise dos próprios autores do ranking THE indica que as instituições de São Paulo, precisamente por contarem com financiamento assegurado, são as universidades sul-americanas com melhor chance de vir a integrar a classificação das 200 melhores do mundo (em outro ranking, o da Universidade de Xangai, a USP está em 143º). A China tem seis universidades entre as 200 melhores. A Turquia, duas. São países emergentes, como o Brasil, que não têm como escapar da necessidade de gerar tecnologia e inovação. Nossas melhores universidades, USP e Unicamp, precisam tornar-se de fato as instituições de classe internacional de que o país precisa.

Saem as listas da 2ª fase para Fuvest e Unicamp  (Folha de S.Paulo – Cotidiano – 21/12/10)

A Fuvest e a Unicamp divulgaram ontem as listas de aprovados para a segunda fase dos dois vestibulares. Na Fuvest, são 38.151 nomes -35.766 candidatos e 2.385 treineiros. A prova seleciona estudantes que concorrem a vagas na USP e na Santa Casa. Na Unicamp, foram convocados 16.644 candidatos, dentre os 57.209 inscritos.



Unicamp: lista de aprovados já está disponível (Folha Dirigida – Vestibular – 20/12/10)

Já estão disponíveis para consulta a relação dos candidatos aprovados na primeira fase do Vestibular Unicamp 2011, assim como os locais de prova da segunda fase. A lista pode ser conferida abaixo, ou na página da Comvest na internet. Ao todo, 16.644 candidatos foram aprovados para a segunda fase. Este ano, o vestibular registrou um número recorde de inscrições: 57.209 candidatos se inscreveram para concorrer a 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp – Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto. Foram convocados para a segunda fase, os candidatos que obtiverem nota igual ou superior a 54 pontos na primeira fase, em número mínimo de três e máximo de oito vezes o número de vagas do curso escolhido em primeira opção. As notas obtidas pelos candidatos na primeira fase estarão à disposição na internet a partir de 4 de janeiro de 2011. É importante lembrar que os locais de prova são informados individualmente, no momento da consulta à lista de aprovados, através do número de inscrição ou nome do candidato. A Comvest informa que os locais não serão os mesmos onde o candidato realizou a primeira fase.

A segunda etapa do processo seletivo será realizada em três dias consecutivos, de 16 a 18 de janeiro de 2011.

1º dia (16/1) – Prova de Língua Portuguesa e de Literaturas da Língua Portuguesa e prova de Matemática;

2º dia (17/1) – Prova de Ciências Humanas e Artes e prova de Língua Inglesa;

3º dia (18/1) – Prova de Ciências da Natureza.



Unicamp divulga lista de aprovados para 2ª fase do vestibular 2011  (Correio Braziliense – Eu, Estudante – 21/12/10)

A segunda fase será realizada entre os dias 16 a 18 de janeiro de 2011

A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) divulgou nesta segunda-feira (20/12) a relação dos candidatos aprovados na primeira fase do vestibular Unicamp 2011, juntamente com os locais de prova da segunda fase. A lista está disponível no saguão do Ciclo Básico II da Unicamp (câmpus Campinas) e na página da Comvest na internet www.comvest.unicamp.br. Os locais de prova são informados individualmente, no momento da consulta à lista de aprovados, através do número de inscrição ou nome do candidato. 16.644 candidatos estão aprovados para a segunda fase. Este ano, o vestibular Unicamp registrou um número recorde de inscrições: 57.209 candidatos se inscreveram para concorrer a 3.444 vagas em 66 cursos da Unicamp e dois cursos da Famerp – Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto. A Comvest também disponibiliza a tabela com a relação candidatos-vaga para a segunda fase. Foram convocados para a segunda fase, os candidatos que obtiverem nota igual ou superior a 54 pontos na primeira fase, em número mínimo de três e máximo de oito vezes o número de vagas do curso escolhido em primeira opção. As notas obtidas pelos candidatos na primeira fase estarão à disposição na internet a partir de 4 de janeiro de 2011.



Fuvest e Unicamp divulgam convocados para 2ª fase (Jornal Cruzeiro do Sul – Educação – 20/12/10)

A Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest) divulgou hoje a lista dos candidatos aprovados para a segunda fase do vestibular 2011. Foram chamados 38.151 candidatos, entre eles 2.385 treineiros (estudantes que não terminaram o ensino médio). Os demais disputam as 10.652 vagas da USP e as 100 da Santa Casa. As provas devem ocorrer entre os dias 9 e 11 de janeiro. A lista dos convocados pode ser consultada no endereço http://is.gd/j4GaA.



Unicamp divulga lista de convocados para a 2ª fase do vestibular 2011  (Gazeta do Povo – Educação – 20/12/10)

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) divulgou nesta segunda-feira (20) a lista de convocados para a segunda fase do vestibular 2011. Ao todo, 16.644 candidatos foram aprovados para a segunda fase. As provas serão realizadas entre os dias 16 e 18 de janeiro de 2011. No dia 16 será realizada as provas de Língua Portuguesa e de Literaturas da Língua Portuguesa e de Matemática. No dia 17, os candidatos fazem as provas de Ciências Humanas e Artes e de Língua Inglesa. E no dia 18, a prova de Ciências da Natureza. As provas de aptidão, para os cursos que as exigem, serão feitas entre 24 e 27 de janeiro, em Campinas. A primeira chamada será divulgada dia 7 de fevereiro e a matrícula dos convocados em primeira chamada deverá ser feita no dia 10 de fevereiro.