23/04/2019 / Em: Clipping

 

Unicamp registra maior nº de mulheres aprovadas desde 2014 e calouros fora de SP sobem 65% (G1 – Campinas e Região – 23/04/2019)

Universidade contabilizou alta de matriculados com renda familiar de até 2 salários mínimos e atualizou dados sobre ingressantes autodeclarados pretos e pardos e/ou oriundos da rede.

 

A Unicamp encerrou o vestibular 2019 com o maior número de mulheres matriculadas em cursos de graduação em cinco anos e aumento de 65% na quantidade de calouros residentes fora de São Paulo, no comparativo com exame anterior, segundo perfil socioeconômico divulgado na tarde desta terça-feira (23) pela comissão organizadora da prova (Comvest). Além disso, houve alta de 34% em matriculados com renda familiar de até dois salários mínimos e a universidade atualizou os resultados sobre ingressantes autodeclarados pretos e pardos e/ou oriundos da rede pública. O quadro geral de matriculados inclui resultados da modalidade tradicional do processo seletivo e outras formas de ingresso implementadas na edição, entre elas, o vestibular indígena, o ingresso via desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e as vagas reservadas para premiados em olimpíadas ou competições de conhecimentos. Além disso, para tentar elevar a inclusão social, ela ficou marcada por oferecer pela primeira vez a opção de cotas étnico-raciais. O formato tradicional da prova passou a ser aplicado em Salvador (BA) e Curitiba (PR), e foram mantidas na lista da Unicamp, além de São Paulo (SP), outras três capitais: Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Fortaleza (CE). A universidade já definiu o calendário para a edição 2020. O total de mulheres matriculadas em cursos de graduação chegou a 1.435 nesta edição, maior número absoluto desde 2014, quando foram contabilizadas 1.556. No comparativo com o ano anterior, quando foi registrado número mais baixo em 11 anos, o crescimento equivale a 7,5%. Leia mais.

 


 

Calouro da Unicamp é homem, branco, solteiro e financiado pelos pais (Acidade ON – Cotidiano – 23/04/2019)

Perfil divulgado nesta terça-feira (23) mostra características dos universitários que entraram na Unicamp em 2019

O perfil padrão dos calouros da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) é o homem de 19 anos, com cor de pele branca e que não trabalha, tendo os gastos financiados pela família. Apesar disso, houve aumento de 0,9 ponto percentual de ingresso de mulheres, revertendo uma queda que estava ocorrendo segundo a Unicamp (leia mais abaixo). Os dados foram divulgados nesta terça-feira (23) pela Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares) da Universidade. Este ano foi o primeiro vestibular com cotas da Unicamp (leia mais abaixo). Segundo os dados, 58% dos calouros são homens e 28,6% do total de estudantes têm 19 anos. Em segundo lugar, com 27,2%, aparece a faixa etária de 18 anos. Já o estado civil da maioria é solteira (97,2% do total).  Sobre o perfil econômico desses estudantes, a Unicamp mostra que a maioria dos calouros tem renda familiar de 3 a 5 salários mínimos (até R$ 4,9 mil) e eles, na maioria (78,8%) não precisa exercer atividade remunerada. Com isso, 80% dos calouros têm os gastos financiados pelos pais – que têm em sua maioria ensino superior completo (24,7%). Neste ano, apesar da maioria dos calouros serem homens, houve aumento no ingresso de mulheres da Unicamp. Neste ano, 41,9% dos ingressantes são do sexo feminino. Já no ano passado, a porcentagem era de 40,1%. “Em número absoluto se vê o impacto, pois são mais de 100 mulheres calouras. E revertemos a tendência de queda que vinha ocorrendo. Para a Unicamp é importante, pois metade das vagas é para cursos como engenharia”, analisou o coordenador executivo da Comvest, José Alves de Freitas Neto. Leia mais.